Por Luiz Padilha

O Defesa Aérea & Naval embarcou no Porta Helicópteros Multipropósito Atlântico (A 140), na base naval de Devonport em 31/07/2018 para realizar a primeira parte da viagem do navio para o Brasil. A viagem, realizada entre as cidades de Plymouth na Inglaterra e Lisboa, Portugal, transcorreu normalmente, afinal, o navio está em excelentes condições, condições essas, atestadas pelo desempenho do mesmo durante o FOST “Flag Officer Sea Training”.

O PHM Atlântico está neste momento em viagem para a cidade do Rio de Janeiro, porém, antes de entrar na Baia de Guanabara, deverá realizar a Verificação de Segurança de Aviação – VSA Dinâmica, entre as cidades de Cabo frio e Arraial do Cabo – RJ, com os esquadrões que irão operar normalmente no navio durante as operações, HS-1, HU-2 e HU-1.



Nossos leitores estão ávidos por mais informações e imagens do interior do navio. Aos poucos iremos disponibilizar o material desta viagem. Abaixo nossa entrevista com o comandante do PHM Atlântico, Capitão de Mar e Guerra Giovani Corrêa.

DAN –  Nossa primeira pergunta é com relação a retirada do CIWS – (Close-In Weapon System) Phalanx. Existe previsão para substituir os Phalanx?

CMG Giovani – O estudo de como será composto o Sistema de Defesa de Ponto do navio será conduzido pela Diretoria de Sistemas de Armas da Marinha. Não possuo os dados sobre seu andamento.

DAN – O navio traz uma série de novos equipamentos. Como foi a preparação do pessoal, tanto para operar como para mante-los?

CMG Giovani – A preparação da tripulação brasileira foi realizada em várias etapas. Em janeiro, fase preliminar ao recebimento, 38 militares do primeiro grupo, entre Oficiais e Praças, foram destacados, por um período de quinze dias, na comissão “Aviation Training”, última do navio sob bandeira inglesa. Nesta ocasião, foi possível acompanhar o aproveitamento das diversas capacidades do navio e compreender a organização administrativa e de combate utilizada pela Marinha do Reino Unido.

O recebimento do navio iniciou-se em 26 de fevereiro com a chegada do primeiro Grupo no Reino Unido e foi encerrado em 1 de agosto, com o suspender para a travessia ao Brasil. Neste período, a tripulação brasileira passou por um intenso programa de preparação, composto das seguintes atividades:

a) Adestramentos internos dos diversos equipamentos e sistemas conduzidos pela tripulação inglesa, que foi chamado de familiarização;

b) Treinamento de equipes para Combate a Incêndios e Alagamentos e situações de emergência em sistemas de máquinas;

c) Cursos com os fabricantes de equipamentos (Radares, Sistema de Combate, motores de propulsão e de geração de energia, Sistema de Armas, Sistema de Comunicações, Sistemas de Navegação, equipamento auxiliares do Sistema de Máquinas, Lancha e Embarcações de Desembarque, dentre outros);

d) Exercícios nos simuladores disponíveis nos Centros de Instrução da Marinha do Reino Unido;

e) Treinamento das equipes do convoo e;

f) Adestramento com o Centro de Instrução “Flag Officer Sea Training”.

DAN – Como é feito o processo de cadastramento dos novos equipamentos no sistema de sobressalentes da MB?

CMG Giovani – O processo de cadastramento é realizado pelas Diretorias Especializadas da Marinha com base nos manuais dos fabricantes.

DAN – Como está o preparo das equipes?

CMG Giovani – A preparação no Reino Unido teve como propósito principal adestrar as equipes para a condução segura do navio para a travessia do Reino Unido ao Brasil e início de suas operações. Após a chegada ao Brasil, a tripulação passará por um programa completo de treinamentos para a elevação do nível operacional do navio e utilização plena de suas capacidades.

DAN – Há uma diferença substancial na operação das equipes de convoo do navio para o NAe São Paulo?

