Flygvapenmuseum

Flygvapenmuseum

Por Luiz Padilha e Guilherme Wiltgen

destaqueOs editores do Defesa Aérea & Naval – DAN, tiveram a oportunidade de conhecer o museu da Força Aérea Sueca (FAS) – Flygvapenmuseum, na cidade de Linkoping, um dos mais importantes museus aeronáuticos da Europa.

Museu-Flygvapenmuseum

Vista do salão principal do museu

O museu mostra aos seus visitantes a pujante indústria aeronáutica sueca com mais de 50 modelos de aeronaves em exposição. Desde o início do século até a segunda aeronave de testes do JAS 39 Gripen, e muitos deles só podem ser vistos no Museu da Força Aérea Sueca. Algumas aeronaves possuem características bem interessantes, como mostraremos nas imagens que fizemos durante nossa visita. Aproveitem!

Início do século XX

M 1 Nieuport IV-L

M-1-Nieuport

A aeronave M 1 Nieuport IV-L foi fabricada em 1912 e voou até 1919. Os vôos ocorreram principalmente em Malmen distante de Linköping. O M 1 foi exibido pela primeira vez em 1923 durante show aéreo em Gotemburgo. Por ocasião do  50º aniversário da aviação militar em 1962, o avião voou pela última vez.

B1-Breguet

B1-Breguet

B1-Breguet-1        B1-Breguet-2

A aeronave chegou em julho de 1912, em Axevalla onde foi montada. Começou a voar no mesmo mês. Depois de um acidente grave em 1915 em foi bastante danificada, a aeronave nunca mais voou. A que está no museu é, em parte, uma réplica, graças à Swedish Aviation Historical Society (SFF) e a muitas horas de trabalho voluntário. A construção levou 12 anos no total. A aeronave foi doada em 1989 pela SFF para o Museu da Força Aérea.

SK-1-Albatros-1

SK-1-Albatros-1        SK-1-Albatros

Pouco antes da Primeira Guerra Mundial eclodir, um piloto alemão teve que fazer um pouso de emergência com seu avião Albatros em Estocolmo. Houve sérios danos à engrenagem do hélice no pouso e não houve tempo para consertar pois a guerra eclodiu.

A aeronave foi requisitada pelo estado sueco, copiada e usado inicialmente como aviões de reconhecimento. A máquina veio a ser fabricada na Suécia sob licença e depois a Força Aérea colocou a em serviço. Em 1926 foi renomeada SK-1 Albatros. Os primeiros foram construídos em 1925 e foi paralisado em 14 de junho de 1929.

J 1 PHÖNIX 122 D.II

J-1-Phönix

As aeronaves foram encomendados em 1920, sob o nome Phönixjagaren. Mais tarde a aeronave foi designada J 1 pela Força Aérea em 1926, tornando-se o primeiro caça da Força Aérea. Neste ocasião, muitos já sentiam que o J 1 estava ultrapassado e, portanto, levado para instrução. O J 1Phönix do museu é na verdade um Phönixjagare fabricado na Áustria. A aeronave veio de trem para Malmslätt em 1920 e retirado de serviço em novembro em 1928.

Ö 1 TUMMELISA

Ö-1-Tummelisa

O Ö 1 TUMMELISA era parte de um pedido adicional para dez aeronaves que a Força Aérea fez, porque este tipo de aeronave foi muito bem aceito. O avião foi retirado de serviço em 1935, mas foi levado em 1951 e 1962 em vários shows aéreos comemorando aniversários de outras aeronaves.

THULIN G

Thulin-Typ-G

As aeronaves Thulin G foram baseadas em várias bases aéreas navais ao redor da costa sueca. A aeronave esteve em serviço de 1917 à 1922. A amostra do museu foi retirada de serviço em 1922.

