Real Marinha da Noruega investiu mais de 20 NOK bilhões em novas fragatas no estado da arte, mas oficiais estão dando baixa atrás de melhores empregos.

O Ministro da Defesa da Noruega, Anne-Grete Strøm-Erichsen estava muito orgulhoso quando a Marinha recebeu sua primeira nova fragata KNM Fridtjof Nansen em 2006. “No total, este é um investimento de mais de 20 NOK bilhões (€ 2,7 bilhões), incluindo armas e helicópteros. Muitos podem argumentar que um investimento muito alto. Eu concordo. Mas é um dinheiro bem gasto”, disse Strøm Erichsen em uma declaração para a imprensa postada no portal do Ministério da Defesa.

Desde então, a Real Marinha norueguesa recebeu todas as suas cinco novas fragatas, sendo a última entregue ano passado. Mas as fragatas residem, principalmente ao longo do cais.

Na semana passada, o Ministro da Defesa Anne-Grete Strøm-Erichsen pode ler as críticas no relatório anual sobre os gastos do governo de 2011, publicado pelo Escritório do Auditor Geral da Noruega. “O Auditor Geral considera grave a falta de pessoal técnico qualificado a bordo das fragatas. Isto poderia ter efeitos negativos e consequências para manter os navios em condições de funcionamento “, diz o relatório.

Oficiais da Real Marinha da Noruega estão dando baixa para buscar e obter novos empregos em plataformas de petróleo, navios de abastecimento ou em empresas marítimas privadas.

Ao sair da Marinha, eles conseguem emprego com melhores condições, com períodos de trabalho fixos ou programados, tornando mais fácil de conciliar a vida profissional com a familiar, e muitas vezes com salário muito melhores que tinham quando servião a bordo de um navio da Marinha de Guerra.

O Chefe da Real Marinha da Noruega, Rear Admiral Bernt Grimstvedt, admitiu esta semana que a situação é alarmante, reportou o Aftenposten. Existe falta de tripulação para as cinco novas fragatas. Muitas vezes, os oficiais de uma fragata são transferidos para outra apenas para se ter uma equipe completa antes de suspender. O relatório do Auditor Geral também diz que há uma extensa “Braindrain” ou fuga de cérebros, das fragatas. Além disso, o sistema de formação de novos oficias não possui velocidade suficiente para suprir a saída dos oficias.

As novas fragatas são consideradas importantes para a soberania da Noruega no norte, mas os navios, no entanto, raramente são vistos no Ártico. As fragatas passam a maior parte do seu tempo no porto de Haakonsvern, perto de Bergen no sul, enquanto o Território da Noruega no Ártico se estende do Mar da Noruega para o Mar de Barents e mais ao norte de Svalbard, no Oceano Ártico.  O KNM Fridtjof Nansen visitou a principal base da frota russa do Norte, em Severomorsk, na Península de Kola, no início deste ano e participou no exercício conjunto Pomor-2012, realizado no Mar de Barents e no Mar da Noruega.

Desde 2009, fragatas norueguesas participam regularmente de operações anti-pirataria no Golfo de Aden. No entanto, no segundo semestre de 2013, uma outra operação ocorrerá e, pela primeira vez, uma fragata da Real Marinha da Noruega participará como navio de comando da OTAN,segundo relatório do Ministério da Defesa.

FONTE: Barents Observer

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: Defesa Aérea & Naval

 

2 Comments

 

  1. 17/06/2014  12:06 by Alex Responder

    Pelo visto o pagamento salarial está abaixo do mercado em todos os países, quando se compara o quanto ganham seus membros das forças armadas ao mercado de trabalho privado. E aqui não está diferente. Cá pra nós, pagar 2 salários mínimos a um fuzileiro naval, é pra lá de ridículo. Oh! Chefias de Brasília! Deem um jeito nisso! Puxar enchada na roça, com um pouquinho de organização dá isso, e vender picolé também! E se vender no verão, dá muito mais!

  2. 07/06/2013  23:24 by Steward Responder

    Exatamente como aqui. A diferença é que aqui a evasão é pelo descrédito na Instituição. Não se confia no comando.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.