CMG Giovani – As maiores diferenças são a inexistência de catapultas e de aparelho de parada de aviões, o que torna a operação mais simples que a do NAe São Paulo. O PHM Atlântico foi projetado para operar com tripulação reduzida e o Grupo de Recebimento traz as experiências colhidas com a Marinha do Reino Unido para contribuir com o aperfeiçoamento da doutrina de operações aéreas da MB.

DAN – Quando o navio foi adquirido, nas comunidades da internet no Brasil que se interessam por Defesa, o assunto principal foi projeção de poder e operação com os Fuzileiros Navais. Mas o navio vai fazer muito mais. O senhor poderia discorrer sobre o assunto?

CMG Giovani – O navio pode contribuir para todas as quatro Tarefas Básicas do Poder Naval: Controle de Áreas Marítimas, Negação do uso do mar, Projeção de Poder sobre Terra e Dissuasão.
Ele pode ser empregado nas seguintes operações:

– Operações de Ataque;
– Operações Antissubmarino;
– Operações Anfíbias;
– Operações de Esclarecimento;
– Apoio a Operações Especiais;
– Apoio a Operações de Busca e Resgate em Combate ou Combate SAR; e
– Operação de Defesa de Ilhas e Arquipélagos Oceânicos.

Há de se considerar ainda a operação com Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs), e com aeronaves da FAB e do EB, um novo e importante passo para o incremento da interoperabilidade entre as Forças Armadas.

Por possuir elevadas autonomia, capacidade de detecção e Comando e Controle, o navio exercerá importante protagonismo na manutenção da segurança do Atlântico Sul, protegendo nossas riquezas e garantindo o desenvolvimento das inúmeras atividades oceânicas que movimentam a economia do país.

DAN – O navio volta com alguma aeronave Super Lynx modernizada do esquadrão HA-1?

CMG Giovani – O navio não trará nenhum Super Lynx modernizado na travessia ao Brasil.

DAN – Já estão programadas a VSA e a CIAsA do navio? Pode explicar para nossos leitores o que são e a importância para o navio destas inspeções.

CMG Giovani – A VSA (Vistoria de Segurança da Aviação) será realizada em várias etapas, conforme o navio ascender de nível operacional. A primeira ocorreu nos dias 26 e 27 de julho, com o navio atracado na Base Naval de Devonport, Plymouth-UK, em que foram verificados equipamentos, equipagens, certificados, procedimentos operacionais e nível de adestramento da tripulação. A segunda, à ser realizada em 22 e 23 de agosto, nas proximidades da BAeNSPA, prevê a realização de diversos pousos e decolagens de três tipos de aeronaves (Esquilo, Super Cougar e Seahawk), além da simulação de situações de emergência. Posteriormente, o navio passará por outras VSA para operações mais complexas com aeronaves, como pouso noturno, operação simultânea de aeronaves, pouso com óculos de visão noturna, entre outras.

Após a chegada ao Rio de Janeiro, o navio também passará por um CIAsA, com duração aproximada de dois meses, para elevar a capacidade da tripulação em operar até o nível de Força-Tarefa.

DAN – O navio vai adaptar a tabela mestra, o guarnecimento das estações, a organização de combate, para uma doutrina brasileira ou vai usar a inglesa?

CMG Giovani – A tabela mestra, bem como as organizações administrativa e de combate do navio foram estruturadas com base na doutrina brasileira, mantendo o reduzido número de tripulantes empregado pelos ingleses.

DAN – Sobre o período de reparos na Inglaterra, o que foi feito? Como se encontrava o navio na chegada da tripulação brasileira?

CMG Giovani – O navio encontrava-se em excelente estado de conservação, uma vez que na chegada da tripulação brasileira, ele ainda era o Navio-Capitânia da Esquadra inglesa. O período de manutenção abrangeu os serviços previstos para a docagem do navio (substituição de válvulas de fundo e de costado, inspeção dos hélices e dos mancais da linha de eixo, limpeza e pintura das obras vivas, inspeção de caixas de mar, etc.), bem como a revisão dos motores de propulsão e de geração de energia, das EDVP e lancha Pacific, bombas e sistemas auxiliares, radares, Sistema de Combate, Sistema de Armas, Sistemas de Aviação, inspeção estrutural do convoo, teste das búricas, dentre outros.

DAN – Que novidades em termos materiais o navio traz para a MB?

