O encontro ocorreu nesta quinta-feira (11) em Brasília

Por Mateus Coutinho

O Comando da Força Aérea Brasileira (FAB) e diretores da empresa sueca Saab se reuniram em Brasília, nesta quinta-feira (11), para tratar das negociações para a compra da Embraer pela americana Boeing. Fontes ouvidas por EXPRESSO revelaram que o clima na FAB e na companhia europeia é de irritação com a empresa americana, que passaria a ter atuação no andamento do projeto FX-2.

O projeto prevê a produção de 36 caças suecos Gripen com transferência de tecnologia para o país, além de permitir ao Brasil vender as aeronaves com a nova tecnologia para outros países.

Por parte da Saab também pesam a preocupação de perder espaço nas futuras aquisições de aviões pelo governo federal e até a possibilidade de as instalações criadas para o desenvolvimento dos caças suecos no Brasil ficarem paradas após a entrega das 36 aeronaves, já que não interessaria à Boeing produzir o modelo concorrente.

FONTE: Revista Época

 

45 Comments

 

  1. 15/01/2018  22:46 by Esteves Responder

    Por que a Embraer nos EUA (Sierra Nevada) vai bem e a Embraer na China foi mal?

    Porque os americanos não permitiram que a Embraer entrasse no maior mercado mundial. Porque os americanos pressionaram os chineses para tocar a Embraer de lá.

    Quanto valeria a Embraer com uma operação como a Sierra Nevada ou com uma operação da família E190 na China?

    Quanto a Embraer valeria com uma carteira de 200, 300 aviões para a China? Entrando na China que tamanho teria a Embraer vendendo na Indonésia, Malásia e Indochina?

    Honda? Mitsubishi? Vão ter que suar muito para aprender o que a Embraer sabe no escuro. De cor e salteado.

    O Japão está preocupado com o Mar da China. Muito. A próxima geração do A29 poderia patrulhar as ilhas? Mais 300 aviões?

    Especulação. Toda empresa precisa de distribuição. Todo negócio precisa de canais de venda.

    A Hyundai esta desconfortável no Brasil. O representante brasileiro da Hyundai comprou a fábrica e o controle da Cherry no Brasil. A CAOA pagou 120 milhões de reais pela fábrica da Cherry em Jacareí que custou mais de 1 bilhão aos chineses.

    A CAOA monta os SUVs da Hyundai em Goiás. Monta. Não fabrica. A Hyundai produz o HB20 e o Creta em Piracicaba, mas a planta não tem condições de expansão. Opera no limite.

    A Hyundai precisa da montagem de Goiás que pertence ao CAOA. Todos as mais de 120 concessionárias Hyundai e dezenas de Ford pertencem ao CAOA.

    Carlos Alberto de Oliveira Andrade, o CAOA, tem os concessionários na mão, tem uma fábrica novinha em Jacareí e tem um sonho: fabricar o primeiro automóvel brasileiro.

    Os coreanos da Hyundai tem a linha de montagem em Piracicaba (estrangulada) e não tem nenhuma concessionária. Não tem distribuição. Não tem canal de venda.

    Carlos Alberto deu xeque na Hyundai. Ele compra carros da Ford para suas concessionárias e paga à vista. Os canais de venda da Ford e da Hyundai pertencem ao CAOA. Agora ele tem uma fabrica novinha.

    Há vida inteligente no Brasil.

  2. 15/01/2018  18:22 by Esteves Responder

    A Boing não precisa comprar a Embraer para ter o controle da empresa brasileira. Basta comprar a quantidade suficiente de ações em poder dos Fundos para presidir o Conselho de Administração.

    Abilio Diniz comanda o Conselho de Administração do Carrefour Brasil com pouco mais de 5% das ações em seu poder. A VW recomprou a MWM dos norte-americanos com 16% das ações.

    A vida na iniciativa privada e no mercado do capital é assim: quem pode mais chora menos.

    Esconder a fachada da Embraer, mudar a mão de direção da Via Dutra, levar os aviões para a Avibras, construir barricadas, convocar os sindicatos, culpar os militares, incendiar bandeiras dos EUA, chamar os colegas de burros...isso e outras teorias conspiratórias ficaram nos anos 1960.

