Lt. Col. Christine colocando seu capacete antes do voo em um F-35A na base aérea de Englin

Por Sara Seligman

A Força Aérea dos Estados Unidos montou uma equipe para investigar os episódios fisiológicos inexplicáveis que estão acontecendo em todo aviões de caça em serviço, depois de relatos de Hipóxia forçou o “groundear” alguns esquadrões de A-10 Warthog, F-35A e T 6 Texan II ano passado.

O Gen. Bobbi Doorenbos, que lidera o esforço desde o final do ano passado, disse que a decisão de se montar uma equipe para resolver os incidentes é um sinal de que a Força Aérea reconhece a importância do problema. Além dos incidentes com A-10, F-35A e T-6, pilotos da Força Aérea têm relatado taxas variáveis de episódios de Hipóxia nos cockpits nos F-22 Raptor, o F-16 Fighting Falcon e F-15 Eagle nos últimos anos.

O objetivo da equipe de integração Unexplained Episode Physiological (UPE) é fornecer um olhar mais abrangente sobre estes incidentes e, finalmente, recomendar ações para reduzir e, um dia, evitar PEs completamente, disse Doorenbos à Aviation Week durante sua primeira entrevista no cargo.

“Nós temos muitos peritos em toda a Força Aérea, e nós estamos apenas tentando aproveitá-la e integrá-la de uma forma que nos permita tirar as lições aprendidas e aplicá-las, para que possamos chegar a soluções mais rapidamente como um esforço integrado de toda a Força Aérea”, disse Doorenbos no Pentágono em 18 de janeiro. “Garantir a segurança dos pilotos para que eles tenham confiança em seus sistemas.”

A equipe está em seus estágios iniciais; na verdade, Doorenbos ainda está à espera de tenente-general Chris Nowland, vice-chefe de pessoal de operações, para aprovar seu regimento interno. Uma vez que a carta esteja assinada, o primeiro passo será começar a verificar esquadrão por esquadrão para descobrir se as recomendações anteriores foram corretamente executadas.

A equipe de Doorenbos levará as lições aprendidas a partir de investigações PE anteriores, como nos esquadrões de F-22 e T-6, e verificar se eles foram implementadas em um nível superior, ela disse.

Col. William Mueller, que lidera programa médico de pilotos da Força Aérea, citou um aumento nos PEs nos F-15 há alguns anos como um exemplo. Na época, o então Chefe do Estado Maior General Mark Welsh montou uma equipe para investigar o pico. A equipe não encontrou um “bala de prata”, mas focou em ajustes nos procedimentos de manutenção relacionados a pressurização do cockpit, e educar as tripulações e os mecânicos do sistema de oxigênio da aeronave e os efeitos fisiológicos do ambiente.

O resultado da investigação é que a taxa de UPES nos F-15 foi de 10-12 por ano para apenas um em 2017, Mueller sublinhou.

Doorenbos pretende trabalhar em estreita colaboração com o seu homólogo na Marinha dos EUA, Almirante  Sara Joyner, que está conduzindo a investigação de PE na Marinha, bem como a indústria e a academia para chegar ao fundo do problema. Ela também ressaltou a importância de se comunicar com Força Aérea e com o Departamento de Defesa, o Congresso e os próprios pilotos.

U.S. Air Force Major Kevin Hall pre-flight checks antes do voo no F-35A na Hill Air Force Base, Utah. (U.S. Air Force photo by Airman 1st Class Joshua D. King)

“Compreender o sistema é um longo caminho para se certificar de que você tenha confiança em seu sistema e assim ensinar as pessoas alguns detalhes sobre os sistemas de oxigênio e os sistemas de suporte de vida que você tem, como eles operam e como eles interagem com o seu corpo, eu acredito que será um longo caminho para a criação de confiança nos pilotos”, disse Doorenbos.

Tradicionalmente os pilotos têm sido cautelosos com relação aos episódios de PEs, por medo de que eles sejam impedidos de voar. Doorenbos espera que uma melhor educação sobre PEs motive mais pilotos em relatar tais incidentes.

“Eu acho que as pessoas se sentem mais confortáveis, porque eles sabem que o problema não é com deles, que talvez exista algo acontecendo com o sistema, e que para nós chegarmos ao fundo do que está acontecendo, nós realmente precisamos deles para nos informar”, Doorenbos disse.

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: DAN

FONTE: Aviation Week

image_pdfimage_print

 

Leave a reply

 

Your email address will not be published.