O Ministério da Defesa publicou imagens da entrega de sistemas de mísseis antiaéreos S-300 à Síria, sendo retirados da aeronave de transporte militar An-124 Ruslan. A Rússia entregou um total de 49 unidades de equipamento militar à Síria, no âmbito do fornecimento de sistemas de defesa antiaérea S-300.



 

16 Comments

 

  1. 04/10/2018  10:41 by IBANEZ Responder

    Com certeza vai ser um teste de fogo para o sistema de defesa russo S-300 oferecer proteção contra uma IAF equipada com aeronaves F-35.

  2. 04/10/2018  1:31 by eduardo madeu Responder

    Primeiro Israel não atacará sem a bençao da russia, ate porque esse acordo ja tinha sido acordado, alias israel ataca a siria com as vistas grossas da russia, segundo israel não quer uma briga direta com a russia, se ele atacar os alvos provavelmente militares russos seriam atigindos, e depois tem os navios russos ao longo do litoral que também seria teoricamente capaz de fechar o espaco aereo da siria, dando um trabalho a mais para furar esse bloqueio, e isso não seria bom pra israel, se é ou não uma tecnologia de "invisibilidade" um ataque colocaria em xeque o apoio que a russia da a israel por debaixo dos panos, não sejamos tolos e mais vantagem pra israel ter o apoio russo tanto prova disso que mandaram os caras la explicarem o que tinha acontecido.(na derrubada do aviao russo)... a russia joga pra todos os lados, a russia faz grossas em alguns dos ataques. e uma ação russa no sentido de fechar o espaco aereo sirio com vários meios empregados seria um problema serio para israel, a russia aproveitou para primeiro vender equipamento militar e segundo dar um pouco de equilibrio no jogo ali, tendo em vista que israel faz o que quer no oriente medio, ou seja deu a israel apenas um limite, mas não uma proibição

  3. 04/10/2018  0:41 by Topol Responder

    Na realidade existe (ou pelo menos existia) um alinhamento muito bem coordenado entre Reuven e Putin para evitar mal entendidos e encontrões perigosos no ar já que não é do interesse de ambos criar um conflito franco entre suas nações... porém o que se segue após o infame incidente com o IL-20 russo é uma ruptura dessa política de "morde e assopra" e a partir de agora, a meu ver, Israel terá que decidir se continua suas incursões de ataque preventivo sobre a Síria enfrentando o gigante russo que até então vinha sendo "conivente" criando sérias complicações para seu país e situação de guerra iminente em larga escala ou se procurará agirá por meios diplomáticos para atingir seus objetivos de impedir que o Irã se instale no país vizinho mantendo as boas relações com Moscou sem contudo deixar de perseguir seu objetivo... particularmente aposto na segunda opção

  4. 03/10/2018  17:28 by Wagner Responder

    Segurar o gasoduto Arabe/Europa está custando caro para a Rússia,Assad deu sorte se esse gasoduto não fosse ameça ao gas russo ele teria caído.

  5. 03/10/2018  14:34 by Thunder35 Responder

    Se Israel fosse aqui (o Brasil), nós seríamos a maior potencia do mundo com China, Rússia e EUA precisando se juntar para se equiparar a nós.