CMG Giovani – Como novidades, em termos de materiais, o navio traz o Radar 997, as quatro Embarcações de Desembarque de Viaturas e Pessoal e o Sistema de Combate LPH CMS.

DAN – O convoo do navio teria condições de receber uma aeronave VSTOL?

CMG Giovani – O navio não foi projetado para receber aeronaves VSTOL. Entretanto, ele pode operar com aeronaves Osprey MV-22, no modo helicóptero (somente vertical – VTOL).

DAN – Além do CIWS Phalanx, o que mais foi retirado pelos ingleses? Como a MB vai substituir o que foi retirado?

CMG Giovani – Foram retirados os equipamentos de uso exclusivo do Reino Unido ou da OTAN como Links 11 e 16, Despistadores, Sonar rebocado, Sistema de Comunicações com os Royal Marines e MAGE.

DAN – Como o senhor avalia, após a manutenção do navio feita na Inglaterra, a capacidade do AMRJ de mantê-lo operando no Brasil? Será feito algum contrato de suporte logístico com empresas inglesas?

CMG Giovani – Considero que a Marinha possui plena capacidade de manter o navio com suas estruturas industriais e de engenharia, uma vez que a maioria dos sistemas do navio é simples e similar a dos demais navios de origem inglesa que possuímos, por uma questão de padronização da Marinha do Reino Unido. Poderemos contar ainda, com a participação das Empresas Estratégicas de Defesa que, ao longo dos anos, desenvolveram sua expertise e confiabilidade na prestação de bons serviços para as Forças Armadas.

DAN – Foram mantidos os sistemas de comunicação satélite, o MAGE, o sistema de contramedidas eletrônicas e o sistema bloqueador/embaralhador?

CMG Giovani – O sistema de comunicações via satélite SCOT, não foi mantido. O sistema de contra medidas Seagnat, não foi mantido. O sistema de ESM UAT não foi mantido.

DAN – O navio está dotado do Sistema de Combate ADAWS 2000L?

CMG Giovani – Nome correto do sistema é DNA LPX, e sim, foi mantido.

DAN – Em que o mesmo difere do SICONTA, quais funcionalidades possui a mais e como o CASOP se preparou para manter o sistema?

CMG Giovani – O sistema DNA LPX, que após sua conversão para a Marinha do Brasil será denominado LPH CMS, possui interface muito similar com o SICONTA. É composto por sete consoles que podem ser configurados de acordo com o usuário. Possui as seguintes diferenças em relação ao SICONTA:

– Seleção de função pode ser feita por meio da trackerball ou pela “touchscreen”;
– Cada usuário deve possuir uma senha para acessar o sistema;
– O sistema roda no sistema operacional Windows e;
– Os consoles são configurados de acordo com a função do operador.35



 

17 Comments

 

  1. 11/08/2018  19:32 by Dodo Responder

    Padilha,no radar naval o navio parece navegar em zigue-zague ao largo da costa da ilha de las Palmas(parte do arquipelago das ilhas canarias). Sabe dizer o motivo para esses movimentos ? Acreditava que ele viria direto de Lisboa para o Rio

    • 11/08/2018  19:42 by Luiz Padilha Responder

      Não sei a razão.

  2. 11/08/2018  11:26 by Renato de Mello Machado Responder

    Comandante,obrigado pela entrevista esclarecendo os fatos.Traga nossa criança logo, e de uma passada aqui em VIX quando puder.

  3. 10/08/2018  21:04 by André Luis Santos de Oliveira Responder

    Padilha, tudo bem com vocês,qual a posição atual do navio?

  4. 10/08/2018  11:00 by Penske Responder

    Padilha em 1º lugar quero parabeniza-lo imensamente pelo excelente trabalho "EXCLUSIVO" desenvolvido a bordo do PHM Atlântico. Você foi os nossos olhos e trouxe todas as informações que tanto queríamos saber, e que ninguém da imprensa teve a boa vontade de cobrir. Aproveito para tirar uma dúvida:
    - Por que na data de hoje 10/08 as 11:00 (horário de Brasília) o PHM Atlântico está fazendo uma atracação não programada nas Ilhas Las Palmas no arquipélago das Canárias ? Foi um tremendo desvio de rota, afinal a princípio estava programado uma rota direto de Lisboa para o Rio de Janeiro. Será que houve alguma emergência a bordo que justificasse essa parada "não programada" ? Acho que valeria a pena averiguar o que ocorreu. Abração.

