Tem sido veiculada na grande imprensa a intenção do Governo Federal de passar o controle da Embraer à Boeing, atavés da venda de ações¹ para a empresa estadunidense. Apesar de Temer ter negado a possibilidade deste negócio no final do ano passado², o fato é que sua palavra não vale muito. Diante disso, é preciso ficarmos atentos.

Admitindo a possibilidade desse negócio, é importante termos em mente o que está em jogo. E para que a sociedade entenda melhor a situação, o site “A Embraer é Nossa”³ reúne 13 artigos de pesquisadores e ativistas sindicais ligados à Empresa ou às questões que afetam seus trabalhadores.



Um dos artigos⁴ – de autoria do economista e professor da Unicamp Marcos José Barbieri Ferreira – descreve o cenário mundial das empresas do setor de aviação, o papel atual da Embraer neste mercado, suas potencialidades e os riscos envolvidos caso a Boeing assuma o controle da estatal brasileira.

Com base em dados da Consultoria Deloitte, Ferreira afirma que a Embraer é o 22º maior conglomerado Aeroespacial e de Defesa (A&D) do mundo, e ocupa a 3ª posição entre as maiores fabricantes de aviões, com “reconhecida competência em todos os mercados que atua: comercial, executivo e militar”.

Diante disso, a possibilidade de aquisição da Embraer pela Boeing vai na contramão do padrão de concorrência da indústria aeronáutica mundial, posto que os países “buscam preservar e reforçar o controle nacional dos seus respectivos conglomerados A&D”, segundo Ferreira.

Para o economista, é ainda mais importante que o Brasil mantenha o controle sobre a Embraer sobretudo porque a empresa “responde sozinha por mais de 80% das receitas do conjunto de empresas que compõem o setor aeroespacial brasileiro”, e também porque “o restante da cadeia produtiva da indústria aeronáutica brasileira é muito restrita, formada majoritariamente por fornecedores de segundo e terceiro níveis, altamente dependentes da Embraer”. Ou seja, em caso de perda do controle para a Boeing, haverá a “perda de controle do conjunto da indústria aeronáutica brasileira, seja pela atuação direta dessa empresa, seja pela coordenação que ela exerce sobre a cadeia de suprimentos”. Além disso, a Embraer “foi considerada a empresa que mais investiu em processos de manufatura avançada no Brasil, nestes últimos anos”.

Portanto, uma transferência do controle das atividades de desenvolvimento, produção e comercialização de aeronaves civis (comerciais e executivas) para a estadunidense Boeing poderia significar o completo “desmonte” da empresa brasileira, além de ir na “contramão do processo de consolidação da estrutura produtiva da indústria aeronáutica mundial, que resultou na constituição dos grandes conglomerados A&D, sendo a própria Embraer um dos casos de sucesso desse processo”, afirma Ferreira.

Além do mais, a perda do controle também implicaria na inviabilidade econômica do “braço militar” da empresa, uma vez que é o segmento civil que fornece a escala produtiva à empresa, respondendo por mais de 80% de suas receitas.

Ferreira conclui o artigo afirmando que transferir o controle da Embraer para uma empresa estrangeira significa “o fim da Embraer como a conhecemos, seria o fim da global player brasileira”, e defende a “construção de alianças estratégicas internacionais que efetivamente preservem a integridade e o controle nacional da empresa”.

Referências
1 No processo de privatização em 1994, o governo ficou com uma ação de classe especial chamada “golden share”. Essa ação foi criada para o governo ter direito a veto em empresas privatizadas. Com isso, qualquer decisão estratégica, como troca de controle acionário e criação ou alteração de projetos militares, precisa, na prática, da aprovação do governo (http://bit.ly/2s7apid).
https://glo.bo/2s0SppR
https://bit.ly/2sb4NCX
4 https://bit.ly/2Lu0Nq2

FONTE: POEMA



 

29 Comments

 

  1. 02/06/2018  22:42 by Fred Responder

    Uma estratégia altamente organizada, que teve (e tem) como peça central a Lava-Jato, objetivando o desmonte da soberania, de qualquer foco importante de poder nacional econômico e politico...