  6. 03/10/2018  13:58 by Iran Moreira Responder

    Obviamente são os mais modernos disponíveis no arsenal russo, e isso por uma razão óbvia, eles servirão como vitrine de vendas para diversos outros países. Aliás, a guerra na Síria tem servido à Rússia maravilhosamente nesse sentido, além da possibilidade de dar treinamento de guerra real a seus combatentes, em especial a força aérea que, como já declarado, teve praticamente todos seus aviadores de caça passando plea Síria para combate em algum momento. Coisa que poucos países tiveram a oportunidade de fazer (uma coisa é treinar num computador ou acertando alvos, outra é a coisa "real"). O sistema instalado tem alcance de 250km, como já declarado também pelos russos. Aliado a isso, há o acréscimo de jammers (guerra eletrônica) para desorientar misseis e aeronaves, além de um sistema de jamming de satelites, que anularia o gps na região, tornando os mísseis cegos e tendo que depender de sistemas inerciais, menos precisos. Também já foi dito que caso Israel se aventure de novo, a Russia ira quadruplicar inicialmente o número de S-300 em mãos dos sírios, podendo fazer um upgrade até para o S400 que, aliás, já foi pedido por Bashar Assad.
    Então temos um empate. Por um motivo óbvio. Os russos apostaram todas as fichas e, ao contrário do que alguns pensam, NÃO EXISTEM AVIÕES "INVISÍVEIS", apenas aeronaves mais difíceis de detectar, ou que somente são detectadas a distâncias mais próximas. PORÉM, o sistema de radares russo é poderosíssimo, e foi especialmente concebido exatamente para detectar aviões stealth.
    Cabe dizer ainda que os russos, bem como os chineses, têm apostado em radares passivos que detectam INFRAVERMELHO (calor do jato, calor da superfície da aeronave ao se chocar com o vento, etc), e para isso não existe nada "invisível", pois todos os corpos emitem calor.
    E grande parte das vendas do F35 repousam no MITO de "avião invisível". Se apenas um único F35 for derrubado por um míssil infinitamente mais barato, todo o marketing americano ruirá. Portanto, é muito possível que os EUA proíbam Israel de usar tal equipamento sobre a Síria.
    Mas, veremos se os Israelenses irão obedecer.
    Estrategicamente Israel está em apuros. Perdeu a guerra para o Hezbolah em 2006 de forma vergonhosa, graças à ajuda do Irã, e uma forma inovadora de conduzir a guerra urbana desenvolvida no Líbano. A Síria conseguiu resistir a todos os ataques e agora está se levantando e fortalecendo. E para piorar Iraque está convergindo para o núcleo de influência Russo-Iraniano, o que é natural, pois são países xiitas.
    A meu ver, a única solução é a diplomacia e a tentativa de selar uma paz duradoura, através do reconhecimento da Palestina enquanto nação independente. Isso acabaria com toda a retórica anti-Israel. Pelas armas, Israel se isolará.

    • 03/10/2018  15:03 by HMS TIRELESS Responder

      Nada mais descolado da realidade em seu arrazoado senão vejamos:

      - A verdade é que na guerra na Síria vimos exibições exageradas de força por parte dos russos aliado à demonstrações cabais de despreparo tais como no bombardeamento indiscriminado de civis e nos acontecimentos decorrentes da perda de um Su-24 para os turcos;

      - O sistema S-300 é de amplo conhecimento dos israelenses tendo em vista que anualmente se exercitam contra uma bateria grega localizada na ilha de Creta e eventuais upgrades sofridos pelas unidades a serem entregues a Bachar Al Assad podem muito bem ser simulados tendo em vista a reconhecida expertise da indústria israelense;

      - Os Jammers russos já instalados na Síria não impediram os ataques israelenses e a adição de mais sistemas dificilmente alterará esse quadro. Ademais cumpre lembrar que as armas de cruzeiro tal como as utilizadas por Israel, caso do míssil Rafael Delilah, geralmente também combinam sensores óticos com uma trajetória pré-programada o que os torna imunes à essa espécie de Jammers, com o mesmo valendo para o drone UCAV IAI Harops, o mesmo que destruiu de forma espetacular uma bateria de Pantsyr no dia 10/05. De igual forma a maioria das armas ar-ar e ar-superfície do arsenal isralense possui o modo "Home-on-Jam" ou seja, a tentativa de jameá-las termina por atrai-las para o alvo.

      - O sistema russo pode até ser "poderosíssimo" mas os russos ainda não descobriram o pó de pirlimpimpim capaz de detectar aeronaves Stealth a grandes distâncias tal como ficou provado quando o radar da bateria S-400 já instalada na Síria se mostrou incapaz de detectar os F-35 que ingressaram no país árabe e atacaram elementos iranianos perto da fronteira com o Iraque.

      - Não existem "radares passivos que detectam infravermelho" pois a detecção IR se dá com sensores eletro-óticos e não com emissões de radar. E os sensores IR instalados em solo apenas poderiam detectar uma aeronave furtiva quando estivesse bem perto do alvo e portanto, dando um tempo curto de reação. Ademais, os próprios F-35 fazem uso de armas Stand-off ou seja, ficariam ainda menos expostos às defesas adversárias. Como resta bem claro, a vantagem é do caça da LM a serviço da Heyl Ha'Avir.

