A Marinha do Brasil, por intermédio da Diretoria de Gestão de Programas da Marinha (DGePM), informa o encerramento, no último dia 10 de maio, da primeira etapa do processo de obtenção, por construção, de quatro navios militares com requisitos pautados no projeto básico de Corvetas da Classe “Tamandaré” (CCT).

Na referida fase, iniciada em 10 de abril de 2017, a DGePM publicou no Diário Oficial da União (DOU) um Chamamento Público convidando para participar do futuro processo licitatório empresas ou consórcios, nacionais ou estrangeiros, capacitados nos últimos dez anos em construção de navios militares de alta complexidade tecnológica, com deslocamento superior a 2.500 toneladas.

As seguintes empresas/consórcios, por ordem alfabética, apresentaram documentações em atenção ao Aviso de Chamamento Público:

  • BAE Systems Ltd;
  • Chalkins Shipyards S.A.;
  • China Shipbuilding and Offshore Co Ltd;
  • China Shipbuilding Trading CO Ltd;
  • Damen Schelde Naval Shipbuilding B.V.;
  • DCNS do Brasil Serviços Navais Ltda;
  • Ficantieri S.p.A.;
  • German Naval Yards Kiel GmbH;
  • Goa Shipyard Ltd;
  • Mazagon Dock Shipbuilders Ltd;
  • Navantia SA;
  • Poly Technologies Inc;
  • Posco Daewoo do Brasil;
  • Rosoboronexport Joint Stock Company;
  • SAAB AB;
  • Singapore Technologies Marine Ltd;
  • State Research and Design Shipbuilding Centre;
  • Turkish Associated International Shipyards;
  • Thyssenkrupp Marine Systems GmbH;
  • Wuhu Shipyard CO Ltd e
  • Zentech do Brasil Serviços Técnicos Ltda.

O processo de obtenção das CCT obedecerá às seguintes diretrizes básicas estabelecidas pela MB:

– prioridade no atendimento às necessidades estratégicas de defesa do País, por meio da obtenção de novos navios militares de superfície, a fim de contribuir para o cumprimento das tarefas constitucionais da Força Naval;

– necessidade de contar com empresa capacitada em projetar e construir navios militares de alta complexidade, cuja contratação deverá estar associada a um estaleiro nacional e à prática compensatória voltada para a geração de benefícios de natureza industrial, tecnológica e comercial ao Brasil; e

– reconhecimento da importância estratégica e econômica da participação no processo das empresas nacionais que compõe a base industrial de defesa.

A próxima etapa do projeto prevê a elaboração e divulgação, no segundo semestre do corrente ano, da Solicitação de Proposta (Request for Proposal – RFP).

CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA MARINHA

image_pdfimage_print

 

31 Comments

 

  1. 16/05/2017  15:29 by Satyricon

    Coisa linda!
    Lista rechunchuda, cheia de peixe grande (e muitos gigantes). Briga boa assim normalmente é favorável a quem contrata. Esse negócio tá surpeendendo, pois não é o normal em terras Brasilis as coisas darem tão certo assim (vou bater na boca aqui).
    Viva a globalização!
    Agora é rezar pra algum político não fazer m...

  2. 16/05/2017  15:46 by FERNANDO

    Eu chuto que quem vai ganhar será a Navantia!!!!!!!!

  3. 16/05/2017  15:54 by Jr

    Se esse é o desenho final, até que ficou legal/moderno, gostei da solução para o mastro, lembra a solução da corveta sueca que vimos a pouco. Fiquei impressionado com a quantidade de estaleiros que responderam ao RFI, isso também é bom, sinal que vamos ter uma competição, abaixando os preços. Apesar de ainda ser da opinião que deveríamos ir de um casco já existente e comprovado e só focar em selecionar o recheio que mais se encaixasse no que a MB deseja, torço para o projeto dar certo se a MB seguir esse caminho

  4. 16/05/2017  15:55 by Spectre

    Viva a Lava-Jato isso sim ....vivA Sergio Moro ,,,,tudo transparente ,e ,cristalino ,,,quem tem,,,tem Medo

  5. 16/05/2017  16:47 by Lucas Schmitt

    E quando será batido o martelo da escolha?

