Por Luiz Padilha

Nesta 3ª parte da visita do DAN ao March Field Air Museum, vamos mostrar mais aeronaves icônicas e um passeio pelas aeronaves de asas rotativas da “Fire Base Romeo Charlie”, uma réplica de uma base no Vietnã.



Boeing KC-135A Stratotanker

Com base na estrutura do Boeing 707, o KC-135 foi o primeiro avião de reabastecimento em voo totalmente movido a jato. C-135 serviu como Air Force One e outras unidades foram modificadas para guerra eletrônica, reconhecimento aéreo e comando aéreo.

Nesta versão de reabastecimento aéreo, o combustível é transportado em seis tanques nas asas e quatro na fuselagem. Todos, com exceção de 1.000 galões, podem ser bombeados através do Flying Boom (lança extensível) na parte traseira da aeronave para as aeronaves receptoras em espera. Oitenta soldados ou 25 toneladas de carga também podem ser transportados na fuselagem principal. Dezessete KC-135 foram equipados como aeronaves “Looking Glass” para o Comando Aéreo Estratégico. Os KC-135 da Reserva da Força Aérea e da Guarda Aérea Nacional, foram equipados com motores turbofan Pratt e Whitney TF-33 no início dos anos 80 e foram designados modelos “E”.

          

A partir de meados dos anos 80,  os KC-135 ativos foram equipados com turbofans CFM International CFM-56, sendo designados modelos “R”. O KC-135A do museu, número de série 55-3130, batizado de “Old Grandad”, foi o décimo terceiro KC-135 fabricado e entregue à Força Aérea em agosto de 1957. Durante seus 35 anos de carreira, ela reabasteceu milhares de aeronaves de combate no Vietnã e Tempestade no Deserto. Aposentado como o KC-135 mais velho da frota quando chegou de Carswell AFB, TX, fez seu último voo de Carswell AFB para a March AFB em dezembro de 1992. Ele tinha um total de 14.107,5 horas de vôo. Esta aeronave está no museu sob empréstimo da USAF.

Lockheed C-141B Starlifter

O Lockheed C-141 Starlifter esteve no srviço ativo por mais de quarenta anos, operando das selvas do Vietnã aos desertos do Golfo Pérsico, sendo o primeiro avião de carga pesada movido a jato da USAF, recebendo o título de  Americas airlift workhorse. O C-141 foi projetado para ser um transporte estratégico e tático rápido e de longo alcance, capaz de transportar 60.000 libras de carga por 3.500 milhas, mantendo a capacidade de velocidade lenta para lançar pára-quedistas e carga durante o voo.

O C-141 entrou em serviço em outubro de 1964, em menos de sete meses, esquadrões de C-141 iniciaram voos quase diários para o sudeste da Ásia, transportando tropas, equipamentos, suprimentos, feridos e, em 1973, a Operação Homecoming, repatriando prisioneiros de guerra libertados. Em abril de 1975, os C-141 transportaram por via aérea o último pessoal americano remanescente de Saigon para as forças norte-vietnamitas.

Nos anos seguintes, os Starlifters abasteceram as forças dos EUA em todo o mundo, auxiliando nos esforços humanitários e conflitos militares em Granada, no Panamá e fornecendo apoio às forças israelenses durante vários surtos no Oriente Médio. No primeiro semestre de 1990, os C-141B com extensões de fuselagem de 23 pés que permitiam uma capacidade de carga aumentada de 13 paletes, 205 tropas, 168 paraquedistas totalmente carregados ou 103 macas para feridos e equipados com uma capacidade de reabastecimento aéreo atuaram na Operação Escudo do Deserto. Em um impulso estratégico de airlift, os C-141Bs desembarcaram na Arábia Saudita a uma taxa espantosa de um a cada sete minutos. O último C-141 deixou o inventário dos EUA em 2006 substituído por uma nova geração de transporte aéreo global, o C-17 Globemaster III. O Starlifter C-141B do museu s/n 65-0257, atualmente emprestado pelo Museu Nacional dos EUA, o “Spirit of the Inland Empire”, entrou em serviço ativo em 1966. Depois de completar as 44.130 horas de vôo, O 65-0257 se aposentou e atravessou a pista para o March Field Air Museum em 10 de novembro de 1999.