    Com o sucesso do Golpe 2016, as porteiras foram escancaradas e qualquer ativo nacional valioso que pode ser abocanhado, está sendo entregue o mais rápido possível... afinal este é o botim do golpe!

    Trata-se, a todo custo, de passar o controle sobre o parque produtivo e tecnológico brasileiro a interesses não-nacionais.

    Neste caso específico, esses interesses são representados pela gigantesca empresa norte-americana Boeing...

  2. 01/06/2018  17:14 by Paulo Moraes Responder

    Não importa que a Embraer tenha investidores majoritariamente estrangeiros. Tem alguns profissionais da mídia aqui que são pagos para dar parecer "X" ou "Y". É a guerra de informação e contra informação, moldando tendenciosamente a opinião pública, ou mesmo neste sitio, com o intuito de atender os objetivos de determinados interesses comerciais, políticos e industriais.
    O que importa é que a Sede e o Centro de Desenvolvimento, Produção e Pesquisa estejam aqui no Brasil, com técnicos e engenheiros com conhecimento e capacidade tecnológica de ponta. A Boeing não tem, no momento, e esse é o problema, e a Embraer é a solução para ela.
    Também não importa que faça uso do BNDES, os quais os contratos são balizados dentro da atividade fim do Banco. O dinheiro esta lá para ser usado com esse fim, ou deteriora-se, pois é um banco, como outro qualquer, que necessita de transação comercial e de crédito para ser auto sustentável, gerando atividade e desenvolvimento econômico, ou pelo menos deveria estar fazendo, como estão fazendo o BB e CEF. Ninguém argumenta ou reclama que seus impostos são utilizados para financiar a agroindústria ou qualquer outra atividade econômica através dos bancos CEF ou BB, inclusive para empresas estrangeiras.

    A Embraer se desenvolveu muito também com o talento gerado pelo ITA, e isso não pode ter sido feito sem o devido retorno à nação, e não venham com essa blasfêmia que é empresa de livre mercado. O congresso estadunidense decide tudo que diz respeito às exportações tecnológicas nos EEUU. Nenhuma empresa tem liberdade para fazer o que quiser.
    Claro que existem empresas estrangeiras associadas aso produtos da Embraer, mas a Boeing entendeu há tempos que a Embraer é a protagonista, ou não estaria nessa intensa batalha para adquirir. Quem vai dizer que são apenas as empresas estrangeiras é que são importantes para a Boeing?

    É um sofisma talentoso, digno de Joseph Gobells, falar que, sem a fusão, a Embraer acabará. A Mitsubish não acabou, a Dassault não acabou, e tantas outras empresas de tecnologias aeronáuticas não acabaram com ou sem as duas grandes irmãs, isso para não citar as chinesas e as russas. Mas tem que haver política estratégica e industrial. Um bem planejado e aplicado conceito desenvolvimentista e integrador também com outras atividades industriais e da economia, coisa que, aqui no Brasil, nossa classe governante e dirigente não tem interesse, e nem quer se indispor com o status quo do poder econômico mundial.

    Fazer os cegos enxergarem na terra que só tem o rei e a nobreza que enxergam é indesejável e perigoso, mesmo que o rei e muitos da nobreza sejam oportunistas, corruptos, atrasados, ineficazes, predadores, acomodados e egoístas, só querendo manter seus privilégios, riquezas e poder.
    Pra mim, vai ser a maior imbecilidade mundial vender a galinha dos ovos de ouro, por algum ouro. Vamos ser motivos de risadas cósmicas.... São os lobos querendo comprar as galinhas, e sendo totalmente favoráveis à negociação. Quem lembra da Vale quando foi vendida? Vendida por alguns poucos bilhões, e 12 meses depois, promoveu o milagre de passar do valor de 100 bilhões... de dólares.

