O ministro da Defesa, Raul Jungmann, anunciou nesta sexta-feira (29), o envio de dois mil militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica para reforçar o patrulhamento no estado do Rio Grande do Norte já realizado pela Força Nacional de Segurança Pública. Após o monitoramento contínuo da situação no Estado, em conjunto com os ministérios da Justiça e do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), a Presidência da República determinou o envio das tropas.

“Chegamos à conclusão que dada a permanência do impasse na questão salarial e a recusa dos policiais militares e dos policiais civis de voltarem suas atividades normais, nós levamos ao presidente Michel Temer, a nossa avaliação que se faz necessária uma ação de GLO (Garantia da Lei e da Ordem), deslocando tropas para o Rio Grande do Norte”, declarou o ministro da Defesa.

O decreto autorizando o início da operação de GLO deve ser publicado ainda hoje (29) e com um prazo inicial de duração de 15 dias, podendo ser renovado. “Hoje até o fim do dia, nós teremos 500 militares das Forças Armadas que estarão atuando no patrulhamento ostensivo e na garantia da comunidade da região metropolitana de Natal e Mossoró”, afirmou Jungmann. Além disso, nas próximas 48 horas, está previsto o envio de mais 1.500 militares de diversas organizações militares. “Quero dizer que ao lado deles (militares), se somam 190 homens da Força Nacional de Segurança, que já se encontram no terreno”.

Jungmann aproveitou para enviar uma mensagem à população do Rio Grande do Norte. “Em duas vezes anteriores, garantimos a vida, a tranquilidade, a propriedade e a observância da lei, que são devidas ao povo potiguar. Pretendo me deslocar para Natal amanhã (30) cedo para tomar conhecimento e para participar das atividades de planejamento e coordenação. Decidi permanecer em Natal durante o réveillon. Esse é um gesto simbólico de solidariedade. Aqueles rapazes que vão deixar esposas e filhos para garantir a família daqueles que vão festejar o Ano Novo. Esses rapazes que ganham mal, eles têm compromisso com o Brasil, com a vida das pessoas, inclusive, vão garantir a vida dos familiares dos policiais que se encontram aquartelados e estão do lado do Brasil que quer ordem, respeito e compromisso, e eu me orgulho deles. Por isso, vou estar ao lado deles”, desabafou Jungmann.

O ministro da Defesa fez um apelo durante a coletiva de imprensa realizada na sede do Ministério, em Brasília, para que os policiais retomem suas atividades. “Nós entendemos as situações difíceis, a falta de salário, equipamentos, mas acima disso existe um valor maior, o juramento que faz um policial militar de defender a comunidade e a vida daqueles a quem serve. Apesar de todas as vicissitudes, o valor mais sagrado que temos é a vida e quando a sociedade os dota de armas e equipamento para defendê-la, os faça na confiança que deposita neles”, comentou.

Por fim, o ministro informou que o presidente Temer assinou o decreto que autoriza a prorrogação da GLO no Rio de Janeiro até o dia 31 de dezembro de 2018. E ainda ressaltou que na próxima semana, irá se reunir com os ministros da Justiça e do GSI, além do governador do estado, Luiz Pezão, para definir o protocolo para o ano que vem e que visa a melhoria conjunta dos governos estadual e federal nas ações de segurança e os compromissos de cada agente público.

FONTE e FOTO: MD

image_pdfimage_print

 

7 Comments

 

  1. 01/01/2018  20:22 by Roberto Responder

    O Estado está em crise.
    Deixar a população ao Deus dará em pleno Natal, réveillon.
    Atrapalhando o comércio, o Natal, o turismo.
    Isso é greve política.
    Pior é quem está desempregado ou no Rio que até recentemente, o atraso diziam que era de três meses.
    No RN, o mês de novembro está quitado para 86% dos policiais.
    Então, qual o motivo da greve que é vedada a militares?
    Segurança pública é coisa séria.
    Nem militares das forças armadas nem policiais militares podem fazer greve.
    Falam de oligarquias, mas querem que quem assuma o poder? Comunistas?
    Só sendo.
    Acho que essa greve é um tiro no próprio pé.
    A polícia acaba perdendo a credibilidade junto a população.
    Foram uns 500 episódios de roubos, arrastões, etc
    Isso não é coisa que se faça.
    O governador resolveu adotar reformas administrativas em janeiro.
    Coisa boa é que não é.
    Por causa de um mês de atraso, vão acabar prejudicando todos os servidores, inclusive a si próprios.
    Inclusive quando a ajuda federal de 650 milhões estava para sair, e o governo do Estado prometeu quitar, líderes da categoria chegaram a dizer que só voltavam se fosse tudo quitado em 2017, ou seja, pirraça, implicância.
    Agora nem ajuda federal tem mais.
    Com 10 dias de greve, a arrecadação do Estado vai cair, vai atrapalhar o turismo e vai acabar atrasando ainda mais os salários.
    Mudando de assunto, morreu um militar do exército em circunstâncias ainda não esclarecidas na cidade de Mossoró.
    Dentro do alojamento...

    • 01/01/2018  23:24 by Ivan BC Responder

      Assino embaixo! Deixar de dar assistência a sociedade por causa de salário? Entendo os polícias também...muitas críticas contra eles, legislação penal porca e a questão salarial, mas deixar de trabalhar e deixar a população à mercê é complicado. Certamente a população se volta contra isso!

  2. 01/01/2018  17:33 by Ivan BC Responder

    Esse Brasil está feio! Como diz aquele ditado: que país vamos deixar para os filhos?

  3. 31/12/2017  22:21 by Renato Responder

    Polícia fazendo greve política por causa de um mês de atraso.

    • 31/12/2017  23:42 by Igor Andreati Responder

      É muito mais que isso... os quartéis estão em estado de abandono, viaturas em péssimo estado, falta de profissionais... enfim, é reflexo de anos e anos de péssima administração e desleixo. Uma hora eles tinham que fazer alguma coisa senão nunca vai mudar nada. O atraso salarial é só a cereja do bolo. A esperança é que essa semana terrível para a população acabe refletindo em melhorias sérias, que vão resultar em um período longo de relativa paz. Muito triste que a situação tenha chegado a este ponto, mas tenho certeza que os culpados usam terno, gravata e são "eleitos" ou "nomeados" e não usam farda ou são concursados.

    • 01/01/2018  18:18 by mendonça Responder

      e voce acha pouco isso?
      o policial tem familia,tem conta de luz e agua,tem gas de cozinha,tem IPTU,
      tem que ir no mercado comprar comida ,etc.
      tem despesa que nem voce que achou pouco,tambem tem.
      detalhe; arrisca sua vida por causa de bandido,esse risco voce nao tem né?

    • 01/01/2018  20:10 by IB Responder

      Quem politiza a situação são as oligarquias políticas que controlam o Rio Grande do Norte a décadas, sugando suas riquezas e não tem nem competência e nem interesse em gerir realmente o estado. Querem encobrir sua responsabilidade jogando a culpa nos policiais quem tem seu dever, mas também tem seus direitos como qualquer cidadão nesse país.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.