Nos dias 26 e 27 de setembro, foram realizadas na Base Aérea Naval de São Pedro da Aldeia (BAeNSPA) demonstrações com um equipamento denominado Falcão-Robô. Esse equipamento simula o voo do falcão peregrino, predador natural das principais aves que habitam em sítios aeroportuários. Essa ação auxilia na prevenção do Perigo Aviário.

Essas demonstrações contaram com a presença do Comandante da Força Aeronaval, Contra-Almirante Denilson Medeiros Nôga, do Comandante da Base Aérea Naval de São Pedro da Aldeia, Capitão de Mar e Guerra Marcos Antonio Souza de Araújo, entre outros Oficiais e Praças responsáveis pela Segurança de Aviação do Complexo Aeronaval.

Na ocasião, foi constatada sua efetividade para espantar as aves, porém observou-se que algumas delas retornaram para o local de onde foram afugentadas, principalmente os quero-queros, cujos ovos eram por eles protegidos. Segundo o especialista, a utilização do equipamento diariamente faz com que as aves comecem a considerar a área perigosa e se afastam permanentemente.

O biólogo da empresa AirHayabusa, Sr. Gustavo Trainini, explicou que a técnica de utilização do Falcão-Robô baseia-se na metodologia de “fustigação” das aves, que se sentem ameaçadas pela presença desse equipamento. Tal fustigação acaba por tornar o habitat escolhido por essas aves um local hostil, ocasionando assim sua transferência para outra região.

No que concerne à Segurança Operacional dos voos realizados no âmbito do aeródromo da BAeNSPA, a implementação de tal técnica de manejo indireto (onde não há o contato do homem com a ave) seria um avanço significativo para redução das estatísticas de quase colisões com a avifauna.

FONTE e FOTOS: MB

 

2 Comments

 

  1. 22/10/2017  1:05 by Renato Responder

    Márcio Alves.
    Também sou fã desse tipo de coisa relacionada a inovação.
    Talvez venham até a utiliza-lo...
    Mas imagino que a forma de ave possa enganar o olho mas não os radares.
    Talvez apenas a cor independente da forma seja suficiente para a camuflagem.
    Sua ideia é uma mistura de vant com míssil.
    O míssil parte em alta velocidade rumo a um alvo definido.
    Um vant é uma aeronave pequena sem piloto que serve para vigilância ou ataque.
    No caso que você imaginou faria esse trabalho de vigilância e, caso fosse identificado um alvo, o "vant" iria em direção ao alvo.
    Já imaginei a possibilidade de um míssil convencional que pudesse permanecer algum tempo circulando uma área em baixa velocidade.
    Se surgisse um alvo, iria em direção a ele.
    Poderia ser um míssil preventivo que poderia até ter dois estágios.
    O inicial privilegiando o máximo de permanência no ar e o segundo, privilegiando a velocidade e talvez alcance. Serviria inclusive para aviões furtivos pois já os estaria esperando.
    E o míssil sendo furtivo e talvez a hélice seria mais difícil de detectar...

  2. 20/10/2017  13:04 by marcio alves Responder

    Fui só eu ou mais alguém pensou em uma aplicação militar desse Falcão-Robô? Por exemplo equipado com uma pequena carga de alto explosivo para atacar alvos de oportunidades como concentração de soldados, carros e caminhões sem blindagem ,radares e até contra helicópteros voando baixo usando sua carga explosiva na hora do impacto. Sua forma de falcão não chamaria a atenção do adversário por ser apenas um pássaro essa seria sua furtividade na hora do ataque.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.