País persegue de forma consequente o status de superpotência militar. No entanto, corrupção e estruturas antiquadas são desafios ainda maiores do que a modernização do Exército Popular de Libertação.



Pela primeira vez em três anos, em 18 de abril de 2018 a China realizou manobras militares no Estreito de Taiwan. Por um lado, elas serviram como advertência ao movimento independentista taiwanês; por outro, como palco de apresentação para a mais moderna tecnologia militar.

Sob o presidente Xi Jinping, as forças militares da China se submetem a uma abrangente modernização de seu arsenal e à reestruturação do Exército Popular de Libertação. No 19º Congresso do Partido Comunista, em outubro de 2017, Xi declarou que a reforma do Exército deverá estar concluída até 2035. Até 2050 o país almeja se tornar uma superpotência militar, e para essas ambiciosas metas disponibilizou 150 bilhões de dólares em 2017.

Com o título Military Balance, o think tank  britânico IISS publica anualmente um relatório sobre o status de todas as forças armadas do mundo. Segundo ele, Pequim está investindo entre 6% e 7% de seu PIB para fins militares. Além disso, nos últimos anos alcançou grandes progressos na modernização de sua Aeronáutica e Marinha. A vantagem dos Estados Unidos nesses quesitos, aos poucos, se reduz.

O avião de combate chinês do tipo Chengdu J-20, por exemplo, é o primeiro que dispõe de capacidade de camuflagem. Em combinação com os modernos mísseis de ar-ar PL-15 e os destroieres da classe Renhai, a China é a primeira a possuir a possibilidade de efetivamente manter as forças inimigas longe de seu litoral ou das águas litorâneas.

Caça chinês J-20 - Foto Top81.cn

Michael Chase, da Rand Corporation, confirma que “a China fez enormes progressos em toda uma série de tecnologias militares-chave para dissuasão de possíveis adversários, e desenvolveu aptidões para vencer guerras futuras”. Segundo especialistas, a modernização do Exército Popular mostra que Pequim compreendeu perfeitamente como as técnicas de combate se transformaram desde a fundação daquela força militar, em 1927.

Segundo Meia Nouwens, especialista em China da IISS, o país está se preparando para conflitos potenciais em todas as áreas: terra, mar, espaço e ciberespaço. “A modernização do Exército Popular de Libertação agora coloca a China em posição de poder fazer valer suas pretensões na região também por meios militares.”



Combatendo estruturas antiquadas

O que ainda falta aos chineses, contudo, é experiência de combate e treinamento para a cooperação entre diferentes setores das Forças Armadas. Além disso, corrupção e uma estrutura organizacional antiquada também restringem o potencial de choque do Exército Popular.

Para mudar esse quadro, Xi Jinping lançou uma abrangente campanha anticorrupção e iniciou a reestruturação total das tropas. Desse modo o Exército Popular deverá estar sempre pronto para ser mobilizado, mesmo diante da complexa ameaça das tropas equipadas com a mais alta tecnologia, como as dos EUA.

“Sob a liderança de Xi, a China encarou uma série de desafios que impedem a modernização militar para além da tecnologia”, analisa Chase, da Rand Cooperation. Nesse quadro, também entra em jogo o projeto de prestígio Nova Rota da Seda: a China investe bilhões na Ásia Central e Meridional, ou seja, em regiões consideradas relativamente instáveis.

Para proteger os próprios investimentos, ela precisa estar apta a defender seus interesses também por meios militares, se necessário, tanto na vizinhança imediata quanto mais além. Nouwens explica que em Pequim “é um fato indiscutido que a maior influência internacional necessariamente implica também maiores capacidades militares.”

Expansão global

Em 1º de agosto de 2017, a China inaugurou sua base da Marinha em Djibuti, no Chifre da África, a primeira fora do continente asiático, num claro sinal de de que deseja expandir sua influência militar para além da Ásia e do Oceano Pacífico.

Um estudo instituto de pesquisa americano Center for Advanced Defense Studies (C4ADS) indica que 15 dos projetos portuários financiados pela China no contexto do BRI não visam o cenário econômico “win-win” frequentemente evocado pelo país, mas sim, em primeira linha, interesses de segurança chineses.

“Os investimentos têm o fim de garantir influência política, elevar a presença militar chinesa e proporcionar vantagens estratégicas”, consta do estudo, segundo o qual o engajamento do país tem como fim ampliar seus status como potência marítima.

A modernização do Exército Popular de Libertação e a consequente influência militar crescente representa um desafio direto para os EUA e seus aliados, avalia Nouwens: “Do ponto de vista militar, existe uma clara dinâmica de ação-reação entre Pequim e Washington.”

Assim como os EUA enviam regularmente unidades navais e navios pelo Pacífico e o Mar da China Meridional, a China envia com frequência crescente suas embarcações para o Oceano Índico e até os mares Mediterrâneo e Báltico

FONTE: DW
FOTOS: Ilustrativas



 

3 Comments

 

  1. 09/05/2018  16:01 by Topol Responder

    Submarinos nucleares, caças stealth, porta aviões nucleares, mísseis intercontinentais, bombardeiros de longo alcance, mísseis de todos os tipos, centenas de novos navios de combate, UAVs, inteligencia cibernetica, satélites , etc... A China investe pesadamente em todos estes setores simultaneamente em busca se ser o grande e exclusivo líder regional em um ambiente disputado com Índia, Japão/EUA e demais países que cercam o Mar da China

  2. 09/05/2018  14:13 by Agnelo Moreira Responder

    Boa tarde, Guilherme.
    Muito boa matéria.
    Sem dúvida, a China tem crescido muito como um ator internacional de liderança e com grande influência mundial em todas as expressões do Poder, exceto, na minha opinião, a Psicossocial.
    Basta saber, se sua estrutura de comando e liderança permite a flexibilidade necessária aos escalões subordinados em decidirem e conduzirem suas forças, que tem proporcionado enorme vantagem aos exércitos que insistem nessa forma de condução, como o israelense, americano, inglês e o alemão.
    As "amarras" de um comando centralizador, como foi no caso soviético e de seus aprendizes, sempre levou à grande desvantagem.
    Essas amarras vinham sempre do "medo" de qq forma de liberdade de ação que se pode dar a um subordinado, típico do regime.
    Sds
    Sds

    • 09/05/2018  16:37 by Guilherme Wiltgen Responder

      Obrigado Agnelo!
      Seus comentários sempre contribuem para melhorar o debate.
      Abs,

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.