HMNB Devonport - Plymouth - UK

Por Luiz Padilha

A Babcock International através de sua infraestrutura de engenharia naval em Devonport (Plymouth), manteve o ex HMS Ocean (L 12), durante seus 20 anos de vida operativa na Royal Navy, com serviços de engenharia, tecnologia, consultoria de equipamentos e treinamento. Com farta experiência na manutenção dos navios da Royal Navy e em especial no ex HMS Ocean, a Babcock foi contratada para dar prosseguimento nas manutenções que estavam previstas antes da venda do navio para a Marinha do Brasil, com isso, o Porta Helicópteros Multipropósito Atlântico (A 140), terá seus custos de manutenção reduzidos significativamente no futuro.

Ainda como HMS Ocean, o navio já sem o CIWS Phalanx entrando no dique seco



Aproveitando toda essa infra-estrutura, o PHM Atlântico recebeu durante 4 longos meses, todo o suporte dedicado que a empresa pôde oferecer através de soluções de engenharia, realizando todas as revisões necessárias para que o navio possa seguir para o Brasil em plenas condições de operar por um longo tempo junto à Esquadra.

A empresa possui um sistema de suporte de manutenção de engenharia de serviços ao cliente, o qual inclui uma equipe de reação rápida para lidar com problemas que possam surgir em navios de guerra operacionais em qualquer parte do mundo. A Babcock espera assim, poder fornecer suporte durante toda a vida operativa do novo capitânea da MB, apoiando e incrementando sua capacidade naval no Brasil.

O futuro PHM Atlântico sendo levado para o cais após sair do dique seco

Após sua incorporação, realizada no último dia 29 de junho, o PHM Atlântico seguirá para um treinamento na Inglaterra chamado FOST (Flag Officer Sea Training), que tem características semelhantes ao CIASA (Comissão de Inspeção e Assessoria de Adestramento), realizado pela Marinha do Brasil. Neste treinamento que entre porto e mar pode levar até 15 dias, o objetivo é prover treinamento operacional à tripulação do navio, sendo ministrado por uma equipe de especialistas da Royal Navy. O FOST na Royal Navy tem total responsabilidade pela manutenção dos padrões de treinamento naval, buscando a excelência em operações, realizando inspeções de prontidão para certificar que as tripulações e os navios estejam suficientemente preparados para suas futuras missões.

O PHM Atlântico e seu retrofit

A convite da Babcock do Brasil, o editor do Defesa Aérea & Naval – DAN, viajou até a HMNB Devonport, na cidade de Plymouth, onde foi recebido pelo comandante CMG Giovani Corrêa, dando ao DAN as boas vindas a bordo.

Após o embarque no navio, é possível observar a movimentação do pessoal da empresa a bordo trabalhando para entregar o navio dentro do prazo. O comandante então designou o CF Rodrigo de Mello Francesconi, CHEMAQ do navio, para mostrar o status de todos os equipamentos que foram revisados.

Descendo 5 andares chegamos a praça da redutora de bombordo, totalmente revisada e pronta para entrar em uso. Uma coisa que chama a atenção, é que em outros navios, normalmente a redutora fica acoplada ao MCP (Motor de Combustão Principal), e no PHM Atlântico ela fica em outro compartimento, característica do projeto inglês.

       

Na praça de MCP e MCAs de bombordo, o CF Francesconi informou que os 2 motores S.E.M.T. Pielstick V12 se encontram 100% revisados e já testados no cais. Perguntei como era feito este tipo de teste no cais e ele me informou que tanto pode ser feito sem o uso da engrenagem redutora, como pode ser feito com ela acoplada. Mas neste último caso, apenas em potência reduzida para verificar os parâmetros iniciais dos motores a pequenas cargas, pois o teste real será no mar quando então todo o sistema será exigido 100%.

        

Ouça abaixo o som do MCP e dos MCAs do navio em funcionamento

Ao lado do MCP de bombordo tem 2 MCAs (Motor de Combustão Auxiliar) Rouston, neste caso os n° 3 e 4. Os quatro MCA foram totalmente revisados e encontravam-se em fase final de testes.

       

Na sequência da visita, chegamos ao CCM (Centro de Controle de Máquinas) do Atlântico que ainda estava guarnecido pela tripulação inglesa (o navio ainda não tinha sido comissionado), e a tripulação brasileira trabalhando junto, absorvendo através do dia a dia todo o conhecimento para assumir o CCM em definitivo após o comissionamento.

