Com a projeção de sua soberania sobre o Mar do Sul da China, o gigante asiático pretende salvaguardar os seus interesses geopolíticos, com seu imponente poder naval. No entanto, o primeiro revés legal na Corte Internacional de Arbitragem em Haia colocou um limite para as ambições de Pequim. O Mar do Sul da China, que liga o Oceano Índico ao Pacífico Ocidental, tornou-se uma etapa de tensões diplomáticas entre o governo de Pequim e alguns de seus vizinhos que compõem a Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN ).

A importância geopolítica da região devido às suas águas onde circulam cerca de um terço do tráfego marítimo comercial do mundo, incluindo a metade com containers, um terço da carga de grãos e dois terços dos embarques de petróleo do Estreito de Ormuz, saindo para o Golfo Pérsico. O estreito estratégico de Malaca, que liga o Oceano Índico com o Mar do Sul da China, passa 80% das importações chinesas de petróleo. Em maio de 2009 o governo de Pequim apresentou à ONU pela primeira vez oficialmente, um mapa com a rota da chamada “linha de nove pontos”, também conhecido como “língua de vaca”, que incluiu sob a sua soberania quase todas as ilhas no Mar da China Meridional.

Esse caminho, teve sua primeira formulação feita em 1948, e inclui as ilhas Paracel, ocupadas de fato pela China em 1974 e reivindicada por Vietnã, e as ilhas Spratly cuja soberania também é reivindicada pelas Filipinas, Vietnã, Malásia e Brunei, além da recife de Scarborough sob controle chinês desde 2012 e reivindicado pelas Filipinas. Além de seu valor estratégico e aproveitamento dos recursos da pesca, esta área tem reservas de petróleo estimadas em 12.000 milhões de barris e gás estimado em 4.380 trilhões de metros cúbicos.

China e ASEAN: Parceiros ou rivais?

Quais são os meios disponíveis para o gigante asiático fazer cumprir estas reivindicações, deixando de lado seus argumentos discutíveis históricos e legais? Jorge Malena, diretor de Estudos da China Contemporânea na Faculdade de Filosofia, Letras e Estudos Orientais na Universidade de El Salvador, disse: “A China está entre os três principais parceiros comerciais, financiadores e investidores estrangeiros na maioria países que fazem parte desta controvérsia, maior ferramenta econômica, além da militar torna-se crucial”.

Enquanto isso, ele argumenta que moradores afetados pelas reivindicações territoriais de Pequim seriam capazes de “apelar não só para a justiça internacional, mas também para a diplomacia multilateral.” A este respeito, acrescentou, ele poderia ter um líder do Fórum Regional da ASEAN, que reúne os onze países parceiros do bloco comercial além de uma gama de potências como o papel dos EUA, da União Europeia e aliados como Índia, Japão, Coreia do Sul e Canadá. “Se este número considerável de Países agir de forma conjunta, poderia ter um grau significativo de pressão sobre a China”, disse ele.

Em julho do ano passado, os ministros das Relações Exteriores da China e da ASEAN assinaram no Vietnã (Laos), uma declaração conjunta para a implementação eficaz de um código de conduta que já havia sido descrito em 2002, onde as partes se comprometem a garantir a livre navegação do Mar do Sul da China e para resolver suas disputas territoriais por forma pacífica e amigável, de acordo com os princípios universalmente reconhecidos de direito internacional e em plena conformidade com a Convenção das Nações Unidas sobre direito do Mar (CNUDM).

“Caribe Chinês”

Traçando um paralelo com a expansão dos EUA em suas águas circundantes no final do século XIX e início do século XX, alguns analistas usam o termo “China Caribenha” para referir-se a transformação da China em poder dominante em sua vizinhança. Mesmo com as diferenças entre a situação de instabilidade e volatilidade que caracterizou os países Caribenhos, as dificuldades que Pequim enfrenta agora para impor-se como uma potência regional, o acadêmico americano Robert Kaplan observa que o valor geográfico de ambos os mares é semelhante: Tanto o Caribe quanto o Mar da China Meridional são caracterizados pelo seu afastamento das grandes potências da época e o fato de serem considerado por Washington e Pequim, respectivamente, como a extensão do seu território continental e a projeção do seu poder em sua área de influência.

