O ‘Fantasma de Kiev’ nunca existiu, afirma a Força Aérea ucraniana

0
compartilhamentos
673
acessos
Chinese (Traditional)DutchEnglishFrenchGermanItalianJapanesePortugueseRussianSpanish

Por Lateshia Beachum

O “Fantasma de Kiev”( The Ghost of Kiev).

É assim que os admiradores chamam um piloto de caça ucraniano que teria derrubado 40 aviões inimigos. No fim de semana, autoridades ucranianas admitiram que o fantasma, de fato, nunca existiu.

“O Fantasma de Kiev é uma lenda de super-herói cujo personagem foi criado por ucranianos”, disse a Força Aérea da Ucrânia no sábado, confirmando que tudo não passava de uma criação de mitos.

A notícia veio dois dias depois que o Times de Londres identificou o fantasma como o major Stepan Tarabalka, um piloto que morreu em 13 de março em uma batalha aérea com as forças russas.

O Fantasma de Kiev é uma das peças de propaganda mais bem-sucedidas que promovem as proezas das forças de combate do país e levantam o moral. Embora as autoridades ucranianas e o ex-presidente Petro Poroshenko tenham promovido o mito, a Força Aérea alertou as pessoas para não “negligenciarem as regras básicas de informação” e “verificarem as fontes de informação antes de divulgá-la”.

Imagem de um piloto ucraniano, que fontes afirmavam ser o The Ghost of Kiev

A Ucrânia e a Rússia têm espalhado propaganda durante a guerra, com a Ucrânia se concentrando em corações e mentes internamente e em todo o Ocidente. Funcionários do governo no país invadido compartilham eventos do dia-a-dia, operações e vitórias no Twitter, Telegram e Facebook. As plataformas de mídia social têm lutado para acompanhar informações duvidosas e que se espalham rapidamente, engajando-se na verificação de fatos que às vezes vai além de suas próprias políticas ou as contradiz, informou o Washington Post.

À medida que a invasão da Ucrânia pela Rússia se aproxima de 2 meses e meio de derramamento de sangue, as mensagens fabricadas pelas nações não têm o mesmo peso, disseram estudiosos da propaganda ao The Post.

A força aérea ucraniana disse no Instagram que as imagens do fantasma nas redes sociais são “uma imagem coletiva dos pilotos da 40ª Brigada de Aviação Tática da Força Aérea, que protege o céu da capital”, e que “aparecem de repente onde não são esperados.” Isso não impediu que o mito fosse promovido e capitalizado.

MiG-29, o modelo que seria usado por Ghost of Kiev. Foto: Sergei Supinsky / AFP

O fabricante de modelos ucraniano ICM Plastic Model Kits usou o fantasma para promover seus produtos e alertou os russos contra comentários em seu post sobre o piloto derrubando 30 “aviões dos invasores”.

Dias de guerra, o Serviço de Segurança da Ucrânia afirmou que o fantasma havia derrubado 10 aviões inimigos, protegendo os ucranianos. Desde então, o Facebook sinalizou a postagem como falsa.

Com o mistério da aviação agora desmascarado, não está claro por que os líderes ucranianos decidiram confessar que o amado piloto foi falsamente promovido como uma pessoa real.

Adam G. Klein, professor associado de estudos de comunicação no campus da Pace University em Nova York, disse que é importante perceber que soldados e cidadãos ucranianos estão lutando contra um exército russo oito vezes maior.

“Talvez [os líderes ucranianos] quisessem reconhecer a identidade e a bravura do verdadeiro piloto de caça que se acreditava ser o Fantasma de Kiev e foi morto recentemente em batalha”, disse ele, abordando o motivo por trás da revelação. “Talvez a lenda que eles criaram não fosse mais necessária. Mas suspeito que em algum momento se torne mais valioso lembrar a esses pilotos ucranianos que esse feito não é obra de mitos ou super-heróis, mas sim a realidade de pilotos ucranianos reais que defenderam seus céus juntos.”

Também é possível que as autoridades tenham recebido críticas por continuar a farsa e quisessem deixar as coisas claras, disse Samuel C. Woolley, professor assistente da Escola de Jornalismo e Informação da Universidade do Texas em Austin. E, disse ele, o uso da propaganda nem sempre é tão sinistro quanto as emoções que a palavra evoca.

Woolley observou que a palavra “propaganda” foi esticada para ser quase irreconhecível desde quando a Igreja Católica usou o método para espalhar a religião no Novo Mundo, até um uso mais moderno que inclui denúncia de oponentes políticos.

“O significado técnico é uma informação politicamente tendenciosa que é divulgada com a intenção de influenciar a opinião pública ou a ação da sociedade”, disse ele. “A propaganda não é nem boa nem ruim. Sim, é usado para controle, mas a questão é: os ucranianos estão usando nesta circunstância para unir o país enquanto está sendo atacado por um regime autoritário?”

O Fantasma de Kiev provavelmente era uma figura encorajadora semelhante a Rosie, a Rebitadeira da Segunda Guerra Mundial ou Tio Sam, disse Woolley, personagens criados para influenciar o público a apoiar a guerra e convocar sentimentos de patriotismo.

“A comparação é uma tentativa de elevar o moral entre os países que lutam contra um líder déspota tentando usá-lo para controlar a mídia e incutir medo em sua própria população para fazer as coisas que ele precisa fazer.” ele disse.

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: DAN

FONTE: The Washington Post

Notícias Relacionadas 

Próxima Notícia

Comentários 5

  1. Filipe M. says:

    Aff, então não é verdade que ele derrubou 4 Su-35 russos usando apenas sua pistola Makarov?? (ironia)

  2. Romario silveira says:

    Único fantasma que eu conheço de fato é o orçamento militar brasileiro. Quase 120 bi evaporado anualmente. Um verdade espírito orçamentário hahahhaha ninguém viu, ninguém vê…

  3. HMS TIRELESS says:

    Com mitos como o fantasma de Kiev ou nao o fato e que a invasao da Ucrania esta custando muito caro ao m@fioso do Kremlin

  4. ERNANDO says:

    Pequeno dia para o Hoje no Mundo Militar e para a imprensa ocidental em geral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.







Publicações DAN