KC390xC130J

Por Virgínia Silveira De Brasília

clippingA aeronave de transporte militar KC-390, em fase final de desenvolvimento na Embraer e que deve entrar no mercado em 2016, promete acirrar a disputa no seu segmento de atuação. A aeronave brasileira tem um competidor forte fabricado pela americana Lockheed Martin, o C-130 Super Hercules. Cada lado dessa disputa reforça as vantagens do seu produto.

Para o Brigadeiro-do-Ar José Augusto Crepaldi Affonso, presidente da COPAC (Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate), que contratou a Embraer para desenvolver o avião, o Kc-390 não tem nenhum concorrente direto no segmento de jatos de até 26 toneladas.

“No KC-390 são dois motores a jato de uma geração mais nova, já consagrada no mercado mundial, de fácil acesso e isso é uma vantagem do ponto de vista logístico, além de se refletir no custo de operação da aeronave durante o seu ciclo de vida”, disse Crepaldi.

Segundo estimativa do brigadeiro, o Kc-390 apresentará um custo de ciclo de vida de entre 20 e 30% mais baixo que as aeronaves de transporte em desenvolvimento ou em produção. Até o momento, o KC-390 conta com 28 encomandas firmes feitas pela Força Aérea Brasileira (FAB), que financia o desenvolvimento e a produção em série, com investimento estimado em R$ 12 bilhões. A aeronave tem 32 cartas de intenção de compra da Argentina, Portugal, república Tcheca e Colômbia.

A Embraer projeta um mercado potencial de 700 aeronaves na categoria onde vai atuar o KC-390 nos próximos 10 anos. A empresa espera conquistar entre 15% e 20% desse mercado. “A Embraer está olhando uma fatia desse mercado. É lógico que vai haver espaço para todo mundo. Não é mais o cenário em que havia apenas um produto”, disse o presidente da COPAC.

O vice-presidente e gerente-geral do programa C-130 da Lockheed Martin, Geroge Shultz, no entanto, não acredita que nenhuma outra aeronave em operação ou em desenvolvimento possa fazer o que o Hércules faz. “Nós acreditamos que o C-130 realmente é único. Todos os atuais operadores do C-130 são um potencial operador do C-130 J.”

O executivo afirma que os motores do C-130 J permitem que a aeronave tenha habilidade para operar em vários tipos de terreno e condições de temperatura “a versatilidade tem sido a chave do sucesso e continua a ser o principal diferencial do Hércules. Com as melhorias incorporadas, o C-130 J apresenta custo de operação 30% mais baixo se comparado com a versão C-130 S”, disse.

A Lockheed já teve 353 pedidos para o C-130 J (320 entregues) feitos por 19 operadores em 16 países. “A aeronave tem mais de 1,2 milhão de horas de voo que ilustram porque o C-130 J é conhecido como o avião de transporte mais comprovado do mundo”, afirmou.

A frota de C-130 na América Latina (Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Honduras, México, Peru, Uruguai e Venezuela), segundo Shultz, tem sido a mais dinâmica do mundo. Tem contribuído para isso a capacidade e versatilidade de operação da aeronave em áreas com diferentes tipos de geografia e clima.

Para o presidente da Copac, o grande apelo do KC-390 é o fato dele ser uma aeronave multimissão, podendo operar como reabastecedor, fazer transporte militar e logístico, evacuação aeromédica, combate a incêndio e ser reconfigurado em menos de uma hora para a missão solicitada.

Em relação ao C-130 J, Crepaldi diz que a principal vantagem do KC-390 é a velocidade e alcance proporcionados pelo motor a jato. “E é uma aeronave totalmente moderna. Vem com equipamentos de guerra eletrônica, capacidade ativa e passiva contra mísseis infravermelho e blindagem.”

O C-130 J, segundo Crepaldi, não vendeu tanto quanto se esperava. “Isso fez com que esse mercado ficasse ainda mais atrativo, pois vários países continuaram a operar o C-130 antigo, abrindo possibilidade para a substituição por outros modelos como o KC-390”, afirmou.

FONTE: Valor Econômico

image_pdfimage_print

 

6 Comments

 

  1. 16/01/2015  17:43 by Paulo Thiezer Pinho Lira Responder

    verdade Ronaldo. se não houve ooooutra sabotagem como fizeram com os VLS-1, 2 e 3 na base de Alcântara !...

  2. 15/01/2015  18:56 by Ronaldo Carlos Barata Responder

    Se não ocorrer alguma outra sabotagem como aquela da Base de Alcântara a EMBRAER ganha a disputa, mas com muito cuidado, muita atenção e muita vigilância sobre os "turistas" nacionais e estrangeiros.

  3. 14/01/2015  23:42 by Caçador Responder

    Particularmente... o Hercules eh mais bonito.........

  4. 27/12/2014  23:36 by Bráulio Silveira Responder

    Tentei postar, mas não logrei êxito: essa meta só será alcançada com o apoio da BOEING, concorrente mundial da LOKHEED. Apesar do projeto ser excelente, temos que ser realistas - é a coerência do mercado.

  5. 26/12/2014  14:36 by stenio Responder

    Argenzuela? Piada

  6. 26/12/2014  12:27 by Wellington Góes Responder

    Se a Embraer pretende vender de 15 a 20% de 700 aeronaves, então está falando de 105 a 140 aeronaves, sendo que já possui 60 aeronaves engatilhadas (pois só a FAB comprou 30, faltando os outros 30 a confirmação pelos países citados), então não falta tantas aeronaves assim para serem vendidas. Após isto, ela (empresa e aeronave) estarão nadando livres, em grandes braçadas. Ou eu entendi errado?!

    Até mais!!! ;)

Leave a reply

 

Your email address will not be published.