Goiânia, 05/11/2018 – O Comando de Operações Especiais (COPESP), do Exército Brasileiro, com sede em Goiânia, abrigará a partir do ano que vem um Complexo de Tiro para adestramento e emprego de tropas de ação rápida.



O comandante do COPESP, general Mário Fernandes, fez uma apresentação nesta segunda-feira (05), ao ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, sobre a nova estrutura, que contará com dois estandes de tiro de 100 e 200 metros, um cenário urbano e uma torre para técnicas verticais.

Durante a visita do ministro da Defesa ao COPESP, o general Mário Fernandes enfatizou as principais peculiaridades das Operações Especiais: a flexibilidade, a capacidade de proficiência no emprego e a dissuasão.

“Esta tropa, de forma integrada com as demais Forças, tem sido empregada nos mais longínquos rincões do território brasileiro e no exterior (Missões de Paz), onde é ou seja necessária, com todas as áreas de interesse estratégico da nação”, disse o Gen. Mario.

Em mensagem à tropa de elite do Exército, o ministro Silva e Luna destacou as capacidades dos militares na condução e execução de guerra irregular, contraterrorismo, fuga e evasão, inteligência de combate, contraguerrilha, guerra de resistência, operações psicológicas, reconhecimento estratégico, busca, localização e ataques a alvos estratégicos, entre tantas outras. “As operações que vocês conduzem caracterizam-se por sua acentuada mobilidade estratégica, alto grau de sigilo, e considerável grau de risco, já que, em geral, são executadas em território hostil. Por isso vocês são militares especiais, com missões especiais”, destacou o ministro.

Ainda se dirigindo aos integrantes do COPESP, Silva e Luna falou sobre a defesa da Pátria. “O inopinado das missões exige determinação, elevados níveis de treinamento, de capacitação, de condições para atuar em terra, ar, mar, cyber espaço, corações e mentes. Vocês optaram por defender a Pátria, indo além do dever, enfrentar graves adversidades, superar os próprios limites, buscar o erro zero. E arriscar a própria vida por um bem maior. Vocês são a personificação de que o maior patrimônio do nosso Exército é a nossa gente”, disse.



O ministro Silva e Luna esteve na sala de Simulação de Tiro, onde, este ano, já foram treinadas tropas das Polícias Militares dos estados de Pernambuco, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, São Paulo, além de equipes da Polícia Federal. Em um outro momento, Silva e Luna acompanhou as atividades do Destacamento de Contraterrorismo e no Simulador de Queda Livre.

O COPESP possui parcerias com outros países como Estados Unidos, Inglaterra e Canadá.

Comando de Operações Especiais

Com sede na capital do estado de Goiás, o COPESP, atualmente, tem cerca de 900 militares. O tempo médio dos militares em missões é 150 dias.

A organização do Exército completou 61 anos e é subordinada ao Comando Militar do Planalto (CMP), e vinculado, para fins de preparo e emprego, ao Comando de Operações Terrestres (COTER).

Suas Organizações Militares orgânicas integram a Força de Ação Rápida Estratégica e apoiam as operações de todos os Comandos Militares de Área do Exército.

O COPESP é estruturado pelas seguintes unidades subordinadas: 1º Batalhão de Forças Especiais (1º BFEsp); 1º Batalhão de Ações de Comandos (1º BAC); 1º Batalhão de Operações de Apoio à Informações (1º BOAI); Batalhão de Apoio às Operações Especiais (B Ap Op Esp); Base Administrativa do Comando de Operações Especiais (B Adm C Op Esp); Companhia de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear (Cia DQBRN); e 6º Pelotão de Polícia do Exército (6º Pel PE), todas localizadas em Goiânia. E ainda conta com o Centro de Instrução de Operações Especiais (C I Op Esp), localizado no Forte Imbuy, em Niterói (RJ) e a 3ª Companhia de Forças Especiais (3ª Cia F Esp), em Manaus.

FONTE E FOTOS: MD



 

10 Comments

 

  1. 06/11/2018  23:25 by PRAEFECTUS Responder

    Um aviso ao EB,

    uma crise séria está em gestação no estado do Acre nas fronteiras com Peru e Bolívia. Há um cancro alí que necessita ser extirpado o mais rápido possível!

  2. 06/11/2018  13:29 by Amilton brito Responder

    Comecem a se mexer,pois a corrupção está no supremo,veja o exemplo do senhorzinho Gilmar Mendes,soltando bandidos,ali tem coisas,e cabeludas.

  3. 06/11/2018  13:23 by Breno Brlevis Responder

    Não vejo a hora desse uniforme mudar, hahaha... Olha esse boné, que quase não cabe.. Hahahaha.. Brincadeiras a parte, qualquer adição e melhora seja na estrutura para treinamento ou equipamentos é bem vinda!

  4. 06/11/2018  10:03 by Edy Roy Responder

    Não vejo a hora do Exército começar a PICAR FUMO em traficantes, bandidões, no MST e no MTST!!!

    • 06/11/2018  21:01 by Rafa_positron Responder

      Vc não tem oq fazer não?
      Quer ver o exercito matando seu próprio povo só pq o MST não segue o padrão "Bolsonaro" de pensamento?

      Manda o EB picar fumo nas Igrejas..... La sim tem verdadeiros estelionatários da fé alheia!

      • 07/11/2018  16:43 by Vitão Responder

        O MST não segue padrão nenhum...

      • 09/11/2018  0:17 by Gonçalo Jr. Responder

        Bandidos não fazem parte do povo. Bandidos são a escória da sociedade. O MST e outros não passam de estruturas orgânicas que representam o que há de pior numa sociedade que é a submissão total a uma ideologia fracassada e anacrônica e que não deu certo em lugar nenhum no mundo, levando milhões à morte, ao sofrimento e à miséria. Quanto às igrejas, vai quem quer e usa o seu dinheiro como bem entender. Um dos pilares da democracia, quer queira quer não queira é a liberdade de confessar a sua Fé. Ou não. FFAAs para "picar fumo" em igrejas? Pensamento medíocre.

  5. 06/11/2018  3:47 by Jorge Olavo Responder

    Não vejo a hora de todas as tropas especiais serem integradas a um único comando...

    • 07/11/2018  16:28 by Topol Responder

      Já estão ... ao Pentágono

      • 07/11/2018  16:41 by Vitão Responder

        Com certeza se estivessem junto ao Pentágono, seria uma das melhores do mundo, os equipamentos, treinamento e experiencia são otimos! Deite, vire e conforme-se com sua choradeia!

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.