        

Dentro das praças de máquinas do navio, o cabeamento que passa pelo teto do navio proporciona um dado interessante. Quando um tripulante do departamento de máquinas precisa ir para uma das praças, ele utiliza um fone de ouvido sem fio, e ao entrar na praça de máquinas onde o som dos motores é altíssimo, o tripulante passa a ouvir claramente as informações vindas do CCM.

Painel do Controle de Propulsão

A Babcock colocou a bordo do navio além de engenheiros e técnicos, três tradutoras para facilitar o entendimento da tripulação brasileira na passagem de instruções sobre equipamentos do navio. Sem dúvida, algo muito importante e segundo o CF Francesconi, esta interação ocorreu muito bem.

Painel de Controle de Avarias - CAV

Navio Ecológico

O navio está equipado com 2 sistemas de Osmose Reversa, que suprem o navio e também podem em caso de necessidade, suprir localidades que venham a sofrer a falta de água potável durante situações de calamidade advindas de desastres naturais por exemplo.

GOR - Grupo de Osmose Reversa

        

Atravessando a praça de máquinas passamos por acumuladores de ar comprimido, purificadores de óleo e JP5, resfriadores das URAS e chegamos ao sistema de tratamento de esgoto do navio. O Membrane Bio-React foi desenvolvido para processar o esgoto produzido pelo navio, tratando a parte líquida para descarte e a sólida sendo enviada para um tanque contendo  bactérias, que irão se alimentar dos resíduos sólidos. Por esta razão não é permitido que se jogue qualquer produto químico ou sólidos como fio dental nos vasos sanitários.

          

     

O navio é ecologicamente correto, e esse sistema por ser muito sensível é necessária muita atenção para preservar as bactérias ativas. O controle do tanque de tratamento onde as bactérias atuam, precisa estar na temperatura adequada para que elas não morram e deixem de se alimentar do subproduto sólido que o sistema produz. A Royal Navy instalou 2 aparelhos de ar condicionado novos no Atlântico e as futuras tripulações ao embarcar no navio, deverão ser instruídas para não comprometer esse sistema.

A praça da máquina do leme do navio parece ter sido construída recentemente, não aparentando a idade do navio. O sistema possui controle de comando duplo, caso ocorra uma pane no passadiço, o governo do navio pode ser executado no local.

       

O navio conta com uma Unidade de Filtragem de Ar preparada para a guerra NQBR (Nuclear, Química,Biológica e Radiológica), protegendo a tripulação no caso de um incidente que venha a contaminar o navio.



O guindaste do navio, os Turcos que receberão as LCVPs MK5 e os motores dos elevadores de vante e de ré, foram todos revisados e aprovados, o que como dito anteriormente, irá proporcionar ao navio seu uso prolongado pela Marinha.

     

Assista abaixo um dos muitos testes dos elevadores do PHM Atlântico

Um dia antes do comissionamento do navio, a primeira LCVP MK5B embarcou no navio e os fuzileiros a bordo providenciaram rapidamente uma limpeza geral na embarcação, que estava bem “carimbada” pelas dezenas de gaivotas que vivem nas cercanias da base naval de Devonport.

       

Primeira LCVP a ser embarcada no PHM Atlântico. Outras 3 serão embarcadas para o navio iniciar o FOST

E assim termina a primeira parte de nossa visita ao PHM Atlântico. No próximo artigo, abordaremos outros departamentos que compõem o navio.

  Para saber mais sobre a empresa, clique no logo acima.



 

24 Comments

 

  1. 07/07/2018  19:54 by Wolfpack Responder

    A matéria mais completa já feita sobre o PHM Atlântico. Excelente fotos, parabéns.

    • 07/07/2018  20:27 by Luiz Padilha Responder

      Aguarde que vem mais.

  2. 06/07/2018  22:31 by Rafael Responder

    Positivo Padilha TKS

  3. 06/07/2018  18:49 by Rafael Responder

    Parabéns Padilha pelas fotos/matéria , eu tenho algumas dúvidas a primeira delas é com relação a quantidade de helicópteros que ela pode hangarar são 18 mesmo? Ou seriam 12 no hangar e 06 no convoo , outra questão é a quantidade maxima de militares que ela pode levar são mais ou menos 1.300? É última questão é na rampa traseira ela aguenta os clanfs ?

    • 06/07/2018  22:00 by Luiz Padilha Responder

      Rafael, no convoo operam até 7 aeronaves. No hangar depende do modelo que estará operando. De 12 até 18 mas depende dos modelos. A tripulação orgânica deverá ser a mesma que o navio embarcava na RN, em torno de 435. O navio pode receber em torno de 800 FN. A rampa traseira não foi feita para suportar o Clanf.

