A declaração foi feita em resposta a uma consulta da B3 sobre notícia veiculada pelo Estadão/Broadcast informando que a as empresas estariam discutindo maneiras de driblar a resistência do governo brasileiro ao negócio

Por Fabiana Holtz

A Embraer afirma que uma eventual combinação de negócios com a Boeing, se e quando concretizada, deve preservar, antes de mais nada, “os interesses estratégicos da segurança nacional e respeitar incondicionalmente as restrições decorrentes da ação de classe especial (golden share) constantes do estatuto social da empresa, de titularidade do governo brasileiro”.

A declaração foi feita em resposta a uma consulta da B3 sobre notícia veiculada pelo Estadão/Broadcast em 5 de janeiro, informando que a Boeing e Embraer estariam discutindo maneiras de driblar a resistência do governo brasileiro ao negócio e que a empresa norte-americana estaria disposta a pagar US$ 28 por ADR, conforme fontes afirmaram à agência Dow Jones.

Segundo a fabricante de aviões brasileira, não há qualquer intenção de “driblar” alegada resistência a qualquer transação com a Boeing. No comunicado, a empresa também ressalta que sua administração tomou nota das manifestações públicas do governo brasileiro e seguirá em conformidade com elas em quaisquer futuros entendimentos.

Embraer em números

Apesar da queda de ontem, papel da companhia acumula alta de 25% desde o anúncio da operação com a Boeing

Em relação ao valor por ADR mencionado na notícia, a Embraer esclarece que não possui neste momento elementos para manifestar-se sobre esse tema, uma vez que “nesta data não há sequer definição sobre a estrutura de uma potencial combinação de negócios”. Dado esse cenário, a empresa diz que não lhe cabe especular acerca dos critérios de avaliação adotados pela Boeing.

FONTE: Estado de SP

 

26 Comments

 

  1. 12/01/2018  11:49 by jose luiz esposito Responder

    PERFEITO CESAR , sabemos que a uns três anos estávamos para fazer uma nova empresa aeroespacial e com Parceria Russa , mas agora com o PSDB , a tal empresa foi engavetada como logo a seguir esta Conversa Fiada de Parceria com a Boeing , ela destruirá nossa Empresa e arrastara´para lá nossos Engenheiros , assim evitariam a criação de uma outra Empresa com o Pessoal da Embraer , escrevam aí !
    Espero a OPINIÃO de nossos Grandes Militares , que se dizem nacionalistas , ENGANAM BEM , como sempre disse e na Cara deles !

  2. 12/01/2018  11:38 by jose luiz esposito Responder

    Bem , esta Conversa Fiada que a Boeing vai manter os Interesses Brasileiros , etc , e Conversa Fiada , querem uma Joint Venture , uma Parceria , OK , agora assumir de qualquer forma o Controle Acionário e ou de Decisões da EMBRAER nunca , o Resto é BLA BLA BLA dos Interesses deles e de seus Entreguistas e como entre os Políticos e Militares têm ENTREGUISTAS ; depois a Conversa que no futuro ficará difícil para a sobrevivência da EMBRAER e apenas uma forma de Iludirem o Brasileiro , temos a Rússia e a China e até a Índia para fazermos Acordos e toda a América Latina , teremos muitas outras oportunidades , além do ENTREGUISMO dos COLONIZADOS , os exemplo que nos Alertam contra a alienação da Empresa estão a Vista de todos .
    Não faremos como PORTUGAL em 1910 , mesmo tendo o EXEMPLO DESGRAÇADO DO BRASIL , deram também um GOLPE DA REPUBLIQUETA lá , quebraram a Cara , não aprenderam com o ESPELHO BRASIL !!

  3. 12/01/2018  2:34 by Esteves Responder

    Penso que a primeira vez que as postagens e os debates no DAN ficam tão...espontâneos. Os Conselhos de Administração da Boing e da Embraer devem estar anotando tudo que saiu no DAN.

    A Airbus comprou o que interessava comprar na Bombardier: jatos regionais de 110 a 135 assentos a chamada C-séries. Trens, Jets, tratores, máquinas de lavar não interessava.

    A entrevista do Ozires é clara. A Embraer tem seu futuro comprometido. A entrevista do atual presidente da Embraer é clara: o governo brasileiro não tem grana para subsidiar a Embraer como fazem canadenses, europeus e como a China avisou que fará motivo pelo qual a China não confirmou os pedidos da Embraer.