    O Gripen é um jato de 4a. geração. Os americanos estão vendendo os jatos furtivos de 5a. geração e planejando os de 6a. geração. Logo...a Boing não deseja nada da SAAB. Afinal, foram os americanos que salvaram os suecos da falência duas ou três vezes.

    Os americanos querem comprar a Embraer. A empresa não está à venda. O governo brasileiro não sabe como tratar o assunto porque políticos vivem no mundo da Lua e estão acostumados a fazer negociatas. Negócios com gente decente que envia carta revelando o desejo do que pretende requer inteligência, estratégia, ética, competência, experiência. Nada disso existe no mundo dos políticos.

    Faz todo o sentido procurar as qualidades acima no meio militar.

    Se o negócio não sair haverá uma grande desvalorização dos papéis da Embraer. Se a desvalorização em bolsa irá afetar os negócios da Embraer não se sabe, mas após o anúncio da compra da Bombardier pela Airbus a própria empresa brasileira emitiu um comunicado ao mercado prevendo anos difíceis. A nota da Embraer fez os papéis da empresa caírem 5% em um único dIa.

    Tudo pode ser somente especulação. O negócio falha e os papéis da Embraer despencam na bolsa. Humilhada e desvalorizada, a Embraer e seus Fundos se tornariam presas mais fáceis.

    O governo italiano nunca permitiu que a Fiat fosse comprada em mais de 50%. A GM comprou 50% tirou a Fiat do buraco e revendeu os 50% para o governo italiano. Hoje...a Fiat deseja receber propostas até dos indianos. Nem os chineses querem a Fiat. Ferrari à parte que saiu do grupo Fiat...a empresa italiana (hoje FCA associada com Chrysler e suas marcas) procura por compradores na Ásia.

    Tomara que a Embraer não termine como a Fiat.

  3. 15/01/2018  14:05 by Gilberto Rezende Responder



    DIGAMOS que os Brigadeiros da FAB cheguem a conclusão que não é interesse da Força Aérea Brasileira a venda da Embraer e para não só o programa FX-2 mas TODOS os futuros projetos de aviação de caça da Arma Aérea.

    Digamos que os Alto-Comando dos Brigadeiros cheguem a CONSTATAÇÃO que apesar da Golden Share retida pelo governo Brasileiro, ESTE GOVERNO não tem a menor intenção de obstar esta negociação e que seu único objetivo é torna-la palatável juridicamente e politicamente....

    O QUE que a os brigadeiros vão fazer ? Ou vai deixar de fazer ?

    MODERAÇÃO: Gilberto, favor não se referir de forma desrespeitosa aos demais leitores. Grato pela cooperação.

    • 17/01/2018  13:59 by Gilberto Rezende Responder

      Engraçado, quando VÁRIOS "dos demais leitores" se dirigem a mim ou aos petistas ou a quem defende os últimos governos LEGÍTIMOS do Brasil de forma "desrespeitosamente" não enxergo a mesma diligência de se requerer respeito...

      Deve ser minha a falta de visão ou percepção...

      MODERAÇÃO: Gilberto, agimos do mesmo modo para ambos os lados.

      • 17/01/2018  17:43 by HMS TIRELESS Responder

        O governo FHC estaria entre os últimos governos "legítimos" do Brasil meu caro Giba? E partindo da sua premissa segundo a qual o atual governo brasileiro é fruto de um "golpe", como você conseguiria explicar que a nossa Constituição Federal, que ao contrário da que está sendo atualmente escrita na Venezuela representa o corolário da democracia, seria então "golpista"?

  4. 15/01/2018  1:04 by finger Responder

    Eu respeito muito a opinião que discorda da minha, se acham que não deve se juntar, eu respeito. Agora ficar inventando hipóteses, fazer comentários sem o menor sentido, apenar para tentar justificar com argumentos não contribui para o debate apenas tumultua, cria falsas expectativas, coisas que nem se quer juridicamente seria possível como transferir tudo para AVIBRAS.

