Scorpene-Oxigino

A Nuclep entregou hoje, dia 01 de abril, a segunda seção do SBR-2 à Itaguaí Construções Navais (ICN). Muitos funcionários se reuniram no Galpão Principal para participar da solenidade de entrega da S3. A previsão é que todo o casco resistente seja concluído e entregue até o final deste ano.

O Presidente da NUCLEP Jaime Cardoso, o Diretor Comercial Celso Cunha, o Diretor Industrial Liberal Zanellato e Diretor Industrial da ICN Carlos Adolfo estiveram na cerimônia. O presidente da NUCLEP falou sobre o papel estratégico da empresa no desenvolvimento do país e destacou a importância das obras dos submarinos para a empresa e para a indústria nacional.

— Um dos grandes trunfos que temos é o trabalho estratégico que é feito aqui na NUCLEP. Nós ao trabalharmos com esse tipo de obra, estratégica para o país, estamos ocupando aqui 70% do nosso espaço industrial. O governo nos dá essa missão e temos que estar preparados, a disposição da nação, e isso aqui é um ciclo disso — afirmou Jaime Cardoso.

Scorpene Riachuelo - Oxigino

Submarino Riachuelo (S 40) - Ilustração Oxigino T&D

O SBR-2 é o primeiro submarino com tecnologia francesa, integralmente, produzido no Brasil, visto que, o SBR-1 foi produzido parte na França e parte no Brasil.

Este submarino é do mesmo modelo do primeiro: classe Scorpene customizado para o Brasil e integra o Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub), que prevê ainda a construção de mais dois submarinos convencionais diesel-elétrico e, também, do futuro submarino brasileiro de propulsão nuclear.

FONTE: Nuclep

 

3 Comments

 

  1. 06/04/2016  23:28 by Topol Responder

    Devagar estamos avançando

  2. 06/04/2016  20:08 by Cesar Pereira Responder

    Mas é bom ressaltar que tanto o SBR-1 e SBR-2 ainda se encontram em construção, nenhum deles se encontra totalmente construido !

    • 06/04/2016  22:25 by I Andre I Responder

      Sim, até porque se afirma que a seção foi entregue para a segunda fase de construção que é o preenchimento do casco. Acho que na prática é a primeira vez que uma proa de submarino é feita no Brasil, ja que a proa dos Tupi e do Tikuna vieram da Alemanha. Mas não tenho certeza disso.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.