O Exército Brasileiro dando prosseguimento ao seu programa de modernização de sua Artilharia, após a chegada dos obuseiros auto-propulsados M109-A5, irá receber em breve os canhões 105mm Light gun e o canhão M198 Howitzer de 155mm, um avanço significativo para a nossa Artilharia.

No vídeo acima, o Gen Ex Juarez Aparecido de Paula Cunha, Chefe do Departamento de Ciência e Tecnologia do Exército, informa sobre a chegada dos novos canhões.



 

34 Comments

 

  1. 18/04/2018  12:33 by Luiz Maria Responder

    Bom dia Luiz Padilha,

    Primeiramente, muito obrigado para essas informaçoes. Eu tenho algumas perguntas em relaçao delas :
    - Esses materiais vem do exército EUA ? Sao da segunda mao ?
    - Qual é o modelo dos canhoes de 105mm ?

    Muito obrigado,

    • 18/04/2018  15:01 by Agnelo Moreira Responder

      Prezado
      Se me permite no lugar do Padilha.
      Vem dos EUA de 2a mão.
      M-198 de 155m.
      Sds

      • 18/04/2018  16:48 by Luiz Maria Responder

        Muito obrigado para a sua reposta. Você conhece o modelo dos canhoes de 105mm ? So o modelo dos 155mm sao especificados.

        • 18/04/2018  22:11 by Luiz Padilha Responder

          L-118 Light gun inglês. BAE Systems

  2. 17/04/2018  10:11 by jose luiz esposito Responder

    Os M 114 A 2 ainda são Válidos , chegaram na década de 80 .

  3. 17/04/2018  1:55 by Mf Responder

    Atualmente temos 94 M114 e uns 200 M-101 para serem substituídos em 15 grupos de artilharia de campanha, obuses do tempo da segunda guerra mundial! Esta compra é pra ontem.

  4. 17/04/2018  1:51 by Mf Responder

    Parabéns ao EB, fazendo o melhor que pode sempre.

    Apesar dos pesares continuamos andando pra frente.

    O mimimi dos pessimistas e dos amantes de Cuba e Venezuela da pena!

    • 18/04/2018  9:48 by Marujo Responder

      Eu sou amante de Cuba e da Venezuela e sempre desejei que as nossas FAs fossem equipadas a altura de suas responsabilidades constitucionais. Não há incompatibilidade nisso,

      • 18/04/2018  13:59 by Teropode Responder

        Ahhhj, mais há muita incompatibilidade sim , amar 2 ditaduras que impõe uma condição subhumana a seu povo , isso é ser masoquista , se Cuba fizesse fronteira seca com outro país lá estaria vazia ,kkkk, só os muros poderiam evitar a fuga em massa , portanto : Não creio que pessoas deste naipe saibam oque é bom para o Brasil, respeito a opinião mas vc tá errado !

  5. 16/04/2018  22:47 by Esteves Responder

    O DAN publica. Mas não explica.

    Publicação de patrulhas ingleses. O pessoal quer dezenas. Não vem nada. Publicação de anfíbios turcos. O pessoal quer vários. Não vem nada. Obuseiros, chegarão dezenas. Tamandarés, talvez 4. Subs, somente o Riachuelo. Sub nuclear, tá acabando a grana e ainda estamos em abril.

    Fuzis, nada de milhões. Blindados, só de segunda mão. Esse país é muuuito grande. Não temos PIB pra comprar o que os olhos veem. Nossos meios navais e nosso Urso tem mais de 40 anos. 40.

    O DAN publicou entrevista com o General Silva e Luna. O Ministério da Defesa não existe. É de mentirinha. Tem que construir do chão.

    Não somos europeus. Nem norte americanos que encomendam patrulhas de 700 milhões de dólares. Nem chineses que aprenderam a construir porta-aviões em 5 anos. Aliás não há estaleiros para vasos de 30 mil toneladas no Brasil. A França têm unzinho só em sociedade com a Ficantieri.

