O SAS Manthatisi, o primeiro de três submarinos IKL-209 comprados em um acordo de vários bilhões de rands, está no dique seco em Simon’s Town, Cape Town, desde 2007. Com menos de dois anos de serviço efetivo, o mesmo teve uma série de contratempos, incluindo uma colisão em um cais durante uma tempestade, com um cabo de alimentação incorretamente ligado ao sistema de fornecimento de força do submarino, e defeitos com seu sistema de propulsão (480 baterias).

Com a troca das baterias com defeito garantida, os problemas do Manthatisi vão além das fontes de fundos da marinha para pagar as despesas inerentes para se colocar o navio de volta para navegar.

A Marinha, porém, segue esperando que o submarino, que foi encomendado em 2006 e custou cerca de R40 milhões, volte ao serviço em 2013. De acordo com DefenceWeb, o dinheiro gasto com o submarino ao longo dos anos tem sido para outros upgrades para, entre outras coisas, o sistema de armas e peças de reposição. O Contra-almirante Philip Scholtz, falando em Pretória, ontem, no lançamento do projeto de relatório sobre a revisão força de defesa, disse que o defeito da bateria havia causado a liberação de gases. “Como existem apenas três fornecedores internacionais para essas baterias, o processo tem sido de grandes dificuldades, especialmente por tentarmos buscar um reembolso”, disse ele.

“Nós não queriamos prosseguir com a troca das baterias, que irá ocorrer agora, até que tivéssemos o reembolso garantido, o que temos agora.”

Recusando-se a nomear os fornecedores das baterias originais, Scholtz disse que trocar as baterias não seria um processo fácil. .. “Não é tão simples como mudar uma bateria de carro. Isso é algo que leva meses para fazer Primeiro tínhamos que achar uma nova fonte para baterias, que fizemos, em seguida, garantir que o sistema de valor da compra – verificar se eles não tem os mesmos defeitos, bem como a obtenção de determinadas garantias “Esse processo levou cerca de 11 meses. Com as ordens de compra agora colocadas, as baterias devem ser enviadas até o final do ano, quando serão então instaladas no submarino .”O processo de reequipamento, no entanto, é extremamente caro e terá de ser financiado por vários anos”, disse ele, reafirmando a repórteres que os submarinos restantes do país estavam funcionando bem, com um atualmente em patrulha na costa oeste da África do Sul.
Fonte: timeslive.co.za

 

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.