A Sierra Nevada Corporation (SNC) está começando a treinar os pilotos da Força Aérea dos EUA – USAF, para voar o A-29 “Super Tucano” para o programa OA-X de aeronaves de ataque leve e observação.

O A-29 é construído pela SNC e pela Embraer em Jacksonville, Flórida. A Força Aérea já certificou a A-29 por meio de programas de vendas militares estrangeiras com o Afeganistão e no Líbano, e formou pilotos nos EUA, em treinamento das tripulações de manutenção através da 81ª Fighter Sqdn. em Moody AFB, Geórgia.

As aeronaves participando do programa OA-X devem ser pilotadas por pilotos dos Estados Unidos que são previamente familiarizado com a aeronave, não contratantes. Essas tripulações irão colocar o A-29 no seu ritmo numa série de demonstrações que irão ocorrer em Holloman AFB, Novo México, começando em 31 de julho.

Em uma entrevista de 29 de junho, Taco Gilbert, vice-presidente sênior de inteligência, vigilância da empresa e área de negócio de reconhecimento (ISR) da SNC, disse que vão começar a treinar dois pilotos do governo e dois oficiais de armas em 7 de julho.

A empresa está atualizando um upgrade nos Super Tucano com datalinks padrão USAF (Link 16), equipamentos de comunicações e aviônicos para que sejam interoperáveis com outras aeronaves da USAF durante o período de demonstração, que se estenderá por até 6 semanas.

Escolhida para as forças aéreas do Afeganistão e do Líbano, os A-29 é exclusivamente configurado para cumprir as regras de exportação dos EUA, seguindo o International Traffic in Arms Regulations, ou ITAR. Em contraste, a aeronave para os militares dos EUA deve levar os mais avançados equipamentos, sensores e armas disponíveis.

A próxima OA-X Demo gerou burburinho significativo dentro da Força Aérea, no Pentágono e no Capitólio, e a equipe da SNC/Embraer quer levar a aeronave com sua melhor configuração possível a Holloman para marcar positivamente essa ocasião.

A demonstração OA-X ainda nem começou, e o Comitê de Serviços Armados do Senado já se preparou para autorizar $ 1,2 bilhões para uma nova frota de caças de ataque leve para a USAF.

O A-29 da SNC foi convidado a participar, juntamente com rivais Textron AirLand Scorpion Jet e Textron Beechcraft AT-6 Wolverine.

Outros potenciais candidatos decidiram não participar, como a Lockheed e a Boeing, por seus aviões não se qualificarem com base nas especificações da Força Aérea.

A iniciativa é dirigida pelo Air Force’s Strategic Development Planning and Experimentation Office como uma avaliação das capacidades das plataformas de ataque leve.

Gilbert é “cautelosamente otimista” sobre o potencial desta experiência e a transição para uma avaliação “Fase 2” em um ambiente operacional e, em seguida, potencialmente tornando-se um programa de aquisição para a USAF.

A Fase 1 irá avaliar o A-29, o Scorpion e o AT-6 em desempenho e aptidão para missões de apoio tais como light air support and armed observation. Os pilotos da USAF vão voar a aeronave para nivelar os testes.

“Uma avaliação justa e completa vai favorecer o A-29”, diz Gilbert. “Nesta dura a avaliação, o A-29 vai brilhar.”

A SNC diz OA-X não é para substituir os Fairchild A-10 “Warthog” ou Lockheed Martin F-35 Lightning II. Gilbert diz que o OA-X é para encontrar alternativas de baixo custo, altamente capacitadas para manter a proficiência dos pilotos de caça, treinando em casa e conduzindo operações de contra-insurgência de rotina no exterior sem quebrar o orçamento.

Aviões de combate modernos custam de US$ 30.000 a $ 60.000 por hora de voo para operar, enquanto uma aeronave OA-X irá custar muitos dólares a menos por hora de voo. O A-10, que foi salvo desde os tempos de aposentadoria múltipla pelo Congresso, custa cerca de US $ 17.000 por hora para voar, diz Gilbert.

Por causa do custo extraordinário de operação de aeronaves stealth monoplace como o Lockheed F-22 e F-35, seu uso é um bem precioso. Isto pode reduzir o número de horas de vôo disponíveis para formação e proficiência, e instrutores muitas vezes voam ao lado de estudantes em uma segunda aeronave. No final de 2016, o serviço disse que tinham 1.555 pilotos, incluindo 1.211 pilotos de caça.

