Após várias semanas de rumores na imprensa, o governo argentino finalmente confirmou que estuda adquirir quatro navios de patrulha oceânicos L’Adroit OPV 90 junto à França por 300 milhões de euros.

A ideia é colocar os navios para monitorar os recurso da área marítima do país sul-americano, para que eles não sejam explorados por navios estrangeiros sem autorização.

Esta semana, o até então ministro da Defesa, Julio Martínez, que deixa o cargo na sexta-feira para concorrer nas primárias para as eleições do poder legislativo, admitiu em declarações à imprensa que este projeto está no “plano pluri-anual” e está atualmente “em estudo” para que seu sucessor, Oscar Aguad, e sua equipe “continuem a trabalhar” nele.

Dezoito meses de negociações

Como Infodefensa.com revelou em outubro passado, esta aquisição foi ventilada em fevereiro de 2016, quando o estaleiro francês DCNS, agora Naval Group, enviou o navio para uma visita operacional por vários países da América do Sul e começou a considerar formalmente, apresentar uma proposta para a Argentina para a construção conjunta destes quatro navios de patrulha oceânicos. No entanto, rumores sobre sua realização ganharam força nas últimas semanas depois que o jornal Le Tribune publicou que a França estava “pronta” para vender estes OPV.

A ideia é que os dois primeiros sejam construídos no país europeu e os dois restantes, com tecnologia francesa, no Complexo Industrial Naval Argentino (Cinar), uma empresa estatal (90%) e de seus trabalhadores (10%), que consiste nos estaleiros Dársena Navales Norte (Tandanor) e Almirante Storni.

Tal como foi confirmado pelo Cinar para Infodefensa.com, a parte técnica do projeto já foi estudada pela Marinha Argentina, mas os dois governos ainda estão “em conversações” porque a arquitetura para o financiamento leva tempo e requer que o banco que dará o crédito verifique certas garantias.

A Argentina perde até 800 milhões de dólares por ano devido à caça furtiva de lulas por embarcações estrangeiras. Para evitar isso e promover as exportações, a Marinha precisa de aumentar a sua presença e segurança na Zona Econômica Exclusiva do país com esses navios de patrulha oceânicos de 90 metros de comprimento.

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: DAN

FONTE: Infodefensa

 

15 Comments

 

  1. 14/07/2017  20:35 by Adriano Madureira

    Para quem não dispõe de grande orçamento,esse navio é ideal...

    Deve ser mais bem armado que nossas amazonas.

  2. 14/07/2017  21:24 by Fabio Aguiar

    Até na Argentina estão "caçando Lula"!

  3. 14/07/2017  23:07 by claudio quadros

    Amazonas mais forte Rápida .

  4. 15/07/2017  0:01 by BrasileiroDeVerdade

    Deslocamento
    1450 t cheio.
    Dimensões
    Comprimento 87 m.
    Boca 11 m.
    Calado 3.3 m.
    Armamentos
    1*20 mm - canhão.
    2*.50-calibre - metralhadora.

  5. 15/07/2017  9:02 by Leonardo Rodrigues

    Prefiro a nossa amazonas. Só não pode ficar desdentada como as vezes as bixinhas ficam.

  6. 15/07/2017  11:00 by _RR_

    Adriano Madureira.

    Atualmente, os exemplares da classe Amazonas são mais bem armados.

    Ocorre que, segundo informações divulgadas, esse vaso francês pode deter as provisões para receber mísseis 'Exocet', tornando-os aptos a luta contra embarcações ( ASuW ). Também é óbvio que podem receber armas de cano maiores e melhores ( ao menos um canhão de 76mm no lugar da peça de 20mm ).

    A capacidade de operar até com um 'Super Lynx' embarcado também é muito interessante. No caso argentinos, creio que poderiam operar os seus 'Fennec' com tranquilidade.

  7. 15/07/2017  12:08 by Adriano Luchiari

    São mais "fracas" que os nossos classe Amazonas entretanto, em tempos de paz, são os meios ideais para fiscalização de ZEE e mostrar bandeira.

  8. 15/07/2017  12:17 by ariel

    os argentinos afundaram com uma .50 um pesqueiro chines, imagina que vão fazer com estas naves.

  9. 15/07/2017  14:07 by Renato

    Se perdem 800 milhões de dólares por ano, não sei o que estão esperando.
    Poderiam mandar construir a primeira é já ir pagando.
    Construiu, pagou, recebeu.
    Não se pode esperar demais.
    O tempo urge.
    80 milhões de euros não devem ser nada do outro mundo.
    Poderiam pagar em trigo.

  10. 15/07/2017  16:20 by Filipe Prestes

    Já não levo mais fé em nada que se tenha escrito "Argentina" e "adquirir" na mesma frase. Anteontem, mais uma vez, a novela dos Super Etendard teve um revés e o governo argentino decidiu-se por não comprar nem mesmo as unidades usadas do SEM da Marinha Francesa.

    Se por aqui a situação é periclitante, por lá a tragédia dos parcos orçamentos é tão ruim quanto aqui ou talvez ainda pior. Do jeito que vai a coisa, a FAA caminha para ser um aeroclube e não creio que a Marinha argetina tenha melhor sorte, pois a fatoa do orçamento dessa força especificamente, é igualmente pequeno como as demais. Portanto, para qualquer força militar argentina anunciar que "estuda adquirir" algo, penso que isso deve see visto com certo ceticismo e ressalva.

  11. 15/07/2017  18:52 by Kemen

    Tanto as LÁdroit OPV-90 quanto a Amazonas (River batch 1) se equivalem as diferenças são pequenas, as Amazonas são maiores (mais conforto no mar bravio), mais rapidas porem tem alcance menor que as francesas, entretanto as nossas podem ficar 35 dias no mar, as francesas 30 dias, em armamento um canhão de 30 mm e a francesa um canhão de 20 mm, são patrulheiras oceanicas nada mais, as metralhadoras das River são .25 e a L´Adroit .50, o que me lembro é que foi um negócio de oportunidade a marinha pagou muito pouco acredito que se a argentina comprar as LÁdroid OPV-90 vai pagar caro ainda mais querendo montar duas em seu estaleiro, as duas podem levar helicóptero a francesa todavia deve ter um pequeno hangar. As River batch 3 são as mais desenvolvidas e tem hangar porem são mais caras.

  12. 15/07/2017  18:59 by Adriano Madureira

    Obrigado pela informação RR...

  13. 15/07/2017  23:19 by Cláudio quadros

    Eu acho que navios se mesmo cedido p Uruguai Argentina vai usar barco patrulhar barco de pesca.

  14. 16/07/2017  0:33 by FCarvalho

    300 milhões de euros e nós aqui com um projeto de NaPaOc BR praticamente pronto com uma demanda inicial para 5 undes e pelo jeito só olhando,,,,
    a gestão da nossa defesa devia voltar para o primário em termos de relações comerciais e relações internacionais.
    mas fazer o quê... se não rola nem para a MB, imagina vender para os outros.

  15. 16/07/2017  13:43 by Kemen

    Esclarecimento, o canhão de 76 mm é armamento das corvetas Gowind, (1000 ou 2500) não se aplica aos Gowind OPV-90 Patrol Vessel RR.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.