“O Mar do Sul da China é vital para o projeto de Beijing como uma potência regional”, disse o analista político Juan Manuel Pippia, um especialista em relações internacionais, professor na Universidad de la Empresa (UADE)  na Argentina e membro fundador do website Innovaes. Ao analisar o caminho que poderia seguir o gigante asiático para construir a sua hegemonia em águas próximas, ele considerou que estamos diante de um “cenário cheio de complicações,” porque, apesar dos EUA ainda ter a supremacia naval e nuclear, seria muito difícil para Washington impor uma questão estritamente geográfica.

“A China tem a seu favor a distância, mísseis de curto alcance e um início de militarização da área, o que poderia trazer a situação a um ponto de não retorno”, disse Pippia, enquanto Beijing se apega à estratégia definida pela famosa linha de nove pontos como “uma questão de pura política real”. É, em última análise, para forçar seus vizinhos e o resto dos países envolvidos a aceitar um fato consumado que não iria voltar atrás e deixar o gigante asiático como um jogador-chave na região.

O poder naval crescente

Neste contexto torna-se muito relevante a construção de uma marinha moderna capaz de projetar poder para além dos seus mares circundantes. Ainda que a China esteja mais focada em suas águas costeiras, O Livro Branco de Defesa  publicado em 2015, insta a Marinha do Exército Popular de Libertação a modificar gradualmente sua estratégia, para incorporara a “defesa das águas costeiras” e a “proteção em mar aberto”, adotando-se uma “estrutura de combate naval combinada, eficiente e multifuncional”, potenciando “suas capacidades de dissuasão e contra ataque estratégicos”.

A meta para a China está transitando no jargão dos especialistas conhecidos como “águas azuis da marinha”. O que significa? “Uma Marinha com capacidade Interoceânica, para o qual precisa ter, entre outras coisas, porta-aviões, um grupo de navios de Escolta e ser capaz de fornecer-lhes serviços logísticos”, menciona Pippia, recordando que hoje Pequim tem dois porta-aviões: o Liaoning, que entrou em serviço em 2012 a partir da remodelação do antigo navio ucraniano Varyag, e o Shandong, que foi completamente fabricados no país e acaba de ser lançado, mas ainda não está operacional.

Como explicou o analista, outra estratégia chinesa chave de “negação do mar” ou “anti-acesso”,  são os submarinos: o país tem agora cerca de 60 e em breve terá 75, que dificultam muito qualquer margem de manobra dos EUA e permite a Pequim projetar a sua influência sobre a primeira cadeia de ilhas, que também inclui Senkaku/Diaoyu cuja soberania é disputada pelo Japão no Mar da China Oriental.

Tropeço jurídico em Haia

Uma série de incidentes envolvendo forças navais e pescadores na área de Scarborough, resultou no controle desse acidente geográfico pela China em maio 2012, levando as Filipinas, então sob o governo de Benigno Noynoy Aquino a apresentar o caso no Tribunal Permanente de Arbitragem em Haia, que emitiu em Julho de 2016, um parecer favorável à Manila. Tal como explicou Jorge Malena, os principais argumentos do Tribunal, foi declarar que não havia base para apoiar a reivindicação de Pequim sobre “direitos históricos sobre os recursos das áreas marítimas delimitadas por uma linha de nove pontos.” Em referência ao arquipélago Spratly, o tribunal considerou que nenhum deles é do ponto de vista legal, uma ilha porque “não pode apoiar uma comunidade humana estável ou a vida econômica independente.” Assim, nos termos da CNUDM, eles não podem fazer parte de qualquer zona de reivindicação econômica exclusiva (ZEE) e plataforma continental.

