Porta aviões HMS Queen Elizabeth

Por Kim Segupta

“Ter os porta-aviões mantém nossa credibilidade, sem os porta-aviões ela seria perdida. Não ter um porta-aviões no mar, negar yê-los, seria uma loucura”, declarou o capitão Jerry Kyd.

“Continuamos a ser uma nação insular com obrigações. Por razões de segurança nacional, é essencial que tenhamos uma forte capacidade.”



A comandante da HMS Queen Elizabeth (R 08), estava falando no passadiço do porta-aviões enquanto se preparava para partir de Portsmouth para os EUA para realizar testes para pousar os aviões F-35B no convés pela primeira vez, últimos preparativos cruciais para o navio de 65.000 toneladas entrar em serviço.

O porta-aviões atracará primeiro em Nova York e há rumores de que Donald Trump irá a bordo, o que pode ser um consolo para ele depois que o desfile militar que ele ordenou foi adiado pelo Pentágono, com custos chegando a US$ 92 milhões.

HMS Queen Elizabeth deixando Portsmouth

O capitão Kyd não sabia se a visita presidencial aconteceria. “Eu gostaria que ocorresse”, disse ele antes de apontar o porquê, na sua opinião, o HMS Queen Elizabeth e seu irmão HMS Prince of Wales são imperativos para a Grã-Bretanha, face a agressão russa, expansão chinesa e a imprevisibilidade do programa nuclear da Coreia do Norte.

O Kremlin , acredita ele, é a ameaça mais imediata. “Sem esses dois navios, acho que estaríamos lutando para permanecer credíveis como uma potência marítima de primeira classe”, disse o capitão a um grupo de jornalistas. “O aumento da atividade de submarinos russos tem sido assustador, tem sido bastante agudo o que vimos nos últimos dois anos. Temos visto um enorme aumento na atividade russa na área marítima, precisamos responder a isso. Quando você vê o quão ativa a Rússia tem sido, você tem que reconhecer que eles não gastam todo esse dinheiro e fazem toda essa atividade apenas para rir.”

Mas é o dinheiro gasto com o HMS Queen Elizabeth o HMS Príncipe od Wales, (6,2 bilhões de libras), enquanto o orçamento de defesa está sendo cortado de forma generalizada, o que levou a fortes críticas, algumas das quais vindas dos militares.

Para o general Lord Richards, o ex-chefe das Forças Armadas, o programa está tendo um “enorme efeito de distorção” no orçamento de defesa. Agora temos os porta aviões e temos que fazê-los funcionar”, reconheceu ele, “mas você os faz trabalhar às custas do resto da Marinha e do Exército”.

Lord Richards, que havia sido um oponente do programa dos porta aviões quando ele era chefe da equipe de defesa, rejeitou a noção de que os dois navios projetariam o Reino Unido de volta a ser uma grande potência militar capaz de participar de conflitos distantes, por exemplo, no Mar da China ou fora da península coreana.

“Para a Grã-Bretanha, com seu Exército de 78.000 homens e sua Marinha de 20 fragatas e destróieres, ter a presunção de pensar que pode lutar uma guerra no Extremo Oriente é quase risível”, disse ele.

 

“Nosso papel prático deve ser confinado à Otan , à África e ao Oriente Médio. Perdemos todas as outras capacidades não apenas nos cortes recentes, mas nos cortes no início dos anos 90, no final da Guerra Fria.”

O major-general Jonathan Shaw, que estava no comando do SAS como Diretor de Forças Especiais, também aponta para o problema causado pelo custo dos porta aviões. “A maioria das tarefas que eles realizariam pode ser feita através de meios alternativos mais baratos. O custo desequilibrou o orçamento. O Exército fez seus cortes há dois anos, mas ainda está sofrendo por causa dos porta aviões, que também teve um efeito prejudicial na Marinha”, afirmou.

Alguns críticos dos porta aviões mal conseguem se conter nos insultos em sua desaprovação.

Max Hastings, o historiador e comentarista militar escreveu: “Eu comparei estes barcos às antigas pirâmides egípcias: eles consumiram imensos recursos enquanto possuíam utilidade quase nula.

“Pelo menos as pirâmides são incríveis de se olhar. Duvido nos anos vindouros que um único turista visite Portsmouth para ver o QE apodrecendo em suas amarras. Se pareço intolerante é porque muitas pessoas que se importam apaixonadamente com as defesas da Grã-Bretanha vêm alertando há anos que os porta aviões seriam um desastre”.

