F-16-Venez

exclusivoEnquanto que do lado de fora acontecia a CRUZEX Flight 2013, com os Mirages 2000 da FAB e os F-16 norte-americanos, chilenos e venezuelanos, que rasgavam os céus de Natal no dia 12 de novembro, o Defesa Aérea & Naval era recebido pelo Ten. Humberto (CECOMSAER), para uma entrevista com o Coronel Ruben Sanabria Contreras, Chefe do Estado-Maior da Delegação Venezuelana e, que você leitor do DAN, confere agora mais esta matéria exclusiva na CRUZEX:

Cel-Ruben-SANABRIA-Contreras-FAVDefesa Aérea & Naval: Como operador da aeronave F-16 há 30 anos e, observando quanto a disponibilidade de seus caças, gostaríamos de saber se a Venezuela ainda recebe sobressalentes dos EUA para os seus F-16 e se existem planos para modernização dos mesmos?

Coronel Ruben Sanabria Contreras: Não, devido ao embargo dos EUA e não temos planos de modernizá-los pelo mesmo motivo.

DAN: Como estão fazendo então para manter os F-16 em condições de voo?

Cel.Sanabria: A manutenção é feita por conta própria, por técnicos da nossa Força Aérea.

DAN: Alguma empresa local está dando algum suporte ou produzindo peças para estas aeronaves?

Cel.Sanabria: Não, tudo é feito por nossos técnicos militares com auxílio de Universidades e com total apoio do Estado.

DAN: Quanto tempo mais é esperado que o F-16 continue em operação na Venezuela? Existem planos para um substituto e qual seria o possível candidato?

Cel.Sanabria: Ainda não temos um substituto definido e esperamos voar por pelo menos mais cinco anos porém, se não conseguirmos peças, teremos que substituí-los após esse período. Temos estudos acerca dos substitutos do F-16, são eles: O J-10 Chinês, o SU-35 Russo e o Rafalle Francês.

DAN: A manutenção de outras aeronaves de origem norte americana, como C-130 e o KC-137, seguem o mesmo processo dos F-16?

Cel.Sanabria: Sim, da mesma forma, com muito esforço e dedicação de nossos técnicos militares.

DAN: Há algum estudo para substituí-los também?

Cel.Sanabria: Há um esforço do governo em atualizar as nossas forças armadas e, no caso da Força Aérea, já temos recebido alguns cargueiros (Y-8) e há estudos preliminares para a substituição dos reabastecedores.

DAN: O KC-390 da Embraer seria um candidato à substituição dos reabastecedores?

Cel.Sanabria: Bom, a nova aeronave da Embraer? Ainda não há indicação neste sentido.

DAN: Como é operar hoje com os F-16 americanos, lado a lado com uma aeronave como o Su-30 russos?

Cel.Sanabria: Há uma diferença de plataforma e, como todo vetor novo, há o período da adaptação e não é diferente com o equipamento russo.

Nosso colaborador Emídio durante a descontraída entrevista com o Cel. Sanabria

Nosso colaborador Emídio durante a descontraída entrevista com o Cel. Sanabria

DAN: Com relação à CRUZEX Flight 2013, como está sendo treinar com tantas Forças Aéreas?

Cel.Sanabria: A Venezuela tem experiência de outros exercícios mas, cada um tem as suas particularidades. No caso da CRUZEX Flight 2013, o que podemos dizer é que estamos atingindo todos os objetivos planejados e sem nenhum problema técnico. Temos também que elogiar o total suporte que estamos recebendo da FAB. Este tipo de exercício só fortalece as relações entre as Forças Aéreas do Brasil e da Venezuela.

DAN: Vocês também estão treinando REVO nesse exercício?

Cel.Sanabria: Não, nesta CRUZEX não.

DAN: Como está sendo voar lado a lado com a USAF, ambos com aeronaves F-16, uma vez que existe o embargo já citado pelo senhor?

Cel.Sanabria: Não há diferenças entre nenhuma das Forças Aéreas participantes do exercício e cada uma vem cumprindo as suas funções e missões conforme o planejado. Se há alguma divergência política entre os Estados Unidos e a Venezuela, isto não se reflete em nenhum momento nas Forças Aéreas participantes da CRUZEX Flight 2013.

DAN: Que lições vocês esperam tirar de um exercício como a CRUZEX?

Cel.Sanabria: Esperamos poder determinar o padrão de emprego em que se encontram as forças aéreas e a posição da Força Aérea venezuelana, e isto tem atendido às nossas expectativas.

Pintura comemorativa dos 30 anos do Grupo de Caza 16

Pintura comemorativa dos 30 anos do Grupo de Caza 16

DAN: Temos visto que a Venezuela apresentou nas últimas edições das CRUZEX que participou, belíssimas pinturas comemorativas nas derivas de alguns de seus F-16 (em 2008 comemorando 25 anos e 2013 comemorando 30 anos), isso é uma tradição?

Cel.Sanabria: É sim uma tradição do nosso Grupo. Nós fazemos estas pinturas em comemoração aos aniversários do nosso Esquadrão, denominado “Grupo de Caza 16”. O grupo foi criado em agosto de 1983, especialmente para receber os caças F-16. Nesta CRUZEX, o F-16 que está adornado com a pintura comemorativa dos 30 anos, foi o primeiro que recebemos, isto ocorreu em 16 de novembro de 1983.

DAN: Poderemos esperar para a próxima CRUZEX a Venezuela participando com seus SU-30?

Cel.Sanabria: Bom (longo sorriso), é uma opção que temos mas, não há como garantir isto.

DAN: Finalizando, no caso do Defesa Aérea & Naval for a Venezuela, poderíamos agendar uma visita ao Grupo de Caza 16 e fazer uma matéria com vocês?

Cel.Sanabria: Isto é algo que podemos combinar, basta fazer o contato previamente e verificaremos esta possibilidade.

NOTA DO EDITOR: Agradecemos ao Coronel Sanabria que nos atendeu com muita atenção e simpatia, que ainda presenteou o nosso colaborador com a bolacha comemorativa que usava em seu macacão. Agradecemos também o total apoio do CECOMSAER, na pessoa do Ten Humberto, que não poupou esforços para atender a solicitação do DAN e para que esta entrevista também pudesse ser realizada.