Com o suspender do Navio Polar Almirante Maximiano e do Navio de Apoio Oceanográfico Ary Rongel, iniciou a Operação Antártica XXXV (OPERANTAR XXXV), em outubro de 2016. A missão é coordenada pela Comissão Interministerial para Recursos do Mar (CIRM) e tem a finalidade de contribuir para a consecução do Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR), iniciado em 1982 pela adesão do Brasil ao Tratado Antártico.

Durante todas as fases da Operação são realizados apoios à Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF) e aos projetos embarcados vinculados aos subprogramas de Ciências da Atmosfera, Ciências da Terra, Ciências de Vida e de Logística, pertencentes ao PROANTAR.

Durante a terceira fase, entre os dias 19 de novembro de 2016 e 13 de janeiro de 2017, foram realizadas 16 estações geológicas com 12 lançamentos de Gravity Core e 4 lançamentos de Box Core, na área de sedimentologia e geomorfologia na análise de mudanças climáticas. O navio apoiou, também, o Projeto Schaefer por meio de operações aéreas para realização de manutenção de sensores instalados nas Ilhas Shetland do Sul. Foram acrescentados lançamentos de acampamentos e coletas vinculadas a projetos científicos nas áreas de prospecção de macroalgas extremófilas da Antártica Marítima, prospecção biológica em ecossistemas marinhos, dispersão e evolução de espécies antárticas, micologia antártica, prospecção microbiótica antártica e mudanças climáticas afetas a criosfera terrestre.

Especialmente no período de 18 a 23 de dezembro de 2016, o navio recebeu a visita da apresentadora de televisão, médica e atleta, Karina Oliani, que participou de diversas atividades de bordo. Durante o seu embarque, proferiu uma palestra para a tripulação, na qual dividiu sua experiência adquirida ao longo de seus principais feitos em aventuras ao redor do mundo, como: a escalada do Monte Everest (3ª brasileira a realizar este feito), mergulhos radicais com tubarões e experiências com grupos de operações especiais, incluindo o Grupamento de Mergulhadores de Combate (GRUMEC), no âmbito da Marinha do Brasil. Por fim, a apresentadora participou de um treinamento funcional com militares do navio.

Após uma escala para apoio logístico em Punta Arenas (Chile), no dia 2 de janeiro, o navio desatracou e iniciou mais um trânsito para Antártica. Ao regressar ao Continente Gelado foram retomadas as atividades científicas, vinculadas as áreas de balanço de energia, sensoriamento remoto e evolução e dispersão de espécies antárticas com o lançamento de acampamentos na área peninsular adjacente ao Estreito Antártico.

Neste suspender, o navio foi privilegiado com o embarque do navegador e escritor Amyr Klink, personalidade e referência em âmbito internacional no que concerne a longas travessias, que permaneceu a bordo do “Tio Max” entre o dia 2 a 10 de janeiro. Neste período, Amyr Klink realizou a travessia do Estreito de Drake e participou de todas as atividades internas e externas realizadas pelo navio, tendo navegado entre as Ilhas Shetlands do Sul, Estreito Antártico e nas proximidades do Estreito de Gerlache.

Durante este tempo, Amyr Klink proferiu palestras para a tripulação, transmitindo sua experiência adquirida durante suas mais marcantes travessias, muitas delas no Continente Gelado, tendo como foco aspectos motivacionais e filosóficos, nos desafios cotidianos do mar e na conscientização, consolidação e divulgação da mentalidade marítima no âmbito da sociedade brasileira.

Após o navio prestar apoio ao voo da Força Aérea Brasileira para a troca de pesquisadores e recebimento de carga, foi encerrada a terceira fase da OPERANTAR XXXV, entre 8 a 13 de janeiro.

FONTE: MB

FOTO: Ilustrativa

image_pdfimage_print

 

Leave a reply

 

Your email address will not be published.