Incidente entre destroyers americano e chinês - Foto US Navy

Por Wyatt Olson e Corey Dickstein

WASHINGTON (Reuters) – O secretário de Defesa, Jim Mattis, disse na terça-feira que as relações entre os EUA e a China não pioraram apesar de cancelar sua visita à nação rival um dia depois que um navio chinês passou a 45 metros de um destroyer da Marinha dos EUA.

A Marinha descreveu o encontro de domingo nas Ilhas Spratly, no Mar do Sul da China como “uma manobra insegura e não profissional”. O USS Decatur (DDG 73), um destróier da classe Arleigh Burke, estava conduzindo uma patrulha rotineira em área de navegação livre por volta das 8h30 da manhã, quando o destroyer da República Popular da China Luyang (DDG 174), se aproximou do navio, disse a Marinha em um comunicado.



“O destroyer da República Popular da China conduziu uma série de manobras cada vez mais agressivas acompanhadas de advertências para que o USS Decatur deixasse a área”, disse o Lieutenant commander Tim Gorman, porta-voz da US Pacific Fleet, no comunicado. “O destroyer da República Popular da China se aproximou a 45 metros do arco do nosso navio, depois obrigando-o a manobrar para evitar uma colisão.”

Na segunda-feira, Mattis descartou os planos de visitar a China no final deste mês, disse uma autoridade de defesa dos EUA. O funcionário falou sob condição de anonimato para confirmar a viagem, que não havia sido anunciada oficialmente pelo Pentágono.

Mattis e o secretário de Estado Mike Pompeo estavam planejando as conversas de segurança conjuntas com seus colegas chineses, disse a autoridade. Teria marcado a segunda visita à China para Mattis, que visitou Pequim em junho.

Apesar das crescentes tensões, Mattis insistiu em comentários feitos na terça-feira em Paris que a relação entre os dois países não estava piorando.

USS Decatur (DDG 73)

“Há pontos de tensão no relacionamento, mas com base em discussões que vêm de Nova York na semana passada e outras coisas que temos, não vemos piorar”. “Vamos resolver isso”, disse Mattis a repórteres que viajavam com ele para Paris, segundo The Associated.

Os últimos desenvolvimentos ocorreram depois que a China protestou contra bombardeiros americanos recentemente sobrevoando seções dos mares do sul e leste da China, em operações que o Pentágono descreveu como rotina. Além disso, na semana passada a China negou um pedido de um navio de guerra americano para uma visita ao porto em Hong Kong e cancelou uma visita planejada de seu principal oficial naval a Washington.

A China também exigiu que os Estados Unidos cancelem sua venda para Taiwan de US $ 330 milhões em peças para caças F-16 fabricados nos EUA e outras aeronaves militares usadas pela nação insular, que a China considera uma província renegada.

Os Estados Unidos recentemente impuseram sanções ao Departamento de Desenvolvimento de Equipamentos da China, bem como ao seu diretor, por causa das aquisições de aeronaves e mísseis feitas este ano por um exportador russo de armas.

Os Estados Unidos impuseram sanções em 2017 a esse exportador, a Rosoboronexport, em resposta à interferência da Rússia nas eleições presidenciais de 2016 nos Estados Unidos.

Destroyer chinês Luyang (DDG 174) Tipo 52D

As tensões entre as duas potências existem há muito tempo, principalmente sobre a militarização chinesa de ilhas artificiais – incluindo as Spratlys – em partes do Mar da China Meridional que são reivindicadas por vários países.

Em uma decisão de 2016, o tribunal da Corte Permanente de Arbitragem – uma organização intergovernamental que resolve disputas internacionais, incluindo fronteiras territoriais e marítimas – concluiu que a Gaven Reefs não possuía características terrestres significativas e, portanto, carecia de uma zona econômica exclusiva, como alegou a China.

No entanto, a China expandiu algumas características da terra nos recifes através da dragagem de areia em 2014 e 2015 e depois militarizou os recifes com armas e radares antiaéreos e navais.

A China freqüentemente desafia navios e aeronaves dos EUA que passam por partes do Mar do Sul da China, às vezes com alertas de rádio, mas em outros momentos usando manobras de assédio.

“Os navios e aeronaves da Marinha dos EUA operam em todo o Indo-Pacífico rotineiramente, inclusive no Mar do Sul da China”, disse Gorman. “Como fazemos há décadas, nossas forças continuarão a voar, navegar e operar em qualquer lugar que a lei internacional permita”.

O Pentágono não tem planos de alterar suas operações no Mar da China Meridional após os recentes incidentes, disse o oficial de defesa, descrevendo as operações militares em andamento na área como “negócios de sempre”.

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: DAN

FONTE: Star and Stripes


 

4 Comments

 

  1. 04/10/2018  12:06 by HMS TIRELESS Responder

    A arrogância chinesa no intuito de violar o direito internacional e obstacularizar a liberdade de navegação em águas internacionais está cada vez maior. No mais o Mar da China é tão chinês quanto o Golfo Pérsico é iraniano ou seja, apenas no nome.

    • 05/10/2018  21:49 by Leonardo Rodrigues Responder

      Cara, me responda por favor? Qual o valor do salário pago pela CIA? Só pode ser isto!

      • 08/10/2018  20:52 by HMS TIRELESS Responder

        As águas do mar da China são internacionais, portanto não cabe ao agressivo e criminoso regime chinês querer restringir a liberdade de navegação de quaisquer embarcações civis e militares, inclusive as da USN.

        E o mesmo vale para o Golfo Pérsico, onde a teocracia fascista iraniana tenta obstacularizar a liberdade de navegação...

        Aliás, cabe na oportunidade lembrar que o Agressivo e criminoso regime chinês constrói ilhas artificiais militarizadas em águas que são reivindicadas por outros países da região como o Vietnã.

        Eu me pauto pelo direito! E a julgar pelas atitudes do regime chinês e a sua defesa das mesmas, não é o que faz a esquerda....

      • 15/10/2018  15:28 by ricardo Responder

        Que comentário infantil e despropositado, Leonardo. E de quebra não acrescenta nada.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.