SK 5 HEINKEL HD35

Heinkel-HD35-(Sk-5)        Heinkel-HD35-(Sk-5)-1

Em 1925 quando aviação expandiu, houve a necessidade crescente de treinamento de vôo adequado. Para a formação de base, foram adquiridas 5 aeronaves. As aeronaves estiveram em serviço até 1929. Este ano, a aeronave foi vendida e registrada como civil, voando até 1940, após o qual a aeronave desapareceu por mais de vinte anos. Em 1964 foi encontrado na Suécia escondido num celeiro em Småland. Foi comprado por Lennart Sved Feldt, que por sua vez tinha a aeronave em seu museu do automóvel e da aviação em Ugglarp. Na década de 80 foi transferida para o Museu da Força Aérea. Após uma renovação completa pelo Aviation Historical Society (SFF), agora a aeronave se encontra em excelentes condições.

B 3 JUNKERS JU 86 K

B-3-Junkers-Ju-86K-1        B-3-Junkers-Ju-86K

De acordo com decisão tomada em 1936, a Força Aérea teria duas flotilhas deB3 Junkers JU 86 K fabricadas na Suécia sob licença. O modelo preservado no Museu da Força Aérea é o único de seu tipo no mundo, e é uma aeronave convertida do transporte B 3C. A aeronave foi fabricada em 1938 por Junkers em Dessau e voou pela última vez a partir de Lulea em 03 de junho de 1958.

B 4 HAWKER HART

B-4-Hawker-Hart        B-4-Hawker-Hart-1

No início dos anos 1930, a Força Aérea procurou um substituto adequado para aviões de reconhecimento Fokker S 6. A escolha recaiu sobre a aeronave Hawker Hart inglesa que voou pela primeira vez em 1928. Em 1933 a FAS ordenou três aviões para teste e deu a designação ao avião de S 7. O teste revelou que Hawker Hart era apropriado para bombardeio com ângulo de mergulho de 90º e, portanto, mudou a designação do tipo para B 4. Os B4 foram retirados de serviço em 1947. Durante a guerra do inverno finlandês haviam quatro B 4 no esquadrão de voluntários sueco F 19. A aeronave preservada no museu está pintada e marcada como era na Finlândia.

S 6 FOKKER C.V-E

S-6-Fokker-CVE        S-6-Fokker-CVE-1

Em 1927, foram comprados quatro aviões da Fokker na Holanda. Dez aeronaves chegaram a ser encomendadas da Holanda, enquanto 35 aviões foram fabricados sob licença no Workshop Malmslätt Central (CVM). S 6 tornou-se a aeronave padrão para a cooperação com o exército por muitos anos. Elas foram utilizadas para voos de observação, fotografia aérea, controle de fogo e vôos de conexão. O S 6B  do museu foi fabricado na CVM em 1934, sendo retirado de serviço em 1945. Quando a aviação militar sueca celebrou o seu 50º aniversário em 1962, preparou a aeronave para a condição de vôo digno para um show aéreo em Malmen. Um ano depois a aeronave participou de um show aéreo na Holanda.

SK 9 DE HAVILLAND 60T MOTH TRAINER

SK-9-DH-60T-Moth-Trainer        SK-9-DH-60T-Moth-Trainer-1

A aquisição dos SK 9 se deveu a uma aguda escassez de aviões de treinamento para a turma de formandos de 1931, que iria começar seu treinamento em Ljungbyhed. Por esta razão, foram encomendados e entregues em apenas dois meses, dez aeronaves do tipo De Havilland Moth DH60T instrutor. O SK 9 pode ser equipado com flutuadores para pousar na água. A máquina foi então chamada SK 9H. O avião foi preservado no Museu da Força Aérea Sueca e, é este tipo que foi doado pela Fundação para o museu em 1984, quando o primeiro salão de exposição foi inaugurado. O SK 9 é um dos mais famosos treinadores projetado pelo designer Geoffrey de Havilland em 1925.

