subnuke russo

Por Vice-Admiral James Foggo III e Alan Fritz

james foggo IIICom “mais atividade de submarinos russos do que vimos desde os dias da Guerra Fria,” uma melhor postura da força europeia, torna-se vital para a Marinha dos EUA e da NATO/OTAN.

Cento e um anos atrás, um grande poder lançou uma nova arma no mundo. Essa arma permitiu contornar vantagens militares de seus adversários e dar-lhes um golpe quase paralisante. Essas armas, os submarinos do Império Alemão, utilizaram novas tecnologias para bloquear as Ilhas Britânicas e afundar milhões de toneladas de navios aliados. Eventualmente, a Marinha Real prevaleceu, mas o resultado dessa batalha nunca foi uma conclusão precipitada. Levando ao desenvolvimento de uma série de novas tecnologias anti-submarino e táticas, bem como uma mobilização maciça de recursos, que permitiu aos aliados, vencer esta “primeira Batalha do Atlântico.”

submarino alemão

Setenta e seis anos atrás, a “segunda Batalha do Atlântico” começou. Mais uma vez, submarinos alemães ameaçavam os Aliados, desta vez com novas táticas e tecnologias baseadas em experiências na guerra anterior. Os alemães tinham aprendido a superar as vantagens da guerra anti-submarina (ASW) dos Aliados e, só trazendo de novo novas tecnologias, táticas e recursos, fez os Aliados prevalecerem.

u boat

Durante a Guerra Fria, as nossas forças ASW estavam envolvidas em um jogo constante de gato e rato com os submarinos da União Soviética. A energia nuclear, mísseis balísticos e de cruzeiro, e sistemas mais silenciosos habilitaram os submarinos soviéticos de forma preocupante.

Para responder, os Estados Unidos e seus aliados foram forçados a construir uma força ASW maior e mais eficaz e continuamente aperfeiçoar as suas próprias tecnologias ASW e doutrina para combater os soviéticos. Na sombra da dissuasão nuclear, os riscos desta competição foram tão elevadas como poderia ser imaginado. Esta foi a “terceira Batalha do Atlântico” e, embora não fosse uma guerra de tiros, ela mostrou mais uma vez que uma força ASW ágil, adaptável e implantada, é necessária deter a agressão contra nossa nação e seus aliados.

shchuka-b

No início de 1990, o fim da Guerra Fria, o colapso da União Soviética, e comentários como o de Francis Fukuyama marcou o ensaio de “O Fim da História?”

Levou-nos a acreditar que nossa rivalidade estratégica com a Rússia e a nossa necessidade de se manter um passo à frente das capacidades russas tinham desaparecido. Não tinha. Mais uma vez, uma força eficaz, habilidosa e tecnologicamente avançada dos submarinos russos está nos desafiando. Submarinos russos estão rondando o Atlântico, testando nossas defesas, confrontando o nosso comando dos mares, e preparando o campo de batalha submarina complexa para dar-lhes uma vantagem em qualquer conflito futuro.

O Vice-Almirante Clive Johnstone da Marinha Real Britânica, chefe das forças marítimas da OTAN, observou recentemente que suas forças relataram “mais atividade a partir de submarinos russos do que temos visto desde os tempos da Guerra Fria.”

Alguns analistas acreditam que mesmo a nossa infra-estrutura subaquática, como plataformas petrolíferas e de telecomunicações (cabos), podem estar sob ameaça por essas forças novas e avançadas. O foco russo em investimento e atividade no domínio submarinos são agora tão inconfundíveis, que mesmo o chefe da Marinha russa, Viktor Chirkov, admitiu que patrulhas submarinas russas têm crescido 50 por cento desde 2013.

boreiclass

Apesar da crise econômica na Rússia, rublos continuam a fluir para o desenvolvimento da tecnologia dos submarinos russos e do crescimento de sua força. O pai da força de submarinos russa moderna, o brilhante e altamente condecorado engenheiro Igor Spassky, admite que a força de submarinos russos está se expandindo e avançando, e que eles vão ser uma parte fundamental do arsenal do país para o futuro previsível.

Em 2020, a Frota russa do Mar Negro só receberá o equivalente a US $ 2,4 bilhões em investimentos. E estes não são os submarinos que enfrentamos durante a Guerra Fria. Pode haver menos deles, mas eles são muito furtivos, carregam armas mais devastadoras, e vão em implantações mais frequentes e mais longas do que antes. Os submarinos da Rússia são uma das ameaças mais difíceis que os Estados Unidos enfrentam. Esta ameaça é significativa, e só está crescendo em complexidade e capacidade.

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: DAN

FONTE: U.S. Naval Institute

 

1 Comment

 

  1. 06/06/2016  19:38 by I Andre I Responder

    Os Estados Unidos respeitam os russos, evidenciado nessa análise. O poderio russo é uma dissuasão definitiva para as ambições da OTAN, e ainda mais tendo a China como aliado da Rússia. A Turquia teve muita sorte no episódio do caça que derrubaram naquela fronteira.
    Mas os ocidentais não tem com que se preocupar, eles têm os alemães! Em se tratando de submarinos a Alemanha faz escola, inclusive para os russos (eles se aproveitaram dos despojos da guerra, mas desistiram de seguir os mesmos projetos alemães), mas ainda assim é uma situação delicada ja que os submarinos germânicos contam apenas com aip em seus sistema de energia.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.