Silhueta da réplica do Gripen-NG

Por Virgínia Silveira e Daniel Rittner

clippingO governo brasileiro tem prazo de mais dez dias para entrar em acordo com os suecos a respeito da assinatura do contrato de financiamento dos 36 caças Gripen NG, que foram adquiridos em contrato assinado em outubro de 2014, no valor de US$ 5,4 bilhões. Terminou ontem o prazo oficial. A presidente Dilma Rousseff telefonou nesta semana para o primeiro-ministro da Suécia, Stefan Löfven, em busca de uma solução.

No acordo com a Saab, fabricante dos caças, ficou estabelecido que o contrato de financiamento seria aprovado até oito meses após a assinatura do contrato de aquisição, mas as duas partes ainda têm mais dez dias para discutir se vão estender o prazo para renegociar algumas questões, como redução das taxas de juros.

“Os detalhes sobre o contrato de financiamento, se haverá redução de juros ou não, estão sendo discutidos diretamente pelo Ministério da Fazenda e a Secretaria de Economia e Finanças da Aeronáutica (Sefa)”, disse o presidente da Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (Copac), brigadeiro Paulo Roberto Chã.

De acordo com fontes ouvidas pelo Valor, a Fazenda pretende renegociar as taxas de juros que foram objeto de acordo no ano passado, alegando que houve recuo desde a assinatura do contrato. O financiamento tem como base a CIRR, taxa de empréstimo praticada por agências oficiais de crédito à exportação dos países integrantes da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), calculada com base na remuneração dos títulos públicos emitidos no mercado doméstico de cada país.

Nos bastidores, os suecos argumentam que a renegociação da taxa representaria violação do Arranjo de Crédito à Exportação da OCDE e poderia gerar punições no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC). O arranjo, segundo afirmam os fornecedores dos caças, define que a taxa válida é aquela do momento do contrato.

Chã reafirmou que a Força Aérea Brasileira (FAB) tem orçamento aprovado de R$ 1 bilhão para ser gasto com o programa dos caças F-X2 em 2015, mas que ainda não tem autorização para usar os recursos e iniciar o pagamento. “O Ministério da Fazenda pode contingenciar esse valor, ou seja, pagar um pouco agora e o restante até o final do ano, mas o recurso aprovado tem que ser faturado em 2015.”

A Saab já concordou, inclusive, em receber menos no período inicial do contrato. O importante, segundo fontes que participam das discussões, é ter algum empenho no orçamento de 2015 – mesmo que seja para deixar esses recursos carimbados como “restos a pagar” para os próximos anos. Já a renegociação das taxas de juros é considerada um assunto de extrema sensibilidade para os suecos, que alegam não haver espaço legal para a abertura de um precedente.

O presidente da Copac alertou sobre a importância de se definir a questão do financiamento do contrato antes de agosto. Caso contrário, haverá impacto no processo de transferência de tecnologia do projeto dos caças para as empresas e instituições de pesquisa brasileiras envolvidas.

“Em agosto os engenheiros da Embraer e de mais cinco empresas começam a se deslocar para as fábricas da Saab na Suécia. Se o financiamento não tiver sido resolvido, haverá atraso no envio dessas pessoas para a Saab”, disse.

As demais empresas parceiras da Saab no desenvolvimento do Gripen NG são a Inbra, Ael Sistemas, Akaer, Atech e Mectron. O Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial também vai enviar 21 especialistas para serem treinados na Suécia. O F-X2 prevê a mobilização de 357 engenheiros e técnicos da indústria aeronáutica e de defesa brasileira para trabalhar no desenvolvimento dos caças na Suécia. A maior parte deles, 240 profissionais, será enviada pela Embraer, empresa que coordenará as atividades de desenvolvimento, produção e montagem do avião no Brasil.

FONTE: Valor Econômico

image_pdfimage_print

 

14 Comments

 

  1. 28/06/2015  20:40 by Leonardo Rodrigues Responder

    Dilson o que ia dizer era isto, quebrar o país é o pior!