SK 10 RAAB-KATZENSTEIN RK-26 TIGERSCHWALBE

SK-10-Tigerschwalbe

SK-10-Tigerschwalbe-painel-traseiro        SK-10-Tigerschwalbe-painel-dianteiro

O SK-10 era uma aeronave de instrução em voo de formação. A produção da aeronave ocorreu na Suécia, sob licença da Alemanha. Como resultado de mudanças no projeto com a introdução de controles duplos e um novo motor, permitiram que a aeronave tivesse um ganho de peso significativo. Isso deu a aeronave características de voo significativamente pior do que a aeronave original. Das 25 aeronaves fabricadas 18 foram destruídas. Mas um avião, o único de seu tipo, é o que está preservado no Museu da Força Aérea Sueca.

J 8 GLOSTER GLADIATOR

J-8-Gloster-Gladiator-1

J-8-Gloster-Gladiator-2        J-8-Gloster-Gladiator       J-8-Gloster-Gladiator-3

O primeiro esquadrão de J 8 foi estabelecido em 1938 pela Força Aérea Sueca em Barkaby. Porém, a recepção foi com sentimentos mistos, pois a aeronave já era considerada obsoleta quando enviada da Inglaterra. A aeronave preservado, é de nacionalidade finlandesa, com marcações usadas durante a sua participação na Guerra de Inverno finlandesa. A aeronave participou de uma força de voluntários composta por doze J 8. A aeronave foi transferida para as coleções do Swedish Aviation Historical Society (SFF) Malmen em 1945.

B 17, SAAB 17

B-17-SAAB

B-17-SAAB-metralhadora        B-17-SAAB-3        B-17-SAAB-2

B-17-SAAB-1

O Saab 17 foi projetado e originalmente construído como uma aeronave de reconhecimento de Cooperação do Exército. A Saab porém, propôs desenvolver o avião para missões de bombardeio leve e uma versão de reconhecimento com flutuadores para a cooperação marítima. O Saab 17 foi construído tanto em Trollhattan, como em Linköping. As entregas para a Força Aérea começou em 1942 e serviram como aviões de guerra por um curto período até 1948, mas na maioria dos esquadrões até 1952. O Saab 17 preservado do Museu da Força Aérea é um 17BL S.

B 18, SAAB 18

Saab-B-18B

Em 1938 foram feitos os primeiros esboços de um bombardeiro bimotor. Quando o projeto recebeu sua forma final, a designação foi alterada para Saab 18. A Força Aérea ordenou duas aeronaves de teste com a designação P 8 1939-1940 e o primeiro vôo de teste ocorreu em 1942. No final de julho de 1942, a Saab construiu 62 aviões do tipo B e 18A. O B 18B teve 119 entregues de outubro 1945 a fevereiro de 1949.

A aeronave do Museu da Força Aérea tem uma história especial. Durante um vôo com uma divisão que compreendia oito B 18B de Halmstad à Lulea em fevereiro de 1946, obrigou todas as aeronaves a fazer um pouso de emergência por causa do mau tempo e de escassez de combustível. A aeronave disponível no museu fez um pouso de emergência no gelo em Härnösand. Depois de alguns dias o gelo quebrou e a aeronave afundou. Total de vôo apenas 21 horas. A aeronave foi resgatada em Setembro de 1979 depois de 33 anos no fundo do oceano e desde então tem sido restaurada pela New Airline Historical Society (OFS). A operação de resgate foi paga pela Fundação para o Museu da Força Aérea.

B 16/S 16 CAPRONI CA 313

B-16-Caproni        B-16-Caproni-1

Dos aviões encomendados nos Estados Unidos, somente alguns foram entregues. Aviões de reconhecimento e bombardeiro foram encomendados à França e à Holanda, mas também não se concretizaram por causa da guerra. Um último recurso foi oferecido através da Itália, de onde a Força Aérea poderia comprar tanto caças e bombardeiros/reconhecimento.

Em agosto de 1940 ordenou 54 aeronaves Caproni. Destes 54, 40 foram designados aeronaves de reconhecimento S 16A. A aeronave sobrevoou a Europa ocupada, a partir de Itália para a Suécia. A aeronave tinha uma má reputação, pois sofria numerosas avarias onde a maioria era devido à má qualidade da produção. O avião foi retirado de serviço em 1945 e os restantes S16 foi usado como alvo. O S 16 que está preservado no Museu da Força Aérea foi construído pela televisão sueca para o filme de TV “Três Amores”.