Finalmente, o que significou segundo Malena, “um impacto muito duro aos interesses da China, tanto na ordem jurídica internacional quanto política”, o Tribunal decidiu que Pequim “violou os direitos soberanos das Filipinas com as suas ações na área, prejudicando gravemente o ambiente e dificultado os direitos dos seus pescadores, afetando a indústria de petróleo e inflamando o conflito bilateral.”

As autoridades de Pequim não aceitaram a decisão. O Ministério das Relações Exteriores definiu a decisão como unilateral do processo de arbitragem a favor do governo filipino, como “um ato de má-fé”, por não ter esgotado o caminho das negociações bilaterais, enquanto Manila era acusada de ter desvirtuado e deturpado a realidade. Finalmente, eles viram a decisão como nula, não vinculativas e desprovida de efeitos sobre sua soberania sobre as ilhas no Mar do Sul da China e os seus direitos e interesses no mar.” Enquanto isso, a chegada ao poder de Rodrigo Duterte nas Filipinas e o anúncio do abandono por parte de Manila da proteção econômica e militar dos EUA, eles parecem ter aberto um novo capítulo na política externa do país. Por agora, em uma declaração conjunta assinada com o seu homólogo chinês em outubro do ano passado, “a importância de manter e promover a paz, a estabilidade e liberdade de navegação no Mar da China Meridional” especificando que as disputas territoriais entre os dois seria resolvida através de “consultas amigáveis ​​e as negociações no âmbito do direito internacional”.

O dilema americano

A grande questão nestes primeiros meses de gestão de Donald Trump é que atitude terá o governo dos Estados Unidos, tendo em conta a pirotecnia verbal do novo ocupante da Casa Branca durante a campanha e culpando a administração Obama por tolerar as ameaças e intimidações de Pequim no Mar da China Meridional. Neste sentido, Jorge Malena disse que “Trump tem demonstrado apoio para ambos os aliados históricos dos EUA na região (Japão, Coreia do Sul, Taiwan, Filipinas, Tailândia, Singapura e Austrália), bem como o Vietnã, um ator cada vez mais perto de Washington.” Ele acrescentou: “Isto está relacionado com a preocupação crescente que teve nas últimas quatro administrações norte-americanas pelo papel regional chinês, apoiada não só no campo político e econômico, mas também no serviço militar”.

No entanto, disse Juan Pippia, “o fravasso porparte da administração Trump do Tratado Transpacific (TPP), que procurou aproximar a economia dos EUA com parceiros na área, como Brunei, Malásia, Singapura e Vietnã, tem sido um bom notícias para a China, uma vez que diminui a razão para manter a sua presença militar na área e mostram menos interesse em Washington para manter a sua atual influência na Ásia-Pacífico”. Mesmo que não seja totalmente clara a posição da Casa Branca, talvez os EUA não estejam mais dispostos a fazer mais esforços para prover a defesa de seus aliados na região. Em um artigo publicado em setembro passado, Hugh White, professor do Centro de Estudos Estratégicos e de Defesa da Universidade Nacional da Austrália, considerou arriscada a ambigüidade demonstrada pelos EUA nos últimos anos. No caso das novas provocações por parte da China, como, por exemplo, a construção de uma base no recife Scarborough, afirmou em resposta a aplicação de sanções econômicas e diplomáticas contra Pequim. “O que está em risco o autor conclui é a credibilidade dos EUA e o futuro da sua liderança na Ásia”.

Mais contemporizador em seu livro da “Ásias Cauldron” [“A caldeira asiática”], Robert Kaplan adverte que o objetivo de Washington nesta parte do mundo “deve ser o equilíbrio, e não a dominação”, porque do seu ponto de vista, “o equilíbrio de poder é em si a melhor salvaguarda da liberdade”. Essa é a lição que de acordo com os acadêmicos, devemos deixar o Mar do Sul da China “um mundo nervoso, cheio de navios de guerra e navios petroleiros, cheio de jogos de guerra incessantes, que não devem necessariamente terminar em navios em combate real”.

