São Leopoldo, 19 de janeiro de 2017 – A Taurus estará presente na maior feira de armas do mundo, o SHOT Show 2017, que acontece em Las Vegas (EUA) entre os dias 17 e 20 de janeiro. A companhia participa do evento com espaço exclusivo para apresentação do seu novo portfólio para os mercados brasileiro e internacional e para o atendimento ao público. As novidades apresentadas no SHOT Show serão lançadas ao longo de 2017 e incluem pistolas e fuzis.

A feira também será o primeiro evento público do qual a Taurus participa após a mudança de sua identidade visual, atualizada para destacar o novo momento vivido pela companhia.

“O SHOT Show é o evento mais importante do mundo do setor de armas e aproveitamos a ocasião para fazer os grandes anúncios que marcam a nova etapa que vive a companhia”, diz Marco Aurelio Salvany, Presidente da Taurus.

Taurus T4A2

No estande de 16m², no piso principal do Sands Expo Center, a dois passos da Las Vegas Strip, a marca apresentará sua nova plataforma de pistolas para o mercado brasileiro, a T Series, que conta com 12 modelos nas versões TS e TH, além de sua linha de fuzis T4, modelos A1 e A2. Os novos armamentos tornarão o portfólio da Taurus ainda mais completo e preparado para atender as mais diferentes necessidades de clientes e usuários.

Taurus TS

Para o mercado dos Estados Unidos, o destaque será a nova linha de pistolas SPECTRUM, a primeira da Taurus totalmente desenvolvida, projetada e fabricada em sua planta americana, localizada em Miami. O modelo incorpora o que há de mais avançado em tecnologia para apresentar ao exigente consumidor americano uma pistola compacta segura, precisa e com design inovador.

A identidade visual da companhia foi modernizada para traduzir a evolução da empresa e, ao mesmo tempo, ressaltar sua trajetória até a posição que ocupa hoje, entre as três maiores fabricantes de armas do mundo. O Touro, animal que simboliza a companhia, continua presente. Sua imagem, agora voltada para a frente, simboliza força, segurança e virilidade além de ter ligação direta com trabalho, robustez e prosperidade.

Taurus TH

Os novos lançamentos são o mais recente fruto das mudanças promovidas desde 2015 pela nova gestão da Taurus para aproximar mais a companhia de seus usuários e clientes, além de torna-la ainda mais eficiente e produtiva, sem abrir mão da qualidade e segurança. Nos últimos meses, a companhia reestruturou seu parque fabril, concentrando todas as suas operações na unidade de São Leopoldo (RS) e implantou ações para aprimorar seu serviço de pós-venda e relacionamento com clientes.

FONTE: FSB Comunicação

image_pdfimage_print

 

9 Comments

 

  1. 19/01/2017  18:14 by Ferreira

    Se a pistola ja dispara sozinha imagina o fuzil, Jesus, quem conhece policiais de verdade é perguntar-los sobre o equipamento, estou falando especificamente de Sorocaba-SP. Perigo total.

  2. 19/01/2017  18:24 by Mateus

    Agora eu gostei.

  3. 19/01/2017  19:45 by Marcos

    Será que a qualidade melhora tbm?? Ou vão continuar a disparar sozinhas e ferir seus consumidores??

  4. 19/01/2017  20:06 by Leonardo Rodrigues

    Não é a empresa, mas algum executivo imbecil que resolveu cortar gastos na linha de produção. Sob nova direção, CBC, qualidade é tudo e bem vinda a nova Taurus.

  5. 19/01/2017  22:02 by Nilson lima

    Ola , li em um site especializado que não me recordo agora em que o diretor explica as mudanças nos projetos das pistolas, existe sim problemas das pistolas como alguns aqui comentaram, para o mercado americano eles tiveram que se adequar a normas especificas, em que se aplicará ao Brasil também, esse fuzil é um M4 estilizado com a marca taurus, o diretor também comentou sobre a compra de patentes de armas, acredito que esse seja um exemplo de compra de projeto(patente), boa sorte e que venham armas de 1 mundo pra nós.

  6. 19/01/2017  22:58 by Foxtrot

    Pois é a qualidade no acabamento salta aos olhos de quem conhece e entende.
    Quanto as armas dispararem sozinhas, se tivesse sido avaliadas pelo Caex; teria sido concertado o defeito; mas preferiram adquirir um Mod.. Fal muito mal feito e ergonomicamente mal acabado, para manter uma empresa que não tem carácter estratégico nenhum para o EB.
    Apenas serve de cabide de empregos para velhos oficiais aposentados e engenheiro oriundos do IME Ctex , privilégiados .
    Exceto a divisão de comunicações dessa empresa, que realmente faz jus pelo que recebe do GF.
    Se eu já era fã do ART-5.56 , agora estou mais apaixonado por esse novo modelo; mas confesso que a minha "menina" dos olhos é o modelo ART-5.56 Taurus.

  7. 06/02/2017  20:30 by limaxe

    O que eu acho interessante nestas reclamações sobre disparos acidentais, é que eles não acontecem nas mãos dos militares das FFAA, pois os mesmos fazem manutenção de suas armas e as usam da forma adequada.
    Arma é um equipamento mecânico e sendo assim exige manutenções básicas.
    Parabéns a Taurus e viva a indústria brasileira.

  8. 21/02/2017  12:46 by Mark

    Caro imaxe, os militares das forças armadas, somente adquirriam modelos taurus, baseados na pistola bereta, a qual era boa, as que dão problemas são os modelos produzidos nos ultimos dez anos, e que froam vendidas para as policias, que tambem fazem manutenção preventiva. proucre se informar mais e verá que as pistolas das foraças armadas foram adquiridas ha mais de vinte anos. as pistolas antigas que a policia possuia da marca tambem não davam problea.

  9. 05/04/2017  22:29 by Amilcar Carvalho

    Nos casos anunciados de pistolas Taurus que dispararam sozinhas, tem algo que está sendo esquecido ou desprezado pelos
    reclamantes, em todas as pistolas PT24/7 Pro e Pro DS existe um dispositivo denominado "trava do percussor", que só libera
    a passagem do percussor com o gatilho acionado, assim, mesmo que o percussor escapasse da armadilha, o mesmo não
    teria como atingir a espoleta do cartucho, pois estaria bloqueado pela "trava do percussor". Ou seja uma arma regularmente
    manutenida por um técnico de uma autorizada da marca, onde todo o mecanismo é verificado, não produziria nunca um
    disparo acidental, salvo com o gatilho acionado. O que pode ocorrer é que "espertos" e "curiosos" resolvam alterar certas
    características nas 24/7 Pro e com isso fazerem com que as mesmas venha a produzir disparos indesejados, já peguei
    um caso de uma que o percussor não armava na ação simples, quando a arma era disparada o percussor caia na trava
    do percussor, após verificar a arma, constatei que a garra do percussor que engraza na armadilha havia sido limada e
    que o dono esperava que com isso o gatilho ficasse mais leve, como já peguei 24/7 Pro, com munição viva na câmara
    e que o ferrolho estava preso na armação por oxidação (falta de um mínimo de manutenção, o mesmo acontecendo com
    uma Glock de um agente da PF, ou seja muito defeito não é da arma, é do usuário e seus hábitos.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.