A-29 Super Tucano

Por Dave Majumdar

A Força Aérea dos EUA – USAF – tem sido bastante discreta sobre o experimento OA-X, onde está testando o Sierra Nevada Corp/Embraer A-29 Super Tucano, o Beechcraft AT-6, o Textron Scorpion Jet e o Tractor L-3 AT -802L Longsword, para avaliar a utilidade dessas aeronaves no papel de contra-insurgência.

Os fabricantes receberam poucas informações sobre a natureza dos esforços dos testes. “Nós sabemos quantas vezes eles estão voando. Sabemos as armas com as quais estão usando e se eles estão trazendo elas de volta”, disse Taco Gilbert, vice-presidente sênior de inteligência, vigilância e reconhecimento (ISR) da Sierra Nevada aos repórteres em 4 de agosto.

“Mas o que realmente acontece durante o voo, não temos conhecimento. “Com a pouca informação fornecida aos contratados, Gilbert disse que o Super Tucano tem tido um bom desempenho durante o experimento. “Eu diria que o vôo foi muito bom. Estamos muito satisfeitos com o esforço. Estamos voando em média duas vezes por dia”, disse Gilbert. “Nós fizemos voos, na maior parte de dia, mas também voando a noite. E a aeronave está mantendo bem. A maioria dos vôos, até agora, tem sido, no melhor de nosso conhecimento, bastante direto, nada realmente incomum.

Scorpion

“Nas próximas semanas, Gilbert disse que espera que o nível de dificuldade aumente acentuadamente. “Estamos ansiosos para alguns dos aspectos mais exigentes da avaliação, como os desembarques de combustível”, disse Gilbert. “Nós entendemos que a maior parte disso foi colocada para o final da avaliação”. No entanto, a maioria dos aspectos dos esforços do OA-X da Força Aérea permanecem envoltos por trás de um véu de sigilo, mas os fabricantes foram prevenidos.

“A força aérea americana – USAF- tem sido muito clara desde o início desses testes com os participantes do experimento, os pilotos e os oficiais dos sistemas de armas, não tem permissão para nos fornecer qualquer comentário sobre de quem gostou, de quem não gostou, sobre o desempenho na missão, e outros itens dos vôos de avaliação”, disse Gilbert.

Na verdade, enquanto os fabricantes preparam os aviões para o vôo e executam todas as funções logísticas, eles não têm nenhuma visão sobre a natureza do experimento OA-X. “Nós fornecemos toda a logística, suporte e manutenção no terreno”, disse Gilbert. “Então, estamos lá para preparar o avião, lançar o avião e recuperá-lo. Mas uma vez que eles decolam e somem no horizonte, o que eles fazem com ele como parte de sua avaliação é conhecido apenas por eles.

“A Sierra Nevada espera que a Força Aérea forneça à empresa algum feedback sobre o experimento. “Seja ou não o vencedor do programa, queremos usar o feedback para melhorar a aeronave, assim como continuamos a usar comentários sobre a vida do A-29 para continuar a modernizar, melhorar e torná-lo sempre mais capaz”, disse Gilbert.

No geral, embora a Força Aérea não tenha fornecido aos fabricantes muito feedback sobre o desempenho de seus aviões, Gilbert é otimista sobre essa nova abordagem no processo de aquisições. “Estou agradavelmente surpreso, na medida em que isso requer investimentos adicionais da indústria, porque sob o contrato da OTA que temos com a Força Aérea dos EUA para executar este experimento, assumimos muitos dos custos desse esforço”. “Mas eu reconheço o que a Força Aérea está tentando fazer. Eles estão tentando olhar para novas formas de adquirir capacidades, novas formas de avaliar capacidades e maneiras de acelerar a obtenção desses recursos nas mãos de nossos caças, que estão na linha de frente. Então, minhas expectativas sobre a aquisição da Força Aérea foram aprimoradas, pois vejo que a Força Aérea está disposta a fazer as coisas de maneira diferente para tentar resolver alguns problemas muito antigos.

“Em última análise, se o OA-X se tornar um programa formal, pode ser lucrativo para o fabricante vencedor. Além das potenciais compras da USAF, parceiros internacionais estão se alinhando para olhar o experimento OA-X. Na verdade, o programa poderia abrir uma parte do mercado de defesa que tradicionalmente tem sido negligenciado, porque eles não podem pagar equipamentos caros, como o Lockheed Martin F-35. “Nós sabemos que haverá alguns visitantes internacionais lá”, disse Gilbert. “Pode-se presumir que eles estão lá para aprender mais sobre a aeronave ou a capacidade de realizar essas missões com esse tipo de aeronave. A Força Aérea dos EUA é um líder global, como tenho certeza de que todos vocês sabem, e é freqüentemente observada por outras forças aéreas como uma capacidade pioneira, como alguém para ser líder em um relacionamento líder-seguidor. Então, quando a Força Aérea tenta algo diferente, outros, obviamente, querem ser informados sobre os resultados para que possam copiar o sucesso e evitar o fracasso”.

O tempo indicará se a Força Aérea dos EUA é séria sobre o OA-X ou não.

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: DAN

FONTE: National Interest

COLABOROU: Felipe Salles