    Os motivos? Os motovos estão claros nas duas entrevistas. Dependência tecnológica, concorrentes 10 vezes maiores (Boing e Airbus), subsídios dos concorrentes. Estudos estratégicos mostram que mesmo havendo competência isso não é suficiente para sustentar o negócio por 20 ou 30 anos mais. É o que está publicado nas duas entrevistas.

    As vendas do KC390 não fazer caixa nem capitalizar a Embraer porque esse não é alvo da empresa. Além do produto ainda estar em fase de homologação. As vendas dos jatos da família E também não vão capitalizar a Embraer porque uma empresa não se capitaliza com caixa ou faturamento.

    A capitalização da Embraer e de toda cia aberta vem do investimento dos sócios e da alavancagem. Se os sócios desejarem não investir ou não contrair empréstimos ou vender o negócio ou vender a participação ou ir viver em Miami...o negócio acaba.

    Exemplo? a Petrobras fatura 70 bi e deve 350 bi. Se dependesse do caixa ou da "capitalização" conseguida com as vendas...a empresa estaria no fundo do pré-sal. Bem no fundo.

    Vamos aguardar. Em um país onde a captação de leite é dominado por franceses...tudo pode acontecer.

  4. 10/01/2018  7:56 by Gil Responder

    Casseta, deixem de enganar a gente e falem abertamente o que todos já sabemos
    Não se trata para Boeing de uma combinação e sim da pura e dura compra e controle da Embraer

    Não sou eu quem afirma isso, e sim os jornais norte americanos.

    • 10/01/2018  7:57 by Gil Responder

      Digo, combinação de negocios.

  5. 10/01/2018  1:55 by Curiango Responder

    Cesar parabéns pelos comentários.

  6. 09/01/2018  23:24 by Fabio Lucas Responder

    Cesar, fica quieto, vc é brasileiro? Não parece... Pq não se mostrou revoltadinho no rombo bilionario dos cabides politicos da Petrobras? De tando vc falar dos produtos da Embraer, deve saber que, as aoronaves civis tem o recheio e motores americanos, as militares também, o A-29 quase toda sua totalidade de tecnologia embarcada é americana, o KC-390 tem o recheio muito dividido, mas nada, completamente nada nacional... O maior mercado civil é americano! Os maiores clientes também.... Ahhhh mas vc deve ser mais um "intelectual" mortadela que acha que sabe de tudo, manda os outros estudarem e tal, mas vc mesmo mal é informado... A Embraer tem poucas opções, ela faz uma parceria e continua seu crescimento; ela é vendia e continua seu crescimento; ou a Boeing simplesmente entra no mercado, afunda a Embraer no setor civil, que é de onde vem seu lucro, no militar, so reativar o projeto OV-10x Bronco, e acaba com tudo de vez... Acha mesmo que ela sobrevive contra a Airbus/Bombardier? Vc citou um exemplo ruim ai, mas tem outros melhores, na Australia, pesquisa ai. Ah! Antes de me chamar de coxinha ou o que for, não votei e não voto em nenhum presidenciavel sujo, seja o cheirador, a bruxa, o luladrão...

    • 10/01/2018  8:18 by Gil Responder

      Cara, tu tem algum retraso mental ou simplesmente é mal intencionado?
      Porque vc fala do Lula nesse tema quando isso não vem ao caso.
      Eu por exemplo nunca votei no PT, mais existe algum partido decente ou homem de estado no Brasil para poder ser escolhido?

      Porque vc vem questionar aqui a brasilidade de terceiros por discordar do cara, te falta argumento, por a caso ninquem te ensinou no básico que uma nação nunca deve perder o controle das suas empresas estrategicas, da igual se ela é estatal, mixta ou privada?

      Porque vc vem aqui falar o obvio ululante de que muitos dos componentes dos jatos EMB são de USA.
      Será que USA vai vetar de alguma forma a EMB, sabendo que a reciprocidade do governo do Brasil seria enorme
      e que ainda que custara dinheiro e levara tempo a EMB poderia substituir os seus componentes norte americanos por componentes de empresas europeias, o que geraria mais perda para as muitas empresas norte americanos proveedoras da EMB.
      Portanto a EMB e o Brasil, se quisserem jogar duro, tem muitas opções a entrega tacita do nosso cluster aeronautico para USA.