  6. 16/05/2017  20:22 by Juarez

    Spectre, não é só o efeito Lava jato, é sim uma mudança de parâmetros e de postura da adm do Com Leal Ferreira que pensa de forma diferente do que vinha sendo feito na MB pelo Imperador e sua trupe

    G abraço

  7. 16/05/2017  20:29 by Andre

    Aproveitando o gancho do Spectre, será que dessa vez terá a famosa dispensa de licitação para com a empreiteira? Agora não se trata de um complexo nuclear que justifique tal medida, então vamos ver qual será a desculpa dessa vez.
    Esse ângulo do costado da proa passa a ideia que a chapa sobressai do casco, dando até a impressão que a marinha está inventando moda. A ideia de finalmente termos VLS em nossos navios é exultante, e para completar a inserção da marinha no século 21 deveria começar a operar drone direto do COC, como ja é feito remotamente com os canhões da classe Amazonas.
    Aliás está aí uma boa oportunidade para voltar a adquirir tecnologia inglesa em nosso sistema de escolta, se valendo ainda da própria classe Amazonas como um complemento de projetos.

  8. 16/05/2017  20:47 by Adriano Madureira

    Quanto mais estaleiros a responder o RFI melhor,poderá quem sabe aumentar a competição e com isso melhorar os preços caso isso seja possível,como especialistas em defesa,o DAN poderia dizer se isso poderia ser uma possibilidade real ou remota de acontecer?

    Abraço!



    Gostei do canhão na traseira do navio...

  9. 16/05/2017  22:44 by RL

    Caraca...

    Chineses e Russos no meio do bolo....

  10. 17/05/2017  1:49 by Renan

    Padilha,
    Boa noite, tenho 2 dúvidas :
    1- Porque os navios não tem camuflagem parecida com a cor das águas, para dificultar a visualizações?
    2- Toda vez que vejo notícias de compras de misseis ou torpedo os números quando publicado são irrisórios. 40, 200, etc
    Isso me faz pessar qual é o nível de preparo das forças armadas, pois se tenho uma quantidade reduzida, não vou gastar com treinamentos, logo pesso nas Malvinas, será que estes sabem usar o equipamento e será que ele funcionará?

    Todos estes contratos de compra de equipamentos deveriam ser realizado com um volume absurdo de munições, e pelomenos de integração com 2 ou três fabricantes distintos.

  11. 17/05/2017  2:00 by Gabriel Oliveira

    Só lembrando aos demais que essas empresas foram convidadas se vão topar ou não é outra história

  12. 17/05/2017  5:59 by Luiz Padilha

    Negativo Gabriel. As empresas foram buscar o envelope na MB.

  13. 17/05/2017  9:02 by Gilberto R.

    Nossa, lembrando algo que desconhece...

  14. 17/05/2017  11:13 by Alex

    Qual será o custo final por unidade? Gostaria de uma corveta mais turbinada! Uma "fragatinha" boa de briga, porque como as coisas andam por aqui, sempre quase tudo fica faltando algo.

  15. 17/05/2017  11:51 by valtenio

    Essa corveta já está devidamente detalhada em projeto ou ainda sofrerá ajustes de design? As imagens disponíveis na rede não parecem oficiais, apenas projeções artísticas de várias fontes. Uma que persiste é a da "popinha", já ouvi que ela deixa a embarcação vulnerável a um eventual acidente com combustível aeronáutico. Não caberia ali uma rampa de desembarque rápido? Apesar das especialidades de cada meio, é sensato que os meios tenham uso polivalente e desempenhem várias funções. Na falta de um desenho estrutural a corveta não revela se vai ser modular ou não.

  16. 17/05/2017  11:58 by Luiz Padilha

    Valtenio, o design final ainda pode sofrer alterações pois depende de quais equipamentos ela irá receber. Tudo o que aparece como o radar sendo o Artisan 3D por exemplo, pode mudar. A ideia da MB é que a construção se dê de forma modular. Vamos aguardar a evolução na próxima fase.

  17. 17/05/2017  12:02 by Bardini

    Padilha, começo a achar que vai dar SAAB no radar... Não tem uma maquete/desenho que não esteja com o Sea Giraffe, kkk...