      - Longe de estar em apuros, a posição de Israel é extremamente confortável pois o país demonstrou ter poderio de sobra para não apenas dissuadir como aplicar severas represálias em seus inimigos como é o caso da teocracia fascista iraniana. Os acontecimentos havidos no Líbano em 2006 apenas se transformam em "derrota vergonhosa" no discurso das mesmas figuras que nutrem um atávico e odioso discurso anti-Israel. A verdade é que as lições daquele conflito foram assimiladas pelas IDFs e aplicadas com êxito durante a operação Protective Edge em Gaza. E mais recentemente, em maio desse ano, assistimos à Força Aérea Israelense atacar 50 alvos iranianos em apenas uma noite o que obrigou o regime persa e colocar o rabinho entre as pernas e vituperar as mesmas bravatas de sempre. Reconhecimento maior da derrota sofrida não há....

      - Por fim, quem está isolado é o Irã e não Israel. Não apenas os EUA se retiraram do vergonhoso acordo nuclear idealizado por Obama como a inteligência israelense conseguiu desmascarar todas as mentiras do regime dos aiatolás, que foram expostas por Netanyahu na Assembleia Geral da ONU. Para piorar a retórica agressiva dos iranianos, somada à todas as suas ações de desestabilização levadas a cabo em lugares díspares como o Líbano e o Iêmen, apenas têm contribuído para aproximar os países árabes, liderados pela Arábia Saudita, do Estado Judeu.

      • 03/10/2018  16:58 by Kemen Responder

        O S-300 é um sistema bastante temivel, (ele é suplantado pelo C-300 que possui um radar para detectar aviões furtivos), não é o caso do sistema entregue aos sirios, dependendo dos misseis fornecidos a eles sua efetividade poderia chegar entre 0,7 e 0,9. O radar do anti -furtivo C-300 detecta 0,1 metros quadrados a 240 km. Entretanto não creio que os sirios receberam as ultimas versões do S-300, nesse caso também vale resaltar a habilidade já comprovada dos pilotos israelenses.

        • 03/10/2018  17:22 by HMS TIRELESS Responder

          Oi Kemen!

          De fato o S-300 é um sistema bastante perigosos! Contudo, como você bem asseverou não deve ter sido fornecido um sistema no estado da arte. Quanto aos dados do radar como você me forneceu, salvo engano o RCS do F-35 estaria na casa do 0, 0013.

          Abraços!

          • 04/10/2018  12:20 by Kemen Responder

            Olá colega

            Dai chegamos a conclusão que o F-35 PODERIA ser detectado a uma distancia entre 50 e 30 Km dependendo da posição do caça, esses radares anti stealth são AESA e nesse caso especifico dos anti-stealth geralmente empregam multiplas frequências o que melhora a detecção dos furtivos, essa geração de muitas frequências simultâneas é chamada vulgarmente em termos técnicos de espalha mer...!

  7. 03/10/2018  12:19 by Claudio Moreno Responder

    Se não aprenderem a operar com inteligência, vai ser mais alvos para Israel destruir...

    CM

  8. 03/10/2018  11:22 by Rafael Responder

    Dale Jericó novamente...

  9. 03/10/2018  11:17 by Cleber Responder

    Pena que não desembarcou aqui ! Obs: Como pode um país do tamanho do Brasil , não ter condições de ter algumas unidades deste sistema , ou milhares delas .

  10. 03/10/2018  11:16 by Kemen Responder

    Falta saber que versão é o S-300, que misseis e radar foram fornecidos. existem muitas versões não acredito que seja a versão mais moderna e em relação aos misseis e radar não devem ser os de maior alcance, pois sistemas assim na mão de militares mal treinados poderiam derrubar objetivos no territorio de Israel ou em geral dos paises vizinhos, causando uma guerra direta entre os dois paises.

  11. 03/10/2018  10:38 by Tomcat4.0 Responder

    Vai dar uma briga boa com os F-35 Adir (que creio eu vão ser vitoriosos devido a furtividade).

  12. 03/10/2018  10:16 by Guilherme Responder

    To até vendo Israel acabando com esse sistema kk.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.