A-29 Super Tucano

Por Dave Majumdar

A Força Aérea dos EUA – USAF – tem sido bastante discreta sobre o experimento OA-X, onde está testando o Sierra Nevada Corp/Embraer A-29 Super Tucano, o Beechcraft AT-6, o Textron Scorpion Jet e o Tractor L-3 AT -802L Longsword, para avaliar a utilidade dessas aeronaves no papel de contra-insurgência.

Os fabricantes receberam poucas informações sobre a natureza dos esforços dos testes. “Nós sabemos quantas vezes eles estão voando. Sabemos as armas com as quais estão usando e se eles estão trazendo elas de volta”, disse Taco Gilbert, vice-presidente sênior de inteligência, vigilância e reconhecimento (ISR) da Sierra Nevada aos repórteres em 4 de agosto.

“Mas o que realmente acontece durante o voo, não temos conhecimento. “Com a pouca informação fornecida aos contratados, Gilbert disse que o Super Tucano tem tido um bom desempenho durante o experimento. “Eu diria que o vôo foi muito bom. Estamos muito satisfeitos com o esforço. Estamos voando em média duas vezes por dia”, disse Gilbert. “Nós fizemos voos, na maior parte de dia, mas também voando a noite. E a aeronave está mantendo bem. A maioria dos vôos, até agora, tem sido, no melhor de nosso conhecimento, bastante direto, nada realmente incomum.

Scorpion

“Nas próximas semanas, Gilbert disse que espera que o nível de dificuldade aumente acentuadamente. “Estamos ansiosos para alguns dos aspectos mais exigentes da avaliação, como os desembarques de combustível”, disse Gilbert. “Nós entendemos que a maior parte disso foi colocada para o final da avaliação”. No entanto, a maioria dos aspectos dos esforços do OA-X da Força Aérea permanecem envoltos por trás de um véu de sigilo, mas os fabricantes foram prevenidos.

“A força aérea americana – USAF- tem sido muito clara desde o início desses testes com os participantes do experimento, os pilotos e os oficiais dos sistemas de armas, não tem permissão para nos fornecer qualquer comentário sobre de quem gostou, de quem não gostou, sobre o desempenho na missão, e outros itens dos vôos de avaliação”, disse Gilbert.

Na verdade, enquanto os fabricantes preparam os aviões para o vôo e executam todas as funções logísticas, eles não têm nenhuma visão sobre a natureza do experimento OA-X. “Nós fornecemos toda a logística, suporte e manutenção no terreno”, disse Gilbert. “Então, estamos lá para preparar o avião, lançar o avião e recuperá-lo. Mas uma vez que eles decolam e somem no horizonte, o que eles fazem com ele como parte de sua avaliação é conhecido apenas por eles.

“A Sierra Nevada espera que a Força Aérea forneça à empresa algum feedback sobre o experimento. “Seja ou não o vencedor do programa, queremos usar o feedback para melhorar a aeronave, assim como continuamos a usar comentários sobre a vida do A-29 para continuar a modernizar, melhorar e torná-lo sempre mais capaz”, disse Gilbert.

No geral, embora a Força Aérea não tenha fornecido aos fabricantes muito feedback sobre o desempenho de seus aviões, Gilbert é otimista sobre essa nova abordagem no processo de aquisições. “Estou agradavelmente surpreso, na medida em que isso requer investimentos adicionais da indústria, porque sob o contrato da OTA que temos com a Força Aérea dos EUA para executar este experimento, assumimos muitos dos custos desse esforço”. “Mas eu reconheço o que a Força Aérea está tentando fazer. Eles estão tentando olhar para novas formas de adquirir capacidades, novas formas de avaliar capacidades e maneiras de acelerar a obtenção desses recursos nas mãos de nossos caças, que estão na linha de frente. Então, minhas expectativas sobre a aquisição da Força Aérea foram aprimoradas, pois vejo que a Força Aérea está disposta a fazer as coisas de maneira diferente para tentar resolver alguns problemas muito antigos.

“Em última análise, se o OA-X se tornar um programa formal, pode ser lucrativo para o fabricante vencedor. Além das potenciais compras da USAF, parceiros internacionais estão se alinhando para olhar o experimento OA-X. Na verdade, o programa poderia abrir uma parte do mercado de defesa que tradicionalmente tem sido negligenciado, porque eles não podem pagar equipamentos caros, como o Lockheed Martin F-35. “Nós sabemos que haverá alguns visitantes internacionais lá”, disse Gilbert. “Pode-se presumir que eles estão lá para aprender mais sobre a aeronave ou a capacidade de realizar essas missões com esse tipo de aeronave. A Força Aérea dos EUA é um líder global, como tenho certeza de que todos vocês sabem, e é freqüentemente observada por outras forças aéreas como uma capacidade pioneira, como alguém para ser líder em um relacionamento líder-seguidor. Então, quando a Força Aérea tenta algo diferente, outros, obviamente, querem ser informados sobre os resultados para que possam copiar o sucesso e evitar o fracasso”.

O tempo indicará se a Força Aérea dos EUA é séria sobre o OA-X ou não.

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: DAN

FONTE: National Interest

COLABOROU: Felipe Salles

 

10 Comments

 

  1. 09/08/2017  13:47 by Gilberto Rezende

    Esta blindagem realmente amplia as chances do Super Tucano by Sierra Nevada, a USAF está careca de saber as capacidades do Super Tucano e das pressões que atrasaram o programa para fornecimento destas aeronaves para o Afeganistão.
    SE vencer também esta contenda, desta vez para fornecimento para a própria USAF, o Super Tucano estará CONSAGRADA definitivamente como A AERONAVE desta época moderna das guerras assimétricas.
    Tomara que todo este sigilo seja para blindar esta compra das pressões políticas dos congressistas americanos em prol da escolha rápida da melhor aeronave para a missão.

  2. 09/08/2017  15:00 by Klesson Nascimento

    Os concorrentes:
    - Um avião de combate;
    - Um avião treinador modificado;
    - Um avião agrícola;
    - Um jato de passeio.
    Quem vencerá?

  3. 09/08/2017  16:08 by naldo drive

    aviao agricola, ri alto.

  4. 09/08/2017  17:55 by Luciano Andrade

    O Tractor é realmente uma aeronave p/ pulverização que foi modificada p/ uso militar, mas sinceramente é como blindar um Fusca e torná-lo um um veículo militar de combate.

  5. 10/08/2017  0:29 by Renato

    Colegas, não façam pouco do Air tractor.
    Um verdadeiro trator voador.
    Um avião provado em combate. Um verdadeiro exterminador do futuro.
    Vários kills no currículo.
    Mata silenciosamente.
    Munição dele é muito barata...
    Fabricada pela Bayer...

  6. 10/08/2017  1:10 by marcio alves

    O A-29 ST está um passo há frente dos concorrentes por ter já sido comprovada em combate pela FAC e agora pela FAA e é operada por várias forças aéreas. Resumindo o ST é a melhor plataforma COIN já desenvolvida e não é uma aeronave modificada como os concorrentes.

  7. 10/08/2017  9:39 by erikson

    Olhando a foto do tractor, será mesmo que ele não tem assento ejetor? Se for isso, nem deveria participar.

  8. 10/08/2017  21:08 by Gilbert

    Está escrito na reportagem que eu disse , mas eu não falei nada.

  9. 10/08/2017  22:25 by Alexandre Maingue Werner

    Legal, o Ipanema está na concorrência...rs...

  10. 11/08/2017  8:12 by Luiz Padilha

    Beira o ridículo permitir esse tipo de adaptação. Nem assento ejetor tem.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.