    Agradecemos tudo que chega. Novo ou usado. A gente ia aprender a fabricar motor diesel nos anos 1960 com a FNM, mas a Alfa Romeo decidiu romper o negócio e até hoje compramos MWM e MTU de alemães.

    Venha de onde vier a gente quer. Pagamos parcelado. Mas não temos grana pra comprar essas coisas que o DAN publica.

    • 17/04/2018  1:57 by Mf Responder

      Blindados só de segunda mão ? Já temos 300 Guarani novos entregues e outros 60 nas instalações da IVECO a serem entregues ainda este ano, deu de choro , desinformado.

  6. 16/04/2018  22:16 by Ivan BC Responder

    Essa aliança Brasil-USA é excelente...ótimos equipamento, com qualidade e manutenção barata. O porta-helicópteros OCEAN e navio multipropósito Sirocco da França (atual Bahia) também foram ótimas aquisições.

  7. 16/04/2018  21:21 by Esteves Responder

    Vamos de compras de oportunidade. No money. País quebrado, Armas sem grana.

  8. 16/04/2018  20:38 by Ricardo Santos Responder

    ué? Não tem grana? Teve grana prá trazer 52 blindados M-113, M-557 e M-88, teve grana prá adquirir 100 obuseiros M-109 A5 e reformar 32 deles, teve grana prá trazer 40 blindados M-992, teve grana prá adquirir 4 C-23B todos via FMS, teve gtana prá adquirir um novos lotes de Iglas e RBS 70 NG, teve grana prá adquirir baterias de ASTROS 2020! Tudo isso nos últimos anos. Não vai ter grana prá trazer um canhão fora de linha, estocado como excedente (apesar de suas excelentes qualidades e que foi substituído pelo excelente M-777), prá substituir peças de museu do tempo da Segunda Guerra Mundial e da Guerra do Vietnã?

    • 16/04/2018  21:24 by Flanker Responder

      Não entendi o que você quis dizer quanto a não ter grana. Os M198 vão vir. Estão sendo negociados. Falta sabermos quantos serão adquiridos, ao menos num primeiro momento. Inicialmente, acredito que não será um número suficiente para substituir todos os M114. Talvez um terço desses, ou pouco mais. E penso que os M114 que forem substituídos serão remanejados para Unidades que hoje operam os M101. O que importa mesmo, é que com tudo isso, o EB terá uma importantíssima remodelação e reequipamento de sua artilharia AP e AR.

  9. 16/04/2018  17:34 by mauricio matos Responder

    Até que fim nossos obuseiros são da época da guerra do Vietnã o Chile já usa esse obuseiro.

  10. 16/04/2018  16:10 by Teropode Responder

    Muito bom , o EB fortalece sua capacidade de barragem e um segundo garante um aumento na sua capacidade de apoio de fogo , para um cenário sul-americano da de bom tamanho , a enorme fronteira seca precisa certamente de mais BARRAGISTAS , sorte ter vizinhos com pífia capacidade de penetração aerea , mas não custa manter uma cobertura anti-aerea mais robusta , mais Guepards !

  11. 16/04/2018  14:08 by Gilberto Rezende Responder

    Que maravilha, parabéns EB, que comprem muuuuuitos M198!!!!!!!!!!!!!!!! Dezenas...Centenas... Nossa, excelente notícia, teremos um canhão de primeiríssimo mundo, mais uma vez parabéns!

  12. 16/04/2018  11:47 by Marujo Responder

    Padilha, você ouviu falar em números? Arriscaria um palpite?

    • 16/04/2018  12:14 by Luiz Padilha Responder

      Infelizmente não.

  13. 16/04/2018  8:43 by FERNANDO Responder

    kkkkkkkkkkkkk
    EL EB, vai adquirir este baitaaaa canhonnn
    É bom, mas, na realidade pq será que não produzimos aqui mesmo ne??

    • 16/04/2018  11:25 by Piadista Responder

      Tu é um piadista ou quis fazer graça de 'graça'?

