Por Luiz Padilha

Após o encerramento da fase final da Escola de Fogo de Instrução AAe, o TC R1 Virgilio da Veiga Junior, diretor de Vendas da Saab do Brasil, nos concedeu esta entrevista sobre o desempenho do sistema míssil antiaéreo telecomandado de baixa altura RBS 70 da Saab utilizado pelo Exército Brasileiro.

1- Em recente exercício o EB efetuou o lançamento de alguns mísseis do sistema RBS 70, logrando êxito em todos os disparos, abatendo todos os alvos. Pode-se afirmar que o sistema que o EB opera é um dos mais modernos no mercado?

Sim. Embora seja um sistema míssil antiaéreo de baixa altura que tem sua origem nos idos de 1970, o RBS 70 passou por diversas modernizações que o tornam atual e eficiente para as necessidades de hoje e do futuro. Por exemplo, o primeiro míssil empregado tinha alcance no setor frontal de 5 Km e teto de emprego de 3.000 m de altura; já o Mk2, míssil de terceira geração adquirido pelo EB, pode abater alvos voando a até 7 Km de alcance e 4.000 m de altura. É o sistema que apresenta o maior alcance útil da sua categoria, sem contar a PKill superior a 95%, ou seja, 95 alvos são abatidos a cada 100 engajamentos realizados. 

2- O sistema míssil antiaéreo telecomandado de baixa altura RBS 70 atualmente utilizado pelo Exército Brasileiro utiliza mísseis do modelo Mk2. Este é o modelo mais atual da Saab?

O modelo de míssil mais atual utilizado pela Saab no RBS 70 NG (Nova Geração) é o Bolide, que apresenta 9 Km de alcance e 5.000 m de teto de emprego. 

3- Atualmente, quais países além do Brasil, operam com o sistema de defesa antiaérea RBS70?

O sistema RBS 70 está em uso em mais de 20 países, como Suécia, Tunísia, Cingapura, Indonésia e Austrália. Cabe destacar que o sistema está operacional em todas as zonas climáticas.

4- Hoje o EB possui todos os equipamentos necessários para operar o sistema RBS 70, como o simulador, dispositivo de visão noturna e equipamentos para a manutenção do sistema. Falta adquirir algum equipamento para que o EB possa operar ainda melhor o sistema?

Esta pergunta deve ser respondida pelo EB.

 5– Quanto tempo leva para formar uma equipe para operar este sistema?

A prática tem demonstrado que o atirador pode ser qualificado em até 20 horas de exercícios no simulador, abrangendo todas as possibilidades de tiro que podem ser realizadas pelo RBS 70. Já a guarnição pode ser qualificada em um tempo menor, dependendo do programa de instrução de qualificação aplicado.

6- O binômio Saber M60-RBS 70 está operando adequadamente ou algo ainda pode ser feito para melhorar sua eficiência?

Esta pergunta deve ser respondida pelo EB.

 7– Qual o grau de dificuldade em operar o sistema com o dispositivo de visão noturna BORC?

Após a aquisição do alvo, o dispositivo de visão noturna BORC permite que o atirador realize o tiro noturno com a mesma facilidade que o realiza durante o dia.

8- A Saab lançou o sistema de defesa antiaérea RBS 70 New Generation. O senhor poderia enumerar as diferenças entre o modelo NG e o modelo operado pelo EB atualmente?

As principais diferenças são:

– O aparelho de pontaria do RBS 70 NG pesa 10 Kg a menos que a versão anterior;
– O NG possui a função “acompanhamento automático” do alvo, que aumenta ainda mais a precisão do tiro, enquanto, na versão anterior, o acompanhamento do alvo se dá por um joystick de polegar, operado pelo atirador;
– A interface do NG é gráfica/digital, permitindo uma integração homem-máquina mais harmonizada, enquanto, na versão anterior, essa integração se dá por sinalização visual através de quatro LED’s localizados na luneta de pontaria;
– No NG, o dispositivo de visão noturna BORC está integrado internamente ao aparelho de pontaria, enquanto, na versão anterior, a junção de ambos se dá externamente, por encaixe; e
– A manutenção do NG é computadorizada e, a da versão anterior, não.

9- No caso do EB vir a optar em adquirir o sistema RBS 70 NG, a transição do equipamento atual para o NG seria simples ou há a necessidade de algum treinamento adicional?

A transição seria muito simples e, a longo prazo, também diminuiria a demanda por treinamento.

10- A Saab possui um novo sistema de defesa antiaérea a baixa altura em desenvolvimento para substituir o RBS 70 NG?

O RBS 70 NG é um sistema míssil antiaéreo de baixa altura no estado-da-arte, capaz de lidar com os desafios atuais e do futuro. Entretanto, para manter-se sempre atualizado com o desenvolvimento de novos requisitos dos sistemas de defesa antiaérea de baixa altura, a Saab está desenvolvendo uma versão do RBS 70 NG integrada a carros de combate – o Sistema de Defesa Antiaérea de Baixa Altura Móvel (ou a sigla em inglês MSHORAD).

11- A Saab pretende oferecer para as Forças Armadas Brasileiras o sistema de defesa antiaérea Bamse de média altitude?

A Saab está em constante diálogo com nossos atuais e potenciais parceiros em todo o mundo, oferecendo nossas soluções de defesa antiaérea, incluindo o sistema BAMSE. Entretanto não podemos comentar sobre solicitações específicas de clientes.