    Motivos que existem por meios lesivos à pátria, mesquinhos, predatórios, exploratórios e estratégicos de nunca deixar o Brasil ser cabeça. O Brasil, pra eles, está muito bem sendo o gado do campo. Nada de ser o capataz, muito menos o fazendeiro. Querem que seja eternamente rabo...(desculpem os termos chulos).

    A discussão aqui é muito mais de ganhos e interesses financeiros e/ou ideológicos. O meu ponto de vista é patriótico.

  3. 31/05/2018  10:22 by jose luiz esposito Responder

    Como sempre os entreguistas de plantão com toda a certeza , desconhecem História , somente isto , Entreguista no Brasil , dão mais que Chuchu na serra . Anunciaram uma terceira empresa em parceria , ok ! Então nesta terceira empresa , somente para novos projetos de aviões da categoria dos E2 , menos a aviação executiva , etc , e 50% a 50% , isto conheço como Parceria , porém aos entreguistas , quando é com o tiozinho do norte ficam todos contentes espertos , e fingem não conhecer suas ações e seus métodos . Um exemplo é o nosso programa Espacial , depois do Misterioso caso de 2002 , não somente o acidente , mas boias de espionagem no mar e presença de estrangeiros na Área ( os nosso belos militares 0 de antemão desconheciam de tudo , o nosso programa parou , voltamos as décadas de 70/80 e ao Aluguel da Base e ainda estamos implorando ao Inquilino, que claramente fará exigências , mas tudo a gosto dos Colonizados /Entreguistas , os mesmos que pronunciam Flórida e Midia , no lugar de FLORIDA e MÉDIA ! Coitado do meu país , destruíram todos os sonhos de minha geração e a 129 anos deixamos a Liderança , para sermos Capachos .

  4. 31/05/2018  9:37 by Wolfpack Responder

    O problema é que não existe um controle possível sobre esta venda. A Golden Share impede, mas as ações da empresa estão disponíveis na Bolsa de Valores. A Boeing pode de uma forma ou outra influenciar na direção da Embraer e deter boa parte das ações. Num primeiro momento era a favor da venda, mas acredito que a Embraer menor e mais ágil pode competir de igual pra igual com as duas grandes Airbus (estatal) e a lenta e problemática Boeing.

    • 31/05/2018  19:09 by jose luiz esposito Responder

      Vamos supor que a Boeing compre todas as Ações disponíveis e controle a EMBRAER , OK , porém a Golden Share estará ativa e daí ???

  5. 30/05/2018  23:12 by ANDERSON DE PAULA DIAS Responder

    Vamos fazer igual Porto Rico e entrega tudo para os Americanos de uma vez, nunca a França venderia a Dassault, nunca o Japão venderia a Mitsubishi, Nunca os Chineses venderiam a Cima, agora o Brasil pode entregar a única empresa de tecnologia deste país continental, e tem gente que defende isso só deve ser brincadeira.

  6. 30/05/2018  22:56 by GripenBR Responder

    O staff de Embraer é um só! Um grande amigo, excepcional engenheiro com formação aeronáutica nos EUA e ITA, esteve no projeto KC 390, especificamente no desenvolvimento das asas, atualmente está no E2 e também esteve no desenvolvimento das asas. O staff da aviação comercial, militar e executica, são basicamente as mesmas pessoas. Onde será a fábrica e sede desta nova empresa? Duvido muito que "sobra" sob a marca Embraer sobreviva financeiramente viável. Necessitará de um novo Staff. A EMBRAER tem pouco mais 4000 mil funcionários a mais que Gulfstream fabricante de jatos executivos. Um Gama de produtos muito maior.

  7. 30/05/2018  19:31 by Martns Responder

    Novamente está história, como petróleo e nosso, a Embraer é uma empresa privada, mesma coisa Friboi, o governo também tem participação. O material sem ter o que fazer, o governo tem que vender sua parte e cuidar da saúde educação e segurança..

  8. 30/05/2018  18:38 by César Pereira Responder

    Quando privatizaram a Embraer os novos acionistas já sabiam da existência da ''golden share'' isso não foi surpresa nenhuma, e mesmo sendo uma empresa privada a Embraer usufrui bastante dos cofres públicos, via BNDES e recebendo tecnologia de graça via Programa FX ! Entregar a empresa a Boeing significara o fim da Embraer, isso é um fato !

