Por George Allison

Falando durante um debate chamado por Luke Pollard, deputado trabalhista por Plymouth Sutton e Devonport, Guto Bebb confirmou que os dois navios de assalto da classe Albion estariam a salvo de cortes.



Bebb disse aos deputados: “O HMS Albion (L 14) e o HMS Bulwark (L 15), estão seguros até 2033 e 2034, que é a situação atual. Essas são as datas de descomissionamento de ambas as embarcações ”.

Isso ocorre depois da recente especulação de que esses navios seriam descartados no próximo ano ou dois, mas o que esses navios realmente fazem? Nas palavras de seus operadores, a Marinha Real, o papel do HMS Bulwark e do HMS Albion, é “colocar a força de fuzileiros navais em terra por via aérea e marítima, com embarcações através de suas docas de desembarque e por helicóptero de assalto a partir do convés de vôo de dois pontos”.

Foto JJ Massey

Os LPDs podem transportar 256 soldados, com seus veículos e suprimentos de combate, e isso pode ser aumentado para 405 soldados. Os navios atuam como a plataforma de comando flutuante da Força-Tarefa Anfíbia da Marinha Real e dos Comandantes da Força de Desembarque quando embarcados. Um ex-secretário da Defesa havia avisado que a retirada da classe Albion acabaria com a capacidade anfíbia britânica”. Lord Hutton estava falando durante um debate sobre as forças de defesa britânicas na Câmara dos Lordes, onde ele disse:

“Eu sou absolutamente contra o Reino Unido agindo unilateralmente, por exemplo, anunciar o fim de nossa efetiva capacidade anfíbia. Eu não acredito que os porta aviões da classe QE2, que são navios brilhantes e tenho orgulho de vê-los servindo na Marinha Real, tenham a capacidade equivalente. Nem a classe Bay pode. Eles são incapazes de apoiar e montar operações anfíbias em larga escala com os veículos de combate que o Exército tem agora. Nossa experiência no Iraque e no Afeganistão nos levou, com razão, a concluir que eles precisavam ser mais bem protegidos: eles precisavam de veículos mais fortes e pesados. Precisamos do Bulwark e do Albion para manter essa capacidade. Portanto, devemos seguir com muito cuidado. Sou a favor da indústria de defesa cooperando com o governo na revisão de eficiência: acho que deveriam. Eu sou certamente a favor de pensarmos cuidadosamente sobre como usamos os orçamentos de ajuda e defesa no exterior juntos para garantir maiores resultados de segurança. Mas é difícil evitar a conclusão óbvia de que precisaremos gastar mais agora para preservar as capacidades efetivas do Reino Unido. A dolorosa lição da história é que gastar menos em defesa não nos torna mais seguros, e ela não faz com que essas ameaças desapareçam, apenas nos torna menos capazes de lidar com elas”.

Lord West of Spithead, um ex-First Sea Lord, argumentou que a segurança e a prosperidade britânicas exigem capacidade anfíbia. Escrevendo no Politics Home, o ex-chefe naval defende a retenção das embarcações que, segundo os rumores, poderiam ser cortadas. Ele afirma:

“Sob fogo, particularmente, nossa capacidade anfíbia será inestimável. Então, o que exatamente é essa capacidade anfíbia? A segurança e a prosperidade da Grã-Bretanha requerem acesso e trânsito marítimo desimpedido. Como uma nação insular, o país precisa de uma estratégia marítima ampla, que tenha o controle do mar em seu núcleo, mas que permita que o poder e a influência sejam projetados para o interior. De fato, sendo uma ilha, todas as operações além de nossas costas são expedicionárias e exigem a entrada no teatro. Strike Groups e forças anfíbias são os facilitadores dessa capacidade de entrada no teatro. O verdadeiro poder de combate de uma marinha é a sua capacidade de garantir a entrada em todo o mundo usando as forças aéreas e anfíbias dos navios e causar a negação do mar usando o ar e os SSNs. Desde 1945, essa capacidade de entrada foi usada mais de 10 vezes, incluindo a Coréia, Suez, Kuwait (1962), antecipando a invasão planejada pelo Iraque, Brunei, Ilhas Falkland, Serra Leoa e Al Faw. E os fuzileiros navais reais estiveram em operações quase contínuas, consistindo em 30 campanhas diferentes”.



O general americano Ben Hodges, comandante do Exército dos EUA na Europa, disse estar preocupado que as forças britânicas já estivessem muito longe. O general foi citado no Financial Times dizendo:

“As forças britânicas têm compromissos globais agora. Qualquer redução na capacidade significa que você não pode sustentar esses compromissos. Isso cria uma lacuna. Eu não sei qual é o número mágico, mas sei que precisamos da capacidade que o exército britânico oferece, e qualquer redução disso causa um problema para a aliança, assim como para os Estados Unidos”.

Não muito tempo atrás, o coronel americano Dan Sullivan disse que os cortes nos fuzileiros navais e a perda de dois navios de assalto anfíbios mudariam a relação militar entre os EUA e o Reino Unido. Minha mensagem é articular a importância de ter essa capacidade em nosso parceiro. E quão prejudicial eu acho que seria se o nosso parceiro de coalizão mais importante potencialmente pegasse os acertos que são projetados agora. Se você quer ser decisivo, você tem que ser capaz de projetar energia em terra em algum momento. Do ponto de vista militar, como o Reino Unido continua a diminuir e como os Royal Marines, em particular, são atingidos, acho que nossa visão do que poderemos fazer juntos no futuro muda”.

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: DAN

FONTE: ukdefencejournal



 

5 Comments

 

  1. 09/06/2018  9:59 by HMS TIRELESS Responder

    Sorte dos britânicos que o atual governo é conservador. Fosse trabalhista o governo os navios seriam cortados para alimentar as ratazanas gordas de sindicato, especialmente agora com Jeremy Corbyn na liderança do partido.

  2. 08/06/2018  23:13 by BrunoFN Responder

    Sobram então os Classe Bay pra ''corte''

    • 09/06/2018  10:32 by Dalton Responder

      Um dos 4 "Bay" originais já foi vendido à Austrália, então não há mais o que cortar, ter três significa quando muito 2
      estarão "sempre" disponíveis ainda mais quando apenas o "Albion" encontra-se em serviço ativo, já que o "Bulwark" passou
      para "Extended Readiness" e assim permanecerá pelos próximos 5 anos mais ou menos quando então trocará de lugar como o "Albion".

  3. 08/06/2018  18:23 by Guilherme F. Marques Responder

    Tomara que as type 23 venham para nosso colo.

  4. 08/06/2018  16:48 by Marcelo Zhanshi Responder

    Uma peninha. Cairiam como luvas na MB.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.