Após ensaios bem sucedidos em testes de mar, o estaleiro Howaldtswerke-Deutsche Werft (HDW) em Kiel, o submarino da classe Dolphin , INS “Tanin” foi entregue para a marinha de Israel. O submarino com 68 metros ‘Super Dolphin “,acredita-se ser o maior produzido na Alemanha desde a Segunda Guerra Mundial. Com mais testes no mar início deste ano, INS Tanin deve chegar em Israel em 2013 com o outro submarino da mesma classe, ” Rahav”, programado para entrar para a Marinha de Israel em 2014.

Em 2006, a marinha de Israel lançou um aumento estratégico de sua força de submarinos, duplicando o número de submarinos e prolongando significativamente a faixa de missão e resistência. Além seu armamento anti-navio convencional, que inclui torpedos, de acordo com fontes estrangeiras, os submarinos  Dolphin de Israel estão equipados com mísseis de ataque terrestre ou de cruzeiro, mísseis capazes de transportar ogivas nucleares táticas. Esses ativos estratégicos supostamente, fornecem  a este país de pequeno porte, uma capacidade de “segundo golpe” que deve impedir uma possível ação hostil pelos adversários, tentados a “elimina-los com um golpe”. Como o equilíbrio estratégico mudou desde início dos anos 2000, com países como o Irã ,a construção de uma ameaça, não convencional nuclear, Israel precisaria manter submarinos em patrulhas no mar mais tempo, mantendo todos os potenciais alvos dentro do alcance em todos os momentos.Daí a necessidade de mais submarinos.

No mês passado, o ministro da Defesa Ehud Barak esteva na Alemanha para assinar o contrato para o sexto submarino Dolphin , à ser entregue em 2017. De acordo com Ehud Barak, Israel considera os novos submarinos como um poderoso multiplicador de forças em adição aos recursos já impressionantes de luta do IDF, para enfrentar os desafios regionais em constante crescimento. A Marinha vem sofrendo uma série de mudanças estratégicas nos últimos anos, mudanças que a colocam como o braço estratégico longo do IDF, na linha da frente da campanha para proteger o Estado de Israel.

Submarinos são plataformas estratégicas que permitem a Marinha operar no Mediterrâneo, bem como em qualquer outra região onde a sua presença é necessária.A marinha de Israel atualmente opera três submarinos da classe Dolphin – ‘Dolphin’, ‘Leviathan’ e ‘Tekuma’. Acredita-se serem os mais avançados submarinos diesel-elétricos do mundo. Os novos foram apelidados de “Super Dolphin”, sendo equipados com o sistema AIP , uma célula de combustível de apoio a propulsão elétrica e sistema de abastecimento e fornece suporte à vida, sem a necessidade de ir a superfície ou ascender a nível de ‘snorkel’ , proporcionando assim, mais missões furtivas aumentando  seu nível de sobrevivência, operando submerso durante várias semanas. Até à introdução do AIP tais capacidades estavam disponíveis apenas para submarinos nucleares. A marinha de Israel optou por integrar a AIP em todas os seus três “Super Dolphins”, enquanto os submarinos atualmente em operação poderão ser convertidos ao AIP, durante sua atualização de meia-idade no futuro.

Como contratante principal o estaleiro HDW foi responsável pela construção, desenvolvimento e integração de todos os submarinos da classe Dolphin e os sistemas de combate avançados com que o navio está equipado. A aquisição dos três submarinos está orçado em cerca de EUA $ 1,5 bilhão, com um terço do custo coberto pela assistência do Governo alemão. O comandante da Marinha de Israel, almirante Ram Rothberg observou esse importante apoio “numa altura em que as ameaças estão se tornando globais em sua natureza, a relação entre Israel e a Alemanha é mais próxima do que nunca.” O Diretor-Geral do Ministério da Defesa, o general aposentado major Udi Shani elogiou o apoio do governo alemão e da contribuição para o fortalecimento da força de submarinos de Israel. “A cerimônia, mais do que tudo, simboliza a ligação forte e única entre a Alemanha e Israel”.
FONTE: Defence update
image_pdfimage_print

 

Leave a reply

 

Your email address will not be published.