J-22-FFVS

J-22-FFVS        J-22-FFVS-1

Durante a Segunda Guerra Mundial 1939, a Força Aérea ordenou 264 combatentes dos Estados Unidos. A maioria destes aviões nunca foram entregues por causa da guerra. Isto significou que a Suécia teria que construir as aeronaves e adequa-las às novas necessidades da Força Aérea. A produção foi uma obrigação e, ao lado da Saab foi criada uma oficina de gestão de voo, em Estocolmo. Um pré-requisito importante para a produção de um avião de caça nacional, era que seria construído em torno do mesmo motor aeronáutico que se usou no J-9 AB. Os  J-22 não foram autorizados a ser construídos em alumínio como desejava a Saab. O avião foi construído, inteiramente em madeira e aço. Mais de 500 fornecedores em toda a Suécia participaram na concepção e fabricaram 12.000 unidades.

J 26 NORTH AMERICAN P-51D MUSTANG

J-26-Mustang

J-26-Mustang-2        J-26-Mustang-1

Em 1942 a defesa decidiu criar cinco novos esquadrões de caças. A indústria da aviação sueca estava completamente ocupada com projetos diferentes. De um excedente americano na Europa, foram oferecidos caças P-51 Mustang para venda. Para a Força Aérea Sueca, isso caiu como uma luva e em 1945 ocorreram as entregas. O Mustang foi o da versão P-51D que tinha um melhor alcance que outras versões do Mustang. Na Suécia tornou-se o J 26. Quando J 26 começou a ser retirado de serviço em 1953, foram vendidos 93 aeronaves para Israel, República Dominicana e Nicarágua. O Aviation Historical Society (SFF) acompanhou o J 26 em Israel, e mais tarde ele foi entregue pelas autoridades israelenses como um presente para o Museu da Força Aérea em 1966.

J 9 SEVERSKY/REPUBLIC EP, MODEL 106

J-9-Seversky-Republic        J-9-Seversky-Republic-1

J-9-Seversky-Republic-CAMERA

A situação política externa se deteriorou durante a primavera de 1939, e a Força Aérea via rapidamente a necessidade de reforçar sua frota não apenas em aviões de caça. Nesta posição, apareceu o russo-americano projetista de aviões Alexander Seversky. Ele viajou em uma excursão de vendas com seu avião P-35. Dentro de uma semana, a Suécia tinha ordenado quinze aeronaves Seversky P-35. Com a eclosão da guerra em setembro de 1939, estas quinze aeronaves encomendadas e um direito de preferência sobre um adicional de quarenta e cinco P-35.

A designação na Suécia foi J 9. Um pouco mais tarde aumentou a ordem para um total de 120 aeronaves, a entrega foi dramática e apenas 60 J 9 chegaram a Suécia desde que os EUA parou a entrega dos aviões restantes. A aeronave chegou em enormes caixas em Trondheim, mas depois da invasão da Noruega, levaram as caixas para Petsamo na Finlândia. Depois foram transportaram as caixas de caminhão através da Finlândia para Malmslätt onde eles estavam reunidos. O avião está no museu ter voado na F 8 Barkaby e alguns anos na F 3 como avião de reconhecimento, com designação S 9C.

J 11 FIAT C.R.42

J-11-Fiat-CR-42        J-11-Fiat-CR-42-1

Os Estados Unidos decidiram na Segunda Guerra Mundial parar as entregas de 264 aeronaves encomendadas para a Suécia. A Força Aérea após este episódio, entro numa pequena crise. A remodelação da Força Aérea da Suécia e, especialmente os aviões de combate, naquele momento era extremamente necessária. A Itália mostrou um grande interesse em vender e, a Suécia fez uma encomenda de 120 aviões de caça dos tipos Regiane Re2000 Falco I e Fiat CR42 Falco rotulados J 11. A aeronave era defasada, mas a compra foi visto como uma solução de curto prazo, na pendência de uma produção doméstica. Apenas dois J 11 estão preservados no mundo, um dos quais é o Museu da Força Aérea Sueca.