      O mal informado é vc e pelo jeito mal intencionado, ninguem aqui e contra parceria ou associação com a Boeing.
      Somos contra o que realmente USA e a sua ponta de lanza nessa grande e nova agressão a nossa patria desejam.

      Agora bem, USA faz o que deve que é buscar acabar com a competencia em todos os paises que pode, eles não tem culpa de nada
      quem tem culpa são os brasileiros apatridas que entregariam até a sua mulher para que os norte americanos fizessem um filho nela.
      Porque o filho sairia mais bonito.

      Esses são a pior corja de pessoas, junto com corruptos e narcos que habitam essa nação.

    • 11/01/2018  14:55 by César A. Ferreira Responder

      Quem é você, Fabio Lucas?
      Que poder tem você?
      Você não é ninguém e suas palavras evidenciam que é uma pessoa desinformada, de pouco conhecimento, mas convicta que suas verdades são universais. Além de ser, também, frustrado e manter no íntimo um sentimento vivo de inferioridade, como visto na expressão "intelectual mortadela". Lamento muito pelo fato de você se sentir inferiorizado, mas, é um problema seu. Trate-se.
      Continuando...
      A Petrobrás, caríssimo, com o atual presidente, Sr. Pedro Parente, vendeu uma reserva com trilhões em barris recuperáveis por menos de um vigésimo do valor em rendimentos futuros. Isto, dentre outros desinvestimentos de ativos de produção, todos por preço vil, e que eram capazes de produzir rendimentos futuros...
      É você que quer discutir comigo?
      De cara vejo que é mais um cujo conhecimento em geopolítica é demandado pela Globonews...
      Ou seja, não sabe nada.

      O fato de que a tecnologia em componentes aeronáuticos não estar em vários setores em nosso domínio não implica em abandono deste segmento como um fator de projeção de Poder Nacional. O número de nações que produzem turbinas aeronáuticas é inferior aquelas que dominam o ciclo tecnológico nuclear. Não é um motivo para se abdicar da busca pelo domínio destas tecnologias, pelo contrário. A Embraer é um polo de desenvolvimento tecnológico, excelente gerenciadora de projetos o que em si é algo básico para obtenção e desenvolvimento de tecnologias novas.

      O seu desconhecimento é evidenciado pelas suas palavras: "(..) ou a Boeing entra no mercado, afunda a Embraer"...
      Caríssimo, a Boeing já está no mercado... E não afundou a Embraer até hoje. Na verdade, para quem conhece o mercado, sabe que o movimento da Boeing visa a se antecipar a crescimento futuro da Embraer e a decisão lógica desta de produzir aviões com até 190 assentos. Uma vez capitalizada com as vendas do E2 e do KC-390, o passo natural será projetar aviões para linhas de maior densidade. Dado o fato que a China terá um vetor nacional, o C919, a Boeing procura se antecipar e retirar do mercado um futuro competidor, no caso a Embraer, por via da aquisição do controle acionário...
      Você, que é mais um que nada sabe fica aí a berrar e a tentar desqualificar-me, pois todo ignorante tem este modo de agir...

      Outra coisa, caro desinformado: não existe "Airbus/Bombardier". A Airbus adquiriu tão somente a divisão do projeto "C-Series", não fez a aquisição do controle acionário da da Bombardier... Informe-se, por favor.

  7. 09/01/2018  23:12 by finger Responder

    Esperamos que a Embraer consiga com essa parceria um fôlego e uma forte injeção de capital, acesso a novas linhas de créditos para expandir seus investimentos nos quatro continentes e se solidifique como a terceira maior fabricante de aeronaves regionais do mundo.
    Desta união, imprescindível para enfrentar a forte concorrência que virá da união entre Airbus/Bombardier um passo muito inteligente para ambas, Embraer ganha força para competir contra Airbus e se manter lider bem como a Boeing impede o monopólio da Airbus, e todas saem ganhando.

    Não podemos nos esquecer outras empresas na Asia já projetam uma fatia do mercado, é importante oferecer um produto com custo baixo e sobretudo de maior qualidade antecipando a projeção de mercado.

