O programa supõe que a destruição dos veículos hostis será feita usando a energia cinética do interceptor antes do poder explosivo da ogiva.

A Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa dos EUA (DARPA, em inglês) apresentou o projeto conceitual de um dispositivo projetado para proteger o país de armas hipersônicas.

O projeto Glide Breaker foi apresentado este mês no simpósio D60, dedicado ao sexagésimo aniversário da agência, relata The Drive.



Envolve a criação de um pequeno dispositivo que lidaria com sistemas hipersônicos hostis com a chamada interceptação cinética , que tem um impacto direto no alvo. A destruição é feita pela energia cinética do projétil e não pelo poder explosivo da ogiva. A DARPA não forneceu mais detalhes sobre o programa.

As armas hipersônicas são mísseis capazes de exceder a velocidade de Mach 5 e podem mudar a estratégia da luta do futuro. Alta velocidade e agilidade fazem com que sejam invulneráveis ​​contra os modernos sistemas de defesa .

Este tipo de arma é desenvolvido por vários países. Por exemplo, especialistas militares dos EUA Eles mostraram sua preocupação com o sistema Avangard , um míssil intercontinental capaz de exceder a velocidade de Mach 20 e voar nas camadas densas da atmosfera.

Da mesma forma, os mísseis hipersônicos do novo sistema Kinzhal já passaram com sucesso nos testes, sendo transportados pelos caças modernizados MiG-31K.

Além disso, os mísseis anti-navio hipersônicos Tsirkon já fazem parte dos arsenais da Marinha Russa, como confirmado no ano passado.

FONTE: RT


 

3 Comments

 

  1. 10/09/2018  3:01 by Topol Responder

    Não duvido que a DARPA seja capaz de desenvolver tais interceptadores porém ainda vai levar muito tempo para que seja posto em operação e a confiabilidade talvez seja bastante reduzida já que convenhamos um acerto cinético em cheio em um petardo voando a mach 5 por si só já é um feito heróico e ainda por cima há outras dificuldades enormes como por exemplo a capacidade de manobra dos mísseis hipersonicos russos que exigirá igual velocidade e agilidade do interceptador, também as iscas emitidas pelos mísseis com a finalidade de enganar o sistema de defesa e por último o pouquíssimo tempo de reação que exigirá interceptadores muito bem posicionados e um tempo quase que instantâneo desde o alerta até o lançamento

    • 10/09/2018  16:05 by _RR_ Responder

      Topol,

      Com relação a maneabilidade, isso é bastante relativo... Via de regra, qualquer petardo terá que alinhar-se com o alvo, o que significa que na fase terminal estará em linha reta; uma trajetória direta que talvez se inicie ainda na segunda parte da fase intermediária.

      Quanto a orientação, sistemas IIR estão aí pra isso... O THAAD é um exemplo claro, valendo-se de IIR para garantir um acerto direto.

      Seja como for, concordo que serão anos até esta maravilha estar operacional...

      Se as armas hipersônicas realmente se mantiverem no atual curso de desenvolvimento, a melhor alternativa para evita-las será ter as próprias, garantindo uma nova reedição da "destruição mútua assegurada". Aliás, já está claro que armas de elevada energia cinética e de energia dirigida serão o futuro...

      • 10/09/2018  23:23 by Topol Responder

        Prezado RR, quanto tempo... como sempre incisivo . só o tempo nos dirá. saudações

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.