  18. 17/05/2017  12:05 by Gabriel oliveira

    Nesse caso houve u merro de interpretação meu do texto,relendo agora vi .Padilha alguma chance dessa quantidade de unidades ser estendida,pois pelo que entendi elas muito provavelmente substituiram as Niteroi e a Greenhalgh e aparentemente não são tão faceis de ser construidas ,dado que hoje não temos Know -how ,um ponto positivo seria a entrada dos EAU no projeto tornaria os custos mais viaveis .Porque sinceramente são muito caras esses corvetas.

  19. 17/05/2017  12:16 by Luiz Padilha

    Bardini, eu acho que a Tamandaré estará muitíssimo bem servida tanto com o Smart-S quanto com o Sea Giraffe AMB. Mas quando você observa que a Inglaterra para defender as Falklands utiliza um radar Saab Giraffe AMB 3D, pergunto: Por que usaremos o inglês?

  20. 17/05/2017  13:40 by Leonardo Corrêa De Araújo Passos

    Nenhuma empresa brasileira.

  21. 17/05/2017  13:46 by Jr

    Na realidade eu vi dois desenhos da corveta Tamandaré até hoje, um com o mastro mais tradicional com o artisan 3d da bae systems e esse da matéria é o outro, que aparece com um mastro mais moderno que provavelmente deve ser com o sea girafe, inicialmente a MB tinha escolhido o artisan da bae, pelo menos é o que aparecia nas palestras que a MB dava sobre esse projeto. Agora eu já não sei se a MB manteve essa escolha ou esta tudo em aberto, enfim, qualquer um dos cinco que citei anteriormente BAE, SAAB, THALES, AIRBUS E SELEX LEONARDO, vão ser melhor do que tudo que nós já tivemos, que vença o melhor.

  22. 17/05/2017  14:52 by Gilberto Rezende

    Renan camuflagem de navio é CINZA para confundir com as nuvens e por ser a cor de menos contraste em baixa visibilidade.
    Avistamento de navios é sempre no horizonte pintar o navio da cor da água e se mostrar água onde não pode existir (acima do horizonte).

    Poderia funcionar para dificultar avistamento aéreo mas para avistamento no nível do mar não é boa ideia...

    Quanto as Tamandarés torço para os dois Alemães, GmbH

  23. 17/05/2017  17:37 by Luiz Monteiro

    Prezados,

    Quanto às etapas para obtenção das CCT, vale ressaltar que, cumprida esta primeira fase, a MB avançará para a divulgação de outro documento, em que abrirá espaço para que as empresas interessadas conheçam mais sobre as especificações técnicas do projeto. A partir daí, a MB iniciará o processo de negociação com as empresas participantes.

    Abraços

  24. 17/05/2017  18:09 by XO

    A Embraer Defense mostrou interesse em parte do programa... mas quer incluir o AMRJ... Celso, com a sua permissão.... aaaaaaaarghhh...

  25. 17/05/2017  20:01 by Adriano Luchiari

    Eu ainda penso que essa classe só será viável se o preço que foi estimado até agora for reduzido e as quantidades contratadas entregues nos prazos contratuais. Se for à moda antiga, teremos uma unidade daqui a X anos e as demais serão postergadas ou downgraded, com a desculpa da eterna falta de recursos.

  26. 17/05/2017  20:35 by Roberto Bozzo

    Por que, abaixo do heliporto, a estrutura é aberta ? Alguma utilidade especial ??

  27. 17/05/2017  20:40 by August

    E o deck vai ser pra BH ou linx ?

  28. 17/05/2017  21:56 by Juarez

    Parece que pelo que andei ouvindo por aí e perguntado a dupla Artisan - Sea Ceptor não está tão certa quanto aparece.
    Tem dois concorrentes muito bem posicionados para sistema de armas, um fornece radar e míssil o outro tem o radar e entraria na parceria com um terceiro míssil.

    G abraço

  29. 18/05/2017  0:42 by Gilbert

    Bom deve sair mais barato que o prosub, pois agora não vai ter que ficar pagando lobista e a penca de sangue-suga pelo menos é o que esperamos.

  30. 18/05/2017  9:02 by Renan

    Gilberto
    Obrigado pela resposta, sim muito boa
    Abraço

  31. 18/05/2017  15:16 by Gilberto Rezende

    Renan melhor que o cinza MB é o camuflado cinza digital do BANNER da SAAB que ilustra bem a teoria de se camuflar um navio com as nuvens no horizonte...

Leave a reply

 

Your email address will not be published.