Maduro, Vázquez, Correa e Santos chegaram a acordo - Dolores Ochoa / AP Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/maduro-santos-anunciam-acordo-progressivo-para-dar-fim-crise-na-fronteira-17561819#ixzz3mTBozUm1  © 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Maduro, Vázquez, Correa e Santos chegaram a acordo - Dolores Ochoa / AP

clippingQUITO – Os presidentes de Venezuela e Colômbia, Nicolás Maduro e Juan Manuel Santos, se encontraram nesta segunda-feira em Quito para tentar resolver a crise na fronteira. As delegações dos países, que incluíram as chanceleres de cada um, chegaram a um princípio de acordo para reabrir várias passagens fechadas desde o mês passado, quando a Venezuela denunciou invasões paramilitares e deportou mais de 1.600 colombianos.

Na capital equatoriana, Maduro e Santos discutiram junto aos presidentes de Equador e Uruguai, Rafael Correa e Tabaré Vázquez. A mediação serviu para tentar amenizar as tensões entre os dois países desde o início da crise.

Enquanto Vázquez e Correa disseram estar satisfeitos com o progresso nas discussões entre as partes, Maduro e Santos acordaram o retorno dos embaixadores de cada país e uma investigação binacional sobre os motivos que deixaram a fronteira insegura a ponto de ser declarado estado de exceção.

A partir dos termos, um grupo de ministros dos dois países fará considerações técnicas sobre a situação fronteiriça. Com o acerto das etapas, a normalização e abertura das fronteiras ficaria assegurada de maneira gradual, segundo o comunicado lido pelos presidentes.

ECUADOR-VENEZUELA-COLOMBIA-BORDER-G7E2CV8RU.1

Maduro e o presidente equatoriano, Rafael Correa, acenam para manifestantes - RODRIGO BUENDIA / AFP

— Agradeço por termos conseguido nos encontrar para discutir o tema. Triunfaram a sensatez, o diálogo e a paz. Não há lugar para o ódio nem para o revanchismo — disse Maduro.

Santos destacou que exigiu a Maduro respeito aos colombianos em situação irregular na fronteira. O êxodo forçado foi muito criticado pelas autoridades colombianas nas últimas semanas.

— Quando dois líderes têm diferenças, quem sofre são os povos. Temos modelos diferentes, mas podemos nos respeitar. Entendo a preocupação da Venezuela por grupos criminosos na fronteira, e pedi que ele respeite os direitos dos colombianos, algo ao qual ele se comprometeu a investigar — disse Santos.

ESFORÇO POR REAPROXIMAÇÃO

Antes do encontro, o tom era de desconfiança. Ainda na segunda-feira, durante a reunião multilateral, a cidade colombiana de Cúcuta registrou mais incursões por forças venezuelanas.

Para Santos, a atual situação “é um dos capítulos mais tristes de nossa História”.

— O estado de exceção não pode ser usado para justificar abusos contra os direitos humanos. Os problemas na fronteira, como o narcotráfico, o contrabando os grupos criminais, são de tempos antigos, e por isso temos que buscar a solução. Mas a Colômbia não é culpada pelos problemas da Venezuela. Viajamos a Quito com a melhor das intenções, em busca de diálogo e prudência — disse Santos, que já havia acusado Caracas de usar a questão fronteiriça para “maquiar” os graves problemas econômicos e políticos que enfrenta.

VENEZUELA-COLOMBIA_-G7E2CVEKD.1

Maduro acena para apoiadores do lado de fora do palácio presidencial em Quito - HANDOUT / REUTERS

Maduro, por sua vez, afirmou que a situação dos mais de 17 mil colombianos afetados pela crise iniciada com o estado de exceção em cidades venezuelanas não é o foco. Ele foi firme em dizer que tem propostas concretas para “construir uma fronteira de paz e atender o êxodo massivo de colombianos na Venezuela.”

— Cinco milhões de colombianos chegaram à Venezuela fugindo da guerra e da pobreza. Não podemos dar passos em falso. As medidas que tomarei hoje são saudadas e apoiadas massivamente pelo povo venezuelano. Quero iniciar um novo tempo de relações com a Colômbia, com respeito, cooperação, benefício mútuo, paz, convivência e coexistência. Que ninguém se meta nos assuntos da Venezuela e não o façamos com ninguém.

As chanceleres María Ángela Holguín (Colômbia) e Delcy Rodríguez (Venezuela) já haviam se encontrado duas vezes, mas não chegaram a um consenso para a reabertura de regiões fechadas. Desde 20 de agosto, início da crise na fronteira, os países vêm trocando acusações.

FONTE: O GLOBO com ‘EL TIEMPO’/GDA