Grumman HU-16E Albatross

Construído de acordo com as especificações da US Navy, o “Albatross” serviu com a Força Aérea dos Estados Unidos, com a Marinha, com a Guarda Costeira e numerosas forças aéreas aliadas. Usados ​​quase exclusivamente para Busca e Resgate (SAR), eles desempenharam um papel importante tanto na Coréia quanto no Vietnã ao resgatar aviadores abatidos. No serviço da Guarda Costeira dos Estados Unidos, o SA-16 voou missões de busca e resgate de longa distância sobre o mar. Capaz de realizar desde vigilância do fluxo de gelo no Atlântico Norte até patrulhas anti-transporte/alfandegárias no Pacífico, o “Albatross” é um anfíbio muito versátil. O Albatross do museu, s/n 1293, era um HU-16E e foi usado pela Guarda Costeira dos EUA pela última vez com as marcas “Cape Cod”.

A aeronave ficou armazenada por cerca de dez anos, quando, após quatro dias de reparo, voou para nosso museu em 1981 com a ajuda do Sr. Dave Tallichet, fundador da Military Aircraft Restoration Company (MARC). Steve Sullivan era piloto da Guarda Costeira e pilotou nosso HU-16E em Cape Cod e no Corpus Cristi. Em 6 de novembro de 1981, ele voou em nosso Albatross em seu último vôo aqui no March Field Air Museum. Ele doou um manual de voo do HU16, procedimentos de emergência e outros manuais, fotos e uma bela carta agradecendo ao museu pelo ótimo trabalho.

Lockheed R50-5 Lodestar

Este venerável cavalo de batalha da Lockheed foi originalmente construído como um Lockheed Model 18, um avião civil de 17 passageiros. No final de 1941, quando os Estados Unidos entraram na guerra, todos os “Lodestars” que voavam com os militares dos Estados Unidos eram ex-aviões de passageiros recrutados em serviço. Essas aeronaves receberam diferentes designações numéricas, dependendo do tipo de motor. Em meados de 1942, a Lockheed introduziu a variante C-60 do “Lodestar”.

Projetado especificamente para uso militar, o C-60 era usado como transporte de tropa e de carga, voava como patrulha anti-submarino e desempenhava tarefas de Busca e Resgate. O “Lodestar” do museu s/n 43-3538, foi construído para a Marinha dos EUA em 1942, como um modelo R50-5 (designação da Marinha dos EUA para a Força Aérea do Exército C-60). Depois da guerra, foi convertido para uso civil. Usado principalmente como transporte executivo, o R50-5, BUNO 12473, voou para o March Field Air Museum em 1983, desde Castle AFB, CA.

Fairchild C-123K Provider

O C-123 foi projetado para voar a partir de pistas curtas e despreparadas e incorporou uma rampa traseira para saltos de pára-quedas, lançamento de cargas com pára-quedas por arrasto. O avião poderia transportar a maioria dos veículos com rodas do exército e obuseiros. O C-123 foi usado extensivamente no Vietnã como o principal agente pulverizador de desfolhante do Agente Laranja. Um C-123 modificado serviu como transporte executivo do general William Westmoreland.