    Se não concordam com a parceria, vamos argumentar com argumentos factiveis eu vou entender os argumentos contra, mas, que seja argumentos construtivos que pelo menos dê pra gente conversar e contra-argumentar.

    .

    • 15/01/2018  1:20 by BrunoFN Responder

      O problema esta na venda da Embraer .. apenas isso , e mediante a isso , encontrar uma solução (sem Embraer .. o q vai ser do fx-2 e tantos outros projetos ) ... parceria e o q todos aki desejam eu acho .. num acordo q beneficie ambas as empresas ... so isso ...mas o q se le por ai e justamente oferta e negociatas pra venda total da Embraer ... e agora com isso tb preocupa a própria SAAB .... o q se entende q n e parceria o q a Boeing procura.. isso preocupa e mt ... foram quase 20 anos de F-X , pra q no fim seja tudo cancelado sob a justificativa de '''lei do mercado'' ... entenda .. venda n é parceria

    • 15/01/2018  13:58 by Gilberto Rezende Responder

      Para quem a venda/fusão/associação da Embraer seria positivo ou bom ?

      Para a Boeing...
      Para um rastejante governo entreguista que ama os USA...
      Para os diretores, acionistas e gestores brasileiros da Embraer que passariam a ser vinculados a Boeing, ganhar em dólares e eventualmente deixar de viver no shithole country chamado Brazil..

      Para os empregados da Embraer que aceitarem abandonar o seu país e ir viver na MATRIZ Boeing pelo vil metal...

      A FAB e o Brasil não vem ao caso do MERCADO...

      • 17/01/2018  17:49 by HMS TIRELESS Responder

        Meu caro Giba, favor parar de usar o método Goebbeliano de repetir uma mentira no afã de torná-la verdadeira visto que o GF já declarou a venda da empresa está fora de cogitação! Dito isso, caso você se dispa da cegueira ideológica, do nacionalismo pueril e do estatismo atávico, irá perceber que a aquisição de parte do programa CSeries pela Airbus simplesmente rompeu o equilíbrio que existia no mercado. A EMBRAER agora não compete apenas com a Bombardier mas também com a Airbus e por tabela com a União Européia e sua política imoral de subsídios. Caso não se associe à Boeing a empresa corre um sério risco enquanto player do mercado. Será que é tão difícil perceber?
        .
        Ademais, se Ozires Silva é favorável por que motivo a sua opinião seria melhor que a dele?

  5. 14/01/2018  22:04 by finger Responder

    Estou espantado com o nível de teorias que as pessoas criam apenas para justificar as crenças delas, já tão falando em transferir tudo para AVIBRAS porque a EMBRAER vai será vendida.

    É o cumulo do absurdo, primeiro que a Embraer não vai ser vendida, e mesmo que fosse, esse hipótese até agora foi a mais lunática que eu já li aqui.

    • 14/01/2018  22:53 by BrunoFN Responder

      Se sair a venda (essa e a preocupação .. e é o q a BOEING quer ) ... qual então seria a sua opção pra solucionar esse problema ? manter tudo via BOEING mesmo ? cancela tudo ? .. unica coisa q impede tal venda e o Golden share .. isso por enquanto
      queria entender o pessoal q e contra tal ideia , ,ate pq criticar por criticar todos fazem ,afinal é moda .. mas contribuir com uma solução ou pensar em uma opção e difícil .. ajuda ai o pessoal lunático de plantão , qual seria a sua saída pra isso ?

  6. 14/01/2018  18:57 by Larri Gonçalves Responder

    Para quem não sabe a AVIBRÁS , em sua origem montava (alguns dizem fabricava) é o mesmo caso da EMBRAER hoje em dia; aviões, portanto conhece do riscado sim, quanto a transferir as empresas subsidiárias (BRADAR, etc...) para a AVIBRÀS, o governo que ache alguma forma, pois a patetice deles é que permitiu esse jogo sujo da BOEING por baixo dos panos, pelo menos é o que nós soubemos, portanto no mundo dos negócios tudo tem um jeito,às vezes não parece lá muito ético mesmo.
    O que o governo tem que fazer é manter os produtos e empresas envolvidas em tecnologia que afetam a segurança nacional na mão de brasileiros, pois os gringos usaram e usarão de todas as formas para impedir que o país tenha acesso a novas tecnologias e criar dependência deles. Nesse campo de tecnologia de ponta não há santos.