  2. 27/06/2015  23:31 by dilson queiroz Responder

    ..................te enganas...grande parte da repercussão do Lavajato é feita pelo PIG e REDE GRÔBO pertencentes à turma do quanto pior,melhor.....quanto ao ministro poderia pagar logo a primeira e chorar DEPOIS ...o pessoal da FAB por isso deve estar uma arara com ele......

  3. 27/06/2015  13:35 by Leonardo Rodrigues Responder

    Quanto comentário sem nexo! quem não chora não mama. Eles estão tentando entrar num acordo e a Suécia digo SAAB não pode perder este negócio. É mais importante para a Suécia do que para o Brasil em termos comerciais. O contrato com nosso Estado representa a realidade do Gripen NG. Acho este ministro .... mas poderia chegar aqui e dizer que o Lava Jato e outras investigações são para quebrar o Brasil mas não falo o que não sei.

  4. 26/06/2015  18:18 by dilson queiroz Responder

    .............eeeee....o Sr. ministro não solta a rapadura!! ..eu creio que êle não é do "mercado" até porque se fôsse veria que por trás do caça tem indústrias brasileiras de alta performance (que pagam trabalhadores) melhorando o perfil tecnológico do país no setor....e o pior é que a presidente acredita piamente nêle.......e rir pra não chorar.......

  5. 26/06/2015  17:20 by mauricio matos Responder

    Dizem que essa enrola toda é pressão dos americanos para vender os F18 que poderiam ter um financiamento mais longo e juros mais baixos.

  6. 26/06/2015  15:09 by Gilberto Rezende - Rio Grande/RS Responder

    Problema é o Min. Levy e a Dilma que lhe dá prioridade sobre a necessidade do Min. Defesa e Comando da Aeronáutica...

    • 26/06/2015  22:25 by Felipe Responder

      O problema é esse partido irresponsável que nos últimos 12 anos acabaram com a economia do país.
      E olha que já lhe vi defendendo a tua gestão em uma comparação fula com a gestão passada. Enfim, aqui não é campo para isso.

      Lá no início ficou evidente, o Levy tinha sido escolhido para ser o bicho papão.
      Para ser o "cara do mercado", que acabou aumentou impostos, que aumentou o desemprego, que quebrou a indústria. O bicho papão que prejudicou a educação, a saúde. Que prejudicou os trabalhadores e as políticas públicas do governo.

      Infelizmente para a presidente essa estratégia não contava com os desdobramentos da lava jato. Não contava com a revolta no congresso. Enfim, Perde Levy, Perde Dilma, Perde Lula, Perde FAB, perde eu, perde você, perdemos todos. E no fim o que vai dar? Lula presidente de novo em 2018, porque o brasileiro prefere ganhar 30 reais de salário família, do que trabalhar, se esforçar, se superar e fazer desse pedaço de chão algo digno do seu tamanho.
      Imagino como nossas gerações passadas de canalhas estão se remoendo em seus túmulos por essa geração 10 vezes mais canalha que se instaurou no Brasil.

    • 27/06/2015  20:56 by Gabriel Responder

      O Problema é a mediocridade e a nulidade moral de quem ocupa a presidência
      O Brasil não tem presidente !

  7. 26/06/2015  12:35 by Luiz Gabriel Garcia Responder

    To achando que isso ai não vai para frente não e vamos comprar os F-5 aposentados pelas outras forças daqui uns 4 anos, quando a Dilma sair do governo!

  8. 26/06/2015  12:29 by Alyson Figueirêdo Responder

    O Brasil já se enrolou por mais de uma década para assinar o contrato, agora quer perder tempo novamente com as negociações do financiamento ?

  9. 26/06/2015  11:45 by James Responder

    Padrão de qualidade PT na condição de contratos.

  10. 26/06/2015  11:26 by topol Responder

    Na hora de cobrar juros de nós ou aumentar a conta de luz 50% ninguém tem o direito de negociar, agora na hora de pagar é essa choradeira, da até vergonha....

    Fia, paga logo que estamos no lucro... o bonde está andando.

  11. 26/06/2015  10:24 by Stênio Responder

    Que desgoverno.

  12. 26/06/2015  9:19 by Gabriel Responder

    Será que este será mais um estelionato do atual governo

Leave a reply

 

Your email address will not be published.