Gripen com aviador naval brasileiro pronto para o taxi

clipping O caça sueco Gripen NG, escolhido pelo governo brasileiro para integrar a Força Aérea Brasileira (FAB), poderá ser adaptado para operar em porta-aviões e alavancar o projeto Sea Gripen desenvolvido pela Saab, fabricante do avião.

De acordo com a Saab, o Sea Gripen é um projeto 100% sueco e anterior às versões E e NG do caça. Este Gripen estaria adaptado para operar desde porta-aviões STOBAR de decolagem curta. Para tanto, o modelo vendido ao Brasil teria de passar por algumas modificações para operar com catapultas.

A versão naval do caça vem sendo trabalhada pela Saab para atender não apenas a Marinha brasileira como a indiana também.
Aviador naval brasileiro no controle do Gripen durante o Touch and Go
Este programa foi revelado em 2010 e supunha a navalização do avião sueco incluindo melhoras significativas e específicas em componentes como o trem de aterrisagem, freios maiores ou gancho de aterrisagem. A empresa defende que o avião original já inclua mecanismos que o aproximem de um avião naval como aterrisagem e manobrabilidade de precisão, estrutura robusta e o recobrimento anticorrosivo.

Ao que tudo indica a Saab já teria finalizado os estudos de viabilidade e estaria apenas aguardando um cliente lançador do avião.

Já a Marinha brasileira tem previsto adquirir dois porta-aviões por meio do Programa de Obtenção de Navios-Aérodromos (PRONAE) e que contemplariam um estaleiro internacional a ser construído no Brasil.

Aviador naval brasileiro pilotando o Gripen na ponta dos dedos

De acordo com a Marinha, seriam do tipo CATOBAR (Catapult Assisted Take Off, Barrier Arrested Recovery), ou seja, decolam mediante uma catapulta e aterrissam assistidos por uma barreira, constituindo-se num elemento fundamental para a proteção da costa brasileira e seus recursos energéticos.

Atualmente, o Brasil conta com apenas um porta-aviões, o São Paulo comprado da França em 2000 com cerca de 50 anos de uso. A desativação do São Paulo não estaria na agenda e a Marinha teria ainda um projeto que prevê 24 aviões para operar a partir dele.

Base de Anápolis
Na quarta-feira, 12, a Base Aérea de Anápolis (GO) recebeu a visita de uma delegação do ministério da Defesa da Suécia e de executivos da Saab, fabricante do Gripen, o caça eleito no âmbito do Programa FX-2.

Gripen D

A comitiva sueca foi liderada pelo major-general Jan Andersson, ex-Comandante da Força Aérea Sueca. Ele quis conhecer em detalhes a infraestrutura do Esquadrão que está baseado em Anápolis.

Os primeiros Gripen para a FAB serão destinados à Base em Goiás, inclusive alguns dos modelos usados que serão utilizados pelo Brasil até a chegada dos novos aviões.

Neste mesmo dia, a comitiva começou a detalhar o contrato de encomenda das 36 aeronaves para o Brasil em reuniões realizadas em Brasília.

FONTE : Agência Inforel de notícias

 

12 Comments

 

  1. 19/02/2014  4:27 by ZorannGCC Responder

    Existe uma entrevista da Globo News com um almirante responsavel pela compra de equipamentos da Marinha (ou algo assim) onde o mesmo afirma abertamente que a MB irá comprar o Gripen NG

    Esqueçam Rafale, ou qq outra coisa. Vamos de Gripen na FAB e na MB

  2. 18/02/2014  21:18 by BrunoFN Responder

    SeaGripen a escolha óbvia natural e estratégica em um curto período de tempo vamos ''fabricar'' caças convencionais(FAB) e embarcados (MB) ..alem e claro da logÍstica semelhante pra ambas as forças ..
    ..Rafale M.... dificil acreditar nessa possibilidade ..custo por custo e formalizando uma mera compra de prateleira .. prefiro o F-35C....... Rafale so com TT .ou ao menos o código fonte aberto .. mas com a escolha do Gripen no FX2 ... acho q sepultou qualquer chance de Rafale por aki ... correndo por fora tem o SH... mais ai so acredito se vier algum PA americano (sonho por sonho ....''comprem esse caça q lhe ''vendemos'' esse PA ''...)

  3. 18/02/2014  18:51 by Gomes Responder

    Li em outro site ligado a temas de defesa que a marinha andou testando o Rafale M e esse é o favorito para ser o novo caça embarcado dos futuros PAs brasileiros. Mas seria bom logo resolver quem vai construir as novas escoltas, né?.

  4. 18/02/2014  14:15 by mauricio matos Responder

    A MB quer um novo antes da desativação do A12 conseguir é outros 500 o que vai acontecer o A12 vai ser desativado sem ter um substituto. A SAAB vai morrer doida esperando a construção desse porta aviões todo mundo sabe como as coisas andam no brasil a única chance disso sair vai ser a descoberta de mais petróleo e mesmo os postos já descobertos no pré sal aumentarem sua produção e se houver uma ameaça clara de outro pais. Eu falo para vocês chega 2025 , 2030 2040 e assim vai sucessivamente e não teremos um novo porta aviões.

  5. 18/02/2014  14:12 by germano denisale Responder

    Quando da chegada dos novos NAEs (sabe-se Deus lá quando...) o melhor destino para Porta-Aviões São Paulo é virar museu...Não creio que seja viável adaptá-lo para qualquer outro meio operacional.

  6. 18/02/2014  14:01 by mateus felipe dias barbosa Responder

    concordo com o marcelo.

  7. 18/02/2014  13:21 by Leonardo Responder

    "A versão naval do caça vem sendo trabalhada pela Saab para atender não apenas a Marinha brasileira como a indiana também."

    Não entendi essa parte, porque a indiana? Estou por fora, alguém poderia dar uma luz?

  8. 18/02/2014  12:47 by _RR_ Responder

    Não creio que "adaptar" seja bem o termo...

    Qualquer aeronave a ser preparada para o meio naval passa por modificações profundas, a nível estrutural, para poderem operar embarcadas... Na prática, é virtualmente uma nova aeronave...

  9. 18/02/2014  11:32 by Luiz Gabriel Responder

    Ai sim, mais ficaremos com 3 porta aviões ou apenas 2???? Seria interessante apos a chegada dos dois NAEs novos, transformar o NAE São Paulo num porta Helicóptero ??? E todos os novos NAE terão o Gripen ou alguns AF-1 (a-4) serão relocados tbm ???

    • 18/02/2014  12:00 by Marcelo Responder

      Não está prevista a desativação do A12 antes de 2025, quando ele deve dar baixa. De acordo com o PAEMB deve se comprar 24 caças navais para operar em seu NAE "novo" a partir de 2022, quando viria também o NAe, e até 2030, tais meios já estariam disponíveis. Leia o PAEMB, tem na net aew, é uma boa fonte de pesquisa.

    • 13/05/2014  17:07 by ross Responder

      cara eu acho que o brasil não vai comprar nenhum porta avioes

  10. 18/02/2014  10:46 by Mario Responder

    Interessante , muito interessante mesmo.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.