  14. 16/04/2018  0:46 by Ricardo Santos Responder

    Tínhamos, até pouco tempo, um número pequeno (37) de obuseiros M-109 de 155mm e 72 obuseiros M-108 e o EB adquiriu um número muito maior de M-109 A5! Hoje temos 92 M-114 de 155mm e cerca de 320 M-101 (fora os M-56, L-118 e M-102).Serão adquiridos M-119 em maior número, a exemplo do que aconteceu com os auto-propulsados? Estes light gun substituirão só os M-101 ou também os L-118 já existentes na FT? E, indo mais além, terá o MD tem planos de padronização para os obuseiros utilizados com o CFN em relação ao EB?

  15. 15/04/2018  21:57 by Esteves Responder

    Parando por aqui. Não tem orçamento pra comprar centenas de nada. Não tem grana nem pra pensar em urgência.

    A vida é dura.

  16. 15/04/2018  20:20 by Fabio de Gomes Responder

    Que venham as centenas. Me disseram em um outro comentário meu que a munição do L-118 não é compatível com o L-119 (versão americana).
    Se for verdade, tem que se pensar numa solução para isso, uma vez que o EB e o Fuzilieros possuem o L-118.

  17. 15/04/2018  20:02 by Larri Gonçalves Responder

    Ótima aquisição para a artilharia de campanha AR e AP, mas acho que em termos de artilharia me preocupa muito a ausência de defesa anti-aérea de médio e longo alcance, mesmo que seja de competência da FAB, e também que seja muito caro adquirir e manter AAeé de médio e longo alcance, mas deveria ser prioridade do ministério da defesa, basta ver o que aconteceu agora com a Síria, somente uma AAeé deste naipe (médio e longo alcance) é que poderia oferecer alguma resistência em caso de ataque de aeronaves dotadas de misseis e bombas planadoras stand off, assim como mísseis de cruzeiro ou balísticos, há que se pensar nisto com urgência no Ministério da defesa.

  18. 15/04/2018  19:39 by Esteves Responder

    Esse M198 é obuseiro de gente grande. Acho que o EB só pode defender até 5 mil metros de altitude. Mais que isso é com a FAB.

  19. 15/04/2018  18:12 by marcio alves Responder

    Espero que em breve o EB adquira um sistema anti-aéreo de médio alcance e poderia ser o Buk-M3 que os russos já estão oferecendo a versão de exportação Viking cujo o alcance é de 70 km contra alvos voando a altitudes de 15 metros a 35 km de altitude e pode engajar 6 alvos ao mesmo tempo.

    • 15/04/2018  19:15 by Luiz Padilha Responder

      Marcio, quem pode ter esse sistema anti-aéreo é a FAB. O EB só pode ir até RBS70 NG e IGLA. Infelizmente.

      • 15/04/2018  19:57 by marcio alves Responder

        Não sabia dessa limitação do EB. Obrigado pela informação Luiz Padilha, abraço

      • 16/04/2018  1:02 by Antônio Carlos Alocer Responder

        Luiz Padilha,
        Poderia detalhar em que sentido é essa limitação do EB?
        Grato.

        • 16/04/2018  11:56 by willhorv Responder

          Acredito que, em algum momento longínquo, em uma conversa de caserna entre brigadeiros, almirantes e generais se definiu isso, para não ter briguinhas e ciúmes de um perante o outro.
          Isso esta na hora de ser revisto, modernizado e colocado em prática com o que se tem de mais moderno e capaz. Chega de mimimi...

        • 16/04/2018  12:10 by Luiz Padilha Responder

          A limitação é com relação a altitude. Acima de 10.000 metros é com a FAB.

          • 16/04/2018  13:49 by Gilberto Rezende Responder

            Isto é uma questão burocrática militar que só cabe num país como o Brasil que não está diretamente envolvido em conflito e está numa região geopolítica sem "HOTSPOTS". Só em tempo de paz...

            Operativamente é uma asneira sem limite...

            Nem toda operação do Exército teremos cobertura antiaérea da Força Aérea acima de 10.000m. Aliás a rigor NUNCA.

            Num embate real é só atacar o EB com armas que ataquem acima de 10.000 m a FAB nunca vai chegar a tempo...

            Patético, mas é justificável orçamentariamente...

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.