    Certo que, além de ser um acordo viável financeiramente, viável estrategicamente, esperamos sobre tudo, que seja viável tecnológicamente com acesso a novas tecnologias que a Embraer possa aprender em conjunto com a Boeing. Embraer tem muito mais à aprender com a Boeing do que Boeing com Embraer. Importante não ficar apenas no viés financeiro, mas de projetos em conjuntos assim como Boeing já fez com a SAAB.

    No mais, não podemos saber ainda qual será o modelo de negócio, mas tenho certeza que Embraer saberá escolher o melhor para sí, e nosso governo possuidor do GolderShare saberá garantir a soberania da Empresa no que é possível. Pois sabemos que hoje já existe um certo controle na área de Defesa de produtos que levem tecnologias embarcadas americanas, como no caso do Tucano mas nada que vá levar a empresa a extinção como muitos temem por aqui.

    • 10/01/2018  1:00 by Cesar A. Ferreira Responder

      Não existe parceria, caríssimo!
      Não conhece a palavra Takeover?
      Takeover é controle acionário.

      Tudo que falaste é besteira frente ao foi anunciado aos quatro tempos nas mídias especializadas em economia (Financial Times, The Economist, Bloomberg e The Wall Street Journal).

      Não é um "acordo viável financeiro" e nem "viável estrategicamente", pois se trata de aquisição, caríssima pessoa. Trata-se de aquisição do controle acionário da empresa, portanto, só atende ao interesse da Boeing em retirar um concorrente do mercado, caríssimo.

      Eu devo admitir que fico rindo de pessoas que não entendem o significado das palavras. Não sabem, não entendem e não querem entender que se trata de uma compra, aquisição, incorporação de uma empresa por outra e não de parceria, pois isto seria feito através de uma joint ventury. Takeover, caríssimo é controle acionário.
      Se não sabe, aprenda agora.
      Fico pensando... Como é possível tamanha ignorância dos fatos, desinformação?
      Vive no mundo da carochinha, será?
      Os jornais brasileiros não estão sendo transparentes, ao contrário do que se vê na mídia inglesa e norte-americana que dizem com todas as letras: takeover!

      Enfim...

      • 10/01/2018  8:25 by Gil Responder

        Cesar

        92% dos Brasileiros são analfabetos funcionais, dai a dificuldade deles de entender o que esta escrito.

        Dai que fica facil de entender sobre a facilidade que ele tem de se desprender do esforço tecnologico logrado pelo 8% de brasileiros que sabem o que isso representa

      • 10/01/2018  8:50 by finger Responder

        Primeiro, antes de sair chamando as pessoas de desinformado, ignorante, alienados porque não concordam com suas idéias fantasiosas, vá se informar melhor.

        Segundo, O Governo Brasileiro não vai vender o controle da Embraer, isso não está em discussão, entenda que para cada vez que voçê falar a parava TAKE OVER eu respondo com GOLDEN SHARE.

        Mas já que você parece desconhecer esta palavra eu vou lhe dizer o que ela significa. a REPUBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, tem o PODER, de VETAR, a TRANSFERENCIA DO CONTROLE ACIONÁRIO DA COMPANHIA, para qualquer outro, isto porque é uma ação especial com poder de voto e VETO, mesmo que governo detenha a minoria das ações, é uma Ação da classe especial, portanto se sobrepões aos votos dos detentores ações Ordinárias.

        No caso em tela, fique tranquilo, por mais ruim que nosso governo seja, não é burro suficiente para permitir um TAKEOVER.

        Ademais, fontes de sites estrangeiros são tão ruim quanto as nossas, pode-se verificar que os mesmo desconhecem nossa legislação.

  8. 09/01/2018  22:39 by Esteves Responder

    As notícias publicadas na Fortune e no Financial Times são as mesmas veiculadas no Brasil. A Boing está interessada na aquisição da Embraer. São notícias curtas e rasas. Não há detalhes nos EUA. Não há detalhes no Brasil.

    As notícias citam o interesse por produtos da família E190 e o recente KC390. É um negócio grande. No Brasil só a 3G tem caixa para aquisições desse tamanho. Bilhões de dólares.

    Ozires Silva disse na entrevista que a linha de jatos regionais da Embraer não tem futuro porque a expansão mundial no setor de aeroportos mostra despesas operacionais altas para esse segmento. O rato ficaria do tamanho que já está talvez um pouco mais gordo.

