FOTO - DGS - 750

DGSRio de Janeiro, agosto de 2014 _ O Centro de Embarcações do Comando Militar da Amazônia (CECMA) já está usando a Carioca, embarcação de emprego tático desenvolvida pelo estaleiro brasileiro DGS Defence, na formação de novos navegadores fluviais para a Amazônia brasileira. A região tem 22 mil quilômetros de rios navegáveis e enfrenta muito contrabando e tráfico de droga.

A Carioca é uma ETRH (Embarcação Tubular Rígida Híbrida) fabricada com exclusividade para o Exército brasileiro pela DGS Defence. Atualmente, está sendo operada pela Divisão de Instrução de Embarcações do CECMA.

Possui motor turbo-diesel-intercooler, de 6 cilindros e potência de 315 HP, acoplado a um propulsor hidrojato de alto empuxo, que permite navegar em regiões com baixa profundidade. Tem autonomia de mais de 400 km, transporta três tripulantes e seis passageiros e está equipada com uma metralhadora MAG.

Sobre a DGS Defence

A DGS Defence é um estaleiro carioca dedicado a projetos e construção de embarcações militares, com o uso de alta tecnologia em engenharia naval. Cada lancha DGS é um projeto exclusivo, desenvolvido a partir das necessidades e características especiais das missões de seus clientes. “Desenvolvemos uma nova geração de embarcações militares para o governo brasileiro baseada em inovação e excelência técnica”, explica Abilio Di Gerardi, fundador e presidente da DGS Defence.

Criada em 2007, a DGS Defence cresce de forma sólida e sustentável. Ao longo dos últimos anos, desenvolveu e detém a patente das embarcações tubulares rígidas híbridas (Extreme Hull – XH®). As ETRHs não afundam, não pegam fogo, tem longa vida útil e baixo custo de manutenção. O estaleiro carioca já obteve, no mercado, inúmeros atestados de capacidade técnica de seus clientes, entre os quais a Marinha do Brasil, Exército Brasileiro, Polícia Federal, GEFROM e Odebrecht.

Embarcações militares exclusivas e resistentes

A DGS Defence é o único estaleiro do país que produz um modelo de lancha de interceptação e patrulha blindada e com sistema antirradar, a DGS 888 (INTERCEPTOR E PATROL). Elas estão sendo operadas pela Polícia Federal na região de fronteira em Guaíra e Foz de Iguaçu no combate ao contrabando e tráfico de drogas. Outras três embarcações, modelo DGS XH 600 FH, foram fabricadas especialmente para a Marinha, e já estão em operação na fronteira leste do país, em apoio a importantes pesquisas científicas na Ilha de Trindade, e no Polo Sul, em serviços de logística para a base brasileira de Comandante Ferraz, na Antártida.

As DGS XH 600 FH medem 6 metros de comprimento por 2,4 metros de largura e sua propulsão é feita por motor de popa. A embarcação tem capacidade para transportar tripulação de até oito pessoas e suporta até 1.610kg de carga. No portfólio da linha de produção da DGS Defence, destacam-se ainda os modelos: DGS 650, que suporta até 1.210kg de carga e tem capacidade de transportar até seis pessoas (piloto + 5 passageiros), e DGS 777, para até 14 tripulantes e capacidade de até 1.610kg de carga.

Alta tecnologia naval e materiais recicláveis

As lanchas produzidas pela DGS dispõem do que há de mais moderno em tecnologia naval e materiais 100% recicláveis. A cabine é de alumínio e o casco de copolímero de etileno de ultra-alto peso molecular, um plástico de engenharia também usado em coletes a prova de bala, capacetes e na blindagem de aeronaves militares e viaturas de combate. Esse material garante às embarcações extrema resistência a situações adversas.
Com foco em sustentabilidade, a DGS Defence desenvolve projetos considerando processos de fabricação com o mínimo impacto ambiental. O corpo das embarcações em polietileno e a cabine de alumínio podem ser totalmente recicláveis.

 

1 Comment

 

  1. 14/08/2014  18:49 by Carlos B. Crispim Responder

    Gostei da DGS 888, pelo menos aparentemente é muito interessante, só acho que os fabricantes nacionais deveriam parar de afirmar que seus produtos "são os mais modernos do mundo!!!!", ou "dispõem do que há de mais moderno em tecnologia naval", esse tipo de coisa sempre foi usado nos produtos brasileiros e depois de um tempo fracassam e somem do mercado, então sejam mais realistas e menos exagerados!

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.