    • 30/05/2018  19:59 by Doug385 Responder

      Usufrui de FINANCIAMENTO, não doação e coitada dela se não pagar. Aliás, essa é a missão precípua do BNDES como entidade de fomento econômico. É assim em qualquer país do mundo. O problema é quando banco é usado de forma política para os "cumpanheiros" do partidão, como os regimes totalitários africanos e latino-americanos. Disso nunca vi o senhor reclamar. Agora a conta do calote somos nós que vamos pagar.

      • 30/05/2018  20:42 by César Pereira Responder

        Que calote é esse que você se refere , você pode provar isso que esta dizendo ?
        Não ,né ? então isso é tudo falácia sua , uma verborragia barata de quem não tem o que dizer ou não sabe oque diz ! A Embraer foi privatizada em uma ''condição especial '' os acionistas sabiam disso, não tem bobo nessa estória ,embora alguns tentem se fazer de bobo !
        Mas a Embraer tem que pagar sim o BNDES ,eu não disse que foi uma doação, oque ela esta recebendo de GRAÇA e você PROPOSITALMENTE esqueceu, foram as tecnologias do Programa FX ! A Embraer não seria nada sem a ajuda do Estado Brasileiro, mesmo após a privatização, sem o aporte do governo essa empresa já tinha acabado há muito tempo, mesmo sendo privatizada ! Grande abraço !

  9. 30/05/2018  18:16 by Lucas Iglesias Responder

    Não entendo esses caras que querem a Embraer sobre o Controle da Boeing. O que vocês ganham com isso?... Hoje em dia tudo é esquerdista, esquerdista pra cá, pra lá... Só falta chamarem os editores do site de esquerdistas.

    • 31/05/2018  18:48 by jose luiz esposito Responder

      Lucas Iglesias para os Colonizados , pensar diferente deles , é Comunismo .

      • 01/06/2018  6:08 by Lucas Iglesias Responder

        Por isso não dá pra levar esses caras a sério, vivem num mundinho fantasioso e não teem opinião própria.

  10. 30/05/2018  16:31 by Pedro Responder

    Quanta besteira em um mesmo artigo. Todo mundo que entende um pouco do mercado de aviação comercial sabe que se Embraer não se unir a Boeing nesse mercado acabará com um destino similar ao da Bombardier: vendida por nada. Os brasileiros deveriam se orgulhar de vender um braço da empresa e continuar com uma participação em um mercado tão disputado, podendo receber dividendos desse braço e continuar mantendo o segmento de defesa.

  11. 30/05/2018  16:15 by Daniel Responder

    Quem está a favor da venda da Embraer, não passa de um entreguista e antipatriota. A Golden share, ainda nos dá alguma garantia. Vamos voltar a ser colônia!

    • 31/05/2018  19:01 by jose luiz esposito Responder

      Daniel vamos voltar , voltamos a Colônia no dia que os deprimentes militares do EB , deram o Golpe da republiqueta , copiando tudo de pior dos outros , como Bandeira , Nome , Leis , etc , tudo dentro de uma Seita Diabólica chamada Positivismo , que para o Povo brasileiro foi o NEGATIVISMO de toda a nossa origem legada por Portugal , para que fôssemos uma das Nações para Poderosas e desenvolvidas do mundo , o que o IMPÉRIO sempre perseguiu , criaram esta Republiqueta por Golpe contra a vontade popular , nos desgraçando , , criaram uma republiqueta de Castas Corporativistas , onde os militares se incluem e ainda o General Leônidas Pires Gonçalves , em uma entrevista , disse , que o Exército nunca foi um Intruso na vida Nacional.Ele estava Senil , estamos a 129 anos nesta Desgraça , uma Nau Sem Rumo e Doentes Mentais pedem intervenção , a pedida é RESTAURAÇÃO !!