    • 10/08/2018  11:40 by Luiz Padilha Responder

      Penske o que vi é o navio passando ao largo de Las Palmas e não atracando. Ele deve se encontrar com o NE Brasil nas proximidades. O navio estava com velocs de 15 a 16 nós. O que vi veio do Marine Traffic. O navio está neste momento navegando a 13,7 nós.

  5. 10/08/2018  1:10 by Ricardo Responder

    Parabéns,Padilha estou ansioso pelas próximas matérias que a por vir sobre o Atlântico ja que ainda podemos ver muitas dúvidas a respeito dessa embarcação

  6. 09/08/2018  17:54 by Thiago Santos Responder

    Tomara que eles recebam treinamento de ação imediata de reparos de avarias no casco onde os britânicos são mestres eles possuem um simulador para o mesmo, tanto que na segunda guerra eles ensinaram os EUA que a utilizaram muito bem na batalha de midway em seus Porta Aviões!

  7. 09/08/2018  17:33 by Cleber Responder

    Parabéns pela reportagem Padilha muito esclarecedora , acredito que em " breve " a MB deverá estar utilizando Vant´s no Atlântico . Obs: Soube de alguma coisa dos Super Cobras ? Abraços e boa viagem de volta .

    • 09/08/2018  18:25 by Luiz Padilha Responder

      Certamente teremos VANTs ou ARPs a bordo do PHM Atlântico em um futuro não muito distante.

  8. 09/08/2018  17:04 by Vovozao Responder

    Padilha, parabéns pela viagem, parabéns pela entrevista muito esclarecedora, isto tudo ser mais um vez para afirmar como a aquisição do Atlântico foi importante para a MB, e, aproveitando durante sua estada no RU, por acaso alguma coisa foi ventilada sobre a venda/ compra do WAVE, ele é importante para o Atlântico e o Bahia, questão de reabastecimento em alto mar, já que como estamos em situação crítica quanto as fragatas, eles (Atlântico/Bahia) serão utilizados em tudo, como falamos em festa de formatura/ baile de gala/ quinze anos/ enterro, tudo que precisar serão os dois, juntos ou não.

    • 09/08/2018  18:31 by Luiz Padilha Responder

      Vovozão, entenda que o PHM Atlântico é um navio extremamente econômico, ou seja, com tanque cheio ele vai e volta a Inglaterra 1 vez e meia. O que isso significa? Que ele certamente não será um cliente para o futuro navio tanque, da mesma forma que o NDM Bahia. Já para os escoltas acredito que um novo navio tanque com maior capacidade seja fundamental. Os 2 navios não precisam atuar juntos. Isso não é necessário.

      • 11/08/2018  23:49 by EricWolff Responder

        Eu já não vejo dessa forma... Percebe-se que existiam os Wave, em função do ocean e ilustrous por exemplo, já para a classe Queen, já se pensou em 4 Tide... Eles são sim importantes... Agora posso concordar sobre prioridades, sei sobre sua aversão em um primeiro momento à essa aquisição, foi explicitada várias vezes em diversos comentários aqui, é que deveria ser priorizar escoltas...mas lá em Brasília, não pensam nesse mesmo ritmo!

        • 12/08/2018  9:24 by Luiz Padilha Responder

          Eric não entendi a parte de "minha aversão". Poderia ser mais explícito?

        • 12/08/2018  9:25 by Luiz Padilha Responder

          Eric não entendi a parte de "minha aversão". Poderia ser mais esplícito?

  9. 09/08/2018  16:42 by Tomcat4.0 Responder

    Muito bacana, você foi na veia já perguntando de cara sobre a questão do CIWS hein.rs
    Parabéns pela entrevista ,boa escolha de perguntas.

    • 09/08/2018  18:32 by Luiz Padilha Responder

      Obrigado. Aguarde que tem mais no forno.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.