  7. 14/01/2018  17:55 by Esteves Responder

    A Avibras é uma empresa SA. Tem sócios. A Avibras é uma empresa que produz equipamentos de defesa como o Astros. A Avibras não monta avião. A Avibras tem foco diferente da Embraer que monta avião comercial regional.

    As duas empresas (Embraer e Avibras) nasceram no mesmo berço (ITA de SJC) mas uma produz laranjas e a outra produz tomates.

    O que for acontecer com a Embraer depende somente da Boing. O GF pode dificultar a venda mas não pode impedir o controle ou a tomada de controle da Embraer.

    • 14/01/2018  18:29 by BrunoFN Responder

      Dentro do FX .. era a Avibras q era associada pra produzir aki o SU-30/35 ... ou seja , e possível ... dentro q q falou q o gov n poder impedir a tomada da Embraer o q seria o Golden Share então ? .. se eu n me engano hj a BOEING so poderia compra ate 35 % das ações da empresa .. no passado dentro do FX .. a ''Dassaut''' chegou a compra ate 20% das ações quando concorria com os MIRAGE- 2000 MK-5 ...

  8. 14/01/2018  14:51 by BrunoFN Responder

    Esse contrato FX-2 tem q sair da Embraer ...com ou sem venda dessa empresa ,ta bem claro o desejo dela , então o pq investir numa empresa q quer sumir ? ..solução ideal e transferir tal contrato pra AVIBRAS mesmo .. pesa contra o fato da FAB n ter nenhum representante dentro dessa empresa .. mas tudo isso pode mudar ,basta negociar .. ainda da tempo ..pois la tb temos o ''Golden share'' .. Duvido tb q a Embraer de continuidade ao GripenBR como novos desenhos .. ou mesmo projetar um sucessor junto a SAAB .. exemplo do AMX ... n e vontade dela .. pois para ela n existe tal mercado q justifique um minimo de investimento nessa área

    • 14/01/2018  14:56 by HMS TIRELESS Responder

      Qual a experiência da AVIBRÁS na produção de aeronaves ?

      • 14/01/2018  15:26 by BrunoFN Responder

        E a opção q restou se é desejo nosso aprender . produzir e desenvolver caças (melhor q criar uma Estatal .. n ?) ... Falo isso q no passado recente dentro do programa FX ... tal empresa esteve envolvida numa parceria com a Sukhoi .... ou seja , e uma opção valida e possível sim (embora resulte em mais atrasos .. ) .. Embraer e o ideial .. mas volto a repetir , n se investe numa empresa q quer sumir , simples assim .. pois esta claro q a unica coisa q impede tal venda e o Golden share ... parceria pelo visto esta longe de ser o foco da negociata , infelizmente

  9. 14/01/2018  14:32 by BENTO RIBEIRO MAIA Responder

    Também concordo: tudo para a AVIBRAS.

  10. 14/01/2018  12:09 by Larri Gonçalves Responder

    Alguém já disse; transfere o pessoal, os recursos alocados à EMBRAER para a AVIBRÁS, e ponto final a EMBRAER como empresa nacional já era. Não tem que ficar se preocupando ou achando uma saída onde não há saída. A única empresa 100% nacional é a AVIBRÁS, portanto transfere antes da concretização do negócio as aeronaves militares, a empresa visiona que cuida do SGDC(satélite de comunicação), a empresa BRADAR, e a ATECH para o controle da AVIBRÁS com recursos desse governo que só deixou acontecer isso por patetice, ou interesse.

    • 14/01/2018  14:59 by HMS TIRELESS Responder

      A BRADAR é uma subsidiária da EMBRAER. Assim como você pretende transferi-la para a AVIBRÁS? Na marra?

