A Marinha do Brasil, por meio da Diretoria de Gestão de Programas da Marinha (DGePM), informa que, após o encerramento da cerimônia de lançamento da Solicitação de Propostas (RFP) para o Projeto “Corveta Classe Tamandaré”, realizado no último dia 19 de dezembro, e até o presente momento, distribuiu a referida RFP, após as devidas qualificações jurídicas, para as seguintes empresas interessadas no processo:

– BAE Systems Ltda

– Chalkis Shipyards S A

– Damen Schelde Naval Shipbuiding BV

– Fincantieri SpA

– Naval Group BR

– Navantia S A

– Posco Daewoo do Brasil

– Rosoboronexport Joint Stock Company

– SAAB AB

– Thyssenkrupp Marine Systems GmbH

– Wuhu Shipyard CO Ltd

– Zentech do Brasil Serviços Técnicos Ltda

O período de distribuição da RFP para as demais empresas nacionais e internacionais, as quais demonstrem interesse pelo projeto, estará encerrado no dia 19 de janeiro de 2018.

CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA MARINHA

 

12 Comments

 

  1. 25/12/2017  8:11 by Sergio Luis Responder

    Além do mais, não é mais necessariamente o projeto da Engepron ser o construído. Se o estaleiro possuir um projeto que no mímimo possua os requesitos pedidos, pode ser ele. Quase todos os estaleiros que até agora receberam a RFP possuem projetos semelhantes, mais baratos e em quase todos os casos mais capazes (mais armados, equipados e com menos tripulantes-melhor habitabilidade) . Então por quê procurar construir o projeto da Engepron se o estaleiro já possui um próprio modelo, que é mais fácil e principalmente mais barato para adequá-lo as necessidades da MB

  2. 25/12/2017  8:05 by Sergio Luis Responder

    Vai levar quem apresentar preço mais atraente, mais quem "ensinar" a MB a construir.

  3. 24/12/2017  21:00 by André Luis Santos de Oliveira Responder

    Para mim esta entre os ingleses da BAE systems pelo vinculo histórico, os franceses da NAVAL group por uma futura condição de construção de nae no brasil, e os suecos da SAAB por não colocarem obstáculos e pelos futuro caças minas para o brasil, não da para ser os três?.

  4. 23/12/2017  21:03 by filipe Responder

    Claro que vai dar BAE

  5. 23/12/2017  16:14 by Teropode Responder

    Aposto nos Ingleses, afinal cobraram uma merreca pela Ocean e possuem bom histórico com a MB!

  6. 23/12/2017  0:35 by João Responder

    Que vença o melhor! Pessoalmente acho que os italianos da Fincantiere tem mais chance(e torço pra que ela leve a licitação) e sem contar, que eles têm um estaleiro operacional em Pernambuco (Estaleiro Atlântico Sul), superando o principal obstáculo do projeto, encontar um parceiro brasileiro capaz de fabricar as CCTs

  7. 22/12/2017  17:52 by Galitto Responder

    Eu não vejo esse projeto de Corveta como um barca furada, pelo desenho dela creio eu, que é possível alongar esse desenho se transformando em uma Fragata.

  8. 22/12/2017  15:26 by Andre Responder

    Se a BAE Systems ganhar a concorrência leva de cara a manutenção do Ocean e a construção dessas corvetas. Os navios da classe Amazonas contam como um fator de destaque. O que promove a SAAB é o contrato com os caças. No caso da Naval Group e a Thyssem são os submarinos (Scorpené e classe Tupi respectivamente).
    Quanto aos demais não vejo nenhum vínculo recente com as forças armadas que justifiquem sua vitória. Claro que existem muitos outros aspectos que são levados em consideração em uma concorrência, mas esse fator antecedência é muito importante. No caso da Fincantiere quase que o governo lula aceitou a oferta deles para as corvetas. Quase! Vender helicópteros de ataque não é o mesmo que transferir tecnologia, então a Rússia também não está no páreo para disputar esse contrato. Então, nessa perspectiva já temos dois grupos distintos que nos dá uma ideia de quem são favoritos dos que são desfavorecidos, digamos assim.

    • 22/12/2017  16:09 by Jr Responder

      André, a fincantieri participou desse projeto da Tamandaré se não me engano desde a segunda fase por meio da Vard, eles também tem um estaleiro prontinho lá em Pernambuco( terra do Jungmann) para fabricar as mesmas. Por incrível que pareça, creio que a maior dificuldade desses estaleiros internacionais vai ser achar um estaleiro local para ser sócio, e isso a fincantieri já tem. Parece que outro favorito seja os Coreanos da Posco, o preço pedido por eles pode ser mais barato que o de estaleiros europeus e muito provavelmente a proposta deles esteja a de fazer as corvetas no AMARJ

      Posso estar enganado, mas hoje creio que esses dois muito provavelmente apareçam na short list da MB no ano que vem

      • 22/12/2017  16:41 by Andre Responder

        Obrigado Jr, não sabia.

      • 23/12/2017  0:29 by Francisco Braz Responder

        Se não me engano, quem não dispõe de estaleiro no Brasil está levando o projeto para o AMRJ, após a modernização deste.

  9. 22/12/2017  15:10 by Manuel Flávio Responder

    Outra informação importante que vale a pena guardar o link. Obrigado DAN.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.