A crítica é refutada pelos partidários dos porta aviões. O Secretário de Defesa Gavin Williamson disse: “O HMS Queen Elizabeth é uma declaração verdadeira do nosso poder nacional e todo o país pode se orgulhar de ver este magnífico símbolo de nossa proeza de engenharia e ambição internacional, deixando o porto para navegar no cenário mundial.

“Sua viagem para os EUA não só mostra seu alcance global, mas fortalece nosso relacionamento especial com as Forças dos EUA que trabalharam lado a lado neste programa icônico.”

O Comodoro Andrew Betton, comandante do Carrier Strike Group do Reino Unido, também queria enfatizar a natureza “icônica” do programa.

“Esses primeiros testes do F-35B em um porta-aviões do Reino Unido não são apenas a chave para o sucesso operacional futuro, mas representam um momento icônico para a moderna Royal Navy”, disse ele.

“No coração do nosso Maritime Task Group, o porta-aviões está bem protegido e sustentado, pronto para operar em todo o mundo como um instrumento potente e excepcionalmente flexível de nossa política externa.”

Quando a mídia cobriu a partida do navio, o capitão Kyd advertiu: “Nenhuma história negativa, por favor, senão viramos e vamos bombardeá-lo!”

Provavelmente não haverá necessidade disso, mas um cessar-fogo dos críticos do programa de transporte permanece improvável no futuro próximo.

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: DAN

FONTE: The Independent



 

12 Comments

 

  1. 23/08/2018  15:35 by Gilberto Rezende Responder

    A maior ameaça aos PAs ingleses é na verdade justamente a duvidosa eficácia e disponibilidade dos VTOL F-35B.
    O VALOR de um PA é dado pelas aeronaves que operam...
    Desde o conceito de engenharia, esta aeronave americana diverge da fórmula de sucesso do Harrier inglês usando uma turbina vertical separada para a sua sustentação vertical.
    O sucesso do F-35B está intrinsicamente ligado ao sucesso dos PAs Queen Elizabeth, pois os PAs americanos usam outra variante do F-35 e tem outras aeronaves F-18 para operar... Os ingleses não...

    Os PAs ingleses só teriam os Rafale M, como uma viável alternativa de plano B, caso se os F-35B se mostrarem desvantajosos/onerosos demais de operar...

    A meu juízo os ingleses estão pendurados numa sinuca de bico....

    No canto do cisne do seu poder marítimo global...

  2. 20/08/2018  11:03 by Teropode Responder

    Os russos devem ganhar uma graninha das indústrias de defesa ocidental , vendem muito por causa deles . Os britânicos deveriam multiplicar suas forças submarinas utilizando meios convencionais , os japas possuem um com excelentes qualidades !

    • 20/08/2018  11:37 by Dalton Responder

      Os japoneses possuem duas bases de submarinos e seus submarinos praticamente já encontram-se em suas respectivas áreas de patrulha tão logo saem das bases...ou seja, eles são empregados em áreas próximas.
      .
      Os britânicos precisam enviar seus submarinos para longe daí a propulsão nuclear e seu elevado preço...um único "Astute"
      poderia pagar por 3 submarinos classe "Soryu" japonês e ainda sobraria um troco.
      ....
      Os japoneses também não precisam preocupar-se em ter grandes submarinos equipados com mísseis balísticos com ogivas nucleares como os 4 que os britânicos possuem que precisarão em breve ser substituídos...não fosse por tal sistema caríssimo
      e complexo os britânicos poderiam ter um número maior de submarinos de ataque classe "Astute" e um número maior de fragatas e aeronaves.

  3. 19/08/2018  18:08 by HMS TIRELESS Responder

    Lord Richards, Jonathan Shaw e Max Hastings, antes de criticarem o HMS Queen Elizabeth fica a pergunta: Onde estavam no dia 02/04/1982?

  4. 19/08/2018  15:26 by Topol Responder

    Será que realmente é necessário duas ilhas? os PAs da classe Gerald Ford muito maiores tem só uma ilha para operações aéreas e operações da embarcação juntas...

    • 19/08/2018  15:49 by Dalton Responder

      As duas enormes chaminés são muito espaçadas entre uma e outra...como no caso dos NAes da classe Invincible, então aproveitou-se para embutir as chaminés em duas superestruturas grandes afastadas uma da outra aproveitando-se o espaço entre elas para propiciar área de estacionamento de aeronaves e um elevador.
      .
      Os NAes da US Navy calsses "Nimitz" e "Ford" não possuem chaminés e tem mais espaço abaixo do convés de voo e isso
      permite uma única e menor "ilha".
      .
      Também os NAes da US Navy operam com alas aéreas maiores , necessitam de mais espaço livre no convés de voo e
      duas "ilhas" comprometeriam isso...já o "Queen Elizabeth" jamais irá operar com o mesmo número de aeronaves...talvez
      metade e a maioria constituída de helicópteros daí que duas "ilhas" não farão diferença.