O C-123K é a versão de transporte de tropas do “Provider”. O C-123 do museu foi originalmente construído como um modelo B, s/n 54-612, fabricado pela Fairchild Aircraft, Hagerstown, MD, e foi entregue à Força Aérea em 20 de dezembro de 1955 em Ardmore AFB, OK. Esta aeronave foi pilotada por 10 unidades diferentes atribuídas ao Comando Aéreo Tático, Reserva da Força Aérea, e um período de dois anos com a USAFE em Dreux AB, França, bem como nove meses em Leopoldville AP, Congo, até 1965. O 54-612 foi convertido de um modelo B para um modelo K em 1967. Em 1998, o avião foi restaurado e pintado nas marcas que usava quando foi designado para a 1ª Ala de Operações Especiais, Eglin AFB, FL.

Convair C-131D Samaritan

O C-131 era uma versão de transporte militar do Convair-Liner 240 construído pela General Dynamics. Foi a primeira aeronave de transporte de motor duplo pressurizado encomendado pelo Serviço de Transporte Aéreo Militar. A versão T-29 desta aeronave foi usada para treinar tripulações de bombardeiros, navegadores e oficiais de guerra eletrônica. O C-131 do museu é um modelo D, s/n 54-2808, fabricado pela Consolidated-Vultee, San Diego, CA, e entregue à Força Aérea em 19 de outubro de 1954. Esta aeronave fez seu último voo de Jacksonville-FL para o March Field Air Museum em 1989 se aposentando oficialmente do serviço da USAF com um total de 17.892,6 horas de voo.

PZL Mielec AN-2 Colt

“Anushka” (“Annie”), como é conhecida pelos pilotos russos, foi projetada logo após a Segunda Guerra Mundial, segundo as especificações do Ministério da Agricultura e Florestas da URSS, para servir como um avião de longo alcance para apoiar guardas florestais em seus postos avançados e monitorar os vastos recursos das florestas siberianas. Os An-2 entraram em produção em 1947 e provaram tão capazes que eles foram quase que imediatamente adaptados pelos militares como um transporte leve.  Mais de 5.000 foram construídos na Rússia até 1960, quando a produção da aeronave foi transferida para a Polônia. A produção continuou lá, sem mudanças significativas no design, até 1992, quando o último grande contrato foi concluído.

Estima-se que mais de 15.000 foram construídos na Polônia em seis variantes diferentes. Estes foram enviados em quantidade para quase todos os países da Europa Oriental e todos os aliados russos do mundo durante a Guerra Fria. O avião continua em produção sob licença na China. Em 7 de outubro de 2000, a aeronave An-2 acima, modelo ANATDSR-IR-16550 1975, foi fornecida ao museu por Mike Alex, um voluntário de longa data e apoiador do March Field Air Museum. Ela fora obtida de uma pequena cidade no México, Ejido Tierra y Libertad, da Bahia de Los Angeles-BC, que se tornou dona depois de ter sido abandonada lá por muitos anos.

Lockheed T-33A Shooting Star

O T-33A “Shooting Star” foi lançado em 1952 como uma evolução do  caça F-80C. A fuselagem do F-80C foi alongada para acomodar um segundo piloto sentado em tandem. A fuselagem do F-80 foi estendida de 38 polegadas e um segundo assento foi adicionado sob o dossel alongado para se tornar o treinador T-33A.

O T-33A do museu, s/n 58-0513, foi entregue à USAF em 1958 e voou pela última vez com o 84º Fighter Interceptor Training Squadron (FITS) baseado na Base Aérea de Castle, CA. O 84º FITS voou com seus T-33s equipados para o treinamento de Medidas Eletrônicas de Contenção (ECM) e no papel de alvo do Comando de Defesa Aérea da América do Norte (NORAD).

North American SNJ-4 Texan

O SNJ-4 da North American é a versão da Marinha dos Estados Unidos do venerável AT-6 “Texan”. O monoplano monomotor em tandem foi desenvolvido como uma modificação de projeto da aeronave de treinamento básico BT-9 adotada pela primeira vez pela Força Aérea do Exército dos Estados Unidos em 1935.

