Radar CEAFAR australiano

O Reino Unido deve analisar a viabilidade de buscar um sistema de radar desenvolvido pela empresa australiana CEA Technologies, disse o ministro australiano da Defesa, Christopher Pyne, em 10 de novembro.

Em um comunicado de imprensa publicado pelo Departamento de Defesa australiano (DoD), Pyne disse que o Reino Unido realizará um estudo de capacidade para integrar o radar ativo CEAFAR da CEA Technologies nos navios da Royal Navy. O estudo do sistema de radar começará no início de 2018.

Pyne acrescentou que o estudo da capacidade foi acordado no diálogo da indústria de defesa Austrália / Reino Unido, que ocorreu no Reino Unido na semana passada, e foi confirmado pelo ministro britânico de contratos de defesa Harriett Baldwin, durante uma visita em 10 de novembro a Adelaide.

Radar Artisan 3D

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: DAN

FONTE: Jane’s 360

NOTA DO EDITOR: O radar Artisan 3D da BAE System chegou a ser anunciado como sendo o radar que equiparia as futuras Corvetas classe Tamandaré, em um convênio que envolveria a brasileira BRADAR. Porém, sabe-se que outras opções estão disponíveis e serão apresentadas no RFP que a Marinha irá disponibilizar ainda este ano. O que causa estranheza é o fato da Royal Navy estar interessada em outro radar para equipar seus futuros navios de guerra, o que pode indicar que o Artisan 3D não está atendendo adequadamente as necessidades da Marinha britânica. É esperar para ver qual radar irá equipar nossas futuras Corvetas.

 

16 Comments

 

  1. 17/11/2017  17:27 by Felipe Salles Responder

    A Marinha gostou do conceito Imast da Thales por que ele simplificar ia dramaticamente o desenvolvimento do novo navio brasileiro. Um dos maiores pepinos do projeto ModFrag foi justamente a necessidade de se cortar as interferências cruzadas entre os diversos radares e os sistemas de comunicação (radio). Como o mastro viria inteiro da Thales, o esforço e o custo da integração seria responsabilidade deles e não da MB. No final o I-Master 400 (usado nos patrulheiros oceânicos da Marinha holandesa) foram determinados como sendo grandes e pesados demais para um casco do porte do das Tamandaré. Sem está opção entraram na disputa o Artisan da BAE e o radar rotativo da Thales. Recentemente a Saab que tem aumentado fortemente sua presença no Brasil voltou a ser uma opção para as Tamandarés.

  2. 15/11/2017  11:01 by Bardini Responder

    Os australianos querem 9 fragatas ASW... Pq eles colocariam um sistema equivalente ao caríssimo sistema usado nos navios AAW deles?
    .
    Tá lá na papelada da concorrência: a fragata escolhida vai ter que usar o nosso radar. Então, pq eles escolheria outro???
    .
    Mas se quisessem colocar, o que impediria eles de escolher SPY-6?
    Esses navios não vão estar operacionais tão cedo...
    .
    A Type-26 era pra usar um Artisan 3D... Se vão colocar o radar australiano é justamente pq os australianos também vão colocar...

  3. 15/11/2017  10:55 by Bardini Responder

    A MB deveria ir de Thales...
    .
    Smart-S nas Corvetas. Nas fragatas... Apar e Smart-L.
    .
    Mesma coisa para os Sonares.
    Vão querer ToT, não?
    Facilitaria muita coisa...

    • 15/11/2017  11:33 by Luiz Padilha Responder

      Seriam excelentes opções, mas o Smart-L custa quase que o preço do casco. Caríssimo. Só pra quem é GRANDE.

  4. 14/11/2017  22:39 by Nonato Responder

    Padilha, a qual radar o seagiraffe AMB é comparável?
    O SPY?
    Qual a categoria dele?
    Pelo que vi no site da Saab seria para média distância multiproposito otimizado para alvos pequenos...
    Você poderia falar sobre as principais categorias e características de radares navais?

    • 15/11/2017  6:27 by Luiz Padilha Responder

      Nonato o radar da Saab se equivale ao da Thales (Smart-S).

      O Spy-1 seria o ideal para os futuros Escoltas de 6.000 toneladas, que não acredito ser algo possível para a MB atualmente.

      O ideal seria mantermos o foco no que é possível, com empresas que a MB tem relacionamento, pois nesta altura do campeonato, não se pode ERRAR.

  5. 14/11/2017  20:02 by Kemen Responder

    O SPY-6 ainda esta em desenvolvimento, não existe em nenhum navio de combate, esta em fase de testes e aperfeiçoamentos, só estara deisponível em 2023, dai não foi ofertado na concorrencia da Australia, eu acho o SPY-1D o melhor radar de combate maritimo atualmente, o que não significa que ganhe essa concorrencia, onde não apenas o radar é significativo, mas os navios como um todo.

  6. 14/11/2017  15:33 by Bardini Responder

    O S1850M (Variação do Smart-L) dos Type-45 também pode detectar misseis balísticos...

  7. 14/11/2017  15:31 by Bardini Responder

    Tem radar melhor que o SPY-1... O SPY-6, que será aplicado nos novos DDG.

  8. 14/11/2017  12:12 by kemen Responder

    Tem radar melhor que o AN/SPY-1D ? Não estou sabendo, ele até permite localizar misseis balisticos para interceptação !
    A adoção do radar australiano para as Type 26 é jogada politica que pode dar certo para vender as fragatas para a Australia, porém duvido que no finalmente adotem esse radar para as Type 26, muita coisa iria rolar e servir de justificativa...

  9. 13/11/2017  20:11 by Bardini Responder

    A Fincantieri também está na briga pelas 9 Fragatas na Austrália com a FREMM...
    .
    A Tamandaré era para ter radar com painéis fixos... Tem até maquete da Corveta por aí com I-Mast da Thales.
    Como o míssil "tem que ser" MBDA, no caso o Sea Ceptor, o navio não necessitaria de tal radar e adotariam Artisan 3D.
    .
    Smart-S MK2 Faz o mesmo e tem escala, enquanto o Artisan 3D... óhh $$$...

    • 14/11/2017  13:58 by Luiz Padilha Responder

      Da mesma forma o Saab SeaGiraffe AMB 3D. Aliás, os 2 melhores em seu segmento atualmente.

  10. 13/11/2017  19:38 by Cristiano Responder

    Que é uma jogada pra vender as Type 26 isso é, mas parece que esse radar australiano é muito bom sendo comparável e em alguns casos até superior ao AN/SPY1D instalado nas Hobart.

  11. 13/11/2017  18:25 by Jr Responder

    Exatamente Bardini, a briga lá na Austrália pelas nove fragatas esta bastante acirrada entre a Bae e a Navantia, com uma leve vantagem para a última. A venda das type 26 para a Austrália e essencial e parece ser prioridade para os Britânicos, o texto é claro ao dizer que os britânicos vão ESTUDAR o uso do radar Australiano nas suas fragatas, provavelmente as type 31, mas isso só se tronara realidade caso as type 26 sejam escolhidas pelos australianos. Padilha, você saberia dizer se a MB estaria aberta a estudar outras propostas de radares para as tamandarés que não sejam o radar artisan?

    • 13/11/2017  20:08 by Luiz Padilha Responder

      Está em aberto.

  12. 13/11/2017  16:37 by Bardini Responder

    Jogada para vender a Type 26 para os australianos...

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.