      • 14/01/2018  15:33 by BrunoFN Responder

        Pode ser '''revendida'' dentro do processo de venda da Embraer ... pra vc ver o q vamos perder com essa venda ...ou acha q a BOEING iria dar continuidade ao desenvolvimento dos SABER M-200 por exemplo ?

        • 14/01/2018  16:14 by HMS TIRELESS Responder

          Será "revendida" como? Na marra? Vai se dar igual como fez a ditadura militar que, após "falir" a PANAIR mandou as tropas ocuparem a CELMA?

          Você ainda não me respondeu.....

          • 14/01/2018  16:44 by BrunoFN Responder

            Dentro da END a Orbisat ...foi adquirida pela Embraer .. o resto e historia e vc sabe , n preciso desenhar .... n e preciso obrigar ninguém e esse n e o foco da conversa .. mais tal venda poderia ser resultado de negociatas ou mesmo como ''concessão'' com outra empresa nacional .. ou troca simples ,dentro do processo de venda de Embraer (se ela sair ) tudinho negociado como o povo gosta , ..pois se eu n me engano o radar ''SABER'' e todas as suas variáveis pertencem ao EB ... n a EMBRAER
            o q n respondi ? sobre a Avibras ? ... so ler acima ... .... entre ter alguma coisa ( AVIBRAS recebendo a tecnologia SAAB ) e n ter nada ( Boeing recebendo a tecnologia SAAB .. ? ) o q vc prefere ? .. estamos falando sobre uma possível venda ..

  11. 14/01/2018  10:14 by _RR_ Responder

    Prezados,

    A SAAB tem sim teoricamente muito a perder...

    Se houver uma aproximação definitiva entre Boeing e Embraer, então isso significa uma maior abertura para produtos da Boeing, que podem ser vendidos em condições muito mais vantajosas para o Brasil. Seria sim um perda de um mercado que, embora sem grandes projeções no curto prazo, tem sim potencial considerável no médio/longo prazo.

    Não nos esqueçamos que o País ainda terá que substituir sua frota de caças A-1 na década que vem; algo que é irremediável e terá de ocorrer em algum momento no final da próxima década. Isso implica na possibilidade de pelo menos mais 24 aeronaves de caça; uma venda nada desprezível, que certamente superará os US$ 3,5 bilhões no futuro.

    O Brasil, meus caros, não vai continuar em crise para sempre... A próxima década, independente do caos político, pinta sim um cenário de recuperação econômica, mesmo que tímido. Dinheiro vai haver...

    Outra: a parceria da Boeing com a SAAB diz respeito ao concurso T-X. O F-39 é outro assunto, completamente distinto; e não se espera que o Brasil venha a adquirir um outro caça diferente do 'Gripen E/F', tendendo a padronizar a sua frota. Portanto, resta evidente que a SAAB tem sim o que perder...

    ---

    Quanto a negociação em si, já ficou claro que a total venda do controle da Embraer está descartada...

  12. 14/01/2018  0:14 by Odenir Responder

    O que o país exporta além de de soja, minérios e outras matérias primas? Será que os russos poderiam comprar a boeing? Por que não poderiam? Por que será? Uma empresa russa pode operar uma usina nuclear americana? Ora não seria apenas questão de mercado?

  13. 13/01/2018  23:43 by Marcos Responder

    Porque o goverrno brasileiro nao dar apoio financeiro atraves do BNDES para uma empresa brasileiro comprar a Boeing? Sera que o governo americano daria permissao?

  14. 13/01/2018  19:41 by Teropode Responder

    A SAAB não perde nada, mesmo que não haja negociação da Embraer com a Boeing, dificilmente venderiam mais EF para o Brasil, os EUA são a prioridade para os Suecos, na real, tem muito mi-mi-mi e choradeira daqueles que defendem um estado parasitado por falastroes e preguiçosos!

  15. 13/01/2018  19:29 by Wolfpack Responder

    Quem menos tem que se preocupar são os suecos, pois estes estão ganhando, ou ganharão muito dinheiro nesta venda de míseros 36x unidades do Gripen a FAB. Agora a FAB sim e seus comandantes do Copac devem se preocupar por suas escolhas no FX2. Banana Republic!