O SNJ-4 Bureau Number 51360 foi entregue na Naval Air Station Pensacola, FL em 1943. A aeronave serviu na Flórida e no NAS Glenview, Illinois antes de retornar a Pensacola para se aposentar em 1957 com 5.833 horas. Por empréstimo do Museu Nacional da Força Aérea dos EUA, o 51360 chegou ao March Field Air Museum em 1982 com 5.883 horas. Em 2013, a equipe do museu e voluntários pintaram o SNJ-4 51360 para as marcações da Marinha dos EUA da Segunda Guerra Mundial de sua primeira missão no NAS Pensacola.

Vultee BT-13 Valiant

O BT-13A Valiant surgiu em resposta a uma necessidade da USAAF de uma aeronave de treinamento de segunda fase. O projeto da Vultee Aircraft Inc. combinou um monoplano de metal de cabine fechada com superfície de controle de tecido e um potente motor radial Pratt & Whitney R-985 Wasp de 450 hp com uma hélice de passo variável e flaps. Devido à sua propensão a tremer, os cadetes da aviação o apelidaram de “Vibrador”. O Valiant provou ser uma excelente escolha para introduzir pilotos incipientes a manobras básicas de voo.

Durante a guerra, mais de 11.500 BT-13A e suas variantes foram produzidos. O BT-13A do museu s/n 41-21487, foi fabricado pela Vultee Aircraft Inc., Downey, CA, e recebido pela USAAF em 8 de junho de 1941. Foi atribuído à Escola Básica de Pilotos da Cochran AAF, Macon GA. Encostada em 1943, a aeronave foi descartada como excedente em 25 de setembro de 1943, com 1.553 horas de voo. O museu recebeu a aeronave em outubro de 1980.

Vultee BT-13A – Japanese Aichi D3A “Val”

Este Vultee BT-13A s/n 41-1306 foi equipado com pontas de asas estendidas, freios de mergulho simulados, carenagens de trem de pouso e um estabilizador vertical reformulado, para representar um bombardeiro de mergulho tipo 99 Aichi D-3A1 “Val” da Marinha Imperial Japonesa no filme ganhador do Oscar de 1970, “Tora, Tora, Tora”.

Os “Val’s” carregam a distinção de terem soltado a primeira bomba em Pearl Harbor durante o ataque surpresa de 7 de dezembro de 1941 e de ter afundado mais navios aliados do que qualquer outro avião durante o Segunda Guerra Mundial.

       

Cessna O-2B Skymaster

O Cessna 0-2B Skymaster s/n 67-21465, foi entregue à USAF em 18 de janeiro de 1967. Foi o 26º 0-2B da linha de montagem de apenas 31 produzidos. O 67-21465 foi usado para operações de guerra psicológica, lançando folhetos com muitas mensagens diferentes, algumas instruções, mas principalmente avisos de impedimento de vôos de desfolhamento ou exortações às tropas inimigas a deporem suas armas no Vietnã. Particularmente eficazes, os O-2 envolvidos em operações de guerra psicológica eram alvos freqüentes de fogo terrestre inimigo. Após o serviço no Vietnã, o 67-21465, foi enviado ao Centro de Armazenamento e Disposição de Aeronaves Militares (MASDC) na Base da Força Aérea Davis-Monthan, Arizona.

Em outubro de 1973, 67-21465 foi chamado para serviço ativo para voar com o 163º Tactical Air Support Group da Guarda Aérea Nacional da Califórnia. Em 1975, a 163ª TASG mudou-se para a Base Aérea de March em Riverside, Califórnia. Em 1982, 0-2B 21465 foi totalmente aposentado da USAF com um total de 4.696 horas de voo, e um caso grave de fadiga de metal e em junho de 2000, o 67-21465 foi trazido para o Programa Adopt-an-Aircraft pelo Voluntário Civil e Chefe da Equipe de Restauração de Aeronaves/Historiador Craig Clary. O 67-21465 continua a ser propriedade da USAF emprestada ao March Field Air Museum.