  4. 06/07/2018  15:35 by _RR_ Responder

    Caro Padilha,

    Excelente matéria. Parabéns pelas muito boas fotos. O navio é belíssimo.

  5. 06/07/2018  13:34 by Pablo Responder

    A matéria e as fotos não há o que discutir sobre a qualidade, mas Padilha, tu estando lá no navio qual foi sua impressão a respeito?? realmente está em boas condições???

    • 06/07/2018  14:31 by Luiz Padilha Responder

      Excelente. 20 anos com cara de 10. Muito novo mesmo.

      • 06/07/2018  17:53 by Pablo Responder

        Que bom, espero que sirva a nossa marinha por pelo menos mais uns 20 anos.

  6. 06/07/2018  8:49 by willhorv Responder

    A gente acostuma a ver os navios por fora e esquece da parafernalha que tem dentro. Kkkkk
    Que legal!!
    Quadro cinótico das avarias!? O simples que funciona!
    Ansioso para vê-lo em Santos. Espero que breve em uma visita da esquadra rejuvenescida com o Atlântico.

  7. 06/07/2018  6:12 by Marcelo Responder

    Parabéns Padilha, excelente matéria! Falando em Babcock e Devonport, vc teve oportunidade de ver um pouco do processo de modernização das Type 23? Como está o estado desses navios? Sabemos que oficialmente esses navios ainda vão demorar um pouco para serem decomissionados, mas extra oficialmente, vc ouviu algo que possa compartilhar? Com a crise de orçamento e de pessoal na RN e com uma unidade das Type 23 sempre encostada por falta de pessoal (aí mesmo em Devonport), não estranharia algum tipo de movimentacao... Obrigado

    • 06/07/2018  10:54 by Luiz Padilha Responder

      Marcelo, eu fui a Devonport com foco no PHM Atlântico. Tinha muito trabalho a bordo e pelo que só haviam 2 T23 lá, sendo que um saiu e depois voltou. O descomissionamento delas continua como programado. HMS Argill em 2021. Então, tanto o Wave quanto a T23 são sonhos de verão. Quando a RN for descomissionar esses navios, eles certamente serão oferecidos, mas não sabemos se será vantagem adquiri-los, pois sempre depende do estado em que se encontrarão à época. O Atlântico foi como acertar na loteria, mas nem sempre se ganha na loteria.

      • 07/07/2018  16:18 by marcelo Responder

        obrigado pelo insight!

  8. 05/07/2018  19:30 by Juarez Responder

    Padilha ficou excelente a matéria, principalmente porque tu abordaste um tema que e pouco explorado, a sala de máquinas, seu funcionamento e sua equipagem, e eu que fui do ram, muito me agradei.
    Parabéns, a matéria foi muito bem feita.

    • 05/07/2018  19:47 by Luiz Padilha Responder

      Que bom. Vem mais por aí.

  9. 05/07/2018  17:39 by Rennany Gomes Responder

    Bela matéria, ansiosamente no aguardo das partes seguintes!

  10. 05/07/2018  17:11 by Teropode Responder

    Excelente matéria DAN . Acredito que com os dólares que serão econimizados com o fim do auxílio penitenciária, a marinha terá a dimensão apropriada para defender o brasil.

  11. 05/07/2018  16:56 by Tomcat4.0 Responder

    Maravilha, que máquina, excelente aquisição!!! Belíssimas fotos Padilha, parabéns pela matéria e pelo reconhecimento de seu trabalho tbm por parte das empresas de defesa!!!

    • 05/07/2018  17:04 by Luiz Padilha Responder

      Obrigado.

  12. 05/07/2018  16:48 by XO Responder

    Muito legal o artigo, Padilha !!! Uma pergunta: confirma que as praças de máquinas estão monitoradas por câmeras ? Uma das fotos da reportagem sugere isso, mas fiquei em dúvida... abraço...

    • 05/07/2018  17:04 by Luiz Padilha Responder

      Afirmativo. Câmeras e sensores de fumaça.

  13. 05/07/2018  16:44 by Giovanne Responder

    Parabéns excelente matéria belas fotos valeu DAN.

  14. 05/07/2018  16:42 by Roberto Bozzo Responder

    Ótima reportagem Padilha, parabéns ao DAN.

    Aproveitando, você que esteve lá, por acaso procurou saber mais sobre a Arrowhead 140 e se a MB fez alguma sondagem sobre ele ?

    • 05/07/2018  17:05 by Luiz Padilha Responder

      Não foi possível abordar este tema.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.