  16. 13/01/2018  18:41 by filipe Responder

    Mas a SAAB e a BOEING são parceiras no programa TX da USAF, logo não há nenhum problema em estabelecer uma parceria com a EMBRAER, ou seja se voçê é amigo do meu amigo, logo eu também posso ser seu amigo, e haverá um clima de maior confiança, a SAAB não rivaliza com a BOEING pois ambos têm caças obsoletos de 4ªGeração (anos 70/80/90) como o GRIPEN e o F/A-18, já a LM têm o F-22 e o F-35, logo nem sequer competem, a tendência para o mercado de caças serão os caças de 5ªGeração, essa ideia de aquisição de tecnologia de caças de 4ªGeração como o GRIPEN, claro que põe a EMBRAER num bom patamar, mas não é muito diferente da própria SAAB e da BOEING, logo essa parceria será bem vinda. Convêm lembrar que a USAF já esta planeando caças de 6ªGeração e nós apenas estamos começando a aprender a construir caças de 4ªGeração, processos semelhantes já ocorreram em vários países como o Japão, a China e a India.
    Hoje em dia a grande maioria dos projectos de caças avançados são projectos multinacionais, veja o caso do próprio F-35 e do PAK-FA, essas parcerias servem para isso.
    Se fosse o FS2020 ou algo que a BOEING não domine ,eu seria mais céptico, mas acredito que não existe nada no GRIPEN que seja segredo para os EUA, os Americanos conhecem os segredos de todas as nações Industrializadas Amigas e Inimigas.
    Voçês próprios acompanharam o caso do SNWODEN o cara dedurou e o FX foi para SAAB, já estava na cara que seria BOEING , o mundo das tecnologias de caças é um mundo bastante competitivo, seria bom não ter apenas suporte sueco, o suporte e a experiência americana é bem vinda, e acredito que com o Tio SAM na jogada só sairemos a ganhar.

  17. 13/01/2018  16:28 by eduardo Responder

    quer fazer negocio com a EMBRAER ? simples ; Transfere todo {corpo tecnico e Produtos projetos estrategicos } que a Embraer
    envolvida para a AVIBRAS . Pronto e veremos o real interesse da boenig na Embraer se acabar. A BOEINIGquer mesmo e acabar com mais um concorrente parceria joint venture com americanos nao funciona eles fazem parcerias e depois castram a empresa e so ver o que aconteceu com as empresas dos PAISESque fizeram estas Parcerias : ARGENTINA , POLONIA , INGLATERRA REPUBLICA THECA ETCS....eles so querem eliminar um futuro concorrente so isso este negocio e NOCIVO ao Brasil.

    • 13/01/2018  21:32 by Ivan BC Responder

      ?
      A maioria do pessoal que comenta acerca desse tema nem sabe o que realmente as duas empresas estão discutindo, o pessoal é muito lunático aqui! Parem de querer ser porta voz da empresa, ela sabe tomar suas decisões, especialmente sem influência dos tentáculos do Estado. Foco da Embraer é vender avião comercial, não avião militar.

    • 13/01/2018  23:27 by Nina Responder

      Excelente, melhor comentário!!

  18. 13/01/2018  15:14 by PERIVALDO Responder

    É isso mesmo, essa fusão não interessante para o Brasil do ponto de vista estratégico, até porque o fato de a Boeing esta interessada não só no desenvolvimento de dos jatos regionais da Embraer mas também na plataforma de dsenvolvimento de tecnologias de defesa deixa evidente que o único objetivo é tirar a empresa brasileira do caminho. Aaliás é bom começar a pensar que quando o Brasil já estiver dominado a fabricação de caças, submarinos e helicopteros militares, será um pedra de tropeço no caminho de muitas potencias industrias, haja vistas o Brasil já tem um tradição de vender armas a países africanos e asiáticos e alguns latinos, tendo em seu catálogo de ofertas o domínio dessas tecnologias......O neo colonialismo não acabou.....!!!!