“Eles não têm cockpits suficiente para treinar esses pilotos quando eles saem da formação”, diz Gilbert. “Nos últimos anos, eles estavam esperando para obter 300 horas para voar por ano apenas para a maturação básica de habilidades de piloto de caça. Esses tipos de horas são difíceis de sustentar nestes caças modernos”.

Gilbert diz que é importante para o Departamento de Defesa e do Congresso entender o propósito do OA-X, porque desconstruir a iniciativa poderia matá-lo. A SNC diz que é poupando a vida de célula de caças de alta tecnologia, como o A-10, F-22 e F-35, enquanto reduz também o custo da realização de missões em regiões de baixa ameaça.

A alteração legislativa apresentada pelo congressista Mike Coffman, durante a apresentação do orçamento ao House Armed Services Committee em junho, incentivou a Força Aérea a apresentar um pedido de financiamento suplementar e plano de aquisição ao Congresso para uma frota OA-X, se o secretário serviço decidir adquirir rapidamente uma frota de caças light attack/observation.

Embora sediada em Sparks, Nevada, o centro de excelência da SNC para trabalho de modificação aeronave está em uma zona eleitoral de Coffman, Centennial, Colorado. Centennial é também a sede da joint venture entre a SNC e a Turkish Aerospace Industries na competição de US$ 16 bilhões TX trainner da USAF.

Em novembro de 2015, a SNC recebeu um contrato de US $ 172 milhões para equipar a Força Aérea libanesa com seis aeronaves. Gilbert disse que cinco de seis aeronaves já foram entregues a Moody.

Gilbert disse que a produção diminuiu o ritmo, mas existem vários clientes potenciais à espera nos bastidores, como a Nigéria, que pode finalizar um acordo em breve.

Filipinas recentemente selecionou o Super Tucano como a sua futura aeronave de ataque leve através de uma venda comercial direta com a Embraer. Aqueles aviões provavelmente serão construídas no Brasil.

O Chefe do Estado Maior da USAF, general David Goldfein e legisladores como o senador John McCain disseram anteriormente que o número de aeronaves OA-X necessárias poderia ser de até 300.

Apesar de sua herança brasileira, o EMB-314 Super Tucano é uma aeronave feita nos EUA, construída para os padrões americanos e o programa emprega um número considerável de pessoas no mercado interno, disse Gilbert.

A SNC diz que uma das principais características do EMB-314 / A-29 incluem o trem de pouso de tamanho considerável, o que proporciona uma maior distância ao solo para o carregamento, manutenção e pousos em pistas irregulares.

A versão americana tem proteção balística para a tripulação e o radiador de óleo do motor PT6 foi transferido para sua proteção. O cockpit em tandem, proporciona excelente visibilidade.

A USAF tem sido relutante em adotar turboélices de ataque leve para contra-insurgência, priorizando lutadores complexos para conflitos futuros. Se o OA-X for para a frente, pode favorecer institucionalmente um avião turboélice.

“Vemos o A-29 como um avião de caça, não é diferente do que o A-10, F-15 e F-16”, diz Gilbert. “Mas qual é a missão do avião? A missão deve ditar o que a fuselagem deve apresentar, e não uma noção preconcebida.

“Um avião a jato de alto desempenho se move muito, muito rápido, proporcionando sobrevivência em um ambiente de alta ameaça. Mas isso é um prejuízo para as operações de contra-insurgência se você precisa ir mais devagar para a aquisição do alvo.”

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: DAN

FONTE: Aviationweek

 

14 Comments

 

  1. 11/07/2017  20:41 by Rafael Oliveira Responder

    Felipe Salles,
    O negócio ainda não foi fechado, por isso eu disse que talvez o presidente não saiba.
    Óbvio que ele tem estudos do quanto deve pedir, conforme o tamanho da encomenda, assim como é óbvio que ele pode diminuir ou aumentar a margem ao longo das negociações.

  2. 11/07/2017  15:46 by Felipe Salles Responder

    Gente o Super Tucano é SEMPRE fabricado pela Embraer, seja no Brasil ou alternativamente em Jacksonville na Flórida... Ela ganha sua margem de lucro estipulada no business plan que foi super estudado e analisado antes da empresa fazer qualquer proposta comercial. É claro que seu presidente sabe o lucro de cada um dos seus negócios, e se por alguma razão ele não soubesse, deveria ser demitido.

