No ritmo atual da construção naval chinesa, a China está em vias de possuir a maior capacidade de projeção de poder com porta aviões, além dos EUA, na década de 2030.

Type 001A - Novo porta aviões da PLA Navy ainda sem nome.

Por Nick Childs

O primeiro porta-aviões construído na China – e o segundo em geral – acaba de concluir seus primeiros testes marítimos amplamente divulgados. Provavelmente ainda está a dois anos de serviço operacional, e seu potencial operacional ainda pode estar muito abaixo dos porta-aviões da Marinha dos EUA. No entanto, sua viagem inaugural, juntamente com a atividade da aviação naval da China, ressalta a seriedade aparente de Pequim no desenvolvimento de uma capacidade significativa em porta aviões, com a Marinha do Exército Popular de Libertação (PLAN) está fazendo progressos consideráveis, em um ritmo não insignificante.


Cópia aproximada, mas ligeiramente modificada, de seu antigo navio quase soviético, o Liaoning (CV 16), que está em operação desde 2012, o novo porta aviões da PLAN ainda não tinha nome, pelo menos publicamente, quando foi posto no mar pela primeira vez. Seu primeiro conjunto de testes, com duração de cerca de uma semana, foi claramente limitado.

Como o Liaoning , o deslocamento de carga total relativamente restrito do novo navio (cerca de 65.000 toneladas), bem como sua propulsão convencional e seu Ski-Jump (em vez de catapultas) para o lançamento de aeronaves, limitam sua capacidade sem a energia nuclear. Porta aviões de 100.000 toneladas, como o mais recente classe Nimitz e o USS Gerald R. Ford. Mas para destacar, tudo isso junto com as ambiciosas expectativas das operadoras da China na próxima década, ainda está muito aquém do poder de fogo da Marinha dos EUA, ou mesmo a capacidade dos Estados Unidos de combate.

Força de porta aviões em desenvolvimento da China

No início dos anos 2020, a China planeja ter dois porta aviões em operação. Um terceiro, que se especula ser maior e equipado com catapulta magnética, é amplamente divulgado como estando em construção, e outros estão previstos para serem seguidos. De fato, dada a taxa de construção naval chinesa nos últimos anos, uma força de cinco ou seis porta aviões até 2030 não seria irreal.

Esse cenário proporcionaria à China uma maior capacidade de projeção de poder de porta aviões do que qualquer outra nação, além dos EUA. No que é um clube de operadores de porta aviões muito seleto, a Índia e o Reino Unido são as únicas outras nações (além, é claro, dos EUA) que provavelmente estarão operando mais de um desses navios antes do final dos anos 2020.

À medida que a PLAN constrói sua capacidade em porta aviões, o impacto desses desenvolvimentos nos cálculos de outras nações, tanto os vizinhos quanto aqueles mais distantes, provavelmente será considerável. Embora eles não sejam porta aviões de um Grupo Tarefa (Strike), no sentido norte-americano, os porta aviões da PLAN vão proporcionar maior capacidade para operar de forma independente na gama de, por exemplo, porta aviões de 20.000 toneladas da Royal Navy classe Invincible, que permitiram que o Reino Unido projetasse poder naval credível globalmente no passado.

O Liaoning, originalmente classificado como um porta aviões de treinamento, agora é visto como tendo um potencial operacional genuíno. Seu grupo aéreo de asa fixa observado regularmente, compreendendo, até agora, não mais do que oito aeronaves J-15 de Shenyang, na melhor das hipóteses, poderia gerar apenas uma capacidade de combate rudimentar, talvez não mais que autodefesa limitada, contra oposição modesta. Mas o navio poderia acomodar mais aeronaves. Também realizou recentemente ‘exercícios de combate’ com um grupo potencial de navios de escolta. Além disso, com o advento do novo cruzador? (este navio é considerado um destroyer pelos chineses) Type-055, a PLAN está melhorando ainda mais a sua capacidade de gerar um grupo de projeção de poder.

Desenvolvimentos de Aviação Naval

Claramente, o Liaoning fornece uma importante plataforma para treinamento em aviação naval, já que a PLAN constrói sua experiência em operações de asa fixa e rotativa no mar. O primeiro J-15, na verdade uma cópia não licenciada da célula russa Su-33 Flanker D, operou no Liaoning pela primeira vez em 2012, enquanto uma variante de dois lugares, que também poderia fornecer a base para um caça multi-role que está agora nos últimos estágios do teste de vôo. Um protótipo de aeronave de treinamento avançado, o J-15S, também voou no porta aviões, assim como o que parece ser uma aeronave de ataque eletrônico dedicada, o J-15D. No entanto, o status operacional do J-15S, em particular, é incerto.

Acredita-se que a fábrica de Shenyang tenha construído inicialmente 24 J-15 de assento único, embora alguns tenham sido perdidos em acidentes. Em maio de 2018, a mídia estatal chinesa mostrou pela primeira vez, os J-15 operando durante o treinamento de operação noturna, uma das mais desafiadoras rotinas da aviação aérea.