  19. 13/01/2018  15:10 by Francisco Braz Responder

    Bom, como qualquer negócio que envolva americanos, deve-se ter salva-guardas. Eles, claro, tentarão o controle acionário para determinar as linhas de ação mais interessantes para eles, não obrigatoriamente extinguir a EMBRAER ou retirá-la do Brasil, mas absorvendo os melhores mercados da brasileira. O Gripen só é concorrente por não ser da Boeing pois, na realidade, é concorrente direto do F-16, da LM, um caça de sua categoria. Ele foi concorrente aqui no Brasil por quê a Boeing não tinha um caça mais leve e econômico que o F/A-18. Quanto ao KC-390... Ele pretende ocupar o nicho do H-130, outro avião da LM. A Boeing não tem nenhum produto para concorrer neste mercado. O A-29 é outro produto que interessa MUITO à Boeing, uma vez já ter demonstrado capacidade em combate e estar bem estruturado. Como demonstrado quem deve temer a fusão Boeing/Embraer não é os clientes delas ou suas fábricas, mas os concorrentes destas empresas, principalmente a LM cujos produtos podem ser vistos como mais atualizados e eficazes que seus projetos das décadas de 60, 70 e 80 do século passado. Acredito que só de por um pesinho na Embraer, ter acesso aos engenheiros e participação nos produtos, já fazem um gigante feliz.

    • 13/01/2018  16:08 by Gustavo Responder

      Concordo
      É bom lembrar que a Embraer levou uma trollada da LM anos atrás no programa JTARS.

    • 13/01/2018  21:29 by Ivan BC Responder

      A Boeing é uma empresa privada, não representa os EUA. A Embraer não representado o Brasil, é uma empresa privada. vamos para de sonhar. Não misturem as coisas! O crescimento da Embraer é decorrente das suas alianças com empresas dos EUA, justamente por isso o foco do corpo técnico com o pessoal de lá e não de Angola (por exemplo).

      • 14/01/2018  0:31 by Francisco Braz Responder

        Angola??? O quê a EMBRAER vai focar em Angola??? Não diga, eu adivinho... "Esquerda". Pô, meu amigo, se você ainda tá nessa, não existe nem o quê debater. Mas, sim, EUA... Qual outro mercado tem massa crítica para manter uma produção de aviões regionais?? China? Rússia? A primeira quer copiar tudo em que põe as mãos, só começou com jatos regionais após a chegada da EMBRAER e depois partiu para produzir o próprio avião... Mal comprou o suficiente para pagar a instalação e treinamento dos funcionários da Harbin. Rússia? Cara, a praia da aviação regional deles é turbo hélice. Seria uma furada tão grande quanto foi com a China. Quanto a representar ou não os países... Claro que não, meu caro, elas representam os interesses, quando não são o próprio, dos respectivos. As vendas da EMBRAER são a parte tecnológica da balança comercial do Brasil, é nela, e em empresas como ela, que formam mão de obra altamente qualificada e muito bem remunerada. Seus impostos mantém uma cidade de 1 milhão de habitantes. Mais de 2 mil postos de trabalho altamente qualificados, não um milhão de lavradores analfabetos ou semi. Quer que eu ponha o pé no chão??? Você nem sabe o que é isso (chão).

        • 14/01/2018  0:48 by filipe Responder

          Bem Amigo, Angola é sempre um cliente especial, os Angolanos compram os nossos produtos desde os anos 80, estão interessados no Super Tucano e no KC-390, logo é com esse tipo de mercado merece o nosso respeito, além do mais a base solida das nossas vendas são os países emergentes.

          • 14/01/2018  13:24 by Francisco Braz Responder

            Sei... Não se importa em levar um ou outro calote, não?? Além do mais o cliente é fiel e não coloca seu mercado em leilão com os produtos russos e chineses, né?? A Engesa apostou neste mercado alternativo. Qual foi o destino da Engesa??? Já dizia Raul Seichas ... "Quem não tem colírio usa óculos escuro... Quem não tem visão bate a cara contra o muro... ". Não é priorizar este ou aquele mercado, é vender pra quem paga o preço e oferece o menor risco. Como muitos aqui não deixam de dizer, a EMBRAER é privada e visa lucro, não política.

