O Batalhão de Operações Especiais de Fuzileiros Navais e o Batalhão de Controle Aerotático e Defesa Antiaérea (BtlCtAetatDAAe) participaram, no mês de abril, do exercício de guia aéreo avançado, na cidade de Natal (RN).

O adestramento, que faz parte do estágio das companhias operativas do Batalhão Tonelero, contou com a participação dos militares do BtlCtAetatDAAe e teve o objetivo de guiar ataques ao solo das aeronaves do 1º Esquadrão de Aviões de Interceptação e Ataque (VF-1).

FONTE e FOTO: MB

 

10 Comments

 

  1. 20/04/2017  10:53 by Pablo

    Caro Guilherme, quantos aviadores navais possui na MB?

  2. 20/04/2017  14:04 by Leonardo Rodrigues

    Para quê?
    Sem PA, para ataques ao solo temos os A1. Vendam estas sucatas aos Args e economizam na reforma e manutenção destas nabas. Quando, e se assim for, adquirirmos um PA estes aviadores estarão inativos e sendo assim enquanto constroem comecem de novo com uma aeronave condizente. Pronto falei.

  3. 20/04/2017  20:40 by Miguel

    Há necessidade de manter os aviadores navais treinados, isso é fato... mas sinto muito por esses profissionais da defesa que tem tão pouco equipamento e recursos. Triste para uma nação tão rica e tão esfolada...

  4. 21/04/2017  7:50 by renan

    Se fosse uma gestão bem feita mandava todo os relacionados com aviação de asa fixa embora no dia que deu baixa no NE.
    Economia de dinheiro em salário, treinamento, despesas e aposentadorias.
    Não ajudarão em nada, sem um NE.
    Custo e prejuízo absurdo.

  5. 21/04/2017  8:58 by Marcos

    Padilha, falando em aviadores navais, nada mais se falou sobre o A4M, acidentado, e nem como esta o processo de modernização na Embraer, atualize pra gente, abraços...

  6. 21/04/2017  12:14 by XO

    Mandar embora ??? Amigo, se quiser colaborar, sugira algo exequível... o que você sugere é demissão... e demissão de militar só acontece a pedido, não como imposição da Força...

  7. 21/04/2017  17:34 by Beto Santos

    Infelizmente eu concordo em partes com alguns comentários pois seria muito bom eliminar estas aeronaves e não gastar mais um centavo com elas, manteria um adestramento com alguma aeronave da FAB se for possível e investiria no gripen naval ou em outra aeronave naval para um futuro NAe que um dia chegará mas até lá poderíamos ter estes caças que seria embarcados trabalhando em terra mesmo sei que não é o ideal mas acredito que tudo o que for colocado nestes caças é dinheiro jogado fora, vende tudo e junta todo o dinheiro tanto da venda como da reforma e compra caças novos nem que seja somente uns 4 ou 5.
    Poderia até comprar o gripen como o da FAB e depois poderia trocar para o naval, já estariam acostumados com o sistema e aeronave diminuindo e muito a adaptação para o embarcado, o que vocês que entendem do assunto e estão no meio militar acham?

  8. 21/04/2017  18:10 by Juarez

    No meio pó to de vista o ideal seria dar baixa nos A 4, suspender a modernizacao e ir aos poucos fazendo a conversão operacional deles para Poder 95 e P 3, pois é questão de pouco tempo o a MB assumir a patrulha.

    G abraco

  9. 21/04/2017  22:23 by claudio quadros

    F1A eles vão se vendido para força aeria do Uruguai esta secreta negociação dinheiro vai ajuda compra 48 helicópteros Apache desativados em 2018 na Inglaterra 12 vai marinha 36 para exercito
    vai opera Hms Ocean

  10. 22/04/2017  10:05 by fbicabral

    Infelizmente é um poder de projeção que nunca tivemos,sempre foi essa lenga-lenga de comprara aviões novos,NAE novo,atualização de embarcados,modernização dos meios,a verdade é que só chegaram ate aqui graças a boa vontade dos nossos militares ,se nçao fossem pelo grande profissionalismo deles estariamos em uma situação bem pior....

Leave a reply

 

Your email address will not be published.