Ao contrário do Su-33, inicialmente destinado apenas ao combate ar-ar na tarefa de defesa da frota, o J-15, desde o início, parece ter também desempenhado um papel de ataque à superfície. A mídia chinesa publicou em 2016 que um J-15 lançado pelo porta aviões, estava sendo usado para disparos com o míssil anti-navio YJ-83K. A aeronave é mais comumente conduzida por rodadas de treinamento dos mísseis ar-ar guiados por radar ativo de curto alcance e PL-12 PL-8 (AAMs). A capacidade ar-ar do J-15 seria melhorada ainda mais se o AAM PL-15 guiado por radar ativo, que ainda precisa entrar em serviço, mas tem uma faixa de engajamento consideravelmente maior do que o PL-12, fosse integrado na aeronave.

Juntamente com a experiência adquirida em operações de aeronaves de asa fixa, o Liaoning também foi visto com os helicópteros de guerra anti-submarino Z-18F e o Z-18J de alerta antecipado aéreo (AEW) embarcados, enquanto o menor, Z-9 foi usado como helicóptero de guarda durante operações de lançamento e recuperação de aeronaves. O Z-18F e o Z-9 também são capazes de transportar mísseis anti-navio. Um modelo de uma aeronave AEW de asa fixa, com dois turbopropulsores, também foi visto, embora esse desenho provavelmente seja destinado ao porta aviões com lançamento através de catapultas.

Em suma, apesar dos inquestionáveis ​​desafios, as implantações e operações de porta aviões chinesas poderão testemunhar algumas mudanças importantes nos próximos anos, especialmente quando o segundo navio entrar em serviço. Dado o padrão de outras atividades recentes do PLAN, isso poderia incluir o alcance no qual Pequim está preparando para implantar esses navios.

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: DAN

FONTE: iss.org



 

5 Comments

 

  1. 11/06/2018  15:06 by Agnelo Moreira Responder

    Uma questão importante é q, pela falta de ameaça iminente, a China pode treinar bastante até ter sua capacidade operativa completa.
    Obviamente, não se pode compara tanto um PA desse com um Super Carrier, mas é grandioso se copmparado a qq outra Armada.
    Um fato importante é a falta de uma Anv AEW. Julgo como fundamental em um NAe, com o exemplo histórico do q houve nas Malvinas.
    Sds

  2. 10/06/2018  9:25 by Iwan Responder

    Por enquanto chineses tem somente imitação dos porta-aviões. É um Kuzniecow melhorado. Em nenhuma situação este “anão” não pode ser chamado de porta aviões. Para os chineses poderem ser considerados pares para marinha americana vai passar muito tempo. Rússia tentou-o isso durante todos os anos da guerra fria e somente em um esquésito chegou perto. Submarinos nucleares. Hoje somando todas as marinhas do mundo não estão com mesmo potencial que uma única US Navy.

  3. 10/06/2018  5:24 by filipe Responder

    Na pratica o USS Tripoli é um autentico NAE, é como no Atlântico, a prioridade é o desembarque Aereo, no contexto actual já não temos grandes desembarques em praias , tudo se resolve no Ar...

    • 10/06/2018  13:00 by Dalton Responder

      Mas...se assim fosse o terceiro navio da classe também seria construído como os dois primeiros...e o segundo o "Tripoli" já estava em adiantado processo de construção para se fazer modificações quando se percebeu que seria errado continuar na linha de não se ter uma doca...só o terceiro navio que será chamado "Bougainville" trará o melhor da classe Wasp combinado com o melhor dos 2 primeiros da classe América.
      .
      Mesmo grandes helicópteros de carga possuem limitações quanto ao que pode ser enviado à terra.

  4. 09/06/2018  10:25 by Dalton Responder

    Também encontra-se em construção um grande navio de assalto anfíbio,. LHD, na terminologia da US Navy que terá
    o tamanho de um da classe "Wasp" e embora atualmente não exista nada similar ao AV-8B ou F-35B que operam das
    unidades da US Navy isso poderá mudar no futuro se a China vier a possuir aeronaves similares.
    .
    A US Navy aparentemente errou ao excluir uma doca alagável no USS América comissionado em 2014 e também no
    futuro USS Tripoli que deverá ser entregue ainda no fim desse ano para ser comissionado em 2019 para garantir um maior
    suprimento de combustível para os F-35B e MV-22B, mas, isso será revertido no terceiro da classe que deverá ser entregue
    em 2024...terá uma doca menor que a do "Wasp" garantindo ainda uma boa reserva de combustível, uma área ligeiramente
    maior para estacionamento de aeronaves, superestrutura modificada, mas, mantendo a mesma capacidade de manutenção
    de aeronaves, muito melhorada em relação à classe "Wasp".

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.