Esta semana, mais um marco no programa de desenvolvimento do Gripen E foi alcançado com o anúncio feito pela Saab do primeiro taxi da nova versão.

O teste foi conduzido pelo piloto da Saab Marcus Wandt, o mesmo que recebeu o DAN em maio, durante a visita ao hangar das aeronaves de testes do programa em Linköping, durante os eventos do Rollout do Gripen E.

Nas fotos abaixo, temos o Gripen E e o Gripen C, em ângulos muito próximos, que nos possibilita observar algumas diferenças visuais entre as duas versões. Você consegue identificá-las?

 

 

image_pdfimage_print

 

12 Comments

 

  1. 17/12/2016  12:25 by Jr Responder

    Concordo Padilha, o que o Ferreira esquece é que existem folhas e mais folhas que talvez dessem para fazer uma pirâmide em cima de uma mesa de documentos do COPAC recomendando a compra do Gripen, e isso pelo que se diz e desde da época do FHC. Você percebeu que no momento da denuncia o MP em nenhum momento se questionou o trabalho do COPAC , pelo contrário, disse que independentemente dos trabalhos técnicos, trabalhos esses que indicavam o Gripen como vencedor, o gripem seria escolhido. Que durante as investigações eles não acharam provas que a presidente Dilma, a que tomou a decisão final, sabia do suposto esquema. Não estou dizendo que não rolou dinheiro por fora, até porque conhecemos bem nosso país, mas achei essa denuncia do MP muito confusa, parece que foi feita de forma apressada. Enfim se houve desvio de alguma coisa que se investigue e se absolva os inocentes e puna os culpados

  2. 17/12/2016  9:27 by Ferreira Responder

    É uma pena que um equipamento formidável, tenha sido adquirido de forma ilícita, claro ainda há um processo em percurso na pf, mas que mancha significativamente a empresa SAAB, triste.

    • 17/12/2016  11:02 by Luiz Padilha Responder

      Ferreira, como você bem colocou, se existe um processo na PF e até o momento não há condenação, sua colocação de que foi uma aquisição de forma ilícita não é correta.

      Não vejo a imagem da Saab sequer arranhada, quanto mais manchada. Precisamos acabar com essa mania de sair pré-julgando e condenando pessoas e empresas.

      Lembram daquela creche de São Paulo? Pois é, destruíram a vida dos donos para depois verem que eram inocentes.

      Minha sugestão para você e os demais: Aguardem a conclusão dos fatos, para então emitirem as suas opiniões, pois até lá, não se tem nada de concreto.

  3. 16/12/2016  20:16 by Rommelqe Responder

    Estava revendo as fotos publicadas relativas ao Gripen NG. Aquela mudança na junção
    entre o canard e a fuselagem (em relação sos gripens anteriores) não tem relação com o acionamento do mecanismo (reparem que o eixo de pivotamento do canard passa acima da seção do duto de admissão de ar no compressor). Aquele "volume" adicionado na raiz do prfil de entrada é uma nova unidade eletronica. Parece mais um elemento de detecção (vejam nas fotos divulgadas pela SAAB por ocasião da apresentação do prototipo). Abs

  4. 16/12/2016  19:38 by Rommelqe Responder

    Ola Bueno, boa noite, obrigado. Essa nova configuração na inserção do eixo do canard na fuselagem foi, acredito, motivada pela necessidade de reduzir defleçōes no conjunto. Quando canard é girado (abaixando a borda de entrada e elevando na saida) durante aterrisagens, sao gerados esforços relativamente elevados resultante numa flexão do eixo (essas "asas" que formam os canrads tendem a ter suas extremidades fechando no sentido da fiselagem); com isso as folgas entre a fuselagem e os carnads ficam perigosamente reduzidas; ao que parece, então, eles intriduziram um manal a mais...

