Os contatos foram detectados por navios da força naval depois que a Rússia deixou a tarefa de busca. Alguns são praticamente descartados porque supostamente são “elementos rochosos”.

Por Bruno Yacono

Como o navio oceanográfico russo “Yantar” abandonou a busca por ARA San Juan em 2 de abril, a Marinha Argentina reuniu 12 indicações sobre o local onde o submarino desaparecido poderia ser encontrado a partir de 15 de novembro de 2017.



A TN.com.ar aprendeu isso ao acessar um mapa preparado pelas autoridades da Base Naval de Mar del Plata que detalha os contatos que ainda não foram investigados. É que a corveta Robinson e o contratorpedeiro Argentina, que encontraram a maioria dos sinais, contam apenas com um sonar e não carregam elementos submersíveis com os quais os elementos pudessem ser analisados ​​nas profundezas do mar. Estritamente falando, alguns dos pontos já foram praticamente descartados quando se trata de elementos rochosos, segundo fontes da Marinha.

Todas as informações coletadas nesses quase 60 dias, será entregue para as duas empresas que estão competindo para ganhar o concurso para encontrar o submarino e o resultado será conhecido em uma semana, depois que o Ministério da Defesa adiou a decisão final, que provocou ainda mais raiva nos familiares.

O mapa

O mapa com as indicações que a Marinha fez

Ele é dividido por áreas e todos os contatos ocorreram em áreas PAPA 1 e 2. O primeiro foi onde as duas implosões ocorreram, segundo informou Chefe de Gabinete Marcos Peña que teria afetado o submarino, segundo registros. Os sinais são representados por pequenos pontos pretos rodeados por um círculo vermelho.

Peña respondeu que havia duas implosões na ARA San Juan.

Peña respondeu que ocorreram duas implosões no ARA San Juan.

Também é detalhado o nome do navio que deu o contato, as coordenadas, a profundidade e as dimensões do elemento. Essa é toda a informação que a Marinha está em condições de passar, se levarmos em conta a falta de tecnologia e a falta de manutenção de suas unidades.

A Marinha continuou a busca pelo submarino, mas seus barcos foram danificados.

A Marinha continuou a busca pelo submarino, mas seus barcos foram danificados

Nos últimos dias, a Corveta Meko 140 Robinson teve que empreender o retorno à base naval de Puerto Belgrano devido a problemas em um gerador de energia, segundo o Clarín . Este navio chegou à área de busca para substituir o contratorpedeiro Sarandí, que também abandonou as tarefas de busca devido a problemas técnicos. O Comando de Operações de Treinamento e Alistamento (COAA, na sigla em inglês) não informou até agora qual embarcação tomará seu lugar na busca. Desta forma, neste momento, nenhum navio procura pelo ARA San Juan.

Com essas informações como ponto de partida, a SEA ou a Ocean Infinity começarão a procurar a unidade naval. Eles terão quatro meses para “uma identificação visual (foto ou vídeo)” do ARA San Juan, embora pudessem fazê-lo em menos tempo, como disse Hugo Marino , o homem que prometeu para encontrar -los em 100 dias.

Atraso na definição

O Ministério da Defesa adiou ontem a decisão final sobre a empresa que buscará o ARA San Juan. A comissão que estudou as ofertas levará entre uma semana e dez dias para definir o vencedor do concurso.

Duas empresas pretendem continuar com a tarefa: a Aquatic Electronic Systems (SEA), do venezuelano Marino, e a Ocean Infinity, que participaram da busca do avião da Malaysia Airlines. As autoridades já começaram a avaliar a documentação e as empresas foram solicitadas a apresentar uma declaração por meio da qual se comprometerão a empregar pessoas com deficiência.

FONTE: TN.com.ar

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: DAN

COLABOROU: Angelo Almeida


 

2 Comments

 

  1. 03/06/2018  12:19 by Luciano Andrade Responder

    Sempre me preocupei c/ as pessoas c/ deficiências, tive/tenho pessoas c/ diversos graus de deficiências ( familiares, colegas de trabalho e estudos ), mas em um caso tão específico incluir a exigência de se empregá-los me parece um exagero. Cada vez mais me parece que o 'bom senso' entrou em extinção.

  2. 03/06/2018  11:36 by Larri Gonçalves Responder

    É triste a situação das embarcações da Armada Argentina, nem para busca servem, porque apresentam problemas de falta de manutenção e degradação tecnológica, que sirva de alerta a MB, pois para manter uma esquadra atualizada e aprestada é preciso recursos, coisa que não pode faltar, caso contrário é melhor ter uma guarda costeira efetiva, se não pode manter uma Marinha em condições.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.