A guerra do Vietnã no Marc Field Air Museum

Mesmo com o sol inclemente do deserto, continuei fotografando as aeronaves no pátio externo e me deparo com a réplica de uma base americana no Vietnã, a “Fire Base Romeo Charlie. Com meio hectare adjacente ao hangar educacional do museu, a Fire Base Romeo Charlie reproduz uma Estação Operacional Avançada do Vietnã, completa com helicópteros do período: um AH-1 Cobra, dois UH- 1 Iroquois, H-21 Shawnee, H-34 Choctaw e um OH-6 Cayuse. A Base inclui um Ponto de Controle de Entrada representativo, muros defensivos com sacos de areia e barris, revestimentos e bunkers e um Centro de Operações Base construído para mostrar as condições de vida difíceis de uma Base de Fogo típica. A Torre de Controle de Voo, o caminhão de 2 ½ toneladas e os utilitários da época contribuem para a imersão do visitante no mundo da Base da era do Vietnã. Um sistema de som e iluminação adiciona profundidade sensorial à experiência.O museu criou um cenário simulando como era um acampamento onde haviam até mesmo um pequeno hangar para o pequeno Hughes OH-6 Cayuse, com direito ao som de bombas e tiros de metralhadora que não paravam um instante.

Bell AH-1F Cobra

“Nos estágios iniciais da guerra no Vietnã, os Estados Unidos enfrentaram um inimigo comprometido, qualificado nas táticas de guerra irregular. Treinados para evitar o poder esmagador das forças convencionais, os vietcongues e o exército norte-vietnamita fundiram-se no campo, montanhas e selvas do sul sempre que uma oposição significativa ameaçava. As forças táticas dos EUA rapidamente determinaram que uma força altamente móvel, rapidamente implantável, capaz de capturar e envolver com sucesso o inimigo era crucial para derrotar um inimigo tão fluido. O conceito Airmobile, com o transporte por helicóptero como característica principal, tornou-se a solução preferida. Livres das restrições da viagem nas estradas, as forças de assalto transportadas por helicóptero poderiam infiltrar em qualquer lugar, incluindo áreas de terreno não desenvolvido ou adverso”.

Embora inicialmente bem-sucedida, a velocidade e a mobilidade das forças foram alcançadas às custas da redução severa do apoio de fogo das armas pesadas tradicionais. Sem veículos blindados e artilharia, as tropas dos EUA estavam em desvantagem. Muitas vezes, um inimigo bem preparado limitava a capacidade dos EUA de inserir e envolver, levando muitos dos combatentes comunistas a escapar. O exército dos Estados Unidos abordou a dificuldade desenvolvendo helicópteros de combate.

Tentativas iniciais para modificar o Hueys UH-1 já existente se mostraram problemáticas, já que as aeronaves pesadamente carregadas sofreram com um desempenho ruim, tornando-as incapazes de acompanhar os transportes mais leves e manobráveis. Embora o Exército assumisse que apenas um helicóptero de ataque específico serviria, a Bell Corporation acreditava que uma modificação na estrutura da aeronave utilizando os componentes comprovados operacionalmente e testados em batalha do UH-1 forneceria uma resposta mais rápida. Combinando o sistema de rotor 540 do UH-1, motor T53, transmissão e rotor de cauda com uma fuselagem elegante e aparada e um cockpit de dois homens, Bell criou um design de protótipo do Bell 209. No início de 1966, o Bell 209 foi adotado. como o AH-1G Huey Cobra. “A” indicando Attack e a designação “G” mostrando que Bell acreditava que o Cobra era simplesmente uma modificação do design UH-1 Huey. Em combate, o AH-1 Cobra provou ser uma aeronave excepcionalmente manobrável e mortal para escolta e apoio de fogo.

