Merlin AsAc

O MoD e a  Lockheed Martin UK, como o contratante principal para o programa Crowsnest, selecionaram a Thales para fornecer o sistema de radar e de missão que serão utilizados nos helicópteros AgustaWestland AW101 Merlin Mk2.

O projeto Crowsnest atuará como olhos e ouvidos para os novos navios-aeródromos da Royal Navy, provendo longo alcance, detecção marítima e terrestre, bem como a capacidade de rastrear potenciais ameaças. O Crowsnest também será capaz de apoiar operações marítimas e terrestres mais amplas, substituindo o Sea King Mk7 ASaC (Airborne Surveillance and Control), que estão em operações regulares desde 1982.

A Lockheed Martin UK vai agora concluir fase de avaliação do projeto, prevista para 2016, apoiada pela Thales e AgustaWestland, o fabricante do helicóptero Merlin, sobre a qual o sistema será montado.

AW101 Merlin Mk2

Os helicópteros Merlin Mk2, que estão entre os helicóptero navais mais avançados do mundo, já são empregados pela Royal Navy em diversas funções, incluindo a Guerra Antissubmarino (ASW) e missões de ajuda humanitária.

A solução Thales é uma versão atualizada, e melhorada, do conjunto de sensores tático Cerberus que atualmente são utilizados no Sea King Mk7.

O desenho é composto por uma única cabeça de radar digitalizada mecanicamente, que utiliza um sistema inovador para proporcionar visibilidade 360º, pela parte de baixo do helicóptero, e que se dobra para o lado da aeronave, recolhendo a antena do radar quando não estiver em funcionamento.

FONTE: MoD

 

3 Comments

 

  1. 19/01/2016  16:48 by Clibanario Responder

    A vantagem do projeto desses 2 NAs é a de, se houver necessidade, é a de serem transformadas em unidades convencionais, com a instalação de catapultas e sistema de frenagem sem maiores
    dores de cabeça. Duro mesmo vai ser a readequação das tripulações para a nova configuração.

  2. 29/05/2015  8:50 by Nelson Lima Responder

    O único impecilho para que a MB adote esta solução AEW seria a velocidade do vetor?

    • 29/05/2015  10:00 by Guilherme Wiltgen Responder

      Nelson,
      Se a velocidade do vetor não é problema para a RN, por que seria para a MB?
      Abs

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.