General de divisão Mauro Sinott Lopes

Por Vera Araújo

Reservado e extremamente técnico. Assim os colegas militares definem o general de divisão Mauro Sinott Lopes, braço-direito do general Walter Souza Braga Netto, comandante militar do Leste e interventor federal na área de segurança do Rio. Sinott já exerce a função de auxiliar principal de Braga Netto no CML, onde está à frente da 1ª Divisão de Exército.



Quando foi decretada a Garantia da Lei e da Ordem no Rio, em julho do ano passado, Sinott Lopes foi escolhido para assumir o comando operacional das tropas por ser considerado um estrategista nato. Esta semana, na ausência de Braga Netto, que ficou em Brasília desenhando o plano da intervenção, com foco principalmente nas questões jurídicas, Sinott Lopes cuidou da parte mais operacional: recebeu informações da segurança e começou a organizar as próximas ações.

O general traz na bagagem a experiência de já ter comandado tropas em comunidades. Em 2014, foi um dos comandantes da Força de Pacificação do Complexo da Maré. Em setembro do ano passado, foi o coordenador das operações das Forças Armadas no Rio durante as operações de ocupação da Rocinha. Durante a Olimpíada, chefiou, junto de Braga Netto, o Comando Conjunto de Prevenção e Combate ao Terrorismo.

Sinott Lopes já deixou claro que prefere trabalhar com ações de longo prazo. E que acredita na tática de conquistar a confiança da população. Em entrevista ao GLOBO, na época da ocupação da Rocinha, reiterou a importância de os moradores “vencerem o medo” e denunciarem bandidos. “A comunidade é que detém a oportunidade de contribuir para que este trabalho que estamos fazendo agora se perpetue por muito tempo”, afirmou na época.

FONTE: O Globo



 

10 Comments

 

  1. 26/02/2018  20:42 by Mim silva Responder

    De nada adiante, se as leis sao frouxas para os marginais...

    Hj ele pede que a populacao denuncie... Amanhan saem da favela e quem fica? como ficam quem denunciou?

    A intervencao ainda nem comecou e a OAB ja esta "dando um jeito" de meter o bedelho... dizendo q eh inconstitucional, blablabla etc.... Mas... responsabilizar o Estado pelas mortes, isso eles nao fazem!

  2. 23/02/2018  23:46 by Ivan BC Responder

    Mete pau nos bandidos! Xô narcotraficantes, Brasil não é Bolivia!

  3. 23/02/2018  20:32 by jorge afonso martinez Responder

    Da prá resolver sim! Sei que já existe numa Força Nacional... mas ela meio que se diluiu tb nos problemas de
    segurança de todo o País. O problema do Rio, é um problema Nacional,por osmose pode contaminar a
    segurança de todos os outros Estados. O nosso Exército
    pode,mas não foi treinado pra isso,mas as polícias do
    país,tem excelentes GOE( grupos, pelotões,companhias e
    até batalhões de operações especiais). Portanto, com o reconhecimento das autoridades a grandeza do problema,
    o interventor,com esse poder todo a ele atribuído...usando
    a situação Rio como laboratório,pode solicitar a mobilização um Pelotão reforçado de PMs (50 homens equipados) de operações especiais de cada um dos estados + grupos de OE das polícias civis e penitenciária...pronto,com meios adequados, os generais no comando coordenando...daí sim,o ar do nosso RJ iria ficar irrespirável para bandidos e teríamos uma tropa mobilizável, pronta,para futuros empregos. Com essa união,Todos ganhariam,no meu entender,com a imensa troca de experiências, armamentos,viaturas e equipamentos que por certo terão de ser adquiridos,
    instalações reformadas...mas,principalmente,com o resgate do poder das instituições e do Estado! As Tais
    instalações da copa , subutilizadas,poderiam ser usadas para essa mobilização. Sonho em ver algo assim... asfixia total no aparato do crime , que está crescendo e ficando perigosamente abusado,em todo o Brasil!
    Saudações,Jorge um Brasileiro.

  4. 23/02/2018  19:30 by Agnelo Responder

    pcgusmão
    Acredito q vc está um tanto quanto desatualizado quanto a situação de nossas tropas.
    Os combates no Haiti deixam as trocas de tiro no Rio de Janeiro bem pra trás. A diferença é q no Rio são brasileiros e população brasileira, sem muita segurança jurídica.
    O Gen Sinott é muitissimo preparado, como todos os nossos Forças Especiais, e hoje posso dizer q nossas Forças de Emprego Geral também.
    Ah, e a Academia forma MUITO bem. Por isso, q a maioria não aguenta... aliás, a maioria nem consegue passar...

  5. 23/02/2018  13:15 by Esteves Responder

    Vamos julgar os resultados.

    O Brasil tem 6 milhões de inscritos em programas habitacionais. Família de 4 X 6 = 24 milhões de brasileiros sem moradia. Nem na Síria existe essa realidade.

    Favela, barraco, virou sinônimo de criminalidade. Não é. O crime entrou na favela porque o estado nunca entrou. Não tem posto de saúde na favela. Não tem escola na favela. Não tem polícia nem justiça na favela.

    Quem roubou 47 bilhões da Petrobras e 5 bilhões do governo do Rio não foram favelados. Quem roubou 17 bilhões da Copa e 12 bilhões da Olimpíada não foram favelados.

    Caçar e matar 6 ou 600 favelados não vai fazer diferença. Nosso exército não existe para isso. Subir morro para enfrentar a falta de estado no Rio é uma vergonha para o exército brasileiro.

    Intervenção já.

  6. 23/02/2018  12:23 by pgusmao Responder

    Será que o general nesse perfil da foto aguenta um incursão na favela debaixo de bala, veremos até onde esses militares do exército são treinados, quanto de profissionalismo de combate real possuem, pois teoria de academia militar é muito diferente de realidade. O nosso exército não conhece realidade de combate desde a 2ª Guerra Mundial, com alguns confrontos no Haiti e algumas escaramuças em missões da ONU.

    • 23/02/2018  12:43 by Luiz Padilha Responder

      pcgusmao, generais não entram na linha de frente. São estrategistas e ficam na retaguarda.

    • 23/02/2018  12:45 by Pablo Responder

      e tu acha que um General vai estar no meio do tiroteio? ele é General e tem muito militar abaixo dele na hierarquia para fazer isso!! ele manda os outros obedecem, simples assim, se tu serviu as forças armadas tu deve saber muito bem disso!

    • 24/02/2018  0:29 by Mateus Barbosa Responder

      O General SINOTT é PQDT, Comandos, Forças Especiais etc. Já realizou intercambio e cursos similares em outros países, ele nas Olimpiadas estava a Frente do Comando de Operações Especiais do EB e foi um dos responsáveis pela evolução do adestramento e do material utilizados pelas tropas especiais do EB nos ultimos anos!

  7. 23/02/2018  11:57 by rafaeL Responder

    Como disse anteriormente pode colocar a liga da justiça que não resolve esse caos no RJ.O que precisa ser feito é implantar escola de tempo integral,diminuir carga tributaria para que o empresario possa investir e crescer para aumentar a demanda por mão de obra, e punição firme pra todo e qualquer delinquente.Ainda implantação de pena de morte com a escolha por estado , cada estado escolhe se quer aderir ou não.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.