    O Brasil não fábrica motores nem turbinas. Ozires disse que 40% dos produtos Embraer dependem de importar componentes e aviônica norte americana.

    Vou dar o exemplo da MWM. A empresa era alemã. O maior fabricante mundial de motores diesel. Foi comprada por americanos da Navistar em 2005. Em 2016 a MAN, dona da VW e da Scania comprou 17% mais o controle do Conselho de Administração da Navistar americana. O que era alemão voltou para a Alemanha.

    A GM, a Ford e a Nissan cancelaram os contratos de fornecimento de motores diesel com a MWM porque a empresa deixou de ser "americana ". Esse foi o motivo da GM, Ford e Nissan passarem a montar suas pick-ups com motores de fabricacao própria.

    Isso leva o nome de Poder Nacional. Estabelecimento e Projeção do Poder Nacional.

    Carros coreanos entram na Europa para serem vendidos com motores Citröen. Ou não entram.

    A Embraer é somente uma empresa que deu certo. Infelizmente parece só haver ela.

    Quem tem um não tem nenhum.

  9. 09/01/2018  22:08 by Hélio Responder

    A Embraer tão brasileira e com inovações tecnológicas nacionais de ponta sendo entrega aos americanos, viva o Brasil um País de bananas e viralatas, sempre querendo set cauda e não cabeça, e dono do seu próprio nariz!!!

    • 09/01/2018  23:03 by Ivan BC Responder

      Mais da metade da tecnologia dos aviões Embraer são americanas, sem falar de outros países. O principal cliente da empresa é os EUA. Grande parte dos acionistas da Embraer é americano. A Embraer tem fortes parcerias com empresas dos EUA e isso fez da empresa um sucesso de vendas e gestão. Além disso a Embraer é bem vista pelo governo dos EUA, vendendo muito super-tucano para outros países.

  10. 09/01/2018  20:52 by Cesar A. Ferreira Responder

    Procurem por Aero Vodochody (República Tcheca) e a sua história como parte da Boeing...
    Vou resumir: a empresa foi adquirida pela Boeing, com garantias da Boeing de respeito pelos "interesses nacionais da República Tcheca" e o que se teve foi demissão, fechamento de linha de produção e desleixo com comercialização do produto da Aero Vodochody... Um bilhão de dólares de prejuízo...

    E aí?
    A história machuca?

  11. 09/01/2018  19:40 by Ivan BC Responder

    Que choradeira! deixem a Embraer em paz...seus donos, dirigentes, gestores e TODOS os funcionários foram responsáveis pelo crescimento da companhia. A empresa sabe o que fazer e não meia-dúzia de fanáticos.

    • 09/01/2018  21:06 by Cesar A. Ferreira Responder

      Como você aponta para aos outros e os chama de "fanáticos", posso também apontar-lhe e o chamar de qualquer coisa. Como sou educado vou apenas dizer-lhe que és um infeliz, pois infeliz foi o seu comentário, que o desnuda como pessoa ingênua e no íntimo incomodada com este fato aberrante que é a aquisição do controle acionário da Embraer pela Boeing...
      És uma pessoa que nada sabe sobre Poder Nacional, Projeção de Poder Nacional e Conquista de Poder Nacional (percebi pelo comentário)...
      Vou dar-lhe uma pequena dica, já que sou pessoa de boa alma: comece pela literatura básica... Ascensão e Queda das Grandes Potências (Paul Kennedy); é um livro instigante e de leitura fácil.

      Comece por aí para começar a discutir/debater...
      ;)