      • 19/08/2018  20:34 by Topol Responder

        Entendido Dalton, então foi uma saída encontrada para assimilar melhor as chaminés do sistema de propulsão ao lay-out do navio aproveitando suas particularidades para "separar" assuntos relacionados a operação do navio com assuntos relacionados as operações das aeronaves

  5. 19/08/2018  12:51 by Dalton Responder

    Será interessante ver as fotos dele ao lado dos NAes da US Navy que porventura estejam atracados em Norfolk, já que a
    última vez que isso ocorreu e não estou falando dos pequenos NAes da classe "Invincible" foi quando o "Ark Royal IV" de
    mais de 50.000 toneladas atracou ao lado do novíssimo USS Nimitz em 1976 conforme foto em um livro que tenho.
    .
    Independente de não possuir catapultas como o "Ark Royal IV" que operava na ocasião uma mesma aeronave operada pelo
    muito maior "Nimitz"...o Phantom ...o "Queen Elizabeth" sendo bem maior , fará bonito ao lado dos gigantes da US Navy.

  6. 19/08/2018  12:51 by Andre Responder

    Que estranho essa crítica ao navio. Não se trata apenas do porta-avião, mas de todo conjunto associado a ele como os aviões (caças, helicópteros, alerta antecipado), as tropas, apoio a desastres, todo controle da área marítima e uma base aérea móvel por excelência.
    Comparar com as pirâmides então foi terrível! O porta-avião amplia a autonomia desses aparelhos fazendo com que essa dimensão seja mais eficiente, ainda mais considerando esses novos aviões não se limitando a pontos de apoio em terra. É como você ter um nitro para dar mais impulso a um carro, o que faz toda diferença do ponto de vista estratégico. Para um comentarista militar ele me parece ser um amador no tema.

    • 19/08/2018  14:44 by Dalton Responder

      Faz um certo sentido quando se sabe a real condição da Royal Navy que foi diminuída para 19 combatentes de superfície e que
      por conta de manutenções/revitalizações apenas uma fração desse número pode ser empregada e o mesmo aplica-se com relação a uma reduzida força de submarinos de ataque...serão apenas 7...no momento 6, sendo 3 deles antigos.
      .
      Questiona-se mesmo se há navios suficientes para compor uma decente escolta para um NAe...com certeza, apenas uma
      T-23 que está acompanhando o NAe até a costa leste dos EUA, não será padrão futuramente e o impacto que isso poderá ter
      em outras missões executadas de forma independente por outros navios...quando se amarra 3 navios a um único NAe por exemplo, significa que dois navios não poderão estar sendo empregados em outro lugar.
      .
      O F-35B continua sendo uma aeronave muito cara de adquirir e manter...portanto, apenas um esquadrão de 12 serão normalmente embarcados...isso que trata-se de um navio enorme...e mesmo sabendo que em caso de necessidade outros
      12 possam ser embarcados sem grandes dificuldade, questiona-se se não seria melhor investir em outras coisas.
      .
      Então são dois lados de uma mesma moeda...a necessidade e vantagem de se ter um NAe como o "Queen" que também fará o papel de uma "grande base móvel" para operações anfíbias, controle de área marítima e ajuda humanitária de um lado e o
      enorme custo e sacrifício de se manter o navio sua ala aérea e escoltas em detrimento a outras opções.
      .
      O tempo mostrará !

      • 19/08/2018  17:45 by Mercenário Responder

        Dalton,

        O NAe normalmente operará com reforço de combatentes de outros membros da OTAN.

        Isso é padrão.

        Mesmo a França com apenas 6 subs antigos consegue prover escolta para o CdG em tempos de paz, com apoio de aliados.

        • 20/08/2018  10:05 by Dalton Responder

          Os britânicos não irão a uma guerra sozinhos isso é verdade...mesmo assim os britânicos não irão entregar seu NAe para ser escoltado por outros parceiros...o
          que poderá acontecer e acontece é a escolta ser reforçada com unidades de outras nações.
          .
          Recentemente o USS Harry Truman teve uma fragata alemã como parte do grupo e que para tanto foi treinar nos EUA antes do início da missão.
          .
          E os submarinos franceses, mesmo os de ataque, que possuem duas tripulações para aumentar a disponibilidade aproveitam eventuais missões mais longas do
          "CDG" como idas ao Mar da Arábia para acompanha-lo e lá exercer outras funções também...diferentemente dos NAes da US Navy que podem contar sempre com
          submarinos que já encontram-se na região.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.