O Irã, em plena escalada da tensão com os Estados Unidos, iniciou neste sábado (4) exercícios militares que incluem mísseis, anunciaram os Guardiões da Revolução, unidade militar de elite.

As manobras têm o objetivo de mostrar “a total preparação para enfrentar as ameaças e as sanções humilhantes” contra o Irã anunciadas nesta sexta (3) pelos Estados Unidos, assinala o site oficial dos Guardiões, Sepahnews. Durante o exercício, serão testados diferentes sistemas de radares, e mísseis de fabricação local, bem como centros de comando, diz o texto.

O anúncio é feito um dia depois de os Estados Unidos anunciarem novas sanções ao Irã, em resposta ao teste de um míssil balístico em 29 de janeiro, que irrritou o novo governo americano. Em visita a Tóquio neste sábado, o secretário de Defesa americano, James Mattis, afirmou que o Irã é “o Estado que mais apoia o terrorismo no mundo”.

A tensão entre Irã e Estados Unidos, que romperam relações diplomáticas após a Revolução Islâmica, em 1979, aumentou fortemente após a posse de Donald Trump, em 20 de janeiro.

FONTE: G1 via France Presse

image_pdfimage_print

 

12 Comments

 

  1. 07/02/2017  12:24 by Dalton Responder

    Assisti Lawrence da Arábia e nem por isso cheguei à mesma conclusão que você Esposito...os árabes se revoltaram contra o
    Império Otomano que além do mais era aliado da Alemanha inimiga do Reino Unido...e há mais nações que se envolveram no Oriente Médio, inclusive o então Império russo.
    .
    Procure informar-se sobre as guerras que ocorreram no OM durante a guerra fria...a União Soviética apoiava um lado, EUA outro, mas, na sua análise, como sempre, apenas os EUA são culpados... e o Flanker é que tem conhecimento superficial ?

  2. 07/02/2017  11:44 by Jose Luiz Esposito Responder

    FLANKER ,tire um tempinho e estudes o Oriente Médio ,Iran ,Império Otomano ,etc , e se possível veja Lawrence da Arabia ,ficará claro pra ti ,que o RU e adiante os EUA ,com alguma participação francesa ,sempre foram os culpados por todas as desgraças da Região ,não tire suas conclusões por um conhecimento superficial ,ou pelo noticiário e comentários da Imprensa Ocidental submetido e corrompida !!

  3. 07/02/2017  0:20 by Flanker Responder

    Vocês discutem isso e aquilo sobre o OM.....esquecem que aquela região NUNCA foi estável! Brigam dentro de seus países e uns contra os outros..... culpar ocidentais e mesmo Israel pela instabilidade da região é reduzir o problema. Eles brigam entre tribos, grupos religiosos, etnias, etc. E Israel só foi criado como Estado em 1948. Tirem Israel, EUA, Rússia, etc de lá e as guerras NÃO vão acabar....dizer que a culpa é dos EUA ou qualquer outro é ser simplista demais!

  4. 06/02/2017  9:27 by César Pereira Responder

    Meu caro RR você se esqueceu de citar a derrubada de Mohamed Mossadegh orquestrada pelos EUA e RU , com o intuito de se apoderar do petróleo do Irã, favorecendo assim a ditadura do Xà Reza Palev ! Se houve uma queda a ser sentida foi a de Mohamed Mossadegh essa sim afetou terrivelmente a história do Irã, quanto ao Hesbola ele era um foco de resistência à Israel que hoje está bem maior!
    Por fim se há um fator de instabilidade no Oriente Médio nesse momento ele se dá em função da presença dos EUA /Otan e Israel!

  5. 05/02/2017  20:45 by _RR_ Responder

    Matheus,

    Queira, por gentileza, ler novamente meu comentário...

    Disse que o Irã é um elemento de instabilidade em relação a Arábia Saudita, o que, por tabela, faz com que seja um elemento de desestabilização de todo o OM ( já que tudo naquela região passa invariavelmente pelo crivo dos sauditas ).

    Veja que não estou entrando no mérito de certo ou errado aqui... Que os sauditas fazem das suas, eu não ouso duvidar... Mas ocorre que uma ação sempre desencadeia outra. Logo, independente os méritos, qualquer um que patrocine ou imponha por si mesmo uma ação, torna-se elemento de instabilidade.

    Dizer que o Hezzbolah é um perigo apenas para Israel é uma meia verdade. Ocorre que, ao sê-lo, também contribui para desestabilizar toda a palestina, que é outro eixo de instabilidade no OM.

  6. 05/02/2017  18:23 by Matheus Responder

    _RR_

    Como assim? Já está bem na cara que os paises do Golfo são os maiores financiadores do terrorismo hoje, inclusive tem até relatos de que Israel e os Saudistas vem travalhado "debaixo dos panos" para deixar áreas de interesse desestabilizadas. E o Hezbollah hoje em dia só é perigo mesmo para Israel, o próprio grupo hoje em dia recruta cristãos o outras minorias para a proteção do Líbano.

    Meus deus do ceú, colocaram os Sauditas no banco dos Direitos Humanos da ONU, um país que executa mulheres e degola homens como punição é o presidente do assento do Direitos Humanos da ONU.

  7. 05/02/2017  14:04 by Srs Responder

    O secretario defesa está sendo hipócrita o país que mais finacia o terroristas no mundo são o próprio EUA e Arabia Saudita.

  8. 05/02/2017  12:25 by _RR_ Responder

    Cesar Pereira,

    Os iranianos vem sendo sim um fator de instabilidade a muitos anos, principalmente pelo seu claro apoio a grupos como o Hezzbolah; coisa que só vem se incrementando ao longo dos anos...

    O país que mais deu aporte a Saddan foi, de longe, a URSS. O líder árabe ( que dizia inspirar-se em Stalin ) era também uma peça no tabuleiro soviético, dividindo as atenções americanas. Logo, a manutenção de seu poder era de todo o interesse.

    A queda de Pahlevi foi muito sentida... Que não fosse um santo, ao menos era alguém com quem dava pra conversar... Por isso o apoio incondicional dos americanos a causa do Xá, além do apoio velado a Saddan...

    Grosso modo, o Irã de hoje é uma ameaça muito maior a Arábia Saudita que qualquer outro país na região. Com movimentos audazes, estão influenciando decisivamente os rumos políticos da Península Arábica.

  9. 04/02/2017  23:16 by Fred Responder

    Falando em "tensões",
    após o ataque Houthi à fragata saudita, a US Navy está enviando um destroyer, o "US Cole", ao Mar Vermelho, ao que parece para proteger os navios da marinha saudita que navegam nas águas do Iêmen, em sua guerra de agressão aos
    iemitas...

  10. 04/02/2017  19:43 by César Pereira Responder

    Escalada de tensão, só se for por parte dos EUA, se pegarmos a história recente do Irã veremos que esse país não é tudo isso que falam, os EUA apoiaram o Sadam durante anos e apoiam a Arábia Saudita até hoje dois aliados cruéis mas que servem e serviram aos seus propósitos !

  11. 04/02/2017  19:07 by Fred Responder

    Com certeza é um claro recado, do tipo: "Na minha casa mando eu"

    E diga-se, ao realizarem exercícios militares não nucleares dentro de seu próprio território, os iranianos estão em seu pleno direito...

  12. 04/02/2017  18:07 by Tomcat3.7 Responder

    Vai acabar dando melda esta troca de farpas ae, mas o Irâ ou Coreia do Norte se chegarem a ter um míssil balístico efetivamente capaz de alcançar grande distancia eles o usarão com certeza .

Leave a reply

 

Your email address will not be published.