      • 09/01/2018  23:27 by Ivan BC Responder

        Não viaja, Cesar! Nem sabemos sequer o que as empresas estão discutindo. Você leu a carta feita pela Boeing? Nem se sabe exatamente quais pontos serão discutidos. Não se sabe se vão criar linhas de produção em conjunto, se vão ser sócios minoritários, se a Embraer vai entrar forte em projetos da boeing, se vão dividir experiências e conhecimentos, se vão dividir especialidades, se vão simplesmente aprofundar parcerias que já existe entre as empresas etc...
        O jornal americano de finanças que publicou a notícia da possível fusão não disse nada com nada, apenas jogou a informação no ventilador.
        A Embraer está feliz pela negociação, pelo menos é assim que os donos e gestores disseram, assim como ex-especialistas da empresa.
        O mercado da Embraer é os EUA, é de lá que vem a tecnologia da empresa, as vendas, parte grande do capital e dos consumidores Embraer.
        Ficam com esse papo de empresa "estratégica", mas na prática os americanos já detem grande parte da empresa através de fundos, justamente nesse período a empresa cresceu como nunca! Nunca vendeu tanto super-tucano, estão desenvolvendo o KC-390. Com o capital estrangeiro a empresa está indo super bem e cumprindo o seu papel.
        A Embraer já é muito americana e isso é bom, vem dando ótimos resultados.

  12. 09/01/2018  19:01 by Fernando Responder

    Embraer ja foi. No futuro teremos no maximo um centro de manutenção da Boeing do Brasil e fim de papo. Era uma vez avioes made in Brazil! E viva o mercado! Uma pena e ver tanta gente boa iludida com as intenções americanas e outros tanto trabalhando para viabilizar o negócio e vende-lo como a quinta maravilha para o desenvolvimento nacional a fim de conquistar corações e mentes para um negócio que já esta fechado porém enfrentara dificuldades políticas num ano eleitoral.

  13. 09/01/2018  18:43 by Leonardo Rodrigues Responder

    AHÃ!!!

  14. 09/01/2018  18:41 by César A. Ferreira Responder

    Mentira!!!!

    Essas baboseiras só aparecem na mídia brasileira, feitas para dourar a pílula para os nacionais. Quando você lê os artigos do The Wall Street Journal, The Economist, Financial Times, ou Bloomberg, vê-se que o interesse da Boeing é de assumir o controle da Embraer: Takeover!

    Takeover: a situation an wich a company gets control another company by buying enough of its shares...
    Cambridge Dictionary.

    Ou seja, a Boeing propõe a aquisição do controle acionário da Embraer, o que significa anular projetos futuros da Embraer, transferir linhas de produção para os EUA, cancelar produção de produtos já desenvolvidos, cancelar desenvolvimentos já planejados...
    Ganhará de mão beijada dois projetos prontos com desenvolvimento concluído: EMB-190E2 e o KC-390. Além de um projeto de grande aceitação comercial: A-29. O EMB-190E2 possui apenas 10 assentos a menos que a menor versão do 737, portanto, a Boeing poderá controlar a comercialização do E2 para proteger o 737 na escala inferior de densidade por assento. Além disso, por óbvio, retira do mercado uma concorrente futura, pois o passo seguinte da Embraer, seria a entrada na disputa por jatos na classe de 170 ~190 assentos.

    Só os brasileiros apátridas estão felizes com esta aquisição e tentam enganar os tolos com as pilulas douradas como "fusão", "parceria", "associação"... Os executivos estão eufóricos, pois só pensam no vultoso bônus que irão receber, enquanto os nossos oficiais seniores se calam aceitando a venda pura e simples de um patrimônio nacional apenas pelo fato do comprador ser da adorada nação do Norte, cuja bandeira tem Estrelas e Listras...

    Quem é capaz de se indignar? Onde estão os "patriotas" que se fantasiavam com a camisa da CBF e panela na mão?
    Por acaso estão todos em... Miami?

    Sou brasileiro e estou revoltado quando a tudo isso. E você?

  15. 09/01/2018  16:10 by nanogp2002 Responder

    Ok, beleza então ... - Fechando linha de produção em 3,2,1 ...

    • 09/01/2018  17:04 by finger Responder

      Mas já não estava quase fechando? e os PVDs ( Programas de demissões voluntárias ) do ano passado ? 1.470 Empregados demitidos, 600 só na base São José dos Campos ? Era culpa da Boeing também ??? Ué, isso ninguém lembra.

      • 09/01/2018  20:57 by Cesar A. Ferreira Responder

        Típico da preparação de uma empresa para ser adquirida, ou você acha que o bônus para os executivos da empresa incorporada vem de graça?
        Tô vendo que conhecem pouco do mundo corporativo, pois nem sabiam que a Boeing negociava o controle acionário total da Embraer... Aliás, tão alienados como qualquer um que se informe apenas pelos jornais brasileiros...
        As fontes norte-americanas e inglesas são transparentes: Takeover!

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.