J 20 REGGIANE RE 2000 FALCO 1

J-20-Reggiane-2000-Falco

Em 1939, decidiu-se criar duas novas flotilhas de caça. Em particular, Gotemburgo e Malmö, para uma melhor proteção aérea.  No outono de 1940, a Itália ofereceu 60 aeronaves Reggiane 2000. Ao avião italiano foi dada a designação J 12, mas foi alterado no momento do recebimento para J 20. Após a entrega os J 20 entraram direto em standby. A proximidade com os teatros então vigentes de guerra significava muita atividade para as divisões de caça. Durante um único dia, em 20 de junho de 1944, pelo menos 21 bombardeiros estrangeiros pousaram em diferentes campos em Skåne. Foi o J 20 da flotilha F 10, que orientou esses “hóspedes” às pistas adequadas. O J 20 do Museu da Força Aérea é o único preservado no mundo.

J 21A, SAAB 21

J-21A-SAAB

J-21A-SAAB-1 Saab iniciar suas operações em 1937 com a produção licenciada começou em 1941 o projeto paraJ-21A-SAAB-emblema um caça baseado no motor alemão Daimler-Benz DB 605. O projeto foi chamado de Saab 21 e era uma aeronave que não parecia muito com os caças que as pessoas estavam acostumados a ver. Ao colocar o motor e, portanto, a hélice atrás do condutor, veio a função do hélice para empurrar diferente do normal. O cockpit tinha um assento ejetável com pólvora carregado, que ejetava o piloto sobre a hélice de forma perigosa em caso de um salto de pára-quedas. O Saab 21 foi o primeiro avião do mundo de série com assento ejetável fabricado. Além de três aeronaves de teste, foram construídas um total de 298 aviões que foram entregues a partir de 1945 até 1949.

J 21 RA, SAAB 21R

J-21R-SAAB

J-21R-SAAB-1        J-21R-SAAB-2

No início de 1945, Saab lançou um projeto para determinar a forma de fornecer ao J21A um motor a jato para obter a experiência de motores a jato e voar em altas velocidades. O objetivo era recuperar o atraso com o desenvolvimento de aviões a jato, que foram avançando rapidamente na Inglaterra, onde, entre outros, a De Havilland já tinha o De Havilland Vampire em produção.

Quando o projeto começou, a escolha do motor era uma questão em aberto. No entanto, como o projeto progrediu tornou-se possível comprar um motor a jato “Goblin 2” da De Havilland Engine Company, juntamente com a licença para fabricar, na Suécia. Este motor se tornou o primeiro motor a jato da Força Aérea, o RM1. O J21A reconstruído recebeu designação de tipo J21R. O primeiro vôo com o primeiro jato da Saab teve lugar no dia 10 de março de 1947.

A 2ª parte será publicada em breve!

 

5 Comments

 

  1. 11/05/2016  16:27 by Topol

    Parabéns pela visita, pela matéria, pelas fotos, enfim... uma postagem digna de sinceros elogios !

  2. 11/05/2016  16:29 by Paulo

    Prezados,

    Parabéns ao DAN por esta matéria fantástica!É maravilhoso ver este aviões reconstruídos ou mantidos como novos!Parabéns também a Suécia que mantem sua história viva de sua força aérea!

    Abs

    Paulo

  3. 11/05/2016  16:46 by Lemes

    Alguém sabe dizer que pod é esse embaixo do J-21?

  4. 11/05/2016  18:10 by Luiz Padilha

    Um pod com metralhadoras externo.

  5. 11/05/2016  20:46 by Carlos Franca

    Matéria é um belo passeio pelo museu, muito bom!

Leave a reply

 

Your email address will not be published.