  12. 30/05/2018  16:14 by Luan Responder

    Os maiores acionistas da Embraer já são estrangeiros, onde que essa porra deixará de ser brasileira? Fora que hoje a Boeing e a Embraer já trabalham juntas como na parceria para venda e apóio na manutenção do KC e mesmo da linha E-jet, fora que de aquisição a Boeing hoje deseja criar uma joint venture para venda das aeronaves, agora muito idiota ir nessa que a venda vai acabar com tudo, fica do jeito que está e com a principal concorrente se unindo a uma gigante do setor, acha que fica sozinho tem futuro é uma burrice sem rumo algum.

  13. 30/05/2018  15:32 by Bene Responder

    Pra quem não está a par da situação fica meu comentário. A Embraer não é estatal, ela é uma empresa privada movida por ações e o governo brasileiro detém 15% de ações mais o poder do veto.
    O poder do veto da ao governo Brasileiro o direito de vetar qualquer decisão econômica da empresa, como por exemplo, vetar a venda da empresa. Temer , ja afirmou em nota que não permitirá a venda de 100% da empresa ele ja falou que a parte de defesa militar não pode ser negociada e a venda de 100% também não. A Boeing tenta comorar algo em torno de 51% a 70% da empresa Embraer e tomar conta da parte de jatos. Caso a venda seja concretiza A Boeing irá "criar" uma nova empresa que ficará fora do poder do governo brasileiro. A " antiga Embraer " ficará apenas com a parte militar, fazendo que assim a geração KC chegue no final a Embraer tamém chegue, pois a venda e produção de jatos e executivos representam 87% do lucro da empresa, impedindo que Embraer tenha condições financeiras de manter os funcionários da parte da aviação militar, em sumo, a Embraer vai vira uma oficina de KC.

  14. 30/05/2018  15:17 by Luiz Responder

    nao entendo o que essa gente ganha defendendo a unhas e dentes a venda da embraer ? sera que sao acionistas ? ... ê laia!

  15. 30/05/2018  14:57 by Daniel Responder

    Graças a Deus! Que continue sendo do Brasil, mesmo com a ação preferencial, não importa.

  16. 30/05/2018  14:31 by Ricardo Responder

    Isso mesmo, vendam a empresa que mais agrega valor ao que produz e fiquemos com soja, carne in natura, minério de ferro e café. Eternos dependentes da exportação de commodities. O "Mercado" agradece.

  17. 30/05/2018  14:28 by Eduardo Responder

    A EMBRAER não é estatal faz tempo, aliás os maiores acionistas são estrangeiros. Não dá para aproveitar para nada este artigo.

    • 31/05/2018  19:05 by jose luiz esposito Responder

      Eduardo , pra ti se não for ESTATAL , não é Brasileira !

  18. 30/05/2018  13:19 by Doug385 Responder

    Fui procurar mais informações sobre a fonte. Tem muito mais besteiras de onde essa acima veio. Mais um blog imundo de esquerda.

    • 31/05/2018  19:23 by jose luiz esposito Responder

      Douglas te indicarei um Site somente para Colonizados e Entreguistas , lá farás a festa . Agora ser Nacionalista e Defender os nossos interesses é Esquerdismo, então somente a Esquerda defende os Nossos Interesses na tua opinião , a Direita com te colocas , é Entreguista , Colonizada , Capacho do tiozinho do norte , etc , tenho certeza que escreve e pronuncias Flórida e não Florida , Mídia e não Média , já o site se quiseres te passarei em of , mas certamente tenho certeza que todos aqui conhecem !

  19. 30/05/2018  13:08 by EricWolff Responder

    Quanta besteira, e desde quando o governo pode passar o controle daquilo que não lhe pertence???

    • 30/05/2018  13:47 by Eduardo Responder

      Sim. O governo pode tirar do Brasil a capacidade de desenvolver aviões (e toda a indústria relacionada) com apenas uma canetada. Lembra da golden share?

  20. 30/05/2018  12:52 by césar silva Responder

    se deixarem vender a embraer é adeus embraer e o artigo ja disse tudo

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.