Fabricantes de armamentos russos assinarão novos acordos com exércitos estrangeiros para vendas de mísseis, helicópteros e navios de guerra.

Oficiais militares estrangeiros com o rifle de assalto Kalashnikov AK-308 no estande da Kalashnikov da exposição Army 2018, em Kubinka. Alexey Kudenko/Sputnik

Por Nikolai Litovkin

O complexo industrial militar russo venderá mais de US$ 300 milhões em armamentos a diversos exércitos asiáticos e africanos, segundo o diretor da exportadora estatal de armas e equipamentos militares russos Rosoboronexport, Aleksandr Mikheev.

“Estes exércitos estrangeiros receberão os equipamentos militares mais recentes”, disse Mikheev durante a exposição russa especializada no setor Army-2018.



Quinhão asiático

A Índia receberá duas fragatas russas do projeto 1135.6. Os dois navios foram construídos para a frota do Mar Negro da Marinha russa, que abriu mão das embarcações, agora destinadas à exportação.

Os navios podem ser armados com mísseis de cruzeiro Kalibr e mísseis anti-navio Oniks. Segundo uma fonte no complexo militar-industrial que não quis ser identificada, mais detalhes sobre os armamentos das duas embarcações serão revelados nos próximos meses.

Segundo os oficiais russos, a Índia também está prestes a fechar um contrato para o fornecimento do sistema de defesa aérea S-400 Triumph. O documento será assinado até o final de 2018, apesar do descontentamento de Washington com a transação e das ameaças de sanções contra a Índia.

Além disso, a Rússia e a Índia estão preparando um acordo sobre a entrega do primeiro lote de mísseis de produção mútua BrahMos para um país asiático que os países não querem revelar. O modelo deste míssil feito para exportação pode atingir alvos navais e terrestres a até 300 quilômetros de distância e voar a uma velocidade 2,8 vezes maior que a velocidade do som.

 

Outros grandes contratos devem ser assinados com as Filipinas. No momento, os dois países estão negociando a venda dos submarinos a diesel-elétricos do projeto Warshavyanka 636.6, que podem ser armados com mísseis Kalibr e foram apelidados de “assassinos silenciosos” russos.

Sprut SD - Alexey Kudenko/Sputnik

O terceiro exército asiático cliente da Rússia é a Indonésia, que receberá um novo sistema de artilharia autopropulsado de calibre de 125 mm “Sprut-SDM1”. Este destruidor de tanques, além de ter poderosas armas, é extremamente manobrável, e pode lutar na água ou em terra. Ele pode dar suporte a tropas terrestres ou a infantaria naval.

Parceiros africanos e do Oriente Médio

Durante a exposição Army-2018, o Cairo reafirmou a intenção de assinar contrato para o fornecimento de helicópteros de guerra Ka-52K para o navio de assalto anfíbio da classe Mistral que hoje pertence às Forças Armadas do Egito. No entanto, os dois países ainda precisam esclarecer os detalhes técnicos.

As Forças Armadas da Serra Leoa assinarão um acordo para o fornecimento de veículos blindados russos Kamaz.

FONTE: Rússia Beyond



 

2 Comments

 

  1. 07/09/2018  23:25 by Topol Responder

    O conceito do Spruts SD é muito interessante, um blindado leve com grande poder de fogo capaz de abater qualquer MBT existente e ainda capacidade anfíbia ... as forças aerotransportadas da Rússia estão equipadas com este blindado e uma de suas estratégias é lançar de para quedas estes blindados atrás da linha inimiga ... não existe no ocidente um homólogo que cumpra essa função específica desempenhada pelo Sprut

  2. 06/09/2018  12:43 by IBANEZ Responder

    Se o Brasil tivesse uma industria de defesa solida, diversificada e bem desenvolvida poderia agora está concorrendo e tomando espaços da a Russia e China nos mercados africano e asiático. Seria bom até para os EUA, pois ajudaria a minar a influencia política e a economia dos seus dois maiores rivais no mundo. Mas nossas lideranças (TODAS ELAS!) ao longo da historia limitaram o nosso país a ser apenas um grande "sítio" no mundo!

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.