  3. 11/07/2017  10:44 by Flanker Responder

    André Magalhães, não tem como comparar um Pucará com o ST. O avião argentino tem tecnologia ainda da década de 60, mesmo podendo receber aviônicos e sistemas de missão atuais. Mas se fosse pensada uma opção pelo Pucará, antes os EUA pensariam numa versão atualizada do OV-10 Bronco, aeronave deles mesmos. Mas eles querem algo bem na linha do A-29. O Pucará pode ser bom para os argentinos....e só!

  4. 11/07/2017  10:38 by Flanker Responder

    Wesley, isso já foi fruto de muitos debates. Mas não há fabricação de A-29 nos EUA! Eles são apenas montados lá, com todos os componentes fabricados pela Embraer e suas associadas sendo enviados para lá. E a Embraer ganhará aquilo que for acordado em contrato, pois tem os direitos de fabricação da aeronave e um acordo com a SNC para que aquela os monte lá. Até a FAB ganha com isso, pois é a proprietária intelectual do projeto.

  5. 11/07/2017  10:25 by Rafael Oliveira Responder

    Andre.
    O Pucará é um fracasso comercial e o Super-tucano foi projetado para superá-lo e conseguiu - as exportações atestam isso.
    Esses dados citados por você são insignificantes perto do que realmente interessa: cumprir a missão e o custo-benefício da aeronave.
    Quanto mais longe a Embraer e o Brasil ficarem da FAdeA e da Argentina, melhor para o contribuinte brasileiro e para as nossas Forças Armadas.

  6. 11/07/2017  10:14 by Rafael Oliveira Responder

    Wesley,
    De onde você tirou a informação de que serão construídos lá?
    Montados é certo que serão, mas, até onde eu sei, não há qualquer informação de que as asas e as fuselagens serão fabricadas nos EUA em vez de serem importadas no Brasil (como ocorre agora).
    E é óbvio que ninguém aqui sabe qual é a porcentagem sobre a venda que a Embraer eventualmente faturará - talvez nem o presidente da empresa saiba isso, tendo mera expectativa da margem de lucro na operação, mas só haverá alguma certeza com o contrato assinado entre as partes, após a negociação, e certamente isso não será uma informação pública.

  7. 11/07/2017  1:03 by Wesley Alves Responder

    A minha pergunta é a seguinte: o que a EMBRAER ganha financeiramente nessa venda, já que os aviões serão todos construídos nos EUA e os A-29 construídos la tem muitas diferenças dos A-29 construídos aqui? Quando a EMBRAER fatura em porcentagem nessa venda?

  8. 10/07/2017  22:05 by Andre Magalhaes Responder

    Eu tenho a impressão que, não fosse a necessidade de treinamento de pilotos para o avião, somente para a missão de contra-insurgência, o Pucará II da Argentina seria uma ótima opção. Leva mais pontos duros, quatro metralhadoras no nariz e é bi-motor. Além disso a altura dos trens de pouso também são maiores. A Embraer deveria fazer uma parceria com a Argentina e promover aquele avião também. No papel parece ser um avião mais robusto para ataque leve do que o Super-Tucano, não sei, mas tenho essa impressão.

  9. 09/07/2017  22:26 by Roberto Responder

    Texana coisa nenhuma.... O super-tucano é o melhor! A USAF de boba não tem nada.

  10. 09/07/2017  22:23 by Karl Bonfim Responder

    E o FAA Pampa III, onde entra nessa história?

    • 10/07/2017  7:41 by Luiz Padilha Responder

      Não entra.

  11. 09/07/2017  22:07 by Alexandre Werner Responder

    E não dá pra esquecer que nosso Super Tucano é lindão!

  12. 09/07/2017  15:42 by Marco Responder

    Um NG do A-1 mais potente significa em ultima analise o.mesmo.kotor do Gripen NG sem sem Pos combustor no final teria o.mesmo custo operacional do Gripem.com uma baita conta de desenvolvento, entao finalmente o.Gripen NG ja e o Low Cost dos Modernos!

  13. 09/07/2017  14:54 by marcio alves Responder

    A Embraer poderia também apresentar uma versão NG do A-1 para o programa OA-X com uma nova turbina mais potente e aumento da carga útil com reforço na estrutura assim a Embraer apresentaria uma opção Hi-Low para o OA-X e a FAB poderia também adquirir o novo A-1NG para substituir os A-1M e assim não ficar dependendo só dos Gripen E/F para missões de defesa, reconhecimento e ataque. Já que algumas empresas estão seguindo esse exemplo de apresentar uma versão NG de seus aviões diminuindo o tempo de desenvolvimento.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.