Por Sarah Zheng

O exercício ocorre logo depois que a Coreia do Norte realizou seu segundo teste de mísseis balísticos intercontinentais (ICBM). O exercício de quatro dias ocorre dentro de uma área isolada entre a costa de Qingdao e as águas a leste de Lianyungang – um ponto de inflamação potencial para a segurança regional – e destina-se a enviar uma mensagem de dissuasão e mostrando seu poderio militar à Coréia do Norte, Estados Unidos e outros países na região, dizem analistas.

Pequim não divulgou informações detalhadas sobre o uso de armamento real durante o exercício, dizendo apenas que iria ser realizado a partir de sábado até terça-feira, de acordo com avisos de Frota do Mar do Norte da PLA Navy e a Shandong Maritime Safety Administration.

O exercício ocorre após outro de três dias  ocorrido entre os dias 27 e 29 de julho no Mar Amarelo, parte norte do Mar da China Oriental.

Analistas observaram que o momento do exercício coincide com a recente crise entre Pequim e Washington e o mais recente teste de míssil de Pyongyang.

Caças navais J-15 operando no porta aviões Liaoning

Ministro chinês Wang Yi, exortou todas as partes a evitar tomar cuidado para que “as ações não levem a uma escalada nas tensões” na península coreana.

Malcolm Davis, um especialista em defesa chinesa do Instituto Australiano de Política Estratégica, disse que o último exercício era para dissuadir a Coreia do Norte, e uma demonstração de força para os EUA e Japão.

“É basicamente um aviso para Pyongyang”, disse ele. “Os chineses realmente gostariam que os norte-coreanos voltassem atrás, mas depende muito se o líder norte-coreano Kim Jong-un, está disposto a fazer isso.”

O exercício ocorre quando a secretária de Estado americana, Rex Tillerson, e o seu homólogo chinês Wang Yi, se preparam para um encontro no ASEAN – Fórum Regional de chanceleres em Manila no sábado.

“Nada é coincidência nas relações internacionais, o timing faz reforçar a mensagem”, disse Davis. “Mas a China não pode fazer muito, e eu acho que o principal foco chinês será evitar uma guerra comercial com os americanos.”

Também poderia ser visto como um “apelo à paz” no Mar Amarelo, de acordo com Collin Koh, um especialista em segurança marítima na Nanyang Technological University de Cingapura. Koh disse que nações como os EUA não deveriam “nem mesmo ter o pensamento de uma ação militar contra a Coréia do Norte”.

“Esta é uma parte muito normal da diplomacia, há conversações e negociações, mas há sempre em segundo plano, algum tipo de tambor-batendo”, disse ele.

Mas Koh advertiu: “O perigo aqui é, nós nunca saberemos … Estes países são fortemente armados e estão operando em um espaço muito apertado.”

Teste de míssil balístico norte coreano - Foto AP

Euan Graham, diretor do programa de segurança internacional no Instituto Lowy, argumentou que os exercícios navais da China poderiam beneficiar os interesses da Coréia do Norte, enquanto serve como um aviso para os Estados Unidos. “O chamado [Sino-US] período de lua de mel está terminado, e os dois lados estão se movendo em direção a uma relação mais conflituosa que está tocando em vários domínios e várias áreas geográficas, e o Mar Amarelo é, sem nenhuma surpresa, um deles ,” diz Graham.

Graham acrescentou que o Mar Amarelo poderia tornar-se parte de um conflito mais amplo com a Coréia do Norte, pois os EUA sentiu que a China estava obstruindo sua liberdade para operar perto de sua aliada, a Coréia do Sul.

Pequim teria realizado um teste de míssil contra um alvo após os EUA terem testado seu sistema de defesa Terminal High Altitude Area Defence (THAAD) na Mongólia no último sábado, um dia antes de o Exército de Libertação do Povo celebrar seu 90º aniversário com um grande desfile nas proximidades da base de treinamento Zhurihe.

Sistema Thaad

Com sede em Pequim, o especialista militar Zhou Chenming disse que o teste de mísseis na Mongólia também poderia ser visto como uma resposta à escalada de tensão sobre a Coreia do Norte.

“Todo mundo sabe que a península coreana é insegura por causa de testes de mísseis de Pyongyang. “Potências nucleares como Rússia e os EUA estão testando mísseis, e agora Pequim quer lembrar ao mundo que é também uma potência nuclear.”

Os EUA lançaram com sucesso um míssil balístico de alcance intermediário através de seu sistema de defesa militar na semana passada. O sistema THAAD foi testado no Alasca, mas os EUA também tem implantado um sistema de THAAD na Coreia do Sul, atraindo a ira da China.

A Rússia também lançou um míssil de um submarino nuclear em junho no Mar de Barents, no Ártico.

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: DAN

FONTE: South China Morning Post

image_pdfimage_print

 

5 Comments

 

  1. 08/08/2017  23:16 by Flanker Responder

    08/08/2017 10:43 by Doug385

    Perfeita sua resposta, Doug......cheguei a rir lendo....muito boa!! Mas nem perde teu tempo. O Esposito tem duas fixações: criticar o Grande Satã (ou Tio Satã, como agora) e elogiar a Monarquia (descendo pau na República). Esses são os assuntos dlele.....às vezes mistura os dois no mesmo post!

  2. 08/08/2017  23:05 by Adriano Corrêa Responder

    Isso aí é o que separa os homens dos meninos.
    Tipo uns meninos que foram incapazes de manter navegando e desenvolvendo seu porta-avião!
    Vocês sabem de quem são esses meninos que falo!!!
    Chorem meninos... Chorem... Chorem e culpem a Venezuela, meninos, culpem os USA meninos, culpem Cuba, culpem o Putin e a Russia...!

  3. 08/08/2017  12:34 by Ricardo André Responder

    Esse exercício também é uma mensagem para o LITTLE FAT , avisando que paciência tem limite, A China já tem problemas na fronteira com a Índia, e não quer tumulto no quintal de casa. Apesar de estar crescendo militarmente, duas guerras distintas podem se tornar uma em duas frentes ou pior em mais, e talvez não queiram testar realmente sua capacidade de combate em múltiplas frentes.

  4. 08/08/2017  10:43 by Doug385 Responder

    Nossa, Tio Satã vai se borrar de medo. Vai dar meia volta pra casa.

  5. 08/08/2017  9:02 by jose luiz esposito Responder

    Este aviso é Real mas , para o TIO SATÃ !

Leave a reply

 

Your email address will not be published.