  5. 16/12/2016  9:59 by Bueno Responder

    a protuberância no leme, isto eu ainda não tinha percebido e a fixação ou estruturação do Canard no inicio da toma de ar. Isto mais que prova que é um novo Caça. Bacana as observações do Rommlqe

  6. 16/12/2016  8:03 by Rommelqe Responder

    Diferenças visuais externas não são muitas, afinal é basicamente o mesmo avião, mas são importantes:
    1. Trem de pouso; a necessidade de alojar os novos motores 414 e aumentar o volume de combustivel fez com que o conjunto traseiro recolha na raiz da asas (dai o aumento da espessura nesta região); quanto ao trem de pouso dianteiro, o fato de usr uma unica roda resulta em obter mais volume interno na parte da frente, possibiltando a instalação de novos sistemas e possivelmente, fez com que o novo radar a ser alojado tenha a possibilidade de ser maior e com a rotação caracteristica do modelo. Notar que o conjunto do trem de pouso, conforme ja divulgado, perde uma característica importante das versōes anteriores:, qual seja, a pista de pouso podia ser mais rustica. O movimento "de tesoura " caracteristico de conjuntos que absorvem maiores movimentos devidos a irregularidades do piso nao mais existe. Ponto para o desejado incremento na autonomia. Perda na capacidade de desdobramento em pistas com maior rusticidade. Se houver versão naval, melhor sera basea-la na familia C/D.
    2. A Tomada de ar na raiz do leme é da nova APU, pelo menos ate onde me lembre. na antiga disposiçao essa tomada de ar e posicionada perto dà junção da borda de saida da asa esquerda com a fuselagem. Esse rearranjo tem origem , acho, nas maiores dimensōes do motor 414, e uma APU mais potente; ponto para unidades desdobradas em pistas ermas, com poucos recursos.
    3. As extremidades da asas alojam novos sistemas de defesa eletronica, originalmente dispostos no corpo central. Os pontos duros adicionados são os centrais (possiveis devido à nova disposição dos trens de pouso). Bom por que possibilita maior numero de armas. Em especial de ataque ao solo.
    4 outras pequenas mudanças visuais.

    No final, a versão E ganha maior autonomia e capacidade de gerar energia para mais avionicos. Consegue um aumento de armas. Melhor para o Brasil.
    A versão C é melhor para a Suecia. Sua enorme quantidade de pistas desdobraveis inclui superficie com gelo, curtissimas e rusticas (nao quer dizer que nossas pistas não sejam rusticas; isto quer dizer que eles podem desdobrar em muito mais pistas do que nos e que nossas estradas sao tao mais ruins que nem podem ser usadas). É o mesmo avião, com um importante up-grade favorecendo a escolha do COPAC. Abs

  7. 15/12/2016  21:53 by Lucas Schmitt Responder

    Nossa, realmente são caças beeem diferentes, só de olhar já se percebe. Trem de pouso parece que é de outro avião, o frontal do gripen C tem 2 rodas enquanto o do E tem apenas uma. O traseiro do E é mais espaçado, enquanto o do C é mais aberto com uma certa angulação. As asas também estão bem diferentes, os pontos duros de armamentos igualmente diferentes.

  8. 15/12/2016  21:22 by Proud Responder

    De longe percebe-se que a versao E tem mais músculos.
    * ponta das asas
    * tanques conformais na asa (?)
    * entradas de ar maiores
    * trem de pouso
    A ideia que se tem na verdade é que se trata de outro caça totalmente reformulado. Puro músculo e cerebro.
    Será que teremos o Meteor nesta Máquina?

  9. 15/12/2016  21:10 by Tomcat37 Responder

    A raiz das asa e as pontas das mesmas,trem de pouso dianteiro, a base daquela parte mais elevada sobre a turbina tem uma espécie e entrada de ar. A cabine tbm parece estar mais alta no Gripen E.

  10. 15/12/2016  20:37 by Carlos Franca Responder

    No Leme tem uns detalhes diferentes nas antenas e uma entrada de ar próximo a fuselagem. A fixação do canard na fuselagem também é um pouco diferente. Os pontos fixos nas asas são diferentes e a asa é bem mais larga próximo a fuselagem. Trem de pouso também é diferente, numa olhada rápida, foi isso que observei.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.