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: DAN

FONTE: Defensa y Armas

 

8 Comments

 

  1. 02/05/2017  21:22 by César Pereira

    A China é uma potência mundial essa é a verdade, por mais que esse artigo não a veja como tal, defendera seus interesses com unhas e dentes,já deixou isso claro quando não reconheceu a legitimidade do julgamento do famigerado Tribunal de Haia !

  2. 02/05/2017  23:45 by Andre

    Quando dizem que brasileiro vive deitado em berço esplêndido não é para menos. O brasileiro gosta muito de praia, inclusive não pode ter um feriado prolongado que já correm para o litoral. Mas não se dão conta de que esse laser é frágil, onde o texto demonstra claramente que é uma área de interesse estratégico por envolver muitos recursos naturais e interesses logísticos.
    Tivemos a crise da lagosta que foi um exemplo real de ameaça á nossa soberania. O poder marítimo é toda atividade voltada para o mar, que no caso do Brasil é uma área bem mais abrangente: o oceano. O poder naval é o braço armado do poder "oceânico" brasileiro.

    Se a China se atreveu a criar uma frota de submarinos que supera cinquenta unidades, tendo uma costa visualmente parecida com a nossa, já temos um parâmetro de quantos submarinos carecemos guardada a devida proporção econômica e geopolítica. No caso deles a turbulência que é o continente asiático é evidente esse poder de dissuasão, bem diferente do Brasil. Mas ainda assim não deixa de ser um exemplo da importância em ter soberania na plataforma continental do país. Por falar em mar territorial, como será que anda o pleito do Brasil na nossa ZEE?

  3. 03/05/2017  7:08 by Leonardo Rodrigues

    Vejamos arbitragem é tentar a conciliação entre duas ou mais partes. Tem que haver o consenso para a arbitragem de terceiros. Neste caso não há, então é nulo juridicamente. Apenas um movimento yanque pra favorecer sua influência no mar da China junto aos demias países. Não entro no mérito da questão, pra deixar claro.
    Esta demanda deveria ser julgada pelo tribunal internacional de justiça e não foi.outro passo seria o coneelho de defesa da ONU, mas lembro que a China tem poder de veto. Então este texto na parte que toca ao julgamento foi político, parcial, ilegal e desrespeita a legislação internacional.

  4. 03/05/2017  7:09 by Leonardo Rodrigues

    Deculpem: Conselho de segurança da ONU.

  5. 03/05/2017  11:47 by HMS_TIRELESS

    Impressionante a quantidade de defensores dos interesses chineses aqui, mesmo quando se trata das ilhas artificiais construídas sobre águas disputadas e as ilhas que também são reivindicadas por outros países da região.

  6. 03/05/2017  13:49 by César Pereira

    Meu caro Tireless a questão não é defender as pretensões chinesas , mas sim tomar como base acontecimentos semelhantes já ocorridos para imaginar um possível desfecho desse litígio !
    Vamos examinar o caso das Malvinas por exemplo os ingleses se recusam de maneira veementemente em discutir a resolução 2065 da ONU .
    Por fim , as grandes potências fazem oque querem essa é a verdade esses tribunais só servem para oprimir o fraco essa é a verdade!
    Grande abraço!

  7. 04/05/2017  10:59 by HMS_TIRELESS

    Sem essa César! A questão das Falklands é bastante diferente afinal o Reino Unido possui direitos históricos sobre as ilhas que se sobrepõem as frágeis alegações argentinas, bem diferente dos conflitos do Mar do Sul da China onde ocorre justamente o inverso ou seja, o direito histórico de países como o Vietnã vem sendo solapado pelo expansionismo agressivo chinês.

  8. 04/05/2017  19:54 by César Pereira

    Não vou me alongar nessa discursão que sempre se repete,mas é sabido que os argentinos tem também direitos não só históricos mas geográficos sobre as ilhas ! Voltando ao caso chinês eles também alegam direitos históricos e por ai vai ! Grande abraço a você Tireless.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.