Aproveitando as novas capacidades de helicópteros de ataque, o Exército formou equipes “Hunter-Killer”, consistindo de helicópteros AH-1 Cobra e OH-6 Scout. Usando o OH-6 como isca, os soldados inimigos eram incitados a atirar nos Scouts, permitindo que os AH-1s identificassem e destruíssem suas posições. Mais de 1.100 AH-1s foram entregues antes que a ativa participação dos EUA no Vietnã terminasse em 1973. Passando por uma série de modificações em motores, armamentos e aviônicos, o Cobra serviu durante a Guerra do Golfo antes de se aposentar oficialmente em 2001.

O AH-1F do March Field Air Museum s/n 69-16416 “Sweet Sixteen” está sob empréstimo do US Army. A aeronave é uma veterana de serviço ativo no Vietnã e na Guerra do Golfo. Este AH-1F foi carinhosamente apelidado por sua tripulação da Guerra do Golfo em deferência aos dois últimos dígitos de seu número de série e o fato notável que nunca havia sido atingido pelo fogo inimigo, apesar de sua considerável experiência de combate. Transportado por um USAF C-17, o “Sweet Sixteen” chegou em 2005 à Marana Air Base, AZ.

Hughes OH-6A Cayuse

O Hughes OH-6A Scout foi projetado para uso como um batedor militar durante a guerra do Vietnã afim de atender à necessidade do Exército dos EUA de um helicóptero de observação leve extremamente manobrável. Inicialmente implantado no Vietnã no início de 1968, o Hughes OH-6A foi usado para comando e controle, observação, aquisição de alvos e reconhecimento. O Cayuse era orgânico para unidades de tamanho de divisão, brigada e batalhão. O “ovo voador” em forma de lágrima de quatro passageiros (seis passageiros com bancos traseiros dobrados para baixo) era um helicóptero pequeno, leve, robusto e manobrável com um arrasto muito baixo. O OH-6A Cayuse foi bastante eficaz quando se juntou com o helicóptero de ataque AH-1G Cobra como parte do que ficou conhecido como “Pink Teams”. O OH-6A encontraria alvos voando baixo, “trolling for fire”, e marcando o alvo com fumaça colorida para conduzir um Cobra a atacar. O OH-6A era movido por um único motor turboalimentado Allison T63-A-5A 285 shp e tinha uma velocidade de cruzeiro de 144 mph (125 knots).

Este helicóptero OH-6A, número de série 68-17252, foi construído por Hughes e entregue ao Exército dos Estados Unidos em 1969 para a 25ª Infantaria no Vietnã. Em 1971, foi designado para o 1º da 9ª tropa de Cav “C” Charlie, no Vietnã. Retornou mais tarde em 1971 depois de acumular aproximadamente 1.340 horas de combate.

Durante este tempo foi abatido 4 vezes e teve 2 acidentes sem combate. Foi consertado e a partir de 1988, ainda estava voando na  New York Army Guard. Foi doado ao museu em 5 de março de 2001 pelo Departamento de Xerife do Condado de Riverside. Este helicóptero possui um histórico raro e é uma adição orgulhosa para a coleção do museu. Sua restauração foi concluída em 2004. Ele está nas cores do 1º/9º/C, a última unidade a voar em combate. Este passarinho também foi membro da Equipe de Demonstração Silver Eagles. Sua baixa ocorreu em 1973, após o Vietnã, para a USAAPDT (Equipe de Demonstração de Desempenho da Aviação do Exército Americano), Ft Rucker.

Continua em: DAN visitou o March Field Air Museum na Califórnia – 4ª Parte



 

1 Comment

 

  1. 24/03/2018  20:11 by Luciano Andrade Responder

    Todas essas aeronaves tem histórias incríveis, mas ao ver as imagens do C-141 me veio a mente uma foto que vi há anos numa revista de aviação de quando eles extenderam a fuselagem não cabiam mais no hangar ( não sei se em um ou em vários ), então tiveram que fazer um 'recorte' na porta deste ficando c/ parte de cauda p/ fora, ao tempo.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.