Por Tatiana Bautzer e Brad Haynes

O difícil trabalho de dividir três segmentos de negócios da Embraer está atrasando um acordo para combinar operações da fabricante brasileira de aviões com a norte-americana Boeing, disseram três pessoas com conhecimento do assunto.

A decisão de separar a unidade de jatos comerciais da Embraer, vender seu controle e dividir o portfólio de jatos executivos, ajudou a ganhar apoio do governo brasileiro para uma operação entre as duas empresas, mas criou outras dores de cabeça, segundo as fontes.

Os negociadores estão agora analisando detalhes dos contratos de serviço de longo prazo entre as empresas e como distribuir os milhares de engenheiros da Embraer, muitos dos quais migraram entre projetos militares e civis durante a carreira.

Representantes da Boeing e da Embraer não responderam imediatamente a pedido de comentários sobre o assunto.



As empresas anunciaram no mês passado que estavam em negociações para criar uma nova companhia focada em aviação comercial, o que excluiria a divisão de produtos militares da Embraer e “potencialmente” sua unidade de jatos executivos. Isso ajudou a superar as preocupações do governo sobre o controle soberano dos programas militares da Embraer. O governo tem poder de veto sobre decisões estratégicas da empresa.

“Estou bastante otimista”, disse nesta semana o ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, responsável pela força-tarefa que supervisiona as negociações, quando questionado sobre a negociação. “Está em estágios avançados e deve ser resolvido este ano.”

A proposta original da Boeing, uma aquisição direta da Embraer, poderia já estar concluída e tem se mostrado mais desafiador fazer uma oferta que exclua a área de defesa da fabricante brasileira de um eventual acordo, disseram fontes.

Os jatos de 70 a 130 assentos da Embraer, que competem com o programa C-Series projetado pela canadense Bombardier, respondem por cerca de 60 por cento da receita da Embraer e por quase todo o lucro operacional da fabricante brasileira.

A divisão de defesa da Embraer mal obteve lucro nos últimos anos, uma vez que o governo brasileiro cortou gastos militares em um esforço para fechar déficit orçamentário.

A Embraer também vem perdendo dinheiro com uma nova linha de jatos executivos, já que esse mercado continua estagnado.

As empresas ainda não chegaram a uma decisão final sobre a inclusão da unidade junto com a divisão de jatos comerciais em uma nova empresa, na qual a Boeing teria cerca de 80 por cento de participação, segundo duas fontes.

FONTE: Reuters
FOTOS: Ilustrativas



 

5 Comments

 

  1. 12/05/2018  20:31 by Ricardo Responder

    Período revoltante para o Brasil. Tá difícil viu!

  2. 12/05/2018  0:02 by wanderley Responder

    Não existe no mundo uma cultura mais idiota que a brasileira, pós 85 evidentemente. Os comunistas que hoje mandam no Brasil desde então são a pior espécie de seres humanos no planeta, pior que cubanos e russos. A China ? São extraterrestres, do inferno.

  3. 11/05/2018  23:55 by Ed Responder

    Se os engenheiros ficassem em sua grande maioria com a Embraer, nesta atual proposta, ela não teria dinheiro para pagar-nos. A "graça" desse negócio pra Boeing não é o E2. É a engenharia. Eles querem a engenharia qualificada brasileira e que custa 3x menos que a deles.

  4. 11/05/2018  23:54 by wanderley Responder

    Sempre tem um trouxa é uma porção de otários. Pra quê serve a Golden Share ? Simples: pra enganar novo. Os privatizantes, sempre vêm com uma desculpa, como essa, e no fim sempre quem leva nossos esforços de desenvolvimento são aqueles que erraram, mas que têm dinheiro pra corromper. São os tucanos, liderados pelo Collor: Não sobrará pedra sobre pedra. O que adiantou a desculpa da Golden Share ? Nada. Brasil, o grande trouxa.

  5. 11/05/2018  20:22 by Larri Gonçalves Responder

    Os engenheiros da EMBRAER devem em sua grande maioria permanecer na parte brasileira, afinal foram anos de investimentos em RH feito pela empresa, só falta agora deixar a parte mais importante que são os engenheiros e os operários qualificados para a BOEING, eles que se virem com os seus. Já é complicado engolir a entrega da empresa para a BOEING, eles tão mesmo é interessado na parte de RH e nos aviões comerciais.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.