  20. 13/01/2018  13:23 by cesar Responder

    A Boeing só tem um interesse: eliminar um possível futuro concorrente e minar o desenvolvimento tecnológico brasileiro é sempre assim os grandes devorando os pequenos, ainda mais em um pais onde se aceita tudo, onde existe milhões de paneleiros conduzidos por políticos corruptos. A Embraer é uma empresa estratégica para o Brasil, a Boeing já tem seus contratos millonarios com o governo Americano que alias não quer a todo custo que o Brasil tenha um desenvolvimento tecnológico está estampado isso, só não ver que insiste em ser cego.

    • 13/01/2018  16:34 by Fabio Responder

      Que futuro concorrente, a Boeing e 100x maior que a ﹰEmbraer, ela que dar uma resposta rápida a Airbus. Se não for c a Embraer ela pode fazer uma parceria com a japonesa Mitsubishi, ou uma empresa chinesa ou até mesmo desenvolve seu própria linha de jatos regionais...o que o governo deve tenta fazer e garanti o melhor acordo possível, preservando a identidade da Embraer... mais a tendência para as próximas décadas e aglutinação do mercado de aviação tanto militar como Civil

      • 13/01/2018  16:58 by Ricardo Jaloveckas Responder

        Tem um ditado que diz: "Cobra, a gente mata enquanto é pequena...!" Essa é a tradição da Boeing e da Lockheed Martin. Destruir os filhotes antes que cresçam.

    • 13/01/2018  21:45 by Ivan BC Responder

      kkkkk pessoal aqui é muito lunático. Estão colocando a Embraer em um pedestal de ouro...acordem! O maior mercado consumir dos aviões Embraer são empresas dos EUA, os maiores acionistas da Embraer são fundos americanos, a Embraer é cotada na Bolsa de Valores dos EUA, a maior parte dos componentes dos aviões Embraer (mais de 50%) são de empresas dos EUA, há parceiros da Embraer nos EUA, inclusivefábrica lá, empresas parceiras que ajudam a transformar a Embraer falida do estado a uma empresa concorrente no mercado internacional. Um grande parcerio da Embraer é o Departamento de Defesa dos EUA que vem fazendo ótimos negócios na venda de aviões super-tucanos, inclusive há chances do Super-tucano ser comprado pela USAF, o que certamente será o MELHOR negócio da história da Embraer.
      Enquanto alguns fanáticos (talvez por motivos políticos/ideológios) estão jogando pedra na Boeing, atacando os EUA, fazendo aquela velha choradeira que os partidos de esquerda (PSDB, PT, PMDB, PDT etc...) ensinam para nossas crianças nas escolas desde criança...os dirigentes, fundadores, funcionários etc...estão felizes com a possibilidade de fazer negócios com a Boeing. Olhem a contradição, quem trabalha lá gostou da notícia, quem não tem 1 real em ação, ficou bravo! kkkkkk
      Ninguém aqui teve acesso as conversas que estão ocorrendo, a mídia fala em VENDA, mas de fato ninguém sabe o que ocorre nos bastidores. Pode ocorrer uma join venture, troca de experiência, troca de mercados, patentes, construir linha de produção em conjunto, compartilhar mercados, aprofundar parceria existentes etc...
      Parem de fanatismo! Compramos aviões suceos, submarinos franceses, blindados italianos, fuzil belga, helicópeto russo...então, vamos para de paranóia de achar que o Brasil é uma ilha e que o país está em guerra com EUA, China e Rússia. Outra coisa, não misturem Boeing com EUA, não misturem Embraer com governo brasileiro...isso daqui não é joguinho de video game, trata-se apenas de comércio, investimento, de mercado de avião e não de """"soberania"""", até porque, a Embraer só cresceu de fato depois que se afastou do governo brasileiro e foi fazer parcerias mundo a fora, especialmente com empresas OPRESSORAS dos EUA. Curioso, nunca vi um brasileiro desses fanáticos reclamar da Embraer ir roubar mercado de avião nos EUA, reclamar de ganhar a concorrência de avião para a